Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. bras. enferm ; 52(3): 401-12, jul.-set. 1999. tab
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: lil-273138

RESUMO

Para termos uma visäo profissional prospectiva, objetivamos traçar o perfil dos acadêmicos de Enfermagem para um padräo de Inteligência Emocional e identificar suas aptidöes cognitivas, comportamentais e emocionais, considerando que ser emocionalmente inteligente está se tornando requisito imprescindível para todo profissional. Estudo exploratório descritivo, realizado numa instituiçäo pública da cidade de Fortaleza-CE, com os estudantes regularmente matriculados no período de 99.1, tendo uma amostra de 138 sujeitos. Para isto, utilizamos um questionário composto por um teste disponível na internet e uma segunda parte de perguntas acerca das aptidöes emocionais, cognitivas e comportamentais relacionadas a Inteligência Emocional. Como resultados, obtivemos que a maioria dos estudantes (78,26 por cento) tem um bom nível de Inteligência Emocional e apenas 16,67 por cento merecem aprimoramento. Na distribuiçäo das aptidöes emocionais, cognitivas e comportamentais como suficientes, regulares e insuficientes, as aptidöes cognitivas se destacaram entre as demais. Comcluímos principalmente que os estudantes tem potencial para serem profissionais empáticos, sintonizados com os pacientes e capazes de saber e se fazer ouvir, características básicas da Inteligência Emocional.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Comportamento , Inteligência , Educação em Enfermagem , Emoções , Estudantes de Enfermagem , Prática Profissional , Inquéritos e Questionários , Relações Interpessoais
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA