Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
Arq. bras. oftalmol ; 65(1): 49-52, jan.-fev. 2002. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-308687

RESUMO

Objetivo: Estudar em olhos de coelhos as alterações retinianas após injeção intravítrea de lidocaína nas concentrações 0,5, 1,0 e 2,0 por cento por meio de análise histopatológica com microscopias de luz e eletrônica de transmissão. Métodos: Foram utilizados 40 olhos de 20 coelhos albinos da raça Nova Zelândia, submetidos à injeção intravítrea de lidocaína a 0,5 por cento (grupo II),1,0 por cento (grupo 111) e 2,0 por cento (grupo IV) nos olhos direitos e solução salina nos olhos esquerdos (grupo I-controle) após anestesia geral. Foi realizada oftalmoscopia binocular indireta, antes, durante, imediatamente e uma hora após a injeção intravítrea e nos dias primeiro , terceiro, sétimo e décimo quinto de evolução. Nos mesmos períodos um olho do grupo II, dois olhos do grupo III, um olho do grupo IV e todos olhos contralaterais (grupo I), foram enucleados e examinados sob microscopia de luz e eletrônica de transmissão. Resultados: A observação por oftalmoscopia binocular indireta antes e durante a injeção intravítrea não apresentou alteração em todos os olhos examinados. Após a injeção intravítrea observou-se a retina com aspecto esbranquiçado difuso, elevação da interface vítreo-retiniana, focal e próximo ao local de injeção, edema de retina e anel de condensação vítrea tanto no grupo controle quanto nos olhos com injeção de lidocaína. A análise histológica por microscopia de luz e eletrônica de transmissão não evidenciou alterações em nenhum dos olhos examinados. Conclusões: A injeção intravítrea de lidocaína nas concentrações de 0,5, 1,0 e 2,0 por cento demonstrou ser atóxica para a retina, considerando os estudos de microscopia de luz e eletrônica de transmissão.


Assuntos
Animais , Coelhos , Anestésicos Locais/administração & dosagem , Injeções/métodos , Lidocaína/administração & dosagem , Retina , Corpo Vítreo , Microscopia Eletrônica de Transmissão e Varredura/métodos , Microscopia Eletrônica/métodos
2.
Arq. bras. oftalmol ; 59(2): 213-216, abr. 1996. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-283700

RESUMO

Foram analisados os prontuários de 22 pacientes (43 olhos) com diagnóstico de estrias angióides no período de março de 1977 a novembro de 1994. A idade média foi de 40,95 anos, variando de 17 a 77 anos. Vinte e um pacientes eram da cor branca, 1 da cor amarela, näo tivemos pacientes da cor preta. A acuidade visual inicial era de 20/40 ou melhor em 55,8 por cento pacientes, entre 20/50 a 20/70 em 19,3 por cento, 20/80 a 20/200 em 23,2 por cento e o pior que 20/200 em 11,7 por cento. Treze pacientes (60 por cento) tinham pseudo xantoma elástico, 1 paciente 4 por cento com anemia falciforme, 9 (40 por cento) de causa idiopática. Näo tivemos paciente com doença de Paget. Membrana neovascular sub retiniana estava presente em 6 pacientes e 2 pacientes desenvolveram a membrana em 4 anos de seguimento.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Estrias Angioides/diagnóstico , Hemoglobinopatias , Pseudoxantoma Elástico , Testes Visuais , Acuidade Visual/fisiologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...