Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Audiol Neurootol ; 19(4): 261-6, 2014.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-25170548

RESUMO

Multiple sclerosis (MS) is a demyelinating disease and is considered the most debilitating neurological disorder among young adults. Sudden deafness has been reported in MS patients. This article describes cases of sudden deafness related to acute bouts in MS patients. A survey was conducted using 405 records of MS patients attended to at a reference center in the city of Rio de Janeiro between 2011 and 2012 to identify cases of sudden deafness. Seven patients were identified, 6 with a relapsing-remitting course and 1 with progressive disease at onset. Five patients had unilateral deafness and 2 bilateral. The recovery was complete in 4 and partial in 1, and there was no recovery in 2 patients. It was not possible to establish a topographical correlation between deafness and brainstem lesions. Audiometric examinations revealed severe hearing loss during the bout and recovery of hearing in 5 cases after remission.


Assuntos
Perda Auditiva Súbita/etiologia , Esclerose Múltipla Crônica Progressiva/complicações , Esclerose Múltipla Recidivante-Remitente/complicações , Adulto , Anti-Inflamatórios/uso terapêutico , Feminino , Perda Auditiva Súbita/tratamento farmacológico , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Recuperação de Função Fisiológica , Adulto Jovem
2.
Rio de Janeiro; s.n; 2010. xii, 64 p. ilus, tab, mapas.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-734186

RESUMO

A ototoxicidade é a tendência de certos agentes terapêuticos causarem prejuízo funcional e degeneração celular dos tecidos da orelha interna, afetando o sistema coclear e/ou sistema vestibular. Nossa observação sobre a tontura como efeito adverso (EA) do antimoniato de meglumina (AM), ao longo de dezesseis anos, pelos pacientes acompanhados pelo ambulatório de Leishmaniose (LabVigiLeish), motivou-nos a iniciar uma pesquisa com o objetivo de descrever a cócleovestíbulotoxicidade deste fármaco. Apresentamos três artigos sobre leishmaniose mucosa (LM). No primeiro, avaliamos a tontura como EA ao uso do AM em 127 pacientes tratados de LM pelo Ipec-Fiocruz. Comprovamos que a tontura pode ocorrer como EA ao AM em 4,7 por cento dos pacientes estudados, com chance maior em mulheres (Adj OR = 7,37), idade igual ou superior a 60 anos (Adj OR = 4,9) e com aumento de lipase sérica (Adj OR = 7,77). No segundo artigo, descrevemos o primeiro relato de toxicidade cócleo-vestibular associado ao uso de AM, ocorrido em um paciente de 79 anos com LM atendido no LabVigiLeish no Ipec-FioCruz, que apresentou tontura rotatória incapacitante e perda auditiva, durante o tratamento, ambas reversíveis após a parada do mesmo...


Entre os fatores de risco associados observamos a idade a partir de 60 anos e a presença de alterações pancreáticas. No terceiro artigo, com o objetivo de determinar se a forma de expressão clínica e a prevalência de Leishmaniose Tegumentar (LT) estão associadas, estudamos os dados clínicos e epidemiológicos durante o período de 2002 a 2009, em todas as regiões do Brasil, segundo os dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Nossos resultados mostram que nas regiões com menor prevalência e endemicamente mais novas, existe uma maior proporção de casos com evolução para LM, em comparação com as regiões com maior prevalência e endemicamente mais antigas (p<0,05). Concluímos que o antimoniato de meglumina apresenta efeito tóxico cócleo-vestibular aparentemente reversível, principalmente no sexo feminino, em idosos e com toxicidade pancreática associada e que, a proporção de LM varia de forma inversa com a prevalência de LT nas diferentes regiões do país...


Assuntos
Idoso , Antimônio , Leishmaniose Mucocutânea , Meglumina
4.
Ars cvrandi ; 21(8): 102, 104, 106, passim, set. 1988. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-68907

RESUMO

Os autores apresentam um caso de rinossinusite crônica hipertrófica polipóide em um paciente de 52 anos que se queixava de obstruçäo nasal, cefaléia, exoftalmia à esquerda. Discutem as possíveis causas e o diagnóstico radiológico, que pode facilmente ser confundido com o de outras patologias mais graves, uma vez que esta patologia apresenta extensas lesöes como erosöes ósseas. Trata-se de uma patologia benigna, passível de cura através de cirurgia. Os autores chamam a atençäo para a importância do fornecimento dos dados clínicos ao radiologista, a fim de facilitar o diagnóstico da patologia


Assuntos
Pessoa de Meia-Idade , Humanos , Masculino , Neoplasias Nasais/diagnóstico , Papiloma/diagnóstico , Rinite Vasomotora/diagnóstico , Sinusite/diagnóstico , Doença Crônica , Diagnóstico Diferencial
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA