Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 7 de 7
Filtrar
1.
Rev. Saúde Pública Paraná (Online) ; 4(1): 119-132, abr. 2021.
Artigo em Português | Coleciona SUS, CONASS, SESA-PR | ID: biblio-1280872

RESUMO

Transtornos mentais estão entre as principais causas de adoecimento no mundo. Essas questões se agravam principalmente em momentos de grande instabilidade, como no caso da pandemia de COVID-19, justificando ainda mais o uso de estratégias de divulgação e disseminação de cuidados em saúde mental. O objetivo deste artigo é relatar uma experiência de comunicação em saúde mental acessível e prática, a partir da produção e divulgação de materiais digitais durante a pandemia de Covid-19. Esse estudo é um relato de experiência, de caráter descritivo. Foram produzidos cards com informações sobre cuidados com a saúde mental durante a pandemia para serem divulgados em redes sociais a partir do método Suitability Assessment of Materials e da literatura em comunicação em saúde. Por fim, discute-se o potencial das estratégias de comunicação em saúde, alinhadas aos pressupostos da atenção primária, de promover a autonomia dos indivíduos e a diminuição de iniquidades na saúde da população. (AU)


Mental disorders are among the leading causes of illness in the world. These issues are aggravated in times of great instability, as in the case of the COVID-19 pandemic, further justifying the use of mental health care disclosure and dissemination. The purpose of this article is to present an accessible, practical team structuring and health communication method with potential impact on individuals behaviour. The aim of this article is to report an accessible and practical mental health communication experience, based on the production and dissemination of digital materials during the Covid-19 pandemic. This study is a descriptive experience report. Cards were produced based on the mental health care information during the pandemic and were disseminated on social network considering the Suitability Assessment of Materials Method and the literature on health communication. Finally, we discuss the potential of health communication strategies, aligned with the assumptions of primary care, to promote the autonomy of individuals and the reduction of health inequities in the population. (AU)


Assuntos
Atenção Primária à Saúde , Saúde Mental , Educação em Saúde , Comunicação em Saúde , COVID-19
2.
Rev. Bras. Psicoter. (Online) ; 23(3): 33-46, 2021.
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos | ID: biblio-1354698

RESUMO

Em março de 2020 a Organização Mundial da Saúde declarou a pandemia do novo coronavírus. Além do adoecimento pelo vírus, sabe-se que epidemias e pandemias podem provocar também adoecimento psíquico das populações, devido às mudanças necessárias no perído. O Brasil tem sido vastamente criticado pela gestão ineficiente da pandemia. Atualmente, figura entre os países com maiores índices de infecções e óbitos. O objetivo deste estudo foi avaliar a presença de riscos à saúde mental da população brasileira durante o período da pandemia do coronavírus e qual possível fator mediador para o desenvolvimento de transtornos mentais. Participaram deste estudo 738 pessoas com idade entre 18 e 80 anos (M = 32,9, DP = 10,9), 71,4% mulheres. Foi um estudo transversal e os instrumentos utilizados foram um questionário sociodemográfico, o Self Report Questionnaire-20 e a Personal Wellbeing Index. Para as análises de moderação foi utilizado o pacote PROCESS para SPSS. Os resultados encontrados indicam que o bem-estar tem papel moderador no adoecimento mental, independentemente da presença ou não de diagnóstico prévio de transtorno mental. O bem-estar reduziu significativamente os sinais e sintomas de transtornos mentais nessa amostra, mostrando-se um importante fator de promoção de saúde mental. As limitações do estudo dizem respeito às diferenças culturais entre as regiões do país e à predominância de respondentes gaúchos na amostra. Discute-se a necessidade de investir em intervenções de promoção do bem-estar durante a pandemia para mitigar os riscos de adoecimento mental da população.(AU)


In March 2020, the World Health Organization declared a New Coronavirus pandemic. Besides getting sick from the virus, it is known that epidemics and pandemics can also cause psychological illness in the population, due to the necessary changes during the period. Brazil has been widely criticized for its inefficient management of the pandemic. Currently, it ranks among the countries with the highest rates of infections and deaths. The objective of this study was to evaluate the presence of mental health risks of the Brazilian population during the period of the coronavirus pandemic and what possible mediating factor of mental illness. Participated in this study 738 people aged between 18 and 80 years (M = 32.9, SD = 10.9), 71.4% women. It was a cross-sectional study and the instruments used were a sociodemographic questionnaire, the Self Report Questionnaire-20 and Personal Wellbeing Index. The PROCESS package for SPSS was used for the moderation analyses. The results found indicate that well-being has a moderating role in mental illness, regardless of the presence or absence of a previous diagnosis of mental disorder. Well-being significantly reduced the signs and symptoms of mental illness in this sample, proving to be an important factor in promoting mental health. The limitations of the study concern the cultural differences between the regions of the country and the predominance of respondents from Rio Grande do Sul in the sample. The need to invest in wellness promotion interventions during the pandemic to mitigate the risks of mental illness in the population is discussed.(AU)


En marzo de 2020, la Organización Mundial de la Salud declaró una Nueva Pandemia de Coronavirus. Además de la enfermedad por el virus, se sabe que las epidemias y pandemias también pueden causar enfermedades psicológicas en las poblaciones, debido a los cambios necesarios en el periodo de la epidemia. Brasil ha sido ampliamente criticado por su ineficiente gestión de la pandemia. En la actualidad, se encuentra entre los países con mayores tasas de infecciones y muertes. El objetivo de este estudio fue evaluar la presencia de riesgos para la salud mental de la población brasileña durante el período de la pandemia de coronavirus y cuál es el posible factor mediador de la enfermedad mental. Participaron en este estudio 738 personas con edades comprendidas entre los 18 y los 80 años (M = 32,9, DT = 10,9), 71,4% mujeres. Fue un estudio transversal y los instrumentos utilizados fueron un cuestionario sociodemográfico, el Self Report Questionnaire-20 y Personal Wellbeing Index. Para los análisis de moderación se utilizó el paquete PROCESS para SPSS. Los resultados encontrados indican que el bienestar tiene un papel moderador en el deterioro mental, independientemente de la presencia o no de un diagnóstico previo de trastorno mental. El bienestar redujo significativamente los signos y síntomas de la enfermedad mental en esta muestra, demostrando ser un factor importante para la promoción de la salud mental. Las limitaciones del estudio se refieren a las diferencias culturales entre las regiones del país y al predominio de encuestados de Rio Grande do Sul en la muestra. Se discute la necesidad de invertir en intervenciones para promover el bienestar durante la pandemia para mitigar los riesgos de enfermedad mental de la población.(AU)


Assuntos
Saúde Mental , Coronavirus , Fatores de Proteção
3.
Estud. pesqui. psicol. (Impr.) ; 20(3): 899-918, set.-dez. 2020. tab
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos | ID: biblio-1354685

RESUMO

Este estudo teve por objetivo discutir relações entre adversidades na infância e sintomas de depressão, ansiedade e estresse em uma amostra de adultos brasileiros, além dos fatores proximais e distais que poderiam explicar o caminho dessa relação da infância até a idade adulta. 510 participantes com idades entre 18 e 59 anos (MD=30,64; DP=10,47) responderam a uma ficha de dados sociodemográficos, à Maltreatment and Abuse Exposure Scale, à DASS-21 e à Social Readjustment Rating Scale, por coleta online e presencial. Os resultados indicaram que ter vivenciado adversidades na infância estava associado a maiores índices dos sintomas e à ideação suicida e que a violência psicológica e emocional se mostrou mais prevalente e com maior efeito em longo prazo. Percepção de rede de apoio social e psicoterapia são fatores que podem atuar de forma positiva e eventos estressores recentes podem intensificar o prejuízo sobre a saúde mental. São discutidas as implicações na identificação e intervenção sobre as adversidades na infância e no investimento nos fatores protetivos em longo prazo. (AU)


This study aimed to discuss the relationships between childhood adversity and symptoms of depression, anxiety and stress in a sample of Brazilian adults, as well as the proximal and distal factors that could explain the path of this relationship from childhood to adulthood. 510 participants aged 18-59 years (M = 30.64; SD = 10.47) responded to a sociodemographic data sheet, the Maltreatment and Abuse Exposure Scale, the DASS-21 and the Social Readjustment Rating Scale. The results indicated that experiencing childhood adversities is associated with higher indexes of symptoms and suicidal ideation, and that psychological and emotional violence was more prevalent and had a greater long-term effect. Perceptions of social support network and psychotherapy are factors that can act positively and recent stressful events can intensify the damage on mental health. Implications for identifying and intervening on childhood adversities and investing in long-term protective factors are discussed. (AU)


Este estudio tuvo por objetivo discutir relaciones entre adversidades en la infancia y síntomas de depresión, ansiedad y estrés en una muestra de adultos brasileños, además de los factores proximales y distales que podrían explicar el camino de esa relación de la infancia hasta la edad adulta. 510 participantes con edades entre 18 y 59 años (M = 30,64, DE = 10,47) respondieron a una ficha de datos sociodemográficos, a la Maltreatment and Abuse Exposure Scale, a la DASS-21 y a la Social Readjustment Rating Scale, por colecta online y presencial. Los resultados indicaron que haber vivido adversidades en la infancia estaba asociado a mayores índices de los síntomas y a la ideación suicida, y que la violencia psicológica y emocional se mostró más prevalente y con mayor efecto a largo plazo. La percepción de la red de apoyo social y la psicoterapia son factores que pueden actuar de forma positiva y los acontecimientos de estrés recientes pueden intensificar el perjuicio sobre la salud mental. Se discuten las implicaciones en la identificación e intervención sobre las adversidades en la infancia y en la inversión en los factores protectores a largo plazo. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Maus-Tratos Infantis , Ansiedade , Saúde Mental , Adulto , Depressão , Ideação Suicida , Fatores de Proteção
4.
Cien Saude Colet ; 25(9): 3401-3411, 2020 Sep.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-32876269

RESUMO

Pandemics such as that of COVID-19 affect a relatively large number of people and impose new rules and social habits on the world population. Information about the pandemic is constant in the media. Moreover, social distancing has been adopted in Brazil to prevent the spread of COVID-19, which may have economic and psychosocial consequences. This study aimed to verify the factors associated with indicators of mental disorders symptoms in residents of Rio Grande do Sul during the initial period of the social distancing policy. The study was approved by CONEP. There were 799 participants, aged between 18 and 75 years (M = 36.56; SD = 12.88); 82.7% were women, who answered a sociodemographic questionnaire of social distancing and the Self-Report Questionnaire (SRQ-20). The results indicated that having decreased income in the period, being part of the risk group and being more exposed to information about deaths and infected, are factors that can significantly harm mental health in this pandemic period. Investigating social determinants that contribute to greater vulnerability to the mental illness of the population is vital in the field of collective health for the planning of public actions and policies.


Assuntos
Infecções por Coronavirus/epidemiologia , Transtornos Mentais/epidemiologia , Saúde Mental , Pneumonia Viral/epidemiologia , Isolamento Social/psicologia , Adolescente , Adulto , Idoso , Brasil/epidemiologia , COVID-19 , Infecções por Coronavirus/psicologia , Feminino , Política de Saúde , Humanos , Renda , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Pandemias , Pneumonia Viral/psicologia , Fatores de Risco , Adulto Jovem
5.
Preprint em Português | SciELO Preprints | ID: pps-507

RESUMO

Pandemics, such as COVID-19 affect a relatively large number of people and impose new rules and social habits for the whole population. Information about the pandemic are constant in the media. Social distancing was also initiated in Brazil as a measure to prevent the spread of the new coronavirus, which can have economic and psychosocial consequences. In this context, the objective of this paper was to verify the association between social distance, impact on family income and exposure to information, with indicators of symptoms of mental disorders in residents of the state of Rio Grande do Sul/Brazil during the COVID-19 pandemic. This study was approved by CONEP/BR. 799 people participated, 18 - 75 years old (M = 36.56; SD = 12.88), 82.7% women, who answered a sociodemographic and social distance questionnaire, and the Self-Report Questionnaire (SRQ -20). The results indicated that not being a health worker, having a reduced income in the period, being part of the risk group and being more exposed to information about dead and infected people, are factors that can cause greater damage to mental health in this pandemic period. These factors and their association with social distance are discussed.


As pandemias, como a de COVID-19, afetam uma quantidade relativamente grande de pessoas e impõem, pelo tempo que duram, novas regras e hábitos sociais para a população mundial. As informações sobre a pandemia são constantes na mídia. Além disso, o distanciamento social foi adotado também no Brasil como medida de prevenção da disseminação do novo coronavírus, o que pode ter consequências econômicas e psicossociais. Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi verificar a associação entre o distanciamento social, impacto na renda familiar e exposição a informações com os indicadores de sintomas de transtornos mentais em residentes do estado do Rio Grande do Sul durante a pandemia de COVID-19. O estudo foi aprovado pelo CONEP. Participaram 799 pessoas, com idades entre 18 e 75 anos (M = 36,56; DP = 12,88), 82,7% mulheres, que responderam um questionário sociodemográfico e sobre o distanciamento social, além do Self-Report Questionnaire (SRQ-20). Os resultados indicaram que não ser trabalhador da saúde, ter renda diminuída no período, fazer parte do grupo de risco e estar mais exposto a informações sobre mortos e infectados, são fatores que podem provocar maior prejuízo na saúde mental nesse período pandemia. Discute-se esses fatores e sua associação ao distanciamento social.

6.
Ciênc. Saúde Colet ; 25(9): 3401-3411, Mar. 2020. tab
Artigo em Português | LILACS, Coleciona SUS, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1133160

RESUMO

Resumo As pandemias, como a da COVID-19, afetam uma quantidade relativamente grande de pessoas e impõem novas regras e hábitos sociais para a população mundial. As informações sobre a pandemia são constantes na mídia. Além disso, o distanciamento social foi adotado no Brasil como medida de prevenção da disseminação da COVID-19, o que pode ter consequências econômicas e psicossociais. Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi verificar os fatores associados a indicadores de sintomas de transtornos mentais em residentes do Rio Grande do Sul, durante o período inicial da política de distanciamento social decorrente da pandemia da COVID-19. O estudo foi aprovado pelo CONEP. Participaram 799 pessoas, com idades entre 18 e 75 anos (M = 36,56; DP = 12,88), 82,7% mulheres, que responderam um questionário sociodemográfico, de distanciamento social e ao Self-Report Questionnaire (SRQ-20). Os resultados indicaram que ter renda diminuída no período, fazer parte do grupo de risco e estar mais exposto a informações sobre mortos e infectados, são fatores que podem provocar maior prejuízo na saúde mental nesse período pandemia. Investigar determinantes sociais que contribuem para maior vulnerabilidade ao adoecimento mental da população é importante no campo da saúde coletiva para o planejamento de ações e políticas públicas.


Abstract Pandemics such as that of COVID-19 affect a relatively large number of people and impose new rules and social habits on the world population. Information about the pandemic is constant in the media. Moreover, social distancing has been adopted in Brazil to prevent the spread of COVID-19, which may have economic and psychosocial consequences. This study aimed to verify the factors associated with indicators of mental disorders symptoms in residents of Rio Grande do Sul during the initial period of the social distancing policy. The study was approved by CONEP. There were 799 participants, aged between 18 and 75 years (M = 36.56; SD = 12.88); 82.7% were women, who answered a sociodemographic questionnaire of social distancing and the Self-Report Questionnaire (SRQ-20). The results indicated that having decreased income in the period, being part of the risk group and being more exposed to information about deaths and infected, are factors that can significantly harm mental health in this pandemic period. Investigating social determinants that contribute to greater vulnerability to the mental illness of the population is vital in the field of collective health for the planning of public actions and policies.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Idoso , Adulto Jovem , Pneumonia Viral/epidemiologia , Isolamento Social/psicologia , Saúde Mental , Infecções por Coronavirus/epidemiologia , Transtornos Mentais/epidemiologia , Pneumonia Viral/psicologia , Brasil/epidemiologia , Fatores de Risco , Infecções por Coronavirus , Infecções por Coronavirus/psicologia , Pandemias , Política de Saúde , Renda , Pessoa de Meia-Idade
7.
Estud. pesqui. psicol. (Impr.) ; 17(3): 1181-1199, set.-dez. 2017. tab
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos | ID: biblio-965492

RESUMO

A aliança terapêutica (AT) é uma variável chave para o processo de mudança, sendo afetada por fatores do terapeuta e do paciente. Este estudo investigou a relação entre AT, vinculação parental e sintomatologia de pacientes em Psicoterapia Psicanalítica. Foram examinados 57 pacientes adultos entre a 4ª e a 5ª sessão de tratamento com medidas de avaliação da AT, da vinculação com os pais na infância e adolescência e de sintomas psicopatológicos. Associações positivas entre AT e cuidados da mãe e associações negativas entre AT e controle da mãe foram encontradas. Além disso, foram constatadas diferenças na AT entre os estilos parentais "cuidado ótimo" e "controle sem afeto" da mãe. Não houve associação entre AT e sintomas. Por outro lado, diversos sintomas mostraram associação positiva com o controle do pai. Os resultados indicam que a AT está relacionada com a história pregressa de vinculação do paciente e esta história tem relação com seu quadro clínico atual, evidenciando a complexidade dos processos que ocorrem na psicoterapia. (AU)


The Therapeutic Alliance (TA) is a key-variable for the process change, and it's affected by therapist's and patients' factors. This study investigated the relationship between TA, parental bonding and symptomatology in patients in psychoanalytic psychotherapy. Fifty-seven adult participants were examined between the 4th and the 5th session of the treatment with assessments of TA, child and adolescence parental bonding and psychopathological symptoms. Positive associations between TA and "mother care" and negative associations between "mother overprotection" and TA were found. Also, significant differences were found in TA and the mother's parenting styles "optimal parenting" and "affectionless control". TA and symptoms were not associated. However, several symptoms had positive associations with father overprotection. Results indicate that TA is related with the parental bonding history and that this history is related with patients' current clinical condition, showing the complexity of the processes that occur in psychotherapy. (AU)


La Alianza Terapéutica (AT) es una variable clave para el proceso de cambio y es afectada por factores del terapeuta y del paciente. Este estudio examinó la relación entre la AT, la vinculación parental y la sintomatología en pacientes en psicoterapia psicoanalítica. Se examinaron cincuenta y siete participantes adultos entre la cuarta y la quinta sesión del tratamiento con instrumentos de evaluación de la alianza terapéutica, de la vinculación parental en la infancia y adolescencia, y de los síntomas psicopatológicos. Se encontraron asociaciones positivas entre la AT y el cuidado de la madre, y asociaciones negativas entre la AT e la protección de la madre. También se constató diferencias significativas en la AT y los estilos parentales de la madre "cuidado óptimo" y "control sin afecto". No hubo asociación entre AT y síntomas. Sin embargo, varios síntomas mostraran asociación positiva con el control del padre. Los resultados indican que la AT se relaciona con la historia anterior de vinculación del paciente y que esta historia tiene que ver con su cuadro clínico actual, mostrando la complejidad de los procesos que ocurren en la psicoterapia. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Relações Pais-Filho , Psicoterapia , Sinais e Sintomas , Transtorno Reativo de Vinculação na Infância/psicologia , Comportamento Materno/psicologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...