Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 1.059
Filtrar
1.
Recurso na Internet em Português | LIS - Localizador de Informação em Saúde, LIS-bvsms | ID: lis-LISBR1.1-46894

RESUMO

A oncocercose ou "cegueira dos rios” é uma doença parasitária que causa lesões na pele e nos olhos. Se não for tratada, pode causar cegueira. Na América Latina, o território onde a comunidade indígena Yanomami vive – entre Brasil e Venezuela – é o último foco da doença.


Assuntos
Oncocercose , Oncocercose Ocular , Doenças Parasitárias , Simuliidae
2.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-23. (OPAS/CDE/19-010).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51568

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 12: Adolescentes e adultos jovens. Este módulo destina-se a pessoas interessadas em prestar serviços de PrEP a adolescentes mais velhos e adultos jovens em risco substancial de contrair o HIV. Contém informações sobre: fatores que influenciam a suscetibilidade de pessoas jovens ao HIV; considerações clínicas sobre a segurança e a continuação da PrEP; maneiras de melhorar o acesso e a utilização do serviço; e estratégias de monitoramento inclusivo para melhorar o registro e a notificação de dados sobre pessoas jovens.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Profilaxia Pré-Exposição , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde , Saúde do Adolescente
3.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-23. (OPAS/CDE/19-006).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr--51567

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, os parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como introduzir PrEP e iniciar sua implementação. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 11: Usuários da PrEP. Este módulo fornece informações para pessoas interessadas em tomar PrEP para reduzir seu risco de contrair o HIV e para as pessoas que já estão tomando PrEP, visando auxiliá-las na escolha e utilização da PrEP. Também oferece ideias para países e organizações em vias de implementar a PrEP a fim de ajudá-los a desenvolver suas próprias ferramentas.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Profilaxia Pré-Exposição , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde
4.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-23. (OPAS/CDE/19-005).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51566

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, os parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como introduzir a PrEP e iniciar sua implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 10: Prestadores de serviços de testagem. Este módulo destina-se às pessoas que prestam serviços de testagem nos centros de PrEP e laboratórios. Oferece orientações a respeito da seleção de serviços de testagem, inclusive triagem antes do início da PrEP e monitoramento dos usuários enquanto estão utilizando a profilaxia. Fornece informações sobre exames de HIV, creatinina, HBV e HCC, gravidez e ISTs.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde , Profilaxia Pré-Exposição
5.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-23. (OPAS/CDE/19-014).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51565

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram ser a necessidade de terem orientações práticas sobre como introduzir a PrEP e iniciar sua implementação. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 9: Planejamento estratégico. Como a OMS recomenda oferecer PrEP para pessoas com risco substancial de contrair o HIV, este módulo oferece orientações de saúde pública para formuladores de políticas sobre como priorizar serviços de modo a alcançar aqueles usuários que possam se beneficiar mais da PrEP e em quais tipos de serviços de PrEP podem ser mais custo-efetivos.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Profilaxia Pré-Exposição
6.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-23. (OPAS/CDE/19-013).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51564

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram ser a necessidade de terem orientações práticas sobre como introduzir a PrEP e iniciar sua implementação. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos... Módulo 8: Planejamento de serviços de saúde. Este módulo destina-se às pessoas envolvidas na organização de serviços de PrEP em locais específicos. Descreve as etapas a serem seguidas para o planejamento de um serviço de PrEP e oferece sugestões de dotação de pessoal, infraestrutura e insumos que podem ser consideradas ao implementar a PrEP.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde
7.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-20. (OPAS/CDE/19-002).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51562

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 6: Farmacêuticos. Este módulo destina-se a farmacêuticos e pessoas que trabalham em farmácias. Contém informações sobre os medicamentos usados na PrEP, incluindo as condições de armazenamento. Sugere como se pode monitorar a adesão à PrEP e apoiar o uso dos medicamentos com regularidade.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Profilaxia Pré-Exposição , Farmacêuticos , Armazenamento de Medicamentos
8.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-20. (OPAS/CDE/19-012).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51561

RESUMO

Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 5: Monitoramento e avaliação. Este módulo destina-se às pessoas responsáveis pelo monitoramento dos programas de PrEP no âmbito nacional e local. Contém informações sobre o método de monitoramento da segurança e efetividade da PrEP, sugerindo indicadores básicos e complementares para notificação local, nacional e global.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Resistência a Medicamentos , Vigilância em Saúde Pública , Gravidez , Anormalidades Congênitas , Profilaxia Pré-Exposição
9.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-20. (OPAS/CDE/19-001).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51560

RESUMO

[Introdução]. Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 4: Líderes. Este módulo destina-se a informar e atualizar líderes e responsáveis por decisões sobre a PrEP. Contém informações sobre os benefícios e as limitações da PrEP para que possam avaliar a maneira mais efetiva de implementá-la em seus próprios contextos. Contém também uma série de dúvidas frequentes sobre PrEP.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde , Profilaxia Pré-Exposição
10.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-20. (OPAS/CDE/18-056).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51556

RESUMO

[Introdução]. Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 3: Aconselhadores. Este módulo é destinado aos profissionais responsáveis pelo aconselhamento de quem está considerando a possibilidade de iniciar ou já está em uso da PrEP e ajudar os usuários a resolver questões relacionadas aos efeitos colaterais e adesão ao tratamento. Os aconselhadores podem ser leigos, pares ou profissionais da saúde (médicos, enfermeiros e pessoal clínico).


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde , Profilaxia Pré-Exposição
11.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-19. (OPAS/CDE/18-055).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51555

RESUMO

[Introdução] a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 2: Educadores da comunidade e apoiadores. Educadores e apoiadores são imprescindíveis para conscientizar as comunidades sobre a PrEP. Este módulo traz orientações sobre a PrEP que devem ser contempladas ao organizar atividades na comunidade visando melhorar o conhecimento e criar demanda e acesso à profilaxia.


Assuntos
HIV , Infecções por HIV , Serviços de Saúde Comunitária , Educação em Saúde , Profilaxia Pré-Exposição
12.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-09-19. (OPAS/CDE/18-054).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51554

RESUMO

[Introdução]. Seguindo a recomendação da OMS, de setembro de 2015, de que a “profilaxia pré-exposição (PrEP) oral deve ser oferecida como uma escolha adicional de prevenção para pessoas com risco substancial de contrair o HIV como parte das abordagens de prevenção combinada do HIV”, parceiros de diversos países indicaram a necessidade de terem orientações práticas sobre como considerar introduzir a PrEP e iniciar a implementação da profilaxia. Atendendo a este pedido, a OMS organizou esta série de módulos informativos para auxiliar a implementação da PrEP para diferentes segmentos populacionais em contextos diversos… Módulo 1: Clínico. Este módulo é destinado a profissionais de saúde como médicos, enfermeiros e auxiliares e traz um resumo sobre como prover a PrEP de forma segura e efetiva, abordando vários aspectos: triagem de pessoas com risco substancial de contrair o HIV; testagem de HIV antes de iniciar a PrEP e como acompanhar usuários de PrEP e oferecer aconselhamento sobre adesão.


Assuntos
Educação em Saúde , Serviços de Saúde Comunitária , Profilaxia Pré-Exposição
13.
Rio de Janeiro; OPAS; 2019-08-23.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr3-51502

RESUMO

[Apresentação] A tecnologia de alimentos vem mostrando-se uma importante ferramenta na segurança e disponibilidade de alimentos desde a descoberta e comprovação da existência de bactérias na produção de cervejas e vinhos no século XIX por Louis Pasteur, até os dias atuais. Essa ferramenta pode ser empregada tanto em processos simples, como em um tratamento térmico de cozimento, realizado na cozinha de uma casa, durante o preparo, quanto em processos industriais mais complexos como a nanotecnologia aplicada à produção de alimentos. Os atuais sistemas de auditorias baseadas em risco, na área de segurança de alimentos, requerem conhecimento mais avançado de auditores e de inspetores, especialmente no que se refere às tecnologias aplicadas na sua produção e seus impactos no controle de perigos relacionados aos mesmos. São muitas as tecnologias disponíveis para produção de alimentos, com objetivos e resultados muito variados. O objetivo desta publicação é apresentar as principais tecnologias existentes e como elas impactam na segurança dos alimentos. O primeiro capítulo aborda a conservação e os princípios e fatores que determinam a eficiência dos processos. No segundo capítulo, são tratadas as tecnologias convencionais de processamento de alimentos e seu impacto na segurança do produto final. No terceiro capítulo, são apresentadas as tecnologias mais modernas que começam a ser aplicadas em processamento de alimentos. Finalmente, o quarto capítulo trata da combinação de tecnologias aplicadas em processos de produção de alimentos.


Assuntos
Inocuidade dos Alimentos , Tecnologia de Alimentos
14.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-08-14. (OPAS/CDE/19-008).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51461

RESUMO

O objetivo desta nota conceitual e a estrutura que essa descreve tratam da eliminação de um grupo de DT e abordam os efeitos negativos para a saúde que essas DT causam (as doenças constam da Tabela 1 abaixo), e que, juntos, criam uma carga tangível sobre os indivíduos afetados, suas famílias, as comunidades e os sistemas de atenção de saúde por toda a Região.


Assuntos
Doenças Transmissíveis , Determinantes Sociais da Saúde , Cobertura Universal de Saúde , Doença de Chagas , Américas
15.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-07-31.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51413

RESUMO

Em conformidade com o parágrafo 14.9 do Regulamento Financeiro da Organização Pan‐Americana da Saúde (OPAS), tenho a honra de apresentar o Relatório Financeiro da Organização Pan‐Americana da Saúde referente ao período de apresentação de informações financeiras de 1º de janeiro de 2018 a 31 de dezembro de 2018. As demonstrações financeiras e as notas às demonstrações financeiras foram preparadas em conformidade com as Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público (IPSAS) e o Regulamento Financeiro e as Regras Financeiras da OPAS. Embora a OPAS tenha adotado um exercício de apresentação de informações financeiras anual conforme o estipulado no parágrafo 2.2 do Regulamento Financeiro, o período orçamentário continuar a ser um biênio (parágrafo 2.1 do Regulamento Financeiro). Portanto, para fins de comparação entre os montantes efetivos e os montantes orçados nos Comentários da Diretora, os montantes do orçamento anual representam a metade do Programa e Orçamento bienal como uma aproximação dos montantes orçamentários anuais… Em 2018, a OPAS exerceu suas funções como instituição líder, promotora do consenso e catalisadora de mudanças para melhorar a saúde dos povos das Américas em colaboração com os Estados Membros e parceiros. A Organização continuou a prestar cooperação técnica direta, mobilizar recursos, fortalecer parcerias e redes, formar capacidades, gerar e apresentar evidências, e defender as ações necessárias para continuar a obter avanços em torno das prioridades do Plano Estratégico da OPAS 2014‐2019 e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável...


Assuntos
Cooperação Técnica , Organização Pan-Americana da Saúde , Administração Financeira , Organização e Administração
16.
Washington, D. C.; OPAS; 2019-07-21.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51374

RESUMO

[Introdução]. A história do controle das doenças transmitidas por vetores nas Américas é muito extensa, e as evidências mostram que, no passado, vários programas foram exitosos. O controle da febre amarela e do paludismo em Cuba e no Panamá, sob a direção de William Gorgas (1901-1910); a eliminação de Anopheles gambiae no Brasil (1940); a eliminação de Aedes aegypti entre 1950 e 1960, promovida pela OPAS e dirigida por Fred Soper; a eliminação da transmissão da doença de Chagas por Triatoma infestans no Brasil e no Uruguai; e a recente erradicação da oncocercose de 11 dos 13 focos endêmicos na Colômbia, no Equador, no México e na Guatemala (2013-2016) são exemplos recentes de intervenções que combinaram o uso de inseticidas, da engenharia sanitária e a disponibilidade de vacinas ou medicamentos efetivos, apoiados pela participação comunitária e outros métodos de controle... Hoje em dia, estima-se que cerca de metade da população mundial viva em áreas em risco de dengue. Além disso, mais de 100 países apresentam transmissão e são produzidas entre 300 e 500 milhões de infecções anuais, das quais 96 milhões apresentam manifestações clínicas e 500.000 são casos severos, com aproximadamente 25.000 mortes. A infecção é endêmica nas regiões das Américas, Ásia Sul-Oriental, Pacífico Ocidental, África e Mediterrâneo Oriental, e nos últimos 50 anos a incidência cresceu 30 vezes, sem que haja sinais de reversão dessa tendência. O cenário epidemiológico mostra que o número de casos vem aumentando, que os surtos apresentam maior duração e magnitude e que as áreas afetadas e as populações expostas se encontram em constante expansão. A meta da OMS, para o 2020, de reduzir a mortalidade em 50% e a morbidade em 25% é considerada um desafio diante da carência de bons sistemas de vigilância que quantifiquem corretamente a carga de doença e as deficiências dos programas de controle de vetores nos países endêmicos...


Assuntos
Aedes , Mosquitos Vetores , Controle de Mosquitos , Dengue , Wolbachia , Zika virus , Vírus Chikungunya , Febre Amarela
17.
Washington, D.C.; OPAS; 2019-07-16. (OPAS/CDE/19-011).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-51356

RESUMO

A Quinta Reunião Regional de Gestores dos Programas Nacionais para a Eliminação do Tracoma como um Problema de Saúde Pública nas Américas reuniu colaboradores, parceiros estratégicos e representantes dos países que estão realizando atividades de controle e eliminação do tracoma na Região: Brasil, Colômbia, Guatemala, México, Paraguai, Peru e Venezuela...Esta reunião abordou questões como o progresso global, regional e nacional para a eliminação da doença. Foi dada ênfase especial à necessidade de incluir o tracoma nas agendas políticas e de desenvolvimento dos países, dado que a doença geralmente ocorre em áreas de confluência dos determinantes sociais, aprofundando as lacunas na atenção e as iniquidades em saúde. Foi expressa a necessidade de um trabalho integral com intervenções intersetoriais, somando os esforços dos ministérios da saúde com os de outros ministérios, bem como a necessidade de um trabalho transfronteiriço para definir e realizar ações conjuntas que permitam continuar avançando no processo de eliminação da doença na Região.


Assuntos
Tracoma , Programas Nacionais de Saúde , Saúde Pública
18.
Brasília, D.F.; OPAS; 2019-06-17. (OPAS/BRA/19-002).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-51099

RESUMO

Ao abordarem os fatores de risco, as intervenções tradicionais em segurança viária enfatizam aspectos comportamentais dos usuários das vias, prescrevendo medidas centradas em ações educativas e fiscalização. Contudo, a Organização Pan-americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, alinhada às suas contrapartes no Ministério da Saúde e à sociedade civil, tem enfatizado que os ambiente de circulação influenciam as condutas no trânsito. A proposição de intervenções voltadas ao desenho urbano, entretanto, requer que a pauta dos entornos seguros e saudáveis seja internalizada e adotada na agenda das cidades. Nesse sentido, a OPAS/OMS BRA propôs um encontro estratégico, reunindo representantes de instituições e atores envolvidos no tema. O Seminário para fortalecer a implantação de medidas voltadas à mobilidade sustentável em cidades brasileiras foi realizado na sede OPAS/OMS em Brasília-DF, em 16 de agosto de 2018. O objetivo foi subsidiar os coordenadores e apoiadores do Programa Vida no Trânsito, coordenado pelo Ministério da Saúde, com apoio da OPAS/OMS no Brasil, com informações que facilitem a adoção, nas cidades, de medidas voltadas à mobilidade sustentável. O evento consistiu em apresentações, debates e recomendações. No encontro, os participantes trouxeram experiências e evidências sobre o impacto de políticas e medidas voltadas à segurança, em especial aos entornos seguros e saudáveis, potenciais resistências à implantação de medidas e formas de vencê-las. O primeiro painel trouxe o panorama da morbimortalidade no trânsito, os desafios do Programa Vida no Trânsito e formas potenciais de apoios às iniciativas almejadas neste seminário. O segundo painel demonstrou logros, lições aprendidas e recomendações a partir da experiência de uma grande capital brasileira (Fortaleza) e um município de porte médio do interior do Estado de São Paulo (Sorocaba). O terceiro painel reforçou o papel do Transporte Público nas iniciavas de segurança viária. Em um quarto painel foi trazido um conjunto de desafios à implantação de entornos seguros e saudáveis, experiencias, estratégias e recomendações. O quinto e último painel indicou caminhos para comunicar eficientemente as iniciativas propostas nos painéis anteriores.


Assuntos
Acidentes de Trânsito , Brasil , Planejamento de Cidades , Planejamento Estratégico , Indicadores de Morbimortalidade , Cooperação Técnica , Transportes
19.
Brasília, D.F.; OPAS; 2019-04.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-50992

RESUMO

“Cobertura de segurança no trânsito: um guia para jornalistas” é resultado de um longo trabalho junto a editores e reporters em países de baixa e média renda. A publicação aborda inquietações e perguntas feitas por esses profissionais, que compartilharam conosco suas experiências durante esse período, e retribuímos com essa publicação seu inestimável engajamento com as equipes de segurança no trânsito da OMS. O principal objetivo da publicação é ajudar, seja você editor ou jornalista, a entender as dimensões por completo da questão da segurança no trânsito. O documento foi desenhado para ajudar na redação de matérias mais aprofundadas sobre o assunto e identificar as oportunidades de expandir e sustentar a cobertura desse importante problema de saúde pública. Nos capítulos seguintes, você encontrará: Exemplos de como diferentes repórteres e veículos de comunicação têm desenvolvido matérias específicas sobre mortes no trânsito em um contexto mais amplo e significativo; Dicas de editores, jornalistas e especialistas em segurança no trânsito sobre novas maneiras de cobrir o tema; e Recursos e ferramentas que podem agregar profundidade às suas matérias sobre segurança no trânsito.


Assuntos
Acidentes de Trânsito , Jornalismo
20.
Brasília, D.F.; OPAS; 2019-04-15.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-50834

RESUMO

O presente documento apresenta os debates realizados durante a “Reunião Técnica Internacional de Avaliação Econômica em Saúde com Foco na Obesidade”. A reunião foi em Brasília – DF, nos dias 11 e 12 de junho de 2018. A reunião buscou promovero debate para delinear linhas de pesquisa prioritárias, incluindo desenhos metodológicos, sobre custo/efetividade, impacto das medidas regulatórias. Faz-se necessária a produção de mais evidências científicas que subsidiem a tomada de decisão dos gestores para deter o crescimento do sobrepeso e obesidade na população, bem como reduzir as taxas de mortalidade vinculadas a essa doença, no marco das políticas públicas no Brasil. Essas medidas, além de contribuírem enormemente para a promoção da alimentação saudável e saúde da população, deverão também otimizar os recursos financeiros investidos no Sistema Único de Saúde (SUS) que são utilizados para a assistência às pessoas de excesso de peso e obesidade. De modo complementar, a reunião também pretendeu realizar um levantamento inicial das lacunas de conhecimento acerca desse tema, com base nas experiências internacionais bem-sucedidas, para apoiar e subsidiar o avanço das medidas regulatórias no Brasil.


Assuntos
Avaliação em Saúde , Obesidade , Brasil
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA