Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 6 de 6
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31767378

RESUMO

OBJECTIVE: Our aim was to perform a systematic review and meta-analysis of the most commonly used examinations for rectosigmoid lesions of deeply infiltrating endometriosis, transvaginal sonography (TVS) and magnetic resonance imaging (MRI), to compare their diagnostic accuracy and enhanced or non-enhanced techniques. METHODS: A systematic search was performed until March 2018 without time or language restrictions. Eligibility criteria included studies that compared the accuracy of TVS and MRI for diagnosis of rectosigmoid endometriosis. The quality of the studies was assessed by means of Quality Assessment of Diagnostic Accuracy Studies-2 and Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses recommendations. Bivariate and hierarchical analysis were performed. The difference in the accuracy of TVS and MRI was tested, and heterogeneity was addressed by means of meta-regression, sensitivity, or subgroup analysis. RESULTS: A total of 1754 studies were screened; 105 studies were eligible, and 11 studies were included in the meta-analysis. Overall pooled sensitivity, specificity, and area under the receiver operating characteristic curve were 0.80, 0.94, and 0.95, respectively. The measures for MRI were 0.82, 0.94, and 0.95, respectively. There was no statistical difference between the accuracy values of TVS and MRI (P = 0.90). The use of bowel preparation and vaginal contrast could enhance the accuracy of MRI. Along with rectosigmoid prevalence, bowel and vaginal contrast explained a significant proportion of the statistical heterogeneity. CONCLUSIONS: Both TVS and MRI showed high diagnostic accuracy for rectosigmoid deeply infiltrating endometriosis lesions. There is no strong evidence suggesting that the two diagnostic methods might differ in specificity or sensitivity, but enhanced techniques may increase the accuracy measures.

2.
São Paulo; Instituto de Saúde; 2017. 456 p. tab, graf.(Temas em Saúde Pública, 22).
Monografia em Português | LILACS, Redbvs, EMS-Producao, Sec. Munic. Saúde SP, EMS-Acervo | ID: biblio-868301
4.
São Paulo; Instituto de Saúde; 2017. 453 p. tab.(Temas em saúde coletiva, 22).
Monografia em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ISACERVO | ID: biblio-996637
5.
São Paulo; Instituto de Saúde; 2017. 458 p. (Temas em saúde coletiva, 22).
Monografia em Português | LILACS, PIE | ID: biblio-1007136

RESUMO

O Instituto de Saúde é uma instituição de ensino e pesquisa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, criada em 1969, que tem como missão "produzir conhecimento científico e tecnológico no campo da Saúde Coletiva e promover sua apropriação para o desenvolvimento de políticas públicas, visando à melhoria da qualidade de vida da população, prestando assessoria e colaborando na formação de recursos humanos, em consonância com os princípios do SUS: universalidade, integralidade, equidade e participação social". Em 2009, passamos por uma reorganização na estrutura funcional, quando foi criado o Centro de Tecnologias de Saúde para o SUS-SP, em resposta a novas necessidades da gestão da saúde no estado de São Paulo. As atribuições desse Centro consistem na realização da avaliação de tecnologias de saúde em uso e a serem incorporadas pelo Sistema Único de Saúde, na proposição de parcerias e cooperação técnica para o desenvolvimento da avaliação de tecnologias de saúde, com as diferentes instâncias dos sistemas pertinentes, na difusão do conhecimento produzido, promovendo o fomento e a indução da avaliação de tecnologias de saúde para o SUS/SP, de acordo com a agenda de prioridades definidas pela SES-SP. Para realizar essas atribuições tivemos que buscar meios para rapidamente capacitar pesquisadores em Avaliação de Tecnologias de Saúde (ATS) e em Políticas Informadas por Evidências (PIE). Isso foi possível graças aos cursos presenciais e à distância, patrocinados pelo Ministério da Saúde e seus parceiros. A possibilidade de participarmos como membros da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (REBRATS) desde 2012, e da Rede para Políticas Informadas por Evidências (EVIPNet Brasil) desde 2014, ampliou sobremaneira nosso aprendizado e capacidade de lidar com esses dois temas.


Assuntos
Humanos , Avaliação da Tecnologia Biomédica/organização & administração , Direito à Saúde/legislação & jurisprudência , Judicialização da Saúde/legislação & jurisprudência , Brasil
6.
In. Krieger, José Eduardo. Bases moleculares das Doenças Cardiovasculares: a integração entre a pesquisa e a prática clínica. São Paulo, Atheneu, 2008. p.97-112.
Monografia em Português | LILACS | ID: lil-511082
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA