Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 39
Filtrar
1.
Saude e pesqui. (Impr.) ; 13(3): 583-592, jul.-set. 2020.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1140465

RESUMO

O objetivo deste trabalho é estimar a frequência de estresse entre professores e verificar sua associação com variáveis sociodemográficas, características de trabalho e estado nutricional. Trata-se de estudo transversal com 84 professores da área de Ciências Humanas e Naturais, através dos instrumentos: IPAQ abreviado, escala demanda-controle de Karasek e Theorel e Job Stress Scale. O estado nutricional foi definido pelo Índice de Massa Corporal (IMC), o estado de saúde e as características de trabalho foram autorreferidas. Observou-se que 64,3% dos docentes apresentaram baixos níveis de estresse. Embora a prevalência encontrada seja menor do que em outros estudos, 35,7% mostraram alto estresse e trabalho passivo (n = 30). Dentre os estressores, destacam-se os deveres administrativos (p = 0,012) e o tempo exercendo o cargo administrativo (p = 0,024). O excesso de peso predominou na amostra. Diante disso, é fundamental repensar o modelo de gestão dessas instituições de modo a não prejudicar a saúde e atuação do profissional do ensino superior.


To estimate the frequency of stress among professors and to check its association with sociodemographic variables, work characteristics and nutritional status. Cross-sectional study with 84 professors from the Human and Natural Sciences area, using the instruments: abbreviated IPAQ, Karasek and Theorell and Job Stress Scale demand-control scales. Nutritional status was defined by Body Mass Index (BMI), health status and work characteristics were selfreported. It was observed that 64.3% professors had low stress levels. Although the prevalence found is lower than in other studies, 35.7% showed high stress and passive work (n = 30). Among the stressors, we highlight the administrative duties (p = 0.012) and the time exercising the administrative position (p = 0.024). Overweight predominated in the sample. It is essential to rethink the management model of these institutions so as not to damage the health and performance of higher education professionals.

3.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 30(2 Suppl. B): 148-148, abr-jun., 2020.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1116993

RESUMO

INTRODUÇÃO: A curva do pulso de O2 representa o comportamento do volume sistólico frente ao esforço em diversos cenários de distúrbios cardiorrespiratórios, no entanto, tal variável ergoespirométrica ainda não foi devidamente explorada em adultos com cardiopatias congênitas (CC). A eficiência do consumo de O2 (OUES) é variável que permite avaliação da capacidade funcional (CF) em nível submáximo de esforço. O VE/VCO2 slope é variável bem consolidada na literatura e que representa a eficiência respiratória. OBJETIVOS: Avaliar variáveis cardiometabólicas (CM) e respiratórias, através do Teste Cardiopulmonar de Exercício (TCPE) em CC e compará-las ao grupo controle (GC). Avaliar a associação do comportamento da curva do pulso de oxigênio à função ventricular, eficiência metabólica (OUES) e ao VE/VCO2 slope. MÉTODOS: Coorte retrospectiva de 71 adultos com CC ao longo de 5 anos, que foram submetidos ao TCPE. Foram divididos entre cardiopatias acianogênicas e cianogênicas. As variáveis CM elencadas foram: Pulso de O2 (comportamento e delta) e OUES, a variável respiratória estudada foi o VE/VCO2 slope, e foram comparadas ao GC, composto por adultos saudáveis pareados por idade e sexo. O comportamento da curva do Pulso de O2, OUES e VE/VCO2 slope foram associados com a função ventricular analisada pelo ecocardiograma. RESULTADOS: As variáveis CM evidenciaram Pulso de O2 com valores anormais (% predito) no grupo das CC em 35% e comportamento anormal (curva em platô precoce ou deprimida), através do delta pulso em 38%. O delta do pulso de O2 foi normal em 91% do GC, e em 62% nas CC (p<0,01). A OUES evidenciou valores significativamente maiores em dados absolutos e por Kg no grupo controle em comparação aos com CC. O VE/VCO2 slope teve valores anormais em 31% do grupo das CC e em 6% no GC. Houve associação (através do qui quadrado e teste exato de Fischer) entre o comportamento normal do pulso de O2 com a função ventricular e com a eficiência metabólica (OUES) em ambos os grupos. Houve associação entre o VE/VCO2 slope e a função ventricular. CONCLUSÕES: A curva do pulso de O2, a OUES e o VE/VCO2 slope foram associadas à função ventricular, representando uma análise dinâmica das variáveis CM e respiratórias, auxiliando na análise da CF de adultos com CC mesmo em níveis submáximos de exercício. Não houve diferença entre os valores das variáveis entre os grupos de cardiopatias acianogênicas e cianogênicas.


Assuntos
Adulto , Comportamento , Função Ventricular , Cardiopatias Congênitas
4.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 30(2 Suppl. B): 151-151, abr-jun., 2020.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1116969

RESUMO

INTRODUÇÃO: O bloqueio completo do ramo esquerdo estresse-induzido (BCRE-EI) é um achado eletrocardiográfico pouco frequente e ainda de significado incerto. Especula-se que quando induzido pelo esforço físico durante o teste ergométrico pode estar associado com doença coronária obstrutiva. OBJETIVO: Avaliar a relação entre BCRE-EI e doença arterial coronariana obstrutiva (DAC-O) evidenciada pela presença de isquemia na cintilografia de perfusão miocárdica (cintilografia) e correlacionar com dados clínicos e epidemiológicos em pacientes acompanhados em hospital especializado. MÉTODOS: Entre agosto de 2018 e fevereiro de 2020, avaliamos 8865 pacientes consecutivos, que realizaram cintilografia sob estresse físico ou farmacológico. O desfecho, BCRE-EI, foi correlacionado com presença ou ausência de isquemia miocárdica na cintilografia e dados clínicos e epidemiológicos RESULTADOS: Nesta coorte, 22 pacientes apresentaram BRE-EI, correspondendo a 0,25% (0,16%-0,38%), com idade de 65,95 ± 10,54 anos, sendo, 12(54,50%) homens. Apresentavam diabetes 9 pacientes (40,9%), hipertensão 21 pacientes (95,50%), dislipidemia 20 pacientes (90,90%) e tabagismo ativo 7 pacientes (31,80%). Na cintilografia do grupo com BRE-EI, 9 (40,90%) foram associadas ao teste ergométrico e 13 (59,09%) ao teste farmacológico. Ocorreu isquemia miocárdica 9,1% (1,1-29,2%) 2 pacientes e carga isquêmica superior a 10% em 1 paciente (4,5%). As variáveis quantitativas foram expressas pela média e desvio padrão e as variáveis qualitativas foram expressas pela frequência absoluta (n) e porcentagem. Foi calculado um intervalo de confiança de 95% para prevalência de BCRE-EI na cintilografia e de isquemia neste grupo. CONCLUSÃO: O BRE-EI foi um achado clínico raro, exibindo baixa relação com isquemia miocárdica. Este grupo apresentou alta prevalência de hipertensão e dislipidemia.


Assuntos
Bloqueio de Ramo , Ecocardiografia sob Estresse
5.
Rev. bras. med. esporte ; 26(2): 117-121, Mar.-Apr. 2020. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1092645

RESUMO

ABSTRACT Introduction: Studies of sedentary behavior in the workplace, where conditions represent a health risk, mainly involving levels of physical activity and health of police officers, have increased in several countries around the world. Objective The objective of this study was to compare the physical activity levels, sedentary behavior and health risks of military police officers involved in overt and specialized patrolling. Methods: A total of 146 military police officers involved in overt and specialized patrolling were assessed, and anthropometric data were collected for body mass - kg; height - m; BMI - kg/ m²; waist-hip ratio (WHR) and fat percentage. Physical activity and inactivity levels were determined using the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ), short version 8, with statistical analysis (t-Test, Mann-Whitney U test and Chi-squared test, p≤0.05). Results: The mean time of physical activity - overt patrolling (108.33 ± 92.60 min/week) and specialized patrolling (137.11 ± 90.30 min/week) totaled an overall mean of 122.72 ± 91.94 min/week, p≤0.05; and time seated - overt patrolling (391.27 ± 192.90 min/week) had 30.1% of insufficiently active participants, while specialized patrolling was 319.41 ± 123.10 min/week with 17.1% of insufficiently active participants, with a total mean of 312.00 ± 112.30 min/week and 47.3% of insufficiently active participants. Active police officers are one-third less likely to develop health risk than inactive police officers (OR = 0.3, CI = 0.18-0.67). Overt patrol police officers are 3.6 more likely to develop health risk than specialized patrol police officers due to sedentary behavior (OR = 3.6, CI = 1.48-8.75). Conclusion: Both groups of military police officers have lower than recommended physical activity levels and spend most of their time seated. It was also noted that the variables of overt patrol police officers have indicators that are more detrimental to health than specialized patrol officers, yet both occupational groups should be instructed on how to adopt active and healthy lifestyles. Level of evidence II; Prognostic studies-Investigation of the effect of patient characteristics on disease outcome.


RESUMO Introdução: Estudos sobre o comportamento sedentário no ambiente laboral, cujas condições são de risco à saúde, principalmente, envolvendo níveis de atividade física e saúde de policiais, aumentaram em diversos países do mundo. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi comparar os níveis de atividade física, o comportamento sedentário e os riscos à saúde de policiais militares do patrulhamento ostensivo e do especializado. Métodos: Foram avaliados 146 policiais militares do patrulhamento ostensivo e do especializado e coletados dados antropométricos de massa corporal - kg; estatura - m; IMC - kg/m²; relação cintura/quadril (RCQ) e percentual de gordura. Os níveis de atividade e de inatividade física foram determinados pelo IPAQ, versão curta 8, com análise estatística (teste T, U de Mann-Whitney e Qui-quadrado, p≤0,05). Resultados: O tempo médio de atividade física - patrulhamento ostensivo (108,33 ± 92,60 min/sem) e do especializado (137,11 ± 90,30 min/sem) totalizou na média geral 122,72 ± 91,94 min/sem, p≤0,05; e o tempo sentado - patrulhamento ostensivo (391,27 ± 192,90 min/sem) com 30,1% de insuficientemente ativos e do especializado (319,41 ± 123,10 min/sem) com 17,1% de insuficientemente ativos, alcançando a média total de 312,00 ± 112,30 min/sem e 47,3% de insuficientemente ativos. Os policiais ativos têm um terço a menos de chance de desenvolver risco à saúde que os inativos (OR=0,3; IC=0,18-0,67). Os policiais do patrulhamento ostensivo possuem mais chances (3,6) de risco à saúde que os especializados devido ao comportamento sedentário (OR=3,6; IC=1,48-8,75). Conclusão: Ambos os grupos de policiais militares possuem níveis de atividade física abaixo do recomendado e passam a maior parte tempo na posição sentada. Observou-se também que as variáveis dos policiais do patrulhamento ostensivo possuem indicadores mais prejudiciais à saúde do que as dos especializados, entretanto, ambos os grupos ocupacionais devem ser orientados sobre adoção de estilos de vida ativo e saudável. Nível de evidência II; Estudos prognósticos-Investigação do efeito de característica de um paciente sobre o desfecho da doença.


RESUMEN Introducción: Los estudios sobre el comportamiento sedentario en el ambiente laboral, cuyas condiciones son de riesgo a la salud, principalmente involucrando niveles de actividad física y salud de policías aumentaron en diversos países del mundo. Objetivo: El objetivo del presente estudio fue comparar los niveles de actividad física, el comportamiento sedentario y los riesgos para la salud de policías militares de la ronda ostensiva y especializada. Métodos: Fueron evaluados 146 policías militares de la ronda ostensiva y especializada y colectados datos antropométricos de la masa corporal - kg; estatura - m; IMC - kg/m²; relación cintura/cadera (RCQ) y porcentaje de grasa. Los niveles de actividad e inactividad física fueron determinados por IPAQ, versión corta 8, con análisis estadístico (test T, U de Mann-Whitney y Chi-cuadrado, p≤0,05). Resultados: El tiempo promedio de actividad física - ronda ostensiva (108,33 ± 92,60 min/sem) y de la especializada (137,11 ± 90,30 min/sem), totalizó en el promedio general 122,72 ± 91,94 min/sem, p≤0,05; y el tiempo sentado - ronda ostensiva (391,27 ± 192,90 min/sem) con 30,1% de insuficientemente activos y de la especializada (319,41 ± 123,10 min/sem) con 17,1% de insuficientemente activos, alcanzando el promedio total de 312,00 ± 112,30 min/sem y 47,3% de insuficientemente activos. Los policías activos tienen un tercio menos de probabilidad de desarrollar riesgo a la salud que los policías inactivos (OR=0,3, IC=0,18-0,67). Los policías de la ronda ostensiva poseen más chances (3,6) de riesgo a la salud que los especializados debido al comportamiento sedentario (OR=3,6, IC=1,48-8,75). Conclusión: Ambos grupos de policías militares poseen niveles de actividad física por debajo de lo recomendado y pasan la mayor parte del tiempo sentados. Se observó también que las variables de los policías de la ronda ostensiva poseen indicadores más nocivos para la salud que los especializados, entretanto, ambos grupos ocupacionales deben ser orientados sobre la adopción de estilos de vida activos y saludables. Nivel de evidencia II; Estudios pronósticos-Investigación del efecto de característica de un paciente sobre el desenlace de la enfermedad.

6.
Clinics (Sao Paulo) ; 75: e1272, 2020.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31939556

RESUMO

OBJECTIVES: This study aimed to verify the influence of Tai-Geiko on the physical and functional aspects of people with multiple sclerosis (MS). METHODS: This was a parallel-group, randomized trial with two arms. People with MS were allocated to an experimental group (EG) (n=10) and control group (CG) (n=09). The participants received multidisciplinary care supervised by a physiotherapist in the Tai-Geiko exercise. Participants underwent the assessments after the intervention. The Expanded Disability Status Scale (EDSS-maximum score of 6.0), strength test (kgf) using a dynamometer, Timed Up and Go mobility test (TUG), and stabilometric balance test (Platform EMG system®) were evaluated. Demographic data were recorded, including age, sex, comorbidities, lifestyle and classification of MS. Clinical Trials (ReBeC): RBR-4sty47. RESULTS: The EG group improved in 12 variables, and the CG improved in 3 variables. The following values were obtained for pre/postintervention, respectively: EG: lumbar force (38/52 kgf), TUG (11/9 s), locomotion velocity (519/393 ms); double task two (53/39 s); platform stabilometric trajectory: traversed get up (39/26 s) and sit (45/29 s); anteroposterior (AP) amplitude rise (11/8 cm) and sit (12.40/9.94 cm) and anteroposterior frequency rise (1.00/1.56 Hz) and sit (0.8/1.25 Hz) (p<0.05); CG: right-hand grip force (26/29 kgf); TUG (9.8 /8.7 s) and AP (11.84 /9.53 cm) stabilometric amplitude at the sitting moment (p<0.05), (3.2/5.99 Hz, p=0.01) and sit (3.47/5.01 Hz, p=0.04). CONCLUSION: Tai-Geiko practice can be suggested as complementary exercise in the rehabilitation of persons with MS.


Assuntos
Exercício Físico , Esclerose Múltipla/terapia , Força Muscular/fisiologia , Equilíbrio Postural/fisiologia , Comorbidade , Terapia por Exercício , Feminino , Força da Mão , Humanos , Masculino , Esclerose Múltipla/fisiopatologia , Esclerose Múltipla/reabilitação , Modalidades de Fisioterapia , Resultado do Tratamento
7.
Clinics ; 75: e1272, 2020. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1089603

RESUMO

OBJECTIVES: This study aimed to verify the influence of Tai-Geiko on the physical and functional aspects of people with multiple sclerosis (MS). METHODS: This was a parallel-group, randomized trial with two arms. People with MS were allocated to an experimental group (EG) (n=10) and control group (CG) (n=09). The participants received multidisciplinary care supervised by a physiotherapist in the Tai-Geiko exercise. Participants underwent the assessments after the intervention. The Expanded Disability Status Scale (EDSS-maximum score of 6.0), strength test (kgf) using a dynamometer, Timed Up and Go mobility test (TUG), and stabilometric balance test (Platform EMG system®) were evaluated. Demographic data were recorded, including age, sex, comorbidities, lifestyle and classification of MS. Clinical Trials (ReBeC): RBR-4sty47. RESULTS: The EG group improved in 12 variables, and the CG improved in 3 variables. The following values were obtained for pre/postintervention, respectively: EG: lumbar force (38/52 kgf), TUG (11/9 s), locomotion velocity (519/393 ms); double task two (53/39 s); platform stabilometric trajectory: traversed get up (39/26 s) and sit (45/29 s); anteroposterior (AP) amplitude rise (11/8 cm) and sit (12.40/9.94 cm) and anteroposterior frequency rise (1.00/1.56 Hz) and sit (0.8/1.25 Hz) (p<0.05); CG: right-hand grip force (26/29 kgf); TUG (9.8 /8.7 s) and AP (11.84 /9.53 cm) stabilometric amplitude at the sitting moment (p<0.05), (3.2/5.99 Hz, p=0.01) and sit (3.47/5.01 Hz, p=0.04). CONCLUSION: Tai-Geiko practice can be suggested as complementary exercise in the rehabilitation of persons with MS.

8.
Clinics ; 75: e1272, 2020. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1055885

RESUMO

OBJECTIVES: This study aimed to verify the influence of Tai-Geiko on the physical and functional aspects of people with multiple sclerosis (MS). METHODS: This was a parallel-group, randomized trial with two arms. People with MS were allocated to an experimental group (EG) (n=10) and control group (CG) (n=09). The participants received multidisciplinary care supervised by a physiotherapist in the Tai-Geiko exercise. Participants underwent the assessments after the intervention. The Expanded Disability Status Scale (EDSS-maximum score of 6.0), strength test (kgf) using a dynamometer, Timed Up and Go mobility test (TUG), and stabilometric balance test (Platform EMG system®) were evaluated. Demographic data were recorded, including age, sex, comorbidities, lifestyle and classification of MS. Clinical Trials (ReBeC): RBR-4sty47. RESULTS: The EG group improved in 12 variables, and the CG improved in 3 variables. The following values were obtained for pre/postintervention, respectively: EG: lumbar force (38/52 kgf), TUG (11/9 s), locomotion velocity (519/393 ms); double task two (53/39 s); platform stabilometric trajectory: traversed get up (39/26 s) and sit (45/29 s); anteroposterior (AP) amplitude rise (11/8 cm) and sit (12.40/9.94 cm) and anteroposterior frequency rise (1.00/1.56 Hz) and sit (0.8/1.25 Hz) (p<0.05); CG: right-hand grip force (26/29 kgf); TUG (9.8 /8.7 s) and AP (11.84 /9.53 cm) stabilometric amplitude at the sitting moment (p<0.05), (3.2/5.99 Hz, p=0.01) and sit (3.47/5.01 Hz, p=0.04). CONCLUSION: Tai-Geiko practice can be suggested as complementary exercise in the rehabilitation of persons with MS.

9.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 12-12, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1016865

RESUMO

INTRODUÇÃO: A curva do pulso de O2 representa o comportamento do volume sistólico frente ao esforço em diversos cenários de distúrbios cardiorrespiratórios, no entanto, tal variável ergoespirométrica ainda não foi devidamente explorada em adultos com cardiopatias congênitas (CC). A eficiência do consumo de O2, ou eficiência metabólica (OUES) é variável que permite avaliação da capacidade funcional (CF) em nível submáximo de esforço. Objetivos: Avaliar variáveis cardiometabólicas (CM), através do Teste Cardiopulmonar de Exercício (TCPE) em CC e compará-las ao grupo controle (GC). Avaliar a associação do comportamento da curva do pulso de oxigênio à função ventricular e eficiência metabólica (OUES). MÉTODOS: Coorte retrospectiva de 71 adultos com CC ao longo de 5 anos, que foram submetidos ao TCPE. Foram divididos entre cardiopatias simples (acianogênicas) e complexas (cianogênicas). As variáveis CM elencadas foram: Pulso de O2 (comportamento e delta), % do VO2 máx predito, e OUES (Eficiência metabólica) e foram comparadas ao GC, composto por adultos saudáveis pareados por idade e sexo. O comportamento da curva do Pulso de O2 e OUES foram associados com a função ventricular analisada pelo ecocardiograma e/ou ressonância magnética. RESULTADOS: As variáveis CM evidenciaram Pulso de O2 com valores anormais no grupo das CC em 35,3%, tanto no grupo das cardiopatias cianogênicas quanto nas acianogênicas e comportamento anormal (curva em platô precoce ou deprimida), através do delta pulso em 38 %...(AU)


Assuntos
Humanos , Função Ventricular , Cardiopatias Congênitas , Adulto
10.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 251-251, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1021277

RESUMO

INTRODUÇÃO: A busca na melhoria da terapêutica da insuficiência cardíaca (IC) é desafio contínuo. Assim, novos fármacos, como o sacubitril-valsartana (SV), surgiram com indícios promissores através de resultados iniciais positivos na redução de mortalidade e reinternação hospitalar. Neste sentido, a mensuração efetiva das respostas cardiometabólicas (CM) torna-se imprescindível na sedimentação desse tratamento farmacológico e de sua análise em diversas etiologias da síndrome da IC. OBJETIVO: Analisar as respostas CM ao uso de SV em pacientes portadores de IC avançada através do teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) e possibilitar avaliação funcional e prognóstica individualizada. MÉTODOS: Coorte de pacientes que iniciaram uso de SV durante acompanhamento ambulatorial de IC. Incluídos os pacientes avaliados com TCPE antes e após 8 ± 4,3 meses do início da terapia com SV em diversas etiologias da IC: Isquêmica, Chagásica, Valvar, Idiopática e outras. Analisados parâmetros clínicos (Classe Funcional (CF) ­ NYHA), CM através do VO2 pico, % do VO2 máx predito, Eficiência Metabólica (OUES), Tempo de queda do VO2 (T1/2) além da eficiência ventilatória (VE/VCO2 slope). RESULTADOS: Nesse estudo inicial com 8 pacientes onde 50% em CF III da NYHA, 75% cursaram com melhora da CF e piora em 25%. Houve tendência a melhor eficiência metabólica (OUES) e do T1/2 (p>0,05) e acréscimo significativo do VO2pico de 20,63 ± 4,6 para 23,22 ± 5,65 (p=0,012). A relação VE/VCO2 slope tendeu a redução de 36,8 ± 4,9 para 34,0 ± 8,3 (p>0,05). CONCLUSÕES: A terapia com SV promoveu redução expressiva da CF e incremento significativo na potência aeróbica (VO2 pico) em pacientes com IC e CF II/III. Houve tendência à melhora da eficiência metabólica e ventilatória no grupo estudado. Os portadores de miocardiopatia chagásica deste grupo não obtiveram melhora de CF. O TCPE foi ferramenta fundamental na avaliação funcional e resposta terapêutica de pacientes com IC de diversas de etiologias. (AU)


Assuntos
Humanos , Doenças Cardiovasculares/metabolismo , Insuficiência Cardíaca , Valsartana
11.
Int. j. cardiovasc. sci. (Impr.) ; 32(4): 368-373, July-Aug. 2019. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1012344

RESUMO

Cardiopulmonary exercise testing is widely used in the evaluation of patients with left ventricular dysfunction, and some of these patients have an implantable cardioverter-defibrillator (ICD). However, this test presents specific challenges because of the susceptibility to ventricular arrhythmias during maximal levels of exercise. Objective: To evaluate the safety of cardiopulmonary exercise testing in patients with ICD. Methods: The study included patients with ICD who underwent cardiopulmonary exercise testing between 2007 and 2015. The tests were completed once the electronic devices were programmed. The maximum allowed heart rate reached during exercise was 10 beats below the first therapy zone programmed. Results: The study included 69 patients with mean age 53.7 ± 10.8 years, including 68% men. Exercise time was 8.7±2.3 minutes, with peak oxygen consumption of 13.3 ± 4.3 ml.kg-1.min-1. Peak heart rate was 62.9 ± 13.4% of the maximum rate predicted, with all patients taking specific medication. Ventricular arrhythmia was observed in 29% of the patients, and paired ventricular extrasystoles, ventricular bigeminism or non-sustained ventricular tachycardia were observed in only 14.5% of the patients. There was no sustained ventricular arrhythmia resulting in ICD therapy or other complications, such as inappropriate therapies. The frequency of severe events was 0%, 95% CI (0 - 5.2%). Conclusion: In the sample of patients evaluated, the cardiopulmonary exercise testing was shown to be safe during its performance in a hospital setting, following the safety standards


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Estudos Retrospectivos , Desfibriladores Implantáveis , Teste de Esforço/métodos , Consumo de Oxigênio , Arritmias Cardíacas , Doenças Cardiovasculares , Índice de Massa Corporal , Morte Súbita Cardíaca , Eletrocardiografia/métodos , Frequência Cardíaca
12.
Arq Bras Cardiol ; 111(3): 436-539, 2018 09.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-30379264
13.
Conscientiae saúde (Impr.) ; 17(3): 356-370, set. 2018.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-965940

RESUMO

Introdução: a prática de atividade física é considerada um importante fator para prevenção e tratamento de doenças cardiometabólicas. Objetivo: realizar uma revisão sistemática acerca dos efeitos da atividade física em parâmetros cardiometabólicos de policiais. Métodos: a busca sistemática deste estudo foi conduzida por meio das bases de dados LILACS, PubMED, MEDLINE e SciELO. Resultados: foram incluídos na revisão trinta e cinco estudos que mostravam a relação entre atividade física e parâmetros cardiometabólicos desfavoráveis em policiais, indicando que a atividade ocupacional interfere na saúde devido às condições de trabalho e ao estilo de vida. Conclusão: os resultados dos estudos indicam que policiais apresentam comportamentos sedentários, presença de síndrome metabólica e riscos cardiovasculares que contribuem no desenvolvimento de doenças cardiometabólicas por múltiplos fatores.


Introduction: the practice of physical activity is considered an important factor for the prevention and treatment of cardiometabolic diseases. Objective: to carry out a systematic review about the effects of physical activity on cardiometabolic parameters of police officers. Methods: the systematic search of this study was conducted through the LILACS, PubMed, MEDLINE and SciELO databases. Results: thirty-five studies that showed the relationship between physical activity and unfavorable cardiometabolic parameters in police officers were included in the review, indicating that occupational activity exposes health due to working conditions and lifestyle. Conclusion: the results of the studies indicate that police have sedentary behaviors, presence of metabolic syndrome and cardiovascular risks that contribute to the development of cardiometabolic diseases by multiple factors.

14.
Arq. bras. cardiol ; 110(5): 467-475, May 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-950151

RESUMO

Abstract Background: Exercise training (ET) improves functional capacity in chronic heart failure (HF). However, ET effects in acute HF are unknown. Objective: To investigate the effects of ET alone or combined with noninvasive ventilation (NIV) compared with standard medical treatment during hospitalization in acute HF patients. Methods: Twenty-nine patients (systolic HF) were randomized into three groups: control (Control - only standard medical treatment); ET with placebo NIV (ET+Sham) and ET+NIV (NIV with 14 and 8 cmH2O of inspiratory and expiratory pressure, respectively). The 6MWT was performed on day 1 and day 10 of hospitalization and the ET was performed on an unloaded cycle ergometer until patients' tolerance limit (20 min or less) for eight consecutive days. For all analyses, statistical significance was set at 5% (p < 0.05). Results: None of the patients in either exercise groups had adverse events or required exercise interruption. The 6MWT distance was greater in ET+NIV (Δ120 ± 72 m) than in ET+Sham (Δ73 ± 26 m) and Control (Δ45 ± 32 m; p < 0.05). Total exercise time was greater (128 ± 10 vs. 92 ± 8 min; p < 0.05) and dyspnea was lower (3 ± 1 vs. 4 ± 1; p < 0.05) in ET+NIV than ET+Sham. The ET+NIV group had a shorter hospital stay (17 ± 10 days) than ET+Sham (23 ± 8 days) and Control (39 ± 15 days) groups (p < 0.05). Total exercise time in ET+Sham and ET+NIV had significant correlation with length of hospital stay (r = -0.75; p = 0.01). Conclusion: Exercise training in acute HF was safe, had no adverse events and, when combined with NIV, improved 6MWT and reduce dyspnea and length of stay.


Resumo Fundamento: O exercício físico melhora a capacidade funcional em pacientes com insuficiência cardíaca (IC) crônica. Entretanto, os efeitos do exercício na IC aguda são desconhecidos. Objetivo: Investigar os efeitos do exercício físico isolado ou associado à ventilação não-invasiva (VNI) em comparação ao tratamento convencional em pacientes com IC durante internação. Métodos: Vinte e nove pacientes (IC sistólica) foram randomizados em três grupos: Controle (tratamento clínico convencional); exercício com ventilação placebo (EX+Sham) e EX+VNI (VNI com 14 e 8 cmH2O de pressão inspiratória e expiratória, respectivamente).O TC6M foi realizado no primeiro e no décimo dia de internação e o exercício realizado em cicloergômetro até o limite de tolerância (20 minutos ou menos) por oito dias consecutivos. Para todas as análises, foi considerado p < 0,05 estatisticamente significante. Resultados: Nenhum paciente dos grupos EX+Sham e EX+VNI apresentou complicações ou necessitou interromper o exercício. O grupo EX+VNI apresentou melhor desempenho no TC6M (Δ120 ± 72 m) que os grupos EX+Sham (Δ73 ± 26 m) e Controle (Δ45 ± 32 m; p < 0,05). O tempo total de exercício foi maior (128 ± 10 vs. 92 ± 8 min; p < 0,05) e a dispneia menor (3 ± 1 vs. 4 ± 1; p < 0,05) no EX+VNI em relação ao EX+Sham. O grupo EX+VNI apresentou menor tempo de internação (17 ± 10 dias) comparado ao EX+Sham (23 ± 8 dias) e Controle (39 ± 15 dias; p < 0,05). O tempo total de exercício nos grupos EX+Sham e EX+VNI correlacionou-se com o tempo de internação hospitalar (r = -0,75; p = 0,01). Conclusão: O exercício físico foi seguro em pacientes com IC aguda, não houve complicações hospitalares e, quando associada à VNI, melhorou o desempenho no TC6M, dispneia e o tempo de internação.

15.
Arq Bras Cardiol ; 110(5): 467-475, 2018 May.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-29538506

RESUMO

BACKGROUND: Exercise training (ET) improves functional capacity in chronic heart failure (HF). However, ET effects in acute HF are unknown. OBJECTIVE: To investigate the effects of ET alone or combined with noninvasive ventilation (NIV) compared with standard medical treatment during hospitalization in acute HF patients. METHODS: Twenty-nine patients (systolic HF) were randomized into three groups: control (Control - only standard medical treatment); ET with placebo NIV (ET+Sham) and ET+NIV (NIV with 14 and 8 cmH2O of inspiratory and expiratory pressure, respectively). The 6MWT was performed on day 1 and day 10 of hospitalization and the ET was performed on an unloaded cycle ergometer until patients' tolerance limit (20 min or less) for eight consecutive days. For all analyses, statistical significance was set at 5% (p < 0.05). RESULTS: None of the patients in either exercise groups had adverse events or required exercise interruption. The 6MWT distance was greater in ET+NIV (Δ120 ± 72 m) than in ET+Sham (Δ73 ± 26 m) and Control (Δ45 ± 32 m; p < 0.05). Total exercise time was greater (128 ± 10 vs. 92 ± 8 min; p < 0.05) and dyspnea was lower (3 ± 1 vs. 4 ± 1; p < 0.05) in ET+NIV than ET+Sham. The ET+NIV group had a shorter hospital stay (17 ± 10 days) than ET+Sham (23 ± 8 days) and Control (39 ± 15 days) groups (p < 0.05). Total exercise time in ET+Sham and ET+NIV had significant correlation with length of hospital stay (r = -0.75; p = 0.01). CONCLUSION: Exercise training in acute HF was safe, had no adverse events and, when combined with NIV, improved 6MWT and reduce dyspnea and length of stay.


Assuntos
Terapia por Exercício/métodos , Tolerância ao Exercício , Insuficiência Cardíaca/reabilitação , Ventilação não Invasiva , Doença Aguda , Feminino , Humanos , Tempo de Internação , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Estudos Prospectivos , Resultado do Tratamento
16.
In. Sousa, Amanda Guerra Moraes Rego; Timerman, Ari; Sousa, José Eduardo Moraes Rego. Tratado sobre doença arterial coronária. São Paulo, Atheneu, 2017. p.361-386, ilus, tab.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1084727
17.
Arq Bras Cardiol ; 107(5): 467-481, 2016 Nov.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-27982272

RESUMO

Cardiopulmonary exercise test (CPET) has been gaining importance as a method of functional assessment in Brazil and worldwide. In its most frequent applications, CPET consists in applying a gradually increasing intensity exercise until exhaustion or until the appearance of limiting symptoms and/or signs. The following parameters are measured: ventilation; oxygen consumption (VO2); carbon dioxide production (VCO2); and the other variables of conventional exercise testing. In addition, in specific situations, pulse oximetry and flow-volume loops during and after exertion are measured. The CPET provides joint data analysis that allows complete assessment of the cardiovascular, respiratory, muscular and metabolic systems during exertion, being considered gold standard for cardiorespiratory functional assessment.1-6 The CPET allows defining mechanisms related to low functional capacity that can cause symptoms, such as dyspnea, and correlate them with changes in the cardiovascular, pulmonary and skeletal muscle systems. Furthermore, it can be used to provide the prognostic assessment of patients with heart or lung diseases, and in the preoperative period, in addition to aiding in a more careful exercise prescription to healthy subjects, athletes and patients with heart or lung diseases. Similarly to CPET clinical use, its research also increases, with the publication of several scientific contributions from Brazilian researchers in high-impact journals. Therefore, this study aimed at providing a comprehensive review on the applicability of CPET to different clinical situations, in addition to serving as a practical guide for the interpretation of that test. Resumo O teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) vem ganhando importância crescente como método de avaliação funcional tanto no Brasil quanto no Mundo. Nas suas aplicações mais frequentes, o teste consiste em submeter o indivíduo a um exercício de intensidade gradativamente crescente até a exaustão ou o surgimento de sintomas e/ou sinais limitantes. Neste exame se mensura a ventilação (VE), o consumo de oxigênio (VO2), a produção de gás carbônico (VCO2) e as demais variáveis de um teste de exercício convencional. Adicionalmente, podem ser verificadas, em situações específicas, a oximetria de pulso e as alças fluxo-volume antes, durante e após o esforço. A análise integrada dos dados permite a completa avaliação dos sistemas cardiovascular, respiratório, muscular e metabólico no esforço, sendo considerado padrão-ouro na avaliação funcional cardiorrespiratória.1-6 O TCPE permite definir mecanismos relacionados à baixa capacidade funcional, os quais podem ser causadores de sintomas como a dispneia, correlacionando-os com alterações dos sistemas cardiovascular, pulmonar e musculoesquelético. Também pode ser de grande aplicabilidade na avaliação prognóstica em cardiopatas, pneumopatas e em pré-operatório, além de auxiliar na prescrição mais criteriosa do exercício em sujeitos normais, em atletas, em cardiopatas e em pneumopatas. Assim como ocorre com o uso clínico, a pesquisa nesse campo também cresce e várias contribuições científicas de pesquisadores nacionais são publicadas em periódicos de alto fator de impacto. Sendo assim, o objetivo deste documento é fornecer uma revisão ampla da aplicabilidade do TCPE nas diferentes situações clínicas, bem como servir como guia prático na interpretação desse teste propedêutico.


Assuntos
Teste de Esforço/normas , Insuficiência Cardíaca/diagnóstico , Pneumopatias/diagnóstico , Consumo de Oxigênio/fisiologia , Ventilação Pulmonar/fisiologia , Diagnóstico Diferencial , Dispneia/diagnóstico , Teste de Esforço/métodos , Insuficiência Cardíaca/fisiopatologia , Humanos , Hipertensão Pulmonar/diagnóstico , Pneumopatias/fisiopatologia , Prognóstico , Circulação Pulmonar , Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica/diagnóstico , Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica/fisiopatologia , Espirometria , Disfunção Ventricular Esquerda/fisiopatologia
18.
Arq. bras. cardiol ; 107(5): 467-481, Nov. 2016. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-827864

RESUMO

Abstract Cardiopulmonary exercise test (CPET) has been gaining importance as a method of functional assessment in Brazil and worldwide. In its most frequent applications, CPET consists in applying a gradually increasing intensity exercise until exhaustion or until the appearance of limiting symptoms and/or signs. The following parameters are measured: ventilation; oxygen consumption (VO2); carbon dioxide production (VCO2); and the other variables of conventional exercise testing. In addition, in specific situations, pulse oximetry and flow-volume loops during and after exertion are measured. The CPET provides joint data analysis that allows complete assessment of the cardiovascular, respiratory, muscular and metabolic systems during exertion, being considered gold standard for cardiorespiratory functional assessment.1-6 The CPET allows defining mechanisms related to low functional capacity that can cause symptoms, such as dyspnea, and correlate them with changes in the cardiovascular, pulmonary and skeletal muscle systems. Furthermore, it can be used to provide the prognostic assessment of patients with heart or lung diseases, and in the preoperative period, in addition to aiding in a more careful exercise prescription to healthy subjects, athletes and patients with heart or lung diseases. Similarly to CPET clinical use, its research also increases, with the publication of several scientific contributions from Brazilian researchers in high-impact journals. Therefore, this study aimed at providing a comprehensive review on the applicability of CPET to different clinical situations, in addition to serving as a practical guide for the interpretation of that test.


Resumo O teste cardiopulmonar de exercício (TCPE) vem ganhando importância crescente como método de avaliação funcional tanto no Brasil quanto no Mundo. Nas suas aplicações mais frequentes, o teste consiste em submeter o indivíduo a um exercício de intensidade gradativamente crescente até a exaustão ou o surgimento de sintomas e/ou sinais limitantes. Neste exame se mensura a ventilação (VE), o consumo de oxigênio (VO2), a produção de gás carbônico (VCO2) e as demais variáveis de um teste de exercício convencional. Adicionalmente, podem ser verificadas, em situações específicas, a oximetria de pulso e as alças fluxo-volume antes, durante e após o esforço. A análise integrada dos dados permite a completa avaliação dos sistemas cardiovascular, respiratório, muscular e metabólico no esforço, sendo considerado padrão-ouro na avaliação funcional cardiorrespiratória.1-6 O TCPE permite definir mecanismos relacionados à baixa capacidade funcional, os quais podem ser causadores de sintomas como a dispneia, correlacionando-os com alterações dos sistemas cardiovascular, pulmonar e musculoesquelético. Também pode ser de grande aplicabilidade na avaliação prognóstica em cardiopatas, pneumopatas e em pré-operatório, além de auxiliar na prescrição mais criteriosa do exercício em sujeitos normais, em atletas, em cardiopatas e em pneumopatas. Assim como ocorre com o uso clínico, a pesquisa nesse campo também cresce e várias contribuições científicas de pesquisadores nacionais são publicadas em periódicos de alto fator de impacto. Sendo assim, o objetivo deste documento é fornecer uma revisão ampla da aplicabilidade do TCPE nas diferentes situações clínicas, bem como servir como guia prático na interpretação desse teste propedêutico.

19.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 25(3): 93-97, jul.-set. 2015. tab, graf
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1066826

RESUMO

Objetivos: Verificar a distância do teste de caminhada de seis minutos (TC6) em pacientes após infarto agudo do miocárdio (IAM) não complicado, comparar variáveis do teste ergométrico (TE) com do TC6 e verificar quais influenciaram no TC6. Métodos: Incluímos 61 pacientes com IAM não complicado, 47 homens (78,7%), 56,38 ± 9,98 anos. O TE foi realizado após quatro a cinco dias de IAM e, um a dois dias após O TE foi realizado após quatro a cinco dias de IAM e, um a dois dias após o TE, os pacientes foram submetidos ao TC6. Utilizamos teste t de Student ou ilcoxon, correlação de Pearson ou Spearman e análise de covariância. P<0,05. Resultados: Todos os pacientes realizaram o TC6 sem complicações. A distância no TC6 foi 451,54 ± 88,30 m, consumo de oxigênio estimado pelo TE = 25,66 ± 8,78 ml/Kg/min e uma correlação fraca entre eles (r=0,353; p=0,006). Verificou-se redução da metragem com o aumento da idade (p=0,009), aumento do índice de massa corpórea (p=0,045) e sexo feminino (p < 0,001) na distância média do TC6. A frequência cardíaca e pressão arterial sistólica pico médias foram maiores no TE do que no TC6. Na recuperação, estes valores retornaram mais próximos aos valores basais no TC6 do que no TE, exceto para a pressão diastólica. Conclusão: O sexo, a idade e índice de massa corpórea influenciaram na distância média do TC6. As respostas cardiovasculares do TC6 foram menos intensas do que TE nos pacientes estudados.


Assuntos
Caminhada , Infarto do Miocárdio , Teste de Esforço
20.
In. Timerman, Ari; Sousa, Amanda Guerra de Moraes Rego; Fragata Filho, Abilio Augusto; Armaganijan, Dikran; Bertolami, Marcelo Chiara; Meneghelo, Romeu Sergio. Condutas terapêuticas do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. São Paulo, Atheneu, 2 ed; 2014. p.945-958, ilus, tab.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1082077
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA