Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 6 de 6
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Cien Saude Colet ; 17(1): 135-46, 2012 Jan.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-22218547

RESUMO

The aim of this study was to identify the correlation between the number of deaths of elderly people and climate change in the district of São Carlos (SP) over a period of 10 years (1997-2006). Records of deaths were obtained from DATASUS for people aged over 60 who died between 1997 and 2006 in São Carlos. The average monthly maximum and minimum temperature data and relative air humidity in São Carlos were provided by the National Institute of Meteorology. The mortality coefficient of the district was calculated by gender and age and the resulting data were analyzed using t test, one-way ANOVA, the Bonferroni test and the Pearson correlation coefficient test. There were 8,304 deaths which predominantly occurred among males aged over 80, and diseases of the circulatory system were the main cause of death. There was a positive correlation between mortality by infectious disease and minimum humidity, and a negative correlation between mortality by infectious diseases and minimum temperatures, between mortality caused by respiratory disease and minimum humidity, between mortality caused by endocrine disease and minimum and maximum temperature. Thereby, it was possible to conclude that there was a correlation between climate change and mortality among elderly individuals in São Carlos.


Assuntos
Mudança Climática , Geriatria , Mortalidade/tendências , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Brasil , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Fatores de Risco , Fatores de Tempo
2.
Ciênc. saúde coletiva ; 17(1): 135-146, jan. 2012. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-610666

RESUMO

O objetivo desse estudo foi identificar as correlações existentes entre o número de óbitos de indivíduos idosos e as alterações climáticas no município de São Carlos (SP) em um período de 10 anos (1997-2006). Foram colhidas informações do registro de óbitos por meio do DATASUS, de pessoas com 60 anos ou mais, falecidas entre 1997 e 2006 no município. Os dados mensais da média das Temperaturas Máxima, Média e Mínima e da Umidade Relativa do Ar no município de São Carlos foram fornecidos pelo Instituto Nacional de Meteorologia. Calcularam-se os coeficientes de mortalidade do município, por sexo e faixa etária e os dados foram analisados com teste t, ANOVA de fator único, teste de Bonferroni e teste de Pearson. Ocorreram 8.304 óbitos, com predominância de indivíduos na faixa dos 80 anos ou mais, do sexo masculino. As doenças do aparelho circulatório foram as principais causas de óbito. Houve correlação positiva entre mortalidade por doenças infecciosas e Umidade Mínima e correlação negativa entre mortalidade por doenças infecciosas e Temperatura Mínima Mínima, entre mortalidade por doenças respiratórias e Umidade Mínima, entre mortalidade por doenças endócrinas e Temperatura Mínima Mínima e Temperatura Máxima Máxima. Dessa forma, foi possível concluir que houve relação entre o clima e a mortalidade de idosos em São Carlos.


The aim of this study was to identify the correlation between the number of deaths of elderly people and climate change in the district of São Carlos (SP) over a period of 10 years (1997-2006). Records of deaths were obtained from DATASUS for people aged over 60 who died between 1997 and 2006 in São Carlos. The average monthly maximum and minimum temperature data and relative air humidity in São Carlos were provided by the National Institute of Meteorology. The mortality coefficient of the district was calculated by gender and age and the resulting data were analyzed using t test, one-way ANOVA, the Bonferroni test and the Pearson correlation coefficient test. There were 8,304 deaths which predominantly occurred among males aged over 80, and diseases of the circulatory system were the main cause of death. There was a positive correlation between mortality by infectious disease and minimum humidity, and a negative correlation between mortality by infectious diseases and minimum temperatures, between mortality caused by respiratory disease and minimum humidity, between mortality caused by endocrine disease and minimum and maximum temperature. Thereby, it was possible to conclude that there was a correlation between climate change and mortality among elderly individuals in São Carlos.


Assuntos
Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Mudança Climática , Geriatria , Mortalidade/tendências , Brasil , Fatores de Risco , Fatores de Tempo
3.
Arch Gerontol Geriatr ; 50(2): 136-9, 2010.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-19349085

RESUMO

Age-related and arthritis-related foot modifications have been described in literature, but there is a lack of references that allow shoes to be designed on the basis of specific anthropometric measurements of older women. The aim of this study was to identify the anthropometric characteristics of the feet of elderly women with and without arthritis. This is an observational transversal study. The right and left feet of 227 older women aged between 60 and 90 years (69.6 + or - 6.8 years) were evaluated, of whom 45 reported a diagnosis of arthritis (non-osteoarthritis). The anthropometric evaluation of the feet comprised the variables of width, perimeter, height, foot length, first and fifth metatarsophalangeal angles, the arch-index and the foot posture index (FPI). The data were analyzed using the analysis of probability to compare the groups (arthritic and non-arthritic women). The differences between the means were significant in the case of the FPI and some of its criteria, such as the calcaneal frontal plane position, the bulge in the region of the talo-navicular joint and the forefoot alignment. The width of the right foot was also significantly greater in the women with arthritis. These results are preliminary findings that may help direct larger studies of foot characteristics among older adults with arthritis.


Assuntos
Antropometria , Artrite/fisiopatologia , Pé/fisiopatologia , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Artrite/diagnóstico , Artrite/epidemiologia , Feminino , Humanos , Pessoa de Meia-Idade
4.
Arch Gerontol Geriatr ; 49(2): 268-271, 2009.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-18992949

RESUMO

Physical activity programs adapted to the elderly have been proposed with the purpose of minimizing the alterations provoked by aging. These programs usually present break periods of more than 30 days, at least once a year. The aim of this study was to verify if 30-day interruptions cause alterations in the acquisition of physical capacities for senescent women. The study was longitudinal in design, 125 senescent women completed a physical activity program consisting of stretching, aerobic resistance, strength, power and resistance exercises; coordination, agility and flexibility activities; respiratory and relaxation exercises during almost 2 years. Two periods were selected, containing four evaluations with two activities' interruption periods in between the measurements. The main outcome measures were manual pressing strength, flexibility, dynamic balance and physical conditioning (VO2max). During the program there was an increasing tendency for the muscular strength and the VO2max. A significant improvement in flexibility was noted (p<0.0001), but there was no significant difference between the 3rd and the 4th, and the 7th and the 8th measurements. During the program, the dynamic balance showed significant difference (p<0.0001), but there was no significant difference in the interruption periods. It was possible to observe that 30 days of interruption of physical activities in both studied periods were not enough to significantly alter the values of physical capacities of senescent active women.


Assuntos
Envelhecimento/fisiologia , Força Muscular , Consumo de Oxigênio , Educação Física e Treinamento/métodos , Idoso , Tolerância ao Exercício , Feminino , Humanos , Estudos Longitudinais , Pessoa de Meia-Idade , Equilíbrio Postural , Amplitude de Movimento Articular , Fatores de Tempo
5.
Fisioter. mov ; 21(3): 83-91, jul.-set. 2008. graf, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-530579

RESUMO

Há muito tempo são conhecidos os benefícios da prática de exercícios físicos resistidos e a realização destes por portadores de Esclerose Múltipla não é contra indicado se orientado e supervisionado corretamente. Porém, a prática destes exercícios e de atividade física de modo geral provoca uma série de medos e inseguranças nesses pacientes. O objetivo desta pesquisa foi verificar o nível de depressão e o grau de ansiedade de pacientes com Esclerose Múltipla em relação à prática de exercícios resistidos; verificar o impacto da ansiedade para a realização do exercício resistido e graduar o fator de insegurança em relação à prática de exercícios reisitidos nos portadores de Esclerose Múltipla. Foram avaliados 30 pacientes com diagnóstico de Esclerose Múltipla, os quais responderam os seguintes questionários: Inventário de Depressão de Beck, Inventário de Ansiedade Traço-Estado e um Questionário adaptado para pesquisa. Os resultados obtidos por meio dos inventários demonstram que 66,6 por cento dos pacientes não apresentam nenhum tipo de depressão, 66 por cento um grau mediano de ansiedade tanto na A-traço quanto na A-estado. Sobre a prática de atividades físicas, observou-se que 86,6 por cento desses pacientes não praticam qualquer tipo de atividade e apenas 13,4 por cento as praticam. Grande parte dos pacientes que não praticam nenhuma atividade física (46,6 por cento) é desaconselhada por um profissional da saúde a não praticarem. Conclui-se que a maioria dos pacientes apresenta grau mediano de ansiedade , nenhum tipo de depressão e insegurança em praticar exercício, principlamente exercício resistido.


Assuntos
Ansiedade , Depressão , Exercício Físico , Esclerose Múltipla , Modalidades de Fisioterapia
6.
Fisioter. mov ; 20(4): 117-124, out.-dez. 2007. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-501658

RESUMO

Alterações na independência fincional e na mobilidade são problemas que afetam parte importante dos idosos, gerando limitações na execução das atividades de vida diária e reduzindo sua qualidade de vida. Este estudo teve como objetivo comparar e correlacionar a mobilidade e a independência funcional de idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Participaram 35 idosos com idade média de 70 (+-7,2) anos, sendo 18 residentes na comunidade (88 por cento do sexo feminino e 11,9 por cento do masculino) e 17 residentes em instituição (82,4 por cento do sexo masculino e 17,6 por cento do feminino). Foram utilizados o Teste Up and Go (TUG) para a avaliação da mobilidade e a Medida de Independência Funcional (MIF) para avaliar a capacidade funcional. A análise estatística de variância foi feita por meio dos Testes Mann-Whitney, Wilcoxson e T-Student e foi utilizada a Correlação de Pearson para correlacionar as variáveis eme estudo. Foram Observadas diferenças significativas entre os grupos nos ítens autocuidado, transferências e locomoção, e também no tempo de realização do TUG. Foi encontrada correlação diretamente proporcional entrea MIF motora e a MIF cognitiva e correlação relativa inversamente proporcional entre a MIF Motora e o TUG (p=0,003). A independência funcional dos idosos institucionalizados participantes é menor que dos idosos não-institucionalizados e é possível inferir que alterações da cognição podem estar relacionadas às alterações na execução das atividades que determinam a capacidade funcional


Assuntos
Masculino , Feminino , Idoso , Idoso , Institucionalização , Modalidades de Fisioterapia , Maleabilidade
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA