Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 29
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Arq. bras. cardiol ; 113(3 supl.2): 5-5, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1023688

RESUMO

INTRODUÇÃO: Aprimorar a terapêutica da insuficiência cardíaca (IC) é desafio contínuo. O desenvolvimento do fármaco sacubitril-valsartana (SV) e sua utilização na prática diária apresentou resultados promissores através de resultados iniciais positivos na redução de mortalidade e reinternação hospitalar. Neste sentido, a mensuração efetiva das respostas cardiometabólicas (CM) em diversas etiologias da IC utilizando o Teste Cardiopulmonar de Exercício (TCPE) torna-se imprescindível para analisar a eficácia do tratamento farmacológico a nível metabólico. OBJETIVO: Analisar as respostas CM ao uso de SV em pacientes portadores de IC avançada através do TCPE e possibilitar avaliação funcional e prognóstica individualizada. MÉTODOS: Coorte de pacientes que iniciaram uso de SV durante acompanhamento ambulatorial de IC avançada. Os pacientes incluídos eram portadores de diversas etiologias de IC (Isquêmica, Chagásica, Valvar, Idiopática e outras) e foram avaliados com TCPE antes e após 8 ± 4,3 meses do início da terapia com SV. Analisados parâmetros clínicos (Classe Funcional (CF) ­ NYHA), CM através do VO2 pico, % do VO2 máx predito, Eficiência Metabólica (OUES), Tempo de queda do VO2 (T1/2) além da eficiência ventilatória (VE/ VCO2 slope). RESULTADOS: Nesse estudo inicial com 8 pacientes, 50% apresentavamse em CF III da NYHA e 75% evoluíram com melhora da CF enquanto os 25% restantes pioraram. Houve tendência a melhor eficiência metabólica (OUES) e redução do T1/2 (p>0,05), além de acréscimo significativo do VO2 pico de 20,63 ± 4,6 para 23,22 ± 5,65 (p=0,012). A relação VE/VCO2 slope tendeu a redução de 36,8 ± 4,9 para 34,0 ± 8,3 (p>0,05). CONCLUSÕES: A terapia com SV promoveu redução expressiva da CF e incremento significativo na potência aeróbica (VO2 pico) em pacientes com IC CF II/III. Houve tendência à melhora da eficiência metabólica e ventilatória no grupo estudado. Os portadores de miocardiopatia chagásica deste grupo não obtiveram melhora de CF. O TCPE foi ferramenta fundamental na avaliação funcional, resposta terapêutica e prognóstica de pacientes com IC avançada de diversas etiologias. (AU)


Assuntos
Humanos , Transplante , Cuidados Pré-Operatórios , Insuficiência Cardíaca/tratamento farmacológico
2.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 251-251, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1021277

RESUMO

INTRODUÇÃO: A busca na melhoria da terapêutica da insuficiência cardíaca (IC) é desafio contínuo. Assim, novos fármacos, como o sacubitril-valsartana (SV), surgiram com indícios promissores através de resultados iniciais positivos na redução de mortalidade e reinternação hospitalar. Neste sentido, a mensuração efetiva das respostas cardiometabólicas (CM) torna-se imprescindível na sedimentação desse tratamento farmacológico e de sua análise em diversas etiologias da síndrome da IC. OBJETIVO: Analisar as respostas CM ao uso de SV em pacientes portadores de IC avançada através do teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) e possibilitar avaliação funcional e prognóstica individualizada. MÉTODOS: Coorte de pacientes que iniciaram uso de SV durante acompanhamento ambulatorial de IC. Incluídos os pacientes avaliados com TCPE antes e após 8 ± 4,3 meses do início da terapia com SV em diversas etiologias da IC: Isquêmica, Chagásica, Valvar, Idiopática e outras. Analisados parâmetros clínicos (Classe Funcional (CF) ­ NYHA), CM através do VO2 pico, % do VO2 máx predito, Eficiência Metabólica (OUES), Tempo de queda do VO2 (T1/2) além da eficiência ventilatória (VE/VCO2 slope). RESULTADOS: Nesse estudo inicial com 8 pacientes onde 50% em CF III da NYHA, 75% cursaram com melhora da CF e piora em 25%. Houve tendência a melhor eficiência metabólica (OUES) e do T1/2 (p>0,05) e acréscimo significativo do VO2pico de 20,63 ± 4,6 para 23,22 ± 5,65 (p=0,012). A relação VE/VCO2 slope tendeu a redução de 36,8 ± 4,9 para 34,0 ± 8,3 (p>0,05). CONCLUSÕES: A terapia com SV promoveu redução expressiva da CF e incremento significativo na potência aeróbica (VO2 pico) em pacientes com IC e CF II/III. Houve tendência à melhora da eficiência metabólica e ventilatória no grupo estudado. Os portadores de miocardiopatia chagásica deste grupo não obtiveram melhora de CF. O TCPE foi ferramenta fundamental na avaliação funcional e resposta terapêutica de pacientes com IC de diversas de etiologias. (AU)


Assuntos
Humanos , Doenças Cardiovasculares/metabolismo , Insuficiência Cardíaca , Valsartana
3.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 12-12, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1016865

RESUMO

INTRODUÇÃO: A curva do pulso de O2 representa o comportamento do volume sistólico frente ao esforço em diversos cenários de distúrbios cardiorrespiratórios, no entanto, tal variável ergoespirométrica ainda não foi devidamente explorada em adultos com cardiopatias congênitas (CC). A eficiência do consumo de O2, ou eficiência metabólica (OUES) é variável que permite avaliação da capacidade funcional (CF) em nível submáximo de esforço. Objetivos: Avaliar variáveis cardiometabólicas (CM), através do Teste Cardiopulmonar de Exercício (TCPE) em CC e compará-las ao grupo controle (GC). Avaliar a associação do comportamento da curva do pulso de oxigênio à função ventricular e eficiência metabólica (OUES). MÉTODOS: Coorte retrospectiva de 71 adultos com CC ao longo de 5 anos, que foram submetidos ao TCPE. Foram divididos entre cardiopatias simples (acianogênicas) e complexas (cianogênicas). As variáveis CM elencadas foram: Pulso de O2 (comportamento e delta), % do VO2 máx predito, e OUES (Eficiência metabólica) e foram comparadas ao GC, composto por adultos saudáveis pareados por idade e sexo. O comportamento da curva do Pulso de O2 e OUES foram associados com a função ventricular analisada pelo ecocardiograma e/ou ressonância magnética. RESULTADOS: As variáveis CM evidenciaram Pulso de O2 com valores anormais no grupo das CC em 35,3%, tanto no grupo das cardiopatias cianogênicas quanto nas acianogênicas e comportamento anormal (curva em platô precoce ou deprimida), através do delta pulso em 38 %...(AU)


Assuntos
Humanos , Função Ventricular , Cardiopatias Congênitas , Adulto
4.
Arq Bras Cardiol ; 111(3): 436-539, 2018 Sep.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-30379264
5.
In. Sousa, Amanda Guerra Moraes Rego; Timerman, Ari; Sousa, José Eduardo Moraes Rego. Tratado sobre doença arterial coronária. São Paulo, Atheneu, 2017. p.361-386, ilus, tab.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-35353
6.
Arq Bras Cardiol ; 107(5): 467-481, 2016 Nov.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-27982272

RESUMO

Cardiopulmonary exercise test (CPET) has been gaining importance as a method of functional assessment in Brazil and worldwide. In its most frequent applications, CPET consists in applying a gradually increasing intensity exercise until exhaustion or until the appearance of limiting symptoms and/or signs. The following parameters are measured: ventilation; oxygen consumption (VO2); carbon dioxide production (VCO2); and the other variables of conventional exercise testing. In addition, in specific situations, pulse oximetry and flow-volume loops during and after exertion are measured. The CPET provides joint data analysis that allows complete assessment of the cardiovascular, respiratory, muscular and metabolic systems during exertion, being considered gold standard for cardiorespiratory functional assessment.1-6 The CPET allows defining mechanisms related to low functional capacity that can cause symptoms, such as dyspnea, and correlate them with changes in the cardiovascular, pulmonary and skeletal muscle systems. Furthermore, it can be used to provide the prognostic assessment of patients with heart or lung diseases, and in the preoperative period, in addition to aiding in a more careful exercise prescription to healthy subjects, athletes and patients with heart or lung diseases. Similarly to CPET clinical use, its research also increases, with the publication of several scientific contributions from Brazilian researchers in high-impact journals. Therefore, this study aimed at providing a comprehensive review on the applicability of CPET to different clinical situations, in addition to serving as a practical guide for the interpretation of that test. Resumo O teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) vem ganhando importância crescente como método de avaliação funcional tanto no Brasil quanto no Mundo. Nas suas aplicações mais frequentes, o teste consiste em submeter o indivíduo a um exercício de intensidade gradativamente crescente até a exaustão ou o surgimento de sintomas e/ou sinais limitantes. Neste exame se mensura a ventilação (VE), o consumo de oxigênio (VO2), a produção de gás carbônico (VCO2) e as demais variáveis de um teste de exercício convencional. Adicionalmente, podem ser verificadas, em situações específicas, a oximetria de pulso e as alças fluxo-volume antes, durante e após o esforço. A análise integrada dos dados permite a completa avaliação dos sistemas cardiovascular, respiratório, muscular e metabólico no esforço, sendo considerado padrão-ouro na avaliação funcional cardiorrespiratória.1-6 O TCPE permite definir mecanismos relacionados à baixa capacidade funcional, os quais podem ser causadores de sintomas como a dispneia, correlacionando-os com alterações dos sistemas cardiovascular, pulmonar e musculoesquelético. Também pode ser de grande aplicabilidade na avaliação prognóstica em cardiopatas, pneumopatas e em pré-operatório, além de auxiliar na prescrição mais criteriosa do exercício em sujeitos normais, em atletas, em cardiopatas e em pneumopatas. Assim como ocorre com o uso clínico, a pesquisa nesse campo também cresce e várias contribuições científicas de pesquisadores nacionais são publicadas em periódicos de alto fator de impacto. Sendo assim, o objetivo deste documento é fornecer uma revisão ampla da aplicabilidade do TCPE nas diferentes situações clínicas, bem como servir como guia prático na interpretação desse teste propedêutico.


Assuntos
Teste de Esforço/normas , Insuficiência Cardíaca/diagnóstico , Pneumopatias/diagnóstico , Consumo de Oxigênio/fisiologia , Ventilação Pulmonar/fisiologia , Diagnóstico Diferencial , Dispneia/diagnóstico , Teste de Esforço/métodos , Insuficiência Cardíaca/fisiopatologia , Humanos , Hipertensão Pulmonar/diagnóstico , Pneumopatias/fisiopatologia , Prognóstico , Circulação Pulmonar , Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica/diagnóstico , Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica/fisiopatologia , Espirometria , Disfunção Ventricular Esquerda/fisiopatologia
7.
Arq. bras. cardiol ; 107(5): 467-481, Nov. 2016. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-827864

RESUMO

Abstract Cardiopulmonary exercise test (CPET) has been gaining importance as a method of functional assessment in Brazil and worldwide. In its most frequent applications, CPET consists in applying a gradually increasing intensity exercise until exhaustion or until the appearance of limiting symptoms and/or signs. The following parameters are measured: ventilation; oxygen consumption (VO2); carbon dioxide production (VCO2); and the other variables of conventional exercise testing. In addition, in specific situations, pulse oximetry and flow-volume loops during and after exertion are measured. The CPET provides joint data analysis that allows complete assessment of the cardiovascular, respiratory, muscular and metabolic systems during exertion, being considered gold standard for cardiorespiratory functional assessment.1-6 The CPET allows defining mechanisms related to low functional capacity that can cause symptoms, such as dyspnea, and correlate them with changes in the cardiovascular, pulmonary and skeletal muscle systems. Furthermore, it can be used to provide the prognostic assessment of patients with heart or lung diseases, and in the preoperative period, in addition to aiding in a more careful exercise prescription to healthy subjects, athletes and patients with heart or lung diseases. Similarly to CPET clinical use, its research also increases, with the publication of several scientific contributions from Brazilian researchers in high-impact journals. Therefore, this study aimed at providing a comprehensive review on the applicability of CPET to different clinical situations, in addition to serving as a practical guide for the interpretation of that test.


Resumo O teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) vem ganhando importância crescente como método de avaliação funcional tanto no Brasil quanto no Mundo. Nas suas aplicações mais frequentes, o teste consiste em submeter o indivíduo a um exercício de intensidade gradativamente crescente até a exaustão ou o surgimento de sintomas e/ou sinais limitantes. Neste exame se mensura a ventilação (VE), o consumo de oxigênio (VO2), a produção de gás carbônico (VCO2) e as demais variáveis de um teste de exercício convencional. Adicionalmente, podem ser verificadas, em situações específicas, a oximetria de pulso e as alças fluxo-volume antes, durante e após o esforço. A análise integrada dos dados permite a completa avaliação dos sistemas cardiovascular, respiratório, muscular e metabólico no esforço, sendo considerado padrão-ouro na avaliação funcional cardiorrespiratória.1-6 O TCPE permite definir mecanismos relacionados à baixa capacidade funcional, os quais podem ser causadores de sintomas como a dispneia, correlacionando-os com alterações dos sistemas cardiovascular, pulmonar e musculoesquelético. Também pode ser de grande aplicabilidade na avaliação prognóstica em cardiopatas, pneumopatas e em pré-operatório, além de auxiliar na prescrição mais criteriosa do exercício em sujeitos normais, em atletas, em cardiopatas e em pneumopatas. Assim como ocorre com o uso clínico, a pesquisa nesse campo também cresce e várias contribuições científicas de pesquisadores nacionais são publicadas em periódicos de alto fator de impacto. Sendo assim, o objetivo deste documento é fornecer uma revisão ampla da aplicabilidade do TCPE nas diferentes situações clínicas, bem como servir como guia prático na interpretação desse teste propedêutico.

8.
Arq. bras. cardiol ; 107(5): 467-481, 2016.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-34661

RESUMO

Cardiopulmonary exercise test (CPET) has been gaining importance as a method of functional assessment in Brazil and worldwide. In its most frequent applications, CPET consists in applying a gradually increasing intensity exercise until exhaustion or until the appearance of limiting symptoms and/or signs. The following parameters are measured: ventilation; oxygen consumption (VO2); carbon dioxide production (VCO2); and the other variables of conventional exercise testing. In addition, in specific situations, pulse oximetry and flow-volume loops during and after exertion are measured. The CPET provides joint data analysis that allows complete assessment of the cardiovascular, respiratory, muscular and metabolic systems during exertion, being considered gold standard for cardiorespiratory functional assessment.1-6 The CPET allows defining mechanisms related to low functional capacity that can cause symptoms, such as dyspnea, and correlate them with changes in the cardiovascular, pulmonary and skeletal muscle systems. Furthermore, it can be used to provide the prognostic assessment of patients with heart or lung diseases, and in the preoperative period, in addition to aiding in a more careful exercise prescription to healthy subjects, athletes and patients with heart or lung diseases...(AU)


Assuntos
Teste de Esforço , Consumo de Oxigênio , Pulmão
9.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de São Paulo ; 25(3): 93-97, 2015. tab, graf
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-32409

RESUMO

Objetivos: Verificar a distância do teste de caminhada de seis minutos (TC6) em pacientes após infarto agudo do miocárdio (IAM) não complicado, comparar variáveis do teste ergométrico (TE) com do TC6 e verificar quais influenciaram no TC6. Métodos: Incluímos 61 pacientes com IAM não complicado, 47 homens (78,7%), 56,38 ± 9,98 anos. O TE foi realizado após quatro a cinco dias de IAM e, um a dois dias após O TE foi realizado após quatro a cinco dias de IAM e, um a dois dias após o TE, os pacientes foram submetidos ao TC6. Utilizamos teste t de Student ou ilcoxon, correlação de Pearson ou Spearman e análise de covariância. P<0,05. Resultados: Todos os pacientes realizaram o TC6 sem complicações. A distância no TC6 foi 451,54 ± 88,30 m, consumo de oxigênio estimado pelo TE = 25,66 ± 8,78 ml/Kg/min e uma correlação fraca entre eles (r=0,353; p=0,006). Verificou-se redução da metragem com o aumento da idade (p=0,009), aumento do índice de massa corpórea (p=0,045) e sexo feminino (p < 0,001) na distância média do TC6. A frequência cardíaca e pressão arterial sistólica pico médias foram maiores no TE do que no TC6. Na recuperação, estes valores retornaram mais próximos aos valores basais no TC6 do que no TE, exceto para a pressão diastólica. Conclusão: O sexo, a idade e índice de massa corpórea influenciaram na distância média do TC6. As respostas cardiovasculares do TC6 foram menos intensas do que TE nos pacientes estudados. (AU)


Assuntos
Infarto do Miocárdio , Teste de Esforço , Caminhada
10.
In. Timerman, Ari; Sousa, Amanda Guerra de Moraes Rego; Fragata Filho, Abilio Augusto; Armaganijan, Dikran; Bertolami, Marcelo Chiara; Meneghelo, Romeu Sergio. Condutas terapêuticas do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. São Paulo, Atheneu, 2 ed; 2014. p.945-958, ilus, tab.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-30784
11.
In. Sousa, Amanda Guerra de Moraes Rego; Fuchs, Angela Rúbia Cavalcante Neves. Educação física e reabilitação cardiovascular. São Paulo, Atheneu, 2013. p.22-34, graf.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-26326
13.
In. Sousa, Amanda GMR; Piegas, Leopoldo S; Sousa, J Eduardo M. Nova série monografia Dante Pazzanese Fundação Adib Jatene. Rio de Janeiro, Elsevier, 2010. p.335-381. (Nova série monográficas Dante Pazzanese Fundação Adib Jatene).
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-16554

RESUMO

O teste cardiopulmonar tem-se firmado como método diagnóstico e prognóstico eficaz nas cardiopatias em geral, tendo como vantagem, com relação à ergometria convencional, a possibilidade de análise dos gases expirados e, principalmente, a detecção da isquemia miocárdicaem fases mais precoces do estresse físico. Há décadas, o teste de cardiopulmonar é utilizado para estratificação de pacientes com insuficiência cardíaca, candidatos a transplante cardíaco, no diagnóstico diferencial de dispneia, na prescrição de exercício em programas de reabilitação cardíaca e, mais recentemente, como método diagnóstico da doença arterial coronariana, motivo desta monografia...(AU)


Assuntos
Doença da Artéria Coronariana , Teste de Esforço , Ergometria , Isquemia
14.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 19(3): 455-464, jul.-set. 2009. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-538343

RESUMO

O teste cardiopulmonar é hoje exame complementar quase que obrigatório, quando disponível, de pacientes com insuficiência cardíaca. Ele permite estabelecer o prognóstico, avaliar a terapêutica e orientar a indicação correta de transplantes cardíacos. Além do consumo pico de oxigênio, a relação ventilação/produção de gás carbônico é outra variável de grande destaque nessa síndrome. Com as duas pode-se tomar condutas de modo mais objetivo se são consideradas condições peculiares dos pacientes, como intensidade do exercício utilizado, presença ou não de medicação otimizada, uso de betabloqueadores e índice de massa corporal. Na insuficiência coronária, o comportamento do pulso de oxigênio é a variável mais importante para identificar modificações do volume sistólico que acontece quando da vigência de isquemia miocárdica, permitindo um diagnóstico mais acurado em relação às variáveis tradicionais do teste ergométrico convencional.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Doença das Coronárias , Insuficiência Cardíaca/diagnóstico , Consumo de Oxigênio/fisiologia
15.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de São Paulo ; 19(03): 455-464, julho setembro 2009.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-17829

RESUMO

O teste cardiopulmonar é hoje exame complementar quase que obrigatório, quando disponível, de pacientes com insuficiência cardíaca. Ele permite estabelecer o prognóstico, avaliar a terapêutica e orientar a indicação correta de transplantes cardíacos. Além do consumo pico de oxigênio, a relação ventilação/produção de gás carbônico é outra variável de grande destaque nessa síndrome. Com as duas pode-se tomar condutas de modo mais objetivo se são consideradas condições peculiares dos pacientes, como intensidade do exercício utilizado, presença ou não de medicação otimizada, uso de betabloqueadores e índice de massa corporal. Na insuficiência coronária, o comportamento do pulso de oxigênio é a variável mais importante para identificar modificações do volume sistólico que acontece quando da vigência de isquemia miocárdica, permitindo um diagnóstico mais acurado em relação às variáveis tradicionais do teste ergométrico convencional.(AU)


Assuntos
Insuficiência Cardíaca , Consumo de Oxigênio , Vasos Coronários
16.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 18(1): 23-36, jan.-mar 2008. ilus, graf, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-483565

RESUMO

A insuficiência cardíaca avançada não é uma doença crdíaca isolada, mas uma síndrome complexa que envolvve múltiplos mecanismos neuro-humorais compensatórios. As manifestações periféricas da doença, como disfunção endotelial, atrofia muscular esquelética, alterações do fluxo sanguíneo periférico e distúrbios no controle ventilatório , são determinantes maiores que resultam em sintomas como dispnéia e fadiga, gerando intolerância ao exercício. Nos últimos anos. o exercício físico regular tem sido fortemente recomendado como ferramenta importante no tratamento não-farmacológico da insuficiência cardíaca e é consenso que não causa nenhum efeito deletério, melhorando a capacidade funcional, a qualidade de vida, a função endotelial, a capacidade muscular oxidativa, o nível plasmático de catecolaminas, o balanço autonômico e a resposta ventilatória. Ainda não está claro se o exercício tem efeito favorável na morbidade e na mnortalidade, contudo vários estudos randomizados pequenos têm demonstrado redução da mortalidade e da hospitalização. O HF-ACTION, um estudo multicêntrico, prospectivo e randomizado, em que 3 mil pacientes estão sendo seguidos durante dois anos, deverá ser concluído no final de 2008, e cuja hipótese primária é que o treinamento físico pode reduzir a mortalidade...


Assuntos
Humanos , Idoso , Exercício/fisiologia , Insuficiência Cardíaca/complicações , Insuficiência Cardíaca/mortalidade , Músculo Esquelético/fisiologia , Doenças Cardiovasculares/complicações , Doenças Cardiovasculares/diagnóstico
17.
In. Serrano Jr, Carlos V; Timeramn, Ari; Stefanini, Edson; Serrano Jr, Carlos V. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. BrasilTimeramn, Ari. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. BrasilStefanini, Edson. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Brasil. Tratado de Cardiologia SOCESP. São Paulo, Manole, 2 ed; 2009. p.265-289, ilus.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-8593

RESUMO

O teste ergométrico é o exame não-invasivo de melhor relação custo-efetividade em nosso meio e pode ser utilizado praticamente em todas as cardiopatias diagnosticadas ou quando delas se suspeita. Aplicando-se um esforço físico crescente e padronizado ao indivíduo em bicicleta ergométrica ou esteira rolante, com monitorização eletrocardiográfica contínua, pode se observar o comportamento de variáveis que representam desempenho do organismo visando o suprimento de oxigênio e substratos energéticos aos músculos que se exercitam. A resposta normal caracteriza-se pela ausência de sintomas, a não ser o cansaço gradativo, e uma elevação gradual da freqüência cardíaca e da pressão arterial sistólica, sem aumento da diastólica e sem alterações eletrocardiográficas.(AU)


Assuntos
Eletrocardiografia , Teste de Esforço , Frequência Cardíaca , Teste de Esforço/métodos
18.
In. Fonseca, Francisco Antônio Helfestein; Fonseca, Francisco Antônio Helfestein, d. Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Medicina, Disciplina de Cardiologia. Brasil. Doenças Cardiovasculares: apoio ao diagnóstico. São Paulo, Planmark, 2007. p.304-320, ilus.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-7972
19.
In. Piegas, Leopoldo S; Armaganijan, Dikran; Timerman, Ari; Piegas, Leopoldo S, d. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. BrasilArmaganijan, Dikran, d. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. BrasilTimerman, Ari, d. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Brasil. Condutas terapêuticas do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. São Paulo, Atheneu, 2006. p.761-771, tab.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-5818

RESUMO

Nas útimas décadas temos assistido a um declínio significativo na insidência de infarto do miocárdio, decorrente dos avanços nas estratégias clínicas e intervencionistas para abordagem da doença arterial coronariana (DAC). Paradoxalmente este fato tem sido acompanhado de aumento da prevalência da insuficiência cardíaca crônica (ICC), secundária a disfunção ventricular esquerda (DVE). Em parte, isso se deve a maior longevidade da população, aumento da sobrevida na DAC e melhor manejo farmacológico da hipertensão arterial sistêmica e dislipidemias, culminando em aumento da incidência de ICC, que hoje constitui a maior causa de internação...(AU)


Assuntos
Humanos , Insuficiência Cardíaca/reabilitação , Dinâmica Populacional , Exercício/fisiologia
20.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 15(2): 143-151, mar.-abr. 2005. graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-426222

RESUMO

A insuficiência cardíaca é uma síndrome complexa de prognóstico sombrio. É associada a limitação a limitação física mesmo com medidas terapêuticas adequadas. Um dos principais sintomas é a limitação da capacidade funcional, com dispnéia aos esforçoss. Atribuem-se diversas causas, como vasoconstrição, disfunção endotelial e anormalidade da musculatura esquelética, além da disfunção ventricular. O treinamento físico torna-se uma opção de tratamento adequdo, não farmacológico, visando a melhorar a respiração do paciente sem causar dano ao músculo cardíaco.


Assuntos
Adulto , Masculino , Feminino , Humanos , Atividade Motora/fisiologia , Exercício/fisiologia , Insuficiência Cardíaca/complicações
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA