Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 14 de 14
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
PLoS One ; 13(3): e0194392, 2018.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-29579099

RESUMO

To investigate the factors associated with death and describe the gestational outcomes in pregnant women with influenza A(H1N1)pdm09, we conducted a case-control study (deaths and recovered) in hospitalized pregnant women with laboratory-confirmed influenza A(H1N1)pdm09 with severe acute respiratory illness (SARI) in the state of São Paulo from June 9 to December 1, 2009. All cases were evaluated, and four controls that were matched by the epidemiological week of hospitalization of the case were randomly selected for each case. Cases and controls were selected from the National Disease Notification System-SINAN Influenza-web. The hospital records from 126 hospitals were evaluated, and home interviews were conducted using standardized forms. A total of 48 cases and 185 controls were investigated. Having had a previous health visit to a healthcare provider for an influenza episode before hospital admission was a risk factor for death (adjusted OR (ORadj) of 7.93, 95% CI 2.19-28.69). Although not significant in the multiple analysis (ORadj of 2.13, 95% CI 0.91-5.00), the 3rd trimester deserves attention, with an OR = 2.22, 95% CI 1.13-4.37 in the univariate analysis. Antiviral treatment was a protective factor when administered within 48 hours of symptom onset (ORadj = 0.16, 95% CI 0.05-0.50) and from 48 to 72 hours (ORadj = 0.09, 95% CI 0.01-0.87). There was a higher proportion of fetal deaths and preterm births among cases (p = 0.001) and live births with low weight (p = 0.019), compared to control subjects who gave birth during hospitalization. After discharge, control subjects had a favorable neonatal outcome. Early antiviral treatment during the presence of a flu-like illness is an important factor in reducing mortality from influenza in pregnant women and unfavorable neonatal outcomes. It is important to monitor pregnant women, particularly in the 3rd trimester of gestation, with influenza illness for diagnosis and early treatment.


Assuntos
Morte Fetal , Hospitalização , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1 , Influenza Humana , Complicações Infecciosas na Gravidez , Nascimento Prematuro/epidemiologia , Adolescente , Adulto , Brasil/epidemiologia , Feminino , Humanos , Recém-Nascido , Influenza Humana/mortalidade , Influenza Humana/terapia , Pessoa de Meia-Idade , Gravidez , Complicações Infecciosas na Gravidez/mortalidade , Complicações Infecciosas na Gravidez/terapia , Terceiro Trimestre da Gravidez , Fatores de Risco , Índice de Gravidade de Doença
2.
PLoS One ; 13(3): 0194392, Mar. 2018. tab
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IIERPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1021844

RESUMO

To investigate the factors associated with death and describe the gestational outcomes in pregnant women with influenza A(H1N1)pdm09, we conducted a case-control study (deaths and recovered) in hospitalized pregnant women with laboratory-confirmed influenza A (H1N1)pdm09 with severe acute respiratory illness (SARI) in the state of São Paulo from June 9 to December 1, 2009. All cases were evaluated, and four controls that were matched by the epidemiological week of hospitalization of the case were randomly selected for each case. Cases and controls were selected from the National Disease Notification System- SINAN Influenza-web. The hospital records from 126 hospitals were evaluated, and home interviews were conducted using standardized forms. A total of 48 cases and 185 controls were investigated. Having had a previous health visit to a healthcare provider for an influenza episode before hospital admission was a risk factor for death (adjusted OR (ORadj) of 7.93, 95% CI 2.19±28.69). Although not significant in the multiple analysis (ORadj of 2.13, 95% CI 0.91±5.00), the 3rd trimester deserves attention, with an OR = 2.22, 95% CI 1.13± 4.37 in the univariate analysis. Antiviral treatment was a protective factor when administered within 48 hours of symptom onset (ORadj = 0.16, 95% CI 0.05±0.50) and from 48 to 72 hours (ORadj = 0.09, 95% CI 0.01±0.87). There was a higher proportion of fetal deaths and preterm births among cases (p = 0.001) and live births with low weight (p = 0.019), compared to control subjects who gave birth during hospitalization. After discharge, control subjects had a favorable neonatal outcome. Early antiviral treatment during the presence of a flu-like illness is an important factor in reducing mortality from influenza in pregnant women and unfavorable neonatal outcomes. It is important to monitor pregnant women, particularly in the 3rd trimester of gestation, with influenza illness for diagnosis and early treatment


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Gestantes , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1 , Influenza Aviária
3.
PLoS One ; 10(3): e0118772, 2015.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-25774804

RESUMO

This case-control study aimed to assess the risk factors for death from influenza A(H1N1)pdm09 in patients with laboratory confirmation, who had severe acute respiratory illness-SARI and were hospitalized between June 28th and August 29th 2009, in the metropolitan regions of São Paulo and Campinas, Brazil. Medical charts of all the 193 patients who died (cases) and the 386 randomly selected patients who recovered (controls) were investigated in 177 hospitals. Household interviews were conducted with those who had survived and the closest relative of those who had died. 73.6% of cases and 38.1% of controls were at risk of developing influenza-related complications. The 18-to-59-year age group (OR = 2.31, 95%CI: 1.31-4.10 (reference up to 18 years of age)), presence of risk conditions for severity of influenza (OR = 1.99, 95%CI: 1.11-3.57, if one or OR = 6.05, 95%CI: 2.76-13.28, if more than one), obesity (OR = 2.73, 95%CI: 1.28-5.83), immunosuppression (OR = 3.43, 95%CI: 1.28-9.19), and search for previous care associated with the hospitalization (OR = 3.35, 95%CI: 1.75-6.40) were risk factors for death. Antiviral treatment performed within 72 hours of the onset of symptoms (OR = 0.17, 95%CI: 0.08-0.37, if within 48hours, and OR = 0.30, 95%CI: 0.11-0.81, if between 48 and 72 hours) was protective against death. The identification of high-risk patients and early treatment are important factors for reducing morbi-mortality from influenza.


Assuntos
Vírus da Influenza A Subtipo H1N1/isolamento & purificação , Influenza Humana/diagnóstico , Influenza Humana/epidemiologia , Adolescente , Adulto , Antivirais/uso terapêutico , Brasil/epidemiologia , Estudos de Casos e Controles , Morte , Feminino , Hospitalização , Humanos , Influenza Humana/tratamento farmacológico , Influenza Humana/virologia , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Prognóstico , Fatores de Risco , Adulto Jovem
4.
Epidemiol. serv. saúde ; 23(4): 721-729, Dez. 2014. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-740686

RESUMO

Objetivo: analisar a assistência ao paciente, o diagnóstico laboratorial e a vigilância epidemiológica da doença meningocócica (DM) na Região Metropolitana de Campinas estado de São Paulo, mediante indicadores operacionais associados à qualidade da atenção. Métodos: estudo retrospectivo dos casos de DM notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) entre 2000 e 2012. Resultados: dos 929 casos estudados, 35,5 por cento apresentaram a tríade de sintomas (febre, vômitos e rigidez de nuca) e 62,2 por cento foram internados nas primeiras 24 horas; realizou-se punção lombar em 89,7 por cento; houve confirmação laboratorial em 80,4 por cento; 34,6 por cento foram notificados nas primeiras 24 horas e 36,2 por cento receberam quimioprofilaxia nas primeiras 48 horas. Conclusão: as internações foram oportunas, o diagnóstico laboratorial de boa qualidade, a investigação epidemiológica e o encerramento dos casos revelaram-se adequados; todavia, as ações de notificação e quimioprofilaxia não foram oportunas; indicadores operacionais de qualidade da atenção contribuem para o monitoramento e controle da DM...


Objective: to analyze meningococcal disease (MD) patient care, laboratory diagnosis and epidemiological surveillance in the Metropolitan Region of Campinas (MRC) through operational indicators of care quality. Methods: this was a retrospective study of DM cases reported on the Epidemiological Surveillance System in MRC between 2000 and 2012. Results: among the 929 cases studied, 35.5 per cent presented the three symptoms: fever, vomiting and stiff neck; 62.2 per cent were hospitalized within the first 24 hours; lumbar puncture was performed in 89.7 per cent and 80.4 per cent had laboratory confirmation; 34.6 per cent were reported in the first 24 hours and 36.2 per cent received chemoprophylaxis during the first 48 hours. Conclusion: hospitalizations were opportune, laboratory diagnosis was of good quality, epidemiological research and case closure were adequate; however, case reporting and chemoprophylaxis were not opportune; operational indicators of care quality contribute to DM monitoring and control...


OBJETIVO: analizar la asistencia al paciente, el diagnóstico de laboratorio y la vigilancia epidemiológica de la enfermedad meningocócica (DM) en la Región Metropolitana de Campinas estado de São Paulo, mediante indicadores operacionales asociados a la calidad de la atención.MÉTODOS: estudio retrospectivo de los casos de DM notificados al Sistema de Información de Agravamientos de Notificación (Sinan) entre 2000 y 2012.RESULTADOS: de los 929 casos estudiados, 35,5% presentaron la triada de síntomas (fiebre, vómitos y rigidez de nuca) y 62,2% fueron internados las primeras 24 horas; se realizó punción lumbar en un 89,7%; hubo confirmación de laboratorio en un 80,4%; 34,6% fueron notificados las primeras 24 horas y 36,2% recibió quimioprofilaxis las primeras 48 horas.CONCLUSIÓN: las internaciones fueron oportunas, el diagnóstico de laboratorio de buena calidad, la investigación epidemiológica y el cierre de los casos se revelaron adecuados; sin embargo, las acciones de notificación y quimioprofilaxis no fueron oportunas; los indicadores operacionales de calidad de la atención contribuyen al monitoreo y al control de la EM...


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Avaliação em Saúde/estatística & dados numéricos , Indicadores de Qualidade em Assistência à Saúde , Infecções Meningocócicas/terapia , Monitoramento Epidemiológico/estatística & dados numéricos , Epidemiologia Descritiva
5.
Rev Saude Publica ; 47(6): 1213-7, 2013 Dec.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-24626560

RESUMO

Brazil has not had endemic circulation of the measles virus since 2000. Between May and June 2011, the Metropolitan Region of Campinas, State of Sao Paulo, Southeastern Brazil, reported three cases of measles. This report presents a descriptive study of the cases, control measures, and the search for a possible source and secondary cases. The genotypic characterization of the virus identified genotype D4, circulating in Europe. Secondary cases or index case were not found. The control measures and adequate vaccination coverage in Metropolitan Region of Campinas contributed to the interruption of disease transmission.


Assuntos
Surtos de Doenças , Sarampo/epidemiologia , Adulto , Brasil/epidemiologia , Criança , Feminino , Humanos , Imunoglobulina M/sangue , Masculino , Sarampo/diagnóstico , Vírus do Sarampo/imunologia , População Urbana , Adulto Jovem
6.
Rev Panam Salud Publica ; 29(6): 451-6, 2011 Jun.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-21829970

RESUMO

The identification of individuals with respiratory symptoms (RS) is important for the early detection of tuberculosis. The aim of this study was to estimate the prevalence of RS in three administrative regions of the Federal District, Brazil. For this, we used the 30 by 7 cluster sampling technique proposed by the World Health Organization. Individuals with RS were defined as those aged 15 years or older living in the administrative regions of Estrutural, Itapoã, or Varjão and reporting a cough lasting at least 3 weeks at the date of the interview. The prevalence of RS was 5.7% in Estrutural and Varjão (95% CI: 2.4-9.0) and 4.8% in Itapoã (95%CI: 1.6-7.9), with a design effect close to 1.0. In Estrutural and Itapoã, fewer years of schooling, and in Itapoã and Varjão, lower income, were associated with RS. Cigarette smoking was associated with the presence of RS in all regions. The prevalence of RS in the three administrative regions investigated is consistent with that of other areas with a similar socioeconomic profile.


Assuntos
Tosse/epidemiologia , Adolescente , Adulto , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Brasil/epidemiologia , Análise por Conglomerados , Diagnóstico Precoce , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Prevalência , Fumar/epidemiologia , Fatores Socioeconômicos , Tuberculose/diagnóstico , Tuberculose/epidemiologia , Saúde da População Urbana/estatística & dados numéricos , Adulto Jovem
7.
Rev. panam. salud pública ; 29(6): 451-456, June 2011. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-608277

RESUMO

A captação de sintomáticos respiratórios (SR) é importante para a detecção precoce de tuberculose. O objetivo deste estudo foi estimar a prevalência de SR em três regiões administrativas (RA) do Distrito Federal, Brasil. Para tanto, foi utilizada a técnica de amostragem por conglomerados (30 por 7) proposta pela Organização Mundial da Saúde. Foram definidos como SR os indivíduos com 15 anos ou mais residentes nas RAs Estrutural, Itapoã ou Varjão e que apresentassem tosse há pelo menos 3 semanas na data da entrevista. A prevalência de SR em Estrutural e Varjão foi de 5,7 por cento (IC95 por cento: 2,4 a 9,0), e em Itapoã, de 4,8 por cento (IC95 por cento: 1,6 a 7,9), com efeito de desenho próximo de 1,0. Em Estrutural e Itapoã, menos anos de estudo, e em Itapoã e Varjão, menor renda, estiveram associados com ser SR. O tabagismo esteve associado com a presença de sintomas respiratórios em todas as RAs. A prevalência de SR está de acordo com aquela encontrada em outras áreas com perfil socioeconômico semelhante ao das áreas estudadas.


The identification of individuals with respiratory symptoms (RS) is important for the early detection of tuberculosis. The aim of this study was to estimate the prevalence of RS in three administrative regions of the Federal District, Brazil. For this, we used the 30 by 7 cluster sampling technique proposed by the World Health Organization. Individuals with RS were defined as those aged 15 years or older living in the administrative regions of Estrutural, Itapoã, or Varjão and reporting a cough lasting at least 3 weeks at the date of the interview. The prevalence of RS was 5.7 percent in Estrutural and Varjão (95 percent CI: 2.4-9.0) and 4.8 percent in Itapoã (95 percentCI: 1.6-7.9), with a design effect close to 1.0. In Estrutural and Itapoã, fewer years of schooling, and in Itapoã and Varjão, lower income, were associated with RS. Cigarette smoking was associated with the presence of RS in all regions. The prevalence of RS in the three administrative regions investigated is consistent with that of other areas with a similar socioeconomic profile.


Assuntos
Adolescente , Adulto , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Tosse/epidemiologia , Brasil/epidemiologia , Análise por Conglomerados , Diagnóstico Precoce , Prevalência , Fatores Socioeconômicos , Fumar/epidemiologia , Tuberculose/diagnóstico , Tuberculose/epidemiologia , Saúde da População Urbana/estatística & dados numéricos
8.
BEPA - Boletim Epidemiológico Paulista ; 8(86): 4-18, fev. 2011. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-27976

RESUMO

A poliomielite é uma doença viral inflamatória resultante da destruição dosneurônios motores, caracterizada clinicamente por paralisia flácida aguda (PFA). A Organização Mundial de Saúde (OMS) firmou o compromisso de erradicar a doença no mundo a partir de 1988, mas atualmente ela permanece endêmica em quatro países. O Brasil não registra casos desde 1989, em 1994 recebeu a certificação de paíslivre da poliomielite. O Sistema de Vigilância Epidemiológica das PFA (SVE-PFA) tem por objetivo manter a poliomielite erradicada. Foi realizada avaliação do SVE-PFA utilizando-se metodologia proposta pelo Centers for Disease Control and Prevention(CDC), de Atlanta (EUA), em 2001. Os resultados apontaram que o sistema écomplexo, flexível, apresenta qualidade dos dados regular, aceitabilidade satisfatória, é sensível, não oportuno, com valor preditivo positivo alto para definição de caso, representativo do agravo e estável. Demonstrou ser útil para atingir seu objetivo de manter a poliomielite causada pelo póliovirus selvagem erradicada no País. Com basenos achados, recomenda-se que o Estado oriente o preenchimento oportuno e correto da FIE de PFA, enfatize a importância da coleta oportuna de fezes para possibilitar o descarte laboratorial de casos suspeitos de PFA, oriente o encerramentooportuno da investigação epidemiológica no SinanNet, estimule a notificação decasos suspeitos de PFA que preencham as definições de caso e atualize anualmente as informações sobre o agravo no site do CVE(AU)


Assuntos
Poliomielite , Avaliação de Programas e Projetos de Saúde , Monitoramento Epidemiológico
9.
Bepa - Boletim Epidemiológico Paulista ; 8(86): 4-18, Fevereiro 2011. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-37057

RESUMO

A poliomielite é uma doença viral inflamatória resultante da destruição dos neurônios motores, caracterizada clinicamente por paralisia flácida aguda (PFA). A Organização Mundial de Saúde (OMS) firmou o compromisso de erradicar a doença no mundo a partir de 1988, mas atualmente ela permanece endêmica em quatro países. O Brasil não registra casos desde 1989, e em 1994, recebeu a certificação de país livre da poliomielite. O Sistema de Vigilância Epidemiológica das PFA (SVE-PFA) tem por objetivo manter a poliomielite erradicada. Foi realizada avaliação do SVE-PFA utilizando-se metodologia proposta pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC), de Atlanta (EUA), em 2001. Os resultados apontaram que o sistema é complexo, flexível, apresenta qualidade dos dados regular, aceitabilidade satisfatória, é sensível, não oportuno, com valor preditivo positivo alto para definição de caso, representativo do agravo e estável. Demonstrou ser útil para atingir seu objetivo de manter a poliomielite causada pelo póliovirus selvagem erradicada no País. Com base nos achados, recomenda-se que o Estado oriente o preenchimento oportuno e correto da FIE de PFA, enfatize a importância da coleta oportuna de fezes para possibilitar o descarte laboratorial de casos suspeitos de PFA, oriente o encerramento oportuno da investigação epidemiológica no SinanNet, estimule a notificação de casos suspeitos de PFA que preencham as definições de caso e atualize anualmente as informações sobre o agravo no site do CVE. (AU)


Assuntos
Monitoramento Epidemiológico , Poliomielite , Paralisia , Pesquisa sobre Serviços de Saúde
11.
BEPA - Boletim Epidemiológico Paulista ; 7(84): 12-17, dez. 2010. ilus
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-27970
12.
Bepa - Boletim Epidemiológico Paulista ; 6(71): 12-24, dezembro 2009. mapas, tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: ses-33687

RESUMO

O Brasil possui extensa área endêmica para febre amarela silvestre (FAS), na qual ocorrem, anualmente, casos da doença em indivíduos não vacinados que entram em contato com o ciclo natural. No Noroeste do Estado de São Paulo a vacinação contra a febre amarela (FA) é recomendada na rotina, uma vez que há circulação esporádica do vírus naquela região. Entre fevereiro e abril de 2009, São Paulo registrou 25 casos de FAS em cinco municípios localizados fora da área de recomendação de vacinação. Esse fato levou à ampliação da área de recomendação de vacinação contra FA. Buri foi o último município incluído, sendo importante realizar inquérito de cobertura vacinal e avaliar a possível ocorrência de eventos adversos à vacina. A prevalência esperada de sintomas leves pós-vacinação é muito variável, dependendo de fatores intrínsecos de cada população, existindo poucos estudos de referência. Foi aplicado questionário semiestruturado, em zona urbana (ZU) e zona rural (ZR) de Buri, no período de 26 a 29 de abril de 2009. Na ZU realizou-se amostragem aleatória simples de 218 indivíduos; na ZR foram amostrados 256 indivíduos residentes em sete bairros de referência. A cobertura vacinal foi de 94,9% na ZU e 98,4% na ZR, sendo, portanto, inferior ao preconizado pelo Ministério da Saúde (100%). Observou-se uma prevalência de indivíduos com pelo menos algum sintoma pós-vacinação de 38,6% na ZU e 36,9% na ZR. Os sintomas febre (ZU = 15,6% e ZR = 14,3%), cefaléia (ZU = 20,6% e ZR = 27,0%) e mialgia (ZU = 26,1% e ZR = 24,6%) apresentaram prevalência acima do esperado. Foi observada alta prevalência de diarréia (ZU = 6,9% e ZR = 12,3%) e vômito (ZU = 3,2% e ZR = 10,7%), sintomas incomuns. Assim, faz-se importante avaliar sintomas gastrointestinais como possíveis eventos adversos relacionados à vacina 17DD de FA e realizar mais estudos relacionados a eventos adversos leves à vacina de FA em populações em situações reais. (AU)


Assuntos
Febre Amarela , Inquéritos Epidemiológicos , Vacina contra Febre Amarela , Doenças Endêmicas
13.
BEPA - Boletim Epidemiológico Paulista ; 6(71): 12-24, nov. 2009. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-27919

RESUMO

O Brasil possui extensa área endêmica para febre amarela silvestre (FAS), na qual ocorrem, anualmente, casos da doença em indivíduos não vacinados que entram em contato com o ciclo natural. No Noroeste do Estado de São Paulo a vacinação contra a febre amarela (FA) é recomendada na rotina, uma vez que há circulação esporádica do vírus naquela região. Entre fevereiro e abril de 2009, São Paulo registrou 25 casos de FAS em cinco municípios localizados fora da área de recomendação de vacinação. Esse fato levou à ampliação da área de recomendação de vacinação contra FA. Buri foi o último município incluído, sendo importante realizar inquérito de cobertura vacinal e avaliar a possível ocorrência de eventos adversos à vacina. A prevalência esperada de sintomas leves pós-vacinação é muitovariável, dependendo de fatores intrínsecos de cada população, existindo poucos estudos de referência. Foi aplicado questionário semiestruturado, em zona urbana (ZU) e zona rural (ZR) de Buri, no período de 26 a 29 de abril de 2009. Na ZU realizou-se amostragem aleatória simples de 218 indivíduos; na ZR foram amostrados 256 indivíduos residentes em sete bairros de referência. A cobertura vacinal foi de 94,9% na ZU e 98,4% na ZR, sendo, portanto, inferior ao preconizado pelo Ministério da Saúde (100%). Observou-se uma prevalência de indivíduos com pelo menos algum sintoma pós-vacinação de 38,6% na ZU e 36,9% na ZR. Os sintomas febre (ZU = 15,6% e ZR = 14,3%), cefaléia (ZU = 20,6% e ZR = 27,0%) e mialgia (ZU = 26,1% e ZR = 24,6%) apresentaram prevalência acima do esperado.Foi observada alta prevalência de diarréia (ZU = 6,9% e ZR = 12,3%) e vômito (ZU = 3,2% e ZR = 10,7%), sintomas incomuns. Assim, faz-se importante avaliar sintomasgastrointestinais como possíveis eventos adversos relacionados à vacina 17DD de FA e realizar mais estudos relacionados a eventos adversos leves à vacina de FA em populações em situações reais (AU)


Assuntos
Humanos , Febre Amarela , Trato Gastrointestinal , Vacinas
14.
Bepa - Boletim Epidemiológico Paulista ; 6(65): 4-15, 2009. mapas, tab, graf
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALACERVO | ID: ses-27414

RESUMO

Em abril de 2009, um novo subtipo viral do vírus influenza A (H1N1) foi identificado em espécimes clínicos obtidos de dois pacientes nos Estados Unidos. A mesma cepa viral foi identificada no México, no Canadá e em outras partes do mundo. Esse evento foi considerado pela Organização Mundial de Saúde como de emergência em Saúde Pública de Interesse Internacional. O presente estudo descreve a ocorrência de casos notificados de influenza A (H1N1), novo subtipo viral, ao Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo, no período de 22 de abril a 21 de maio de 2009, de acordo com sua distribuição no tempo e espaço, assim como a faixa etária e gênero acometidos, culminando com a classificação final dos casos e os critérios utilizados. Uma vigilância aprimorada de influenza foi implementada, com base no plano de preparação para pandemia do Estado, no sentido de identificar e investigar oportunamente os casos. As amostras respiratórias foram processadas no Instituto Adolfo Lutz, cujo método utilizado foi reação de polimerização em cadeia em tempo real (rRT-PCR). Um total de 87 casos notificados, maioria na Grande São Paulo, concentraram-se na faixa etária de 20 a 49 anos de idade (70,1%), provenientes de áreas com casos confirmados de influenza A (H1N1). Os sintomas mais frequentes foram febre e tosse (100%) e mialgia (70,1%); 40,2% foram hospitalizados e todos evoluíram para a cura com remissão dos sintomas. Cumpre ressaltar a necessidade de manter em alerta os sistemas de saúde com vistas à detecção precoce e resposta rápida frente aos casos e à adoção de medidas de prevenção e controle adequadas e de prover os profissionais de saúde e a população de informações concernentes ao atual estágio deste agravo. (AU)


Assuntos
Influenza Humana , Influenza Humana/epidemiologia , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1 , Monitoramento Epidemiológico
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA