Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Filtros adicionais











Intervalo de ano
1.
Rev. bras. oftalmol ; 78(2): 112-116, mar.-abr. 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-1003565

RESUMO

Resumo Objetivo: Identificar a prevalência de alterações visuais em crianças de cinco anos em escolas públicas de Curitiba-PR. Métodos: As escolas foram selecionadas aleatoriamente dentro do município de Curitiba. As crianças com cinco anos completos em 2017 foram avaliadas com a tabela de Snellen, através de distância mínima correta para nitidez de imagem e teste de Hirschberg. Os pais responderam um questionário sobre uso de telas, sintomas oculares e histórico familiar da criança. Os resultados das avaliações foram analisados estatisticamente considerando nível de significância p≤0,05. Resultados: Em uma população de 459 crianças triadas, 219 (47,7%) pertenciam ao sexo feminino e 240 (52,3%) masculino, sendo que do total, 100 foram encaminhadas para avaliação oftalmológica especializada. A partir da triagem observou-se a prevalência de miopia de 10,7%, hipermetropia de 17,6% e estrabismo de 0,9%. Houve relação entre genitores com miopia e filhos míopes (p<0,05). Dentre as queixas oftalmológicas predominaram cefaleia (30,4%) e franzir de testa (10%). Conclusão: A prevalência de alterações visuais encontrada foi de 21,8%. A relação entre distúrbios visuais e o histórico familiar se mostrou estatisticamente significativa. Entretanto, apenas o tempo médio em frente à televisão apresentou influência, dentre os hábitos de vida, sobre as alterações da AV (p=0,028). Queixas oftalmológicas apesar de frequentes, não apresentaram correlação expressiva com a diminuição da acuidade visual.


Abstract Objective: To identify the incidence of visual impairment in 5-year-old children in public schools from Curitiba-PR. Methods: A selection of schools has been choosen randomly from Curitiba. The children, with completed 5 years at end of 2017 have been evaluated using Snellen table, trough minimum distance for image sharpness and Hirschberg test. Parents answered a questionnaire about the use of screens, ocular symptoms and family history of the child. Significance levels were defines as begin p≤0,05. Results: The results have shown that four hundred fifty-nine children were screened. Two hundred nineteen are female (47,7%) and two hundred fourty (52,3%), male. From all screened patients, one hundred were refered to specialized oftalmic evaluation. After trial completing, has been attained a prevalence value of 10,7% for myopia, 17,6% of hyperopia and 0,9% of strabismus. Strong correlation between parents and children has been undiscovered (p<0,05). From listed oftalmic complaints, headache (30,4%) and frown (10%) where most prevalent. Conclusion: It has been attained that the prevalence of visual acuity is 21,8%. The relation between visual acuity alteration and familiar history has been shown to be significant related. On the other side, the average time in front of television has been shown the only habit that has correlation with visual acuity reduction (p=0,028). Vision complaints, although very frequent, doesn't translate into increased probability of visual acuity alteration.

2.
Rev. bras. med. fam. comunidade ; 14(41): 1793, 02/2019.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-1009656

RESUMO

Ampliar a compreensão dos estudantes da saúde em relação à dinâmica social que leva à marginalização, suas particularidades clínicas e políticas públicas existentes, discutindo qual o seu papel na mudança da realidade exposta. Método: Realizou-se um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, tendo como foco central o Curso de extensão "Saúde e Marginalização Social: expandindo perspectivas" de uma Universidade de Curitiba. O curso, com duração anual, apresentava-se com encontros mensais para discussão dos temas: o sentido da saúde e a influência da marginalização social, saúde das populações negra, indígena, LGB e TRANS, profissionais do sexo, em situação de rua e saúde mental. Em espaços organizados por alunos do curso de Medicina e supervisão docente, os convidados, pertencentes às populações em discussão, ou envolvidos em políticas públicas, demonstraram suas visões e sofrimentos e se relacionaram com a plateia, por meio de recortes históricos, relatos de vivência e descrição das dificuldades e perspectivas dentro da medicina. Resultados: Os espaços apresentaram grande adesão de estudantes, de variados cursos; houve relatos de surpresa e a afirmação de que nunca haviam presenciado esses temas em sala de aula. A maioria relatou elucidação nestas questões e a possibilidade de aplicação clínica dos conteúdos para humanização das suas práticas em saúde. Conclusão: Faz-se necessária a inclusão do tema Populações Marginalizadas nas ementas dos cursos da saúde, a fim de que as discussões representem mudanças no perfil do médico formado, seguindo as competências definidas nas DCNs e no cuidado, agora integral, ofertado aos pacientes.


To increase the health student´s understanding regarding social dynamics that leads to marginalization, its clinical features and existing public policies, discussing their role about the change of the exposed reality. Methods: A descriptive study has been made about the type experience report, having as main focus the Extension Program "Health and Social Marginalization: suppressing curricular failures" from a University of Curitiba. The annual program was presented with monthly meetings to discuss the themes: the meaning of health and the influence of the social marginalization, health of the afro descendants, indigenous, LGB and Transsexual populations, sex workers, homeless and mental health. In places organized by medical students with teacher's supervision, the guests, belonging to the populations under discussion or involved in public policy, demonstrated their visions and sufferings getting involved with the audience through history fragments, experience reports and difficulties descriptions and perspectives within medicine. Results: The places presented great adhesion of students from several courses, there were surprised reactions and confirmation that they never had contact with this subjects in class. Most reported elucidation in these questions and the possibility of clinical application of the content to humanize their health care practices. Conclusion: The inclusion of the theme of Marginalized Populations in the health courses programs is necessary to encourage discussions that can make significant changes in the trained physician profile, following the competencies defined in the DCNs and now in the integral care offered to patients.


Ampliar la comprensión de los estudiantes de la salud con relación a la dinámica social que lleva a la marginación, sus particularidades clínicas y políticas públicas existentes, discutiendo cuál es su papel en el cambio de la realidad expuesta. Método: Se realizó un estudio descriptivo, del tipo relato de experiencia, teniendo como enfoque central el Curso de extensión "Salud y Marginalización Social: expandiendo perspectivas" de una Universidad de Curitiba. El curso, con duración anual, se presentaba con encuentros mensuales para discusión de los temas: el sentido de la salud y la influencia de la marginación social, Salud de las poblaciones negra, indígena, LGB y TRANS, profesionales del sexo, en situación de calle y salud mental. En espacios organizados por alumnos del curso de Medicina y supervisión docente, los invitados, pertenecientes a las poblaciones en discusión, o involucrados en políticas públicas, demostraron sus visiones y sufrimientos y se relacionaron con la audiencia, por medio de recortes históricos, relatos de vivencia y descripción de las dificultades y perspectivas dentro de la medicina. Resultados: Los espacios presentaron gran adhesión de estudiantes, de variados cursos; hubo informes de sorpresa y la afirmación de que nunca habían presenciado estos temas en el aula. La mayoría relató elucidación en estas cuestiones y la posibilidad de aplicación clínica de los contenidos para humanización de sus prácticas en salud. Conclusión: Se hace necesaria la inclusión del tema Poblaciones Marginadas en los programas de los cursos de la salud, a fin de que las discusiones representen cambios en el perfil del médico formado, siguiendo las competencias definidas en las DCNs y en el cuidado, ahora integral, ofrecido a los pacientes.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA