Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 62
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Rev Bras Epidemiol ; 22Suppl 1(Suppl 1): e190010, 2019.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-31576986

RESUMO

INTRODUCTION: Care continuum models have supported recent strategies against sexually transmitted diseases, such as HIV and Hepatitis C (HCV). METHODS: HIV, HCV, and congenital syphilis care continuum models were developed, including all stages of care, from promotion/prevention to clinical control/cure. The models supported the intervention QualiRede, developed by a University-Brazilian National Health System (SUS) partnership focused on managers and other professionals from six priority health regions in São Paulo and Santa Catarina. Indicators were selected for each stage of the care continuum from the SUS information systems and from the Qualiaids and QualiAB facility's process evaluation questionnaires. The indicators acted as the technical basis of two workshops with professionals and managers in each region: the first one to identify problems and to create a Regional Technical Group; and the second one to design action plans for improving regional performance. RESULTS: The indicators are available at www.qualirede.org. The workshops took place in the regions of Alto Tietê, Baixada Santista, Grande ABC, and Registro (São Paulo) and of Foz do Rio Itajaí (Santa Catarina), which resulted in regional action plans in São Paulo, but not in Santa Catarina. A lack of awareness was observed regarding the new HIV and HCV protocols, as well as an incipient use of indicators in routine practices. CONCLUSION: Improving the performance of the care continuum requires appropriation of performance indicators and coordination of care flows at local, regional, and state levels of management.


Assuntos
Continuidade da Assistência ao Paciente/estatística & dados numéricos , Infecções por HIV/terapia , Pesquisa sobre Serviços de Saúde/estatística & dados numéricos , Hepatite C/terapia , Avaliação de Programas e Projetos de Saúde/estatística & dados numéricos , Sífilis Congênita/terapia , Brasil , Infecções por HIV/epidemiologia , Promoção da Saúde/métodos , Promoção da Saúde/estatística & dados numéricos , Hepatite C/epidemiologia , Humanos , Programas Nacionais de Saúde , Inquéritos e Questionários , Sífilis Congênita/epidemiologia
2.
Rev. bras. epidemiol ; 22(supl.1): e190010, 2019. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-1042213

RESUMO

ABSTRACT Introduction: Care continuum models have supported recent strategies against sexually transmitted diseases, such as HIV and Hepatitis C (HCV). Methods: HIV, HCV, and congenital syphilis care continuum models were developed, including all stages of care, from promotion/prevention to clinical control/cure. The models supported the intervention QualiRede, developed by a University-Brazilian National Health System (SUS) partnership focused on managers and other professionals from six priority health regions in São Paulo and Santa Catarina. Indicators were selected for each stage of the care continuum from the SUS information systems and from the Qualiaids and QualiAB facility's process evaluation questionnaires. The indicators acted as the technical basis of two workshops with professionals and managers in each region: the first one to identify problems and to create a Regional Technical Group; and the second one to design action plans for improving regional performance. Results: The indicators are available at www.qualirede.org. The workshops took place in the regions of Alto Tietê, Baixada Santista, Grande ABC, and Registro (São Paulo) and of Foz do Rio Itajaí (Santa Catarina), which resulted in regional action plans in São Paulo, but not in Santa Catarina. A lack of awareness was observed regarding the new HIV and HCV protocols, as well as an incipient use of indicators in routine practices. Conclusion: Improving the performance of the care continuum requires appropriation of performance indicators and coordination of care flows at local, regional, and state levels of management.


RESUMO Introdução: Modelos de cuidado contínuo baseiam recentes estratégias em HIV, infecções sexualmente transmissíveis e hepatite C (HCV). Métodos: Desenvolveram-se modelos de contínuo do cuidado em HIV, HCV e sífilis congênita incluindo todas as etapas da atenção, desde a promoção e a prevenção até o controle clínico/cura. O modelo baseou a intervenção QualiRede, desenvolvida em parceria entre universidade e Sistema Único de Saúde (SUS), direcionada a gestores e demais profissionais de 6 regiões de saúde prioritárias em São Paulo e Santa Catarina. Selecionaram-se indicadores para cada etapa do contínuo do cuidado, provenientes dos sistemas de informação do SUS e dos questionários de avaliação de processo Qualiaids e QualiAB. Os indicadores formaram a base técnica de duas oficinas com profissionais e gestores de cada região: a primeira para identificar problemas e formar um Grupo Técnico Regional; e a segunda para construir planos de ação e metas a fim de melhorar o desempenho regional. Resultados: Os indicadores estão disponíveis no website www.qualirede.org. As oficinas ocorreram em quatro regiões de São Paulo (Alto Tietê, Baixada Santista, Grande ABC e Registro) e uma região de Santa Catarina (Foz do Rio Itajaí), resultando em planos regionais em São Paulo, mas não em Santa Catarina. Observou-se domínio limitado dos novos protocolos para HIV e HCV e uso incipiente de indicadores na rotina dos serviços. Conclusão: Melhorar o desempenho do contínuo do cuidado exige apropriação dos indicadores de desempenho e coordenação integrada dos fluxos de atenção em todos os níveis de gestão.

3.
BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) ; 19(2): 98-104, Dez. 2018.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISACERVO | ID: biblio-1016654

RESUMO

Este artigo narra a formação do Ambulatório de Saúde Integral para travestis e Transexuais no Estado de São Paulo, primeiro serviço de atenção cotidiana a esta população, considerando suas necessidades e especificidades e promoveu a reflexão e a revisão de conceitos, condutas, fluxos e elaboração de novos protocolos e legislações voltadas a população travesti e transexual, no Brasil. Entre eles o processo transexualizador realizado pelo SUS, além do acompanhamento hormonal e a confecção de uma política de atenção a sua saúde integral e regulamentações acerca do uso do nome social estes.


Assuntos
Humanos , Serviços Preventivos de Saúde , Transexualidade , Travestilidade , Saúde Pública
6.
Bepa - Boletim Epidemiológico Paulista ; 11(125): 3-24, maio 2014. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-36359

RESUMO

O Centro de Referência e Treinamento em Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo realizou ampla atividade de testagem para HIV e sífilis no sistema prisional feminino, entre 2012 e 2013, em parceria com a Secretaria da Administração Penitenciária – SAP. Ao todo, 8.914 mulheres aceitaram realizar o teste. Destas, 2.947 encontram-se em presídios da capital e 5.967 do interior. Observou-se que 2,8% delas apresentaram resultado reagente para HIV e 7% para testagem rápida de triagem para sífilis. A taxa de prevalência de HIV na população geral é de 0,4% e de sífilis 1,6%. A média de idade da população testada foi de 34,3 anos. As mulheres privadas de liberdade que participaram deste levantamento receberam informações pré e pós-teste para sífilis e HIV. Os profissionais dos serviços envolvidos foram capacitados para esta orientação. No caso de positividade para o HIV e ou sífilis, garantiram-se os procedimentos de acompanhamento e tratamento estabelecidos pelo SUS. O projeto teve por objetivo conhecer a soroprevalência do HIV e da sífilis nesta população, traçar o perfil das mulheres privadas de liberdade em relação a informações sobre sífilis e HIV, dar orientação de qualidade sobre o assunto para as presas e oferecer maior assistência em saúde para DST/ HIV/Aids mediante o estabelecimento, de maneira sustentável, de sistema de referência e contrarreferência. Até 2015, pretende-se elaborar e implementar, de forma escalonada e regionalizada, o projeto de DST/Aids da Proposta Integrada de Atenção à Saúde da População Privada de Liberdade, em parceria com a SAP. É a primeira ação deste porte no estado de São Paulo. Trata-se de uma iniciativa que poderá contribuir para a melhoria da qualidade de vida das mulheres, com repercussão no controle da transmissão vertical do HIV e sífilis...(AU)


Assuntos
Humanos , HIV , Sífilis , Prisões
7.
Bepa - Boletim Epidemiológico Paulista ; 11(125): 3-24, maio 2014. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CVEPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1060514

RESUMO

O Centro de Referência e Treinamento em Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo realizou ampla atividade de testagem para HIV e sífilis no sistema prisional feminino, entre 2012 e 2013, em parceria com a Secretaria da Administração Penitenciária – SAP. Ao todo, 8.914 mulheres aceitaram realizar o teste. Destas, 2.947 encontram-se em presídios da capital e 5.967 do interior. Observou-se que 2,8% delas apresentaram resultado reagente para HIV e 7% para testagem rápida de triagem para sífilis. A taxa de prevalência de HIV na população geral é de 0,4% e de sífilis 1,6%. A média de idade da população testada foi de 34,3 anos. As mulheres privadas de liberdade que participaram deste levantamento receberam informações pré e pós-teste para sífilis e HIV. Os profissionais dos serviços envolvidos foram capacitados para esta orientação. No caso de positividade para o HIV e ou sífilis, garantiram-se os procedimentos de acompanhamento e tratamento estabelecidos pelo SUS. O projeto teve por objetivo conhecer a soroprevalência do HIV e da sífilis nesta população, traçar o perfil das mulheres privadas de liberdade em relação a informações sobre sífilis e HIV, dar orientação de qualidade sobre o assunto para as presas e oferecer maior assistência em saúde para DST/ HIV/Aids mediante o estabelecimento, de maneira sustentável, de sistema de referência e contrarreferência. Até 2015, pretende-se elaborar e implementar, de forma escalonada e regionalizada, o projeto de DST/Aids da Proposta Integrada de Atenção à Saúde da População Privada de Liberdade, em parceria com a SAP. É a primeira ação deste porte no estado de São Paulo. Trata-se de uma iniciativa que poderá contribuir para a melhoria da qualidade de vida das mulheres, com repercussão no controle da transmissão vertical do HIV e sífilis...


Assuntos
Humanos , HIV , Prisões , Sífilis
9.
São Paulo; SES-SP; 2014. 239 p. ilus, graf, tab.
Monografia em Português | LILACS | ID: lil-773059

RESUMO

Na transmissão vertical do HIV, o impacto positivo das intervençõesassistenciais, laboratoriais, profiláticas e medicamentosas no Estado deSão Paulo é demonstrado pela redução de casos notificados de aids portransmissão vertical, no período de 1997 a 2011, que caiu de 445 casospara 50 casos respectivamente; pela redução da taxa de transmissão de16% em 1997 (Tess, 1998) para uma taxa de 3,2% em 2002 (Succi, 2003); etambém pelo significativo aumento da sobrevida média de 6,7 meses em1991 (Grangeiro, 1995) para uma sobrevida mediana de 84,4 meses nos casosdiagnosticados até o ano de 1998 (Matida, 2003). A probabilidade de sobrevidaem 9 anos, para crianças diagnosticada no período de 1999 a 2002 e seguidaambulatorialmente até março/2007, foi de 0,9023 (IC de 95%[0,8376- 0,9421])respectivamente (Matida, 2009). A infecção pelo HIV em crianças mantém-secomo um importante problema de saúde pública no Brasil.Estudo realizado em São Paulo estimou as taxas de transmissão vertical deHIV, baseadas em mulheres grávidas diagnosticadas e notificadas em 2006,identificando os fatores potencialmente associados a sua ocorrência. Esteestudo envolve uma análise transversal e retrospectiva dos sistemas deinformação e registros de mulheres grávidas infectadas e crianças expostasao HIV. A taxa de transmissão vertical no Estado de São Paulo foi de 2,7%(intervalo de confiança 95%: 1,86-3,94), em 2006, diminuindo em 83,1%quando comparada com o período de 1988-1993. As principais variáveisassociadas à transmissão vertical foram a ausência de consultas de prénatalou um número inferior a 6 consultas de pré-natal, ausência de profilaxiaantirretroviral durante o parto ou uso neonatal por menos de 6 semanas,como também realização de aleitamento materno ou aleitamento cruzado. Oestudo reforça a tendência decrescente da transmissão...


Assuntos
Humanos , Planos e Programas de Saúde , HIV , Transmissão Vertical de Doença Infecciosa , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/transmissão , Brasil
13.
J Acquir Immune Defic Syndr ; 57 Suppl 3: S164-70, 2011 Aug.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-21857313

RESUMO

BACKGROUND: HIV infection in children is an important public health problem in the world, mainly in poorer countries. If all recommendations are followed, the elimination of HIV vertical transmission is a concrete possibility. This study aims to estimate vertical transmission rates of HIV in São Paulo State, Brazil, based on pregnant women diagnosed and reported in 2006, identifying potentially associated factors. METHODS: This study involves a retrospective cross-sectional analysis of information systems and records of infected pregnant women and children exposed to HIV. The rate of vertical transmission was estimated and variables associated with the antenatal, delivery, and postnatal periods were analyzed by the chi-square test, and Fisher exact test was used for variables with an expected frequency <5. The relative risks were calculated with 95% confidence intervals. RESULTS: The rate of vertical transmission in São Paulo state was 2.7% (95% confidence interval: 1.86 to 3.94) in 2006, decreasing 83.1% in comparison with 1988-1993. The main associated variables were lack of prenatal visits or <6 visits, no antiretroviral prophylaxis during labor or neonatal use for <6 weeks, and maternal breastfeeding. CONCLUSIONS: There is a decreasing trend of HIV vertical transmission in São Paulo with levels approaching elimination, which seems to be associated with antiretroviral policy and interruption of breastfeeding. Although there are serious operational issues, conditions exist to respond effectively. São Paulo state demonstrates that it is possible to achieve advanced levels of control for this mode of HIV transmission.


Assuntos
Infecções por HIV/prevenção & controle , Infecções por HIV/transmissão , Transmissão Vertical de Doença Infecciosa/prevenção & controle , Adolescente , Adulto , Fármacos Anti-HIV/uso terapêutico , Brasil , Aleitamento Materno , Estudos Transversais , Feminino , Fidelidade a Diretrizes , Humanos , Incidência , Lactente , Recém-Nascido , Pessoa de Meia-Idade , Gravidez , Estudos Retrospectivos , Adulto Jovem
14.
BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) ; 13(2): 182-189, out. 2011.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISACERVO | ID: biblio-1047495

RESUMO

A Coordenação Estadual DST/Aids-SP, vinculada a Secretaria da Saúde de São Paulo, inaugurou em junho de 2009, em suas dependências, o primeiro ambulatório de saúde do Brasil dedicado exclusivamente a travestis e transexuais. O serviço é uma referência nacional, com profissionais especializados, preparados para lidar com as dificuldades e demandas específicas desses grupos sociais. Seu ambulatório presta atendimento especializado em urologia, proctologia e endocrinologia (terapia hormonal), avaliação e encaminhamento para implante de próteses de silicone e cirurgia para redesignação sexual. O local é responsável pela elaboração de protocolos clínicos, por desenvolver e avaliar tecnologias e modelos assistenciais e promover atividades integrando movimentos sociais, e também de treinamento para profissionais de saúde nessa área de atuação. A orientação sexual e a identidade de gênero são fatores determinantes para a saúde, não apenas por implicarem em práticas sexuais e sociais específicas, mas também porque podem significar o enfrentamento cotidiano de preconceitos e violações de direitos humanos. Este serviço foi criado para facilitar o acesso de populações vulneráveis ao Sistema Único de Saúde, garantindo a elas o direito à saúde.


Assuntos
Humanos , Sistema Único de Saúde , Saúde Pública , Vulnerabilidade a Desastres , Minorias Sexuais e de Gênero
15.
São Paulo; SES/SP; 2010. 234 p. ilus, graf.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: ses-17209

RESUMO

Embora, nas últimas décadas, a cobertura de atenção ao pré-natal tenha aumentado, garantir sua qualidade permanece como o maior desafio. Essa melhoria da qualidade, no patamar em que estamos, refere-se a uma mudança sensível na atitude dos profissionais de saúde e na eficiência e presteza dos serviços. É preciso potencializar os recursos humanos e materiais existentes no Estado de São Paulo para o progressivo enfrentamento da morbimortalidade materna e perinatal. É verdade, também, que resultados nesse campo dependem de outros fatores, relativos ao desenvolvimento econômico, social e humano de cada região, que terminam por conferir maior ou menor suporte ás mulheres no momento da reprodução. A qualificação permanente da atenção ao pré-natal, ao parto e ao puerpério deve sempre ser perseguida na perspectiva de garantir uma boa condição de saúde tanto para a mulher quanto para o recém-nascido, bem como de possibilitar à mulher uma experiência de vida gratificante nesse período. Para isso, é necessário que os profissionais envolvidos em qualquer instância do processo assistencial estejam conscientes da importância de sua atuação e da necessidade de aliarem o conhecimento técnico específico ao compromisso com um resultado satisfatório da atenção, levando em consideração o significado desse resultado para cada mulher. A consulta pré-natal, para muitas mulheres, constitui-se na única oportunidde que possuem para verificar seu estado de saúde; assim, deve-se considerá-la também como uma chance para que o sistema possa atuar integralmente na promoção e, eventualmente, na recuperação de sua saúde. Feitas essas considerações, e respeitando-se as orientações constantes no Pacto pela Vida e as decisões emandad do Plano Estadual de Saúde de São Paulo, definem-se as seguintes diretrizes para nortear a atenção ao pré-natal e ao puerpério...(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Saúde da Mulher , Cuidado Pré-Natal , Gestantes , Direitos da Mulher , Serviços de Saúde Materna , Programas Governamentais
16.
São Paulo; SES/SP; 2010. 234 p. ilus, graf.
Monografia em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: biblio-1073459

RESUMO

Embora, nas últimas décadas, a cobertura de atenção ao pré-natal tenha aumentado, garantir sua qualidade permanece como o maior desafio. Essa melhoria da qualidade, no patamar em que estamos, refere-se a uma mudança sensível na atitude dos profissionais de saúde e na eficiência e presteza dos serviços. É preciso potencializar os recursos humanos e materiais existentes no Estado de São Paulo para o progressivo enfrentamento da morbimortalidade materna e perinatal. É verdade, também, que resultados nesse campo dependem de outros fatores, relativos ao desenvolvimento econômico, social e humano de cada região, que terminam por conferir maior ou menor suporte ás mulheres no momento da reprodução. A qualificação permanente da atenção ao pré-natal, ao parto e ao puerpério deve sempre ser perseguida na perspectiva de garantir uma boa condição de saúde tanto para a mulher quanto para o recém-nascido, bem como de possibilitar à mulher uma experiência de vida gratificante nesse período. Para isso, é necessário que os profissionais envolvidos em qualquer instância do processo assistencial estejam conscientes da importância de sua atuação e da necessidade de aliarem o conhecimento técnico específico ao compromisso com um resultado satisfatório da atenção, levando em consideração o significado desse resultado para cada mulher. A consulta pré-natal, para muitas mulheres, constitui-se na única oportunidde que possuem para verificar seu estado de saúde; assim, deve-se considerá-la também como uma chance para que o sistema possa atuar integralmente na promoção e, eventualmente, na recuperação de sua saúde. Feitas essas considerações, e respeitando-se as orientações constantes no Pacto pela Vida e as decisões emandad do Plano Estadual de Saúde de São Paulo, definem-se as seguintes diretrizes para nortear a atenção ao pré-natal e ao puerpério...


Assuntos
Feminino , Humanos , Gravidez , Cuidado Pré-Natal , Direitos da Mulher , Gestantes , Saúde da Mulher , Serviços de Saúde Materna , Programas Governamentais
17.
São Paulo; SES/SP; 2010. 234 p. ilus, graf.
Monografia em Português | LILACS, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: lil-570326

RESUMO

Embora, nas últimas décadas, a cobertura de atenção ao pré-natal tenha aumentado, garantir sua qualidade permanece como o maior desafio. Essa melhoria da qualidade, no patamar em que estamos, refere-se a uma mudança sensível na atitude dos profissionais de saúde e na eficiência e presteza dos serviços. É preciso potencializar os recursos humanos e materiais existentes no Estado de São Paulo para o progressivo enfrentamento da morbimortalidade materna e perinatal. É verdade, também, que resultados nesse campo dependem de outros fatores, relativos ao desenvolvimento econômico, social e humano de cada região, que terminam por conferir maior ou menor suporte às mulheres no momento da reprodução. A qualificação permanente da atenção ao pré-natal, ao parto e ao puerpério deve sempre ser perseguida na perspectiva de garantir uma boa condição de saúde tanto para a mulher quanto para o recém-nascido, bem como de possibilitar à mulher uma experiência de vida gratificante nesse período. Para isso, é necessário que os profissionais envolvidos em qualquer instância do processo assistencial estejam conscientes da importância de sua atuação e da necessidade de aliarem o conhecimento técnico específico ao compromisso com um resultado satisfatório da atenção, levando em consideração o significado desse resultado para cada mulher. A consulta pré-natal, para muitas mulheres, constitui-se na única oportunidade que possuem para verificar seu estado de saúde; assim, deve-se considerá-la também como uma chance para que o sistema possa atuar integralmente na promoção e, eventualmente, na recuperação de sua saúde. Feitas essas considerações, e respeitando-se as orientações constantes no Pacto pela Vida e as decisões emanadas do Plano Estadual de Saúde de São Paulo, definem-se as seguintes diretrizes para nortear a atenção ao pré-natal e ao puerpério...


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Serviços de Saúde Materna , Gestantes , Cuidado Pré-Natal , Saúde da Mulher , Direitos da Mulher , Programas Governamentais
18.
In. Coordenação Estadual de DST/AIDS - São Paulo. 1º Encontro Paulista de Prevenção e Controle das DST/AIDS. São Paulo, Coordenação Estadual de DST/AIDS - SÃO PAULO, 1 ed; Nov. 2009. p.13-18, mapas, tab, graf.
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-DSTPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-15978
19.
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA