Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 6 de 6
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Braz J Otorhinolaryngol ; 78(2): 35-40, 2012 Apr.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-22499368

RESUMO

UNLABELLED: The nasal histopathology of HTLV-1 carriers with chronic rhinitis is unknown. OBJECTIVE: To describe the histopathological features of HTLV-1 carriers with chronic rhinitis. MATERIALS AND METHODS: Biopsies of nasal mucosa of ten HTLV-1 carriers with chronic rhinitis (eight patients with allergic rhinitis and two patients with non-allergic rhinitis) were studied using a light microscope. Samples from ten patients with allergic rhinitis not infected with HTLV-1 were used as controls. RESULTS: Subepithelial fibrosis was more pronounced in patients with allergic rhinitis infected with HTLV-1 (p=0.01), while the basement membrane thickness was greater in controls (p=0.03). There was a trend towards less eosinophilia and edema among those infected with HTLV-1, without statistical significance (p=0.2). For the lymphocytic infiltrate, there was no difference between infected and not infected patients with allergic rhinitis (p=1.0). Subepithelial fibrosis associated to moderate or small number of lymphocytes were found in the two HTLV-1 carriers with non-allergic rhinitis. CONCLUSIONS: This study suggests HTLV-1 may modify the histopathology of allergic rhinitis, especially by promoting subepithelial fibrosis, and may be related to chronic non-allergic rhinitis with lymphocytic infiltrate.


Assuntos
Infecções por HTLV-I/patologia , Rinite/patologia , Adulto , Estudos de Casos e Controles , Doença Crônica , Feminino , Fibrose , Infecções por HTLV-I/complicações , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Mucosa Nasal/patologia , Rinite/complicações , Adulto Jovem
2.
Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) ; 78(2): 35-40, mar.-abr. 2012. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-622841

RESUMO

A histopatologia nasal de portadores do HTLV-1 com rinite crônica é desconhecida. OBJETIVO: Descrever aspectos histopatológicos de portadores do HTLV-1 com rinite crônica. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Amostras de mucosa nasal de 10 portadores do HTLV-1 com rinite crônica, sendo oito com rinite alérgica e dois com rinite não alérgica, foram estudadas por microscopia de luz. Amostras de 10 pacientes com rinite alérgica não infectados pelo HTLV-1 serviram como controle. RESULTADOS: Fibrose subepitelial foi maior nos pacientes com rinite alérgica infectados pelo HTLV-1 (p=0,01), enquanto o espessamento da membrana basal foi maior nos controles (p=0,03). Houve tendência a menor eosinofilia e edema entre os infectados pelo HTLV-1, sem significância estatística (p=0,2). Para o infiltrado linfocítico, não houve diferença entre os pacientes com rinite alérgica infectados e não infectados (p=1,0). Fibrose subepitelial com infiltrado linfocítico de intensidade leve a moderada foram os achados encontrados nos dois portadores do HTLV-1 com rinite não alérgica. CONCLUSÕES: O estudo sugere que a infecção pelo HTLV-1 pode modificar a histopatologia da rinite alérgica, sobretudo por maior fibrose, e pode estar relacionada a uma rinite crônica não alérgica com infiltrado linfocítico.


The nasal histopathology of HTLV-1 carriers with chronic rhinitis is unknown. OBJECTIVE: To describe the histopathological features of HTLV-1 carriers with chronic rhinitis. MATERIALS AND METHODS: Biopsies of nasal mucosa of ten HTLV-1 carriers with chronic rhinitis (eight patients with allergic rhinitis and two patients with non-allergic rhinitis) were studied using a light microscope. Samples from ten patients with allergic rhinitis not infected with HTLV-1 were used as controls. RESULTS: Subepithelial fibrosis was more pronounced in patients with allergic rhinitis infected with HTLV-1 (p=0.01), while the basement membrane thickness was greater in controls (p=0.03). There was a trend towards less eosinophilia and edema among those infected with HTLV-1, without statistical significance (p=0.2). For the lymphocytic infiltrate, there was no difference between infected and not infected patients with allergic rhinitis (p=1.0). Subepithelial fibrosis associated to moderate or small number of lymphocytes were found in the two HTLV-1 carriers with non-allergic rhinitis. CONCLUSIONS: This study suggests HTLV-1 may modify the histopathology of allergic rhinitis, especially by promoting subepithelial fibrosis, and may be related to chronic non-allergic rhinitis with lymphocytic infiltrate.


Assuntos
Adulto , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Infecções por HTLV-I/patologia , Rinite/patologia , Estudos de Casos e Controles , Doença Crônica , Fibrose , Infecções por HTLV-I/complicações , Mucosa Nasal/patologia , Rinite/complicações
5.
Rev. bras. otorrinolaringol ; 70(4): 555-560, jul.-ago. 2004. ilus
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: lil-366343

RESUMO

O granuloma reparativo de células gigantes é um tumor ósseo não-neoplásico incomum que representa menos que 7 por cento dos tumores mandibulares, sua localização mais freqüente. Porém, já foi descrito em seios paranasais, ossos temporais e órbita. O presente trabalho descreve um paciente com granuloma reparativo de células gigantes em seios maxilar e etmoidal, comprometendo também, em menor extensão, os seios esfenoidal e frontal, e um outro paciente com acometimento circunscrito ao seio maxilar. Clinicamente, apresentam-se com proptose acentuada e macromala unilaterais, respectivamente. Os achados clínicos, tomográficos, histopatológicos e terapêuticos são descritos, ao lado de uma revisão da literatura com ênfase no diagnóstico diferencial, sobretudo com o tumor de células gigantes.

6.
Rev. bras. otorrinolaringol ; 70(3)maio-jun. 2004. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: lil-363000

RESUMO

O tamponamento nasal para epistaxe é comumente realizado com gaze lubrificada e sonda de Foley. O balonete de Foley, de látex, pode ser dissolvido pela vaselina ou parafina; entretanto, estes são excipientes de várias pomadas e cremes. OBJETIVO: Avaliar o efeito de potenciais lubrificantes sobre a integridade da sonda de Foley. FORMA DE ESTUDO: Experimental. MATERIAL E MÉTODO: Balonetes de 80 sondas foram eqüitativamente distribuídos e mantidos sob tração em contato com um dos seguintes produtos: duas pomadas, três cremes, um gel, vaselina e gaze seca, e inspecionados a cada 24 horas por cinco dias. Os lubrificantes foram testados quanto a hidrossolubilidade. RESULTADOS: Vinte balonetes romperam-se, dos grupos vaselina e uma pomada. Os produtos não associados à degeneração da sonda mostraram-se hidrossolúveis, a despeito da presença de petrolato. DISCUSSÃO: Conjectura-se que a gaze do tampão nasal anterior com lubrificante hidrofóbico contendo petrolato, justaposto ao balonete de Foley, pode lesá-lo. CONCLUSÕES: Considerando-se apenas a inocuidade à sonda de Foley, os cremes e a pomada Furacin® poderiam ser indicados para lubrificar a gaze do tampão nasal anterior associado ao balonete de Foley. Nossos resultados sugerem que cremes, pomadas e géis hidrossolúveis preservam a integridade da sonda de Foley, ainda que contenham derivados do petróleo.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA