Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 24
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Cad Saude Publica ; 36(12): e00095320, 2020.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-33331550

RESUMO

Performance autoethnography is qualitative research methodology that aims to problematize resistances between the "self" (auto-) and the collective (ethno-) in the act of writing (-graphy). The article thus aims to discuss the theoretical and practical construction of performance autoethnography and its applicability as a qualitative research and analytical method in the field of Collective Health through a performance autoethnography writing. By problematizing the epistemic and ontological basis of performance autoethnography, pointing to possibilities for its development and inclusion in studies in the field of Collective Health, the article presents performance autoethnography as a strategy to expand the possibilities for social justice, democratization, and pluralisms in and from research practices. Performance autoethnography, oriented by the episteme "postcolonial", explores decolonializing approaches that provoke and create conditions for the transformation of the academic view itself and the knowledge that prioritizes certain representations of "the other" and thus mainly problematizes how subaltern and marginalized histories relate to what are considered hegemonic systems.

2.
Cien Saude Colet ; 25(6): 2335-2346, 2020 Jun.
Artigo em Português, Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32520278

RESUMO

Public Health undergraduation aims to train health professionals with knowledge focused on the promotion, prevention and health systems management. However, an apparent silencing of debate in the courses is noted regarding the approach to issues of gender and sexuality. The objective is to understand the presence or not of contents that consider gender and sexuality aspects in this undergraduation, using the qualitative analysis, through Documentary Research and Content Analysis, from the research and analysis of the Curricular Pedagogical Projects (CPP) of Brazilian Public Health undergraduate courses. A total of 16 projects were analyzed from the 21 existing courses in Brazil. We present, mainly, that 12 courses have disciplines that discuss gender and sexuality issues during graduation, sometimes mandatorily or optionally. We conclude that the debate on gender and sexuality occurs in most of the Institutions with Public Health undergraduate courses. However, this field of discussion must also be improved in the National Curricular Guideline for Public Health courses, which should explicit these topics, enabling an undergraduation that overcomes prejudice, violence and binarism found in a heteronormative and sexist society.

3.
Cad. Saúde Pública (Online) ; 36(12): e00095320, 2020. tab
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1142634

RESUMO

A autoetnografia performática é uma metodologia de pesquisa qualitativa que busca problematizar as resistências entre o "eu" (auto) e o coletivo (etno) no ato de escrever (grafia). Assim, o objetivo deste artigo é discutir a construção teórico-prática da autoetnografia performática e sua aplicabilidade como método de pesquisa e análise qualitativa no campo da Saúde Coletiva por meio, inclusive, de uma escrita autoetnográfica performática. A partir da problematização das bases epistêmicas e ontológicas da autoetnografia performática, apontando possibilidades para o seu desenvolvimento e inclusão nos estudos do campo da Saúde Coletiva, apresenta-se a autoetnografia performática como uma estratégia para ampliar as possibilidades de justiça social, de democratização e de pluralismos nas/das práticas de pesquisa. Orientada pela episteme pós-colonial, que explora abordagens descolonizadoras que provocam e criam condições para a transformação do próprio olhar acadêmico e do conhecimento que privilegia certas representações do "outro", a autoetnografia performática problematiza principalmente como as histórias subalternizadas e marginalizadas se relacionam com os sistemas considerados hegemônicos.


Performance autoethnography is qualitative research methodology that aims to problematize resistances between the "self" (auto-) and the collective (ethno-) in the act of writing (-graphy). The article thus aims to discuss the theoretical and practical construction of performance autoethnography and its applicability as a qualitative research and analytical method in the field of Collective Health through a performance autoethnography writing. By problematizing the epistemic and ontological basis of performance autoethnography, pointing to possibilities for its development and inclusion in studies in the field of Collective Health, the article presents performance autoethnography as a strategy to expand the possibilities for social justice, democratization, and pluralisms in and from research practices. Performance autoethnography, oriented by the episteme "postcolonial", explores decolonializing approaches that provoke and create conditions for the transformation of the academic view itself and the knowledge that prioritizes certain representations of "the other" and thus mainly problematizes how subaltern and marginalized histories relate to what are considered hegemonic systems.


La autoetnografía performativa es una metodología de investigación cualitativa que busca problematizar las resistencias entre el "yo" (auto) y el colectivo (etno) en el acto de escribir (grafía). Así, el objetivo de este artículo es discutir la construcción teórico-práctica de la autoetnografía performativa y su aplicabilidad como método de investigación y análisis cualitativo en el campo de la Salud Colectiva por medio, inclusive, de una redacción autoetnográfica performativa. A partir de la problematización de las bases epistémicas y ontológicas de la autoetnografía performativa, apuntando posibilidades para su desarrollo e inclusión en los estudios del campo de la Salud Colectiva, se presenta la autoetnografía performativa como una estrategia para ampliar las posibilidades de justicia social, de democratización y de pluralismos en las/de las prácticas de investigación. Una vez que, orientada por la episteme poscolonial, explora abordajes descolonizadores que provocan y crean condiciones para la transformación de la propia visión académica y del conocimiento que privilegia ciertas representaciones del "otro", la autoetnografía performativa problematiza, principalmente, cómo las historias subalternas y marginadas se relacionan con los sistemas considerados hegemónicos.

4.
Rev. bras. educ. méd ; 44(2): e045, 2020. graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1098754

RESUMO

Abstract Introduction: The Brazilian National Curriculum Guidelines (NCG) for undergraduate courses in Medicine since 2014 have highlighted the need to include gender and sexuality in the medical school curricula, aiming at better care for people. Method: Thus, the objective is to identify and analyze the approach of gender and sexuality in the Curriculum Pedagogical Projects (CPP) of the medical courses of the Federal Institutions of Brazil. This is a cross-sectional study of descriptive and documentary analysis, carried out through the analysis of CPP, of the undergraduate medical courses of the Federal Universities of Brazil. Data were obtained from the website of the undergraduate medical course of each higher education institution. In addition, emails were sent to the coordinators of these courses to obtain the updated CPPs. For the quantitative analysis, an initial description of the sample was performed followed by a statistical analysis using the chi-square test to assess whether or not there was an association between the presence of gender and / or sexuality debate in CPP, with the publication of the 2014 NCG and with the Brazilian geographic region, as well as between the nature of the curricular unit (compulsory or complementary / optional) and the perspective of the approach. The documentary analysis was used for the qualitative analysis with the content analysis technique, through the thematic analysis method. Results: It was found that 48 (69.56%) of the 69 analyzed CPP discuss the topics gender and / or sexuality in one or more subjects offered by the course. There is a predominance of the sexuality topic, of compulsory curricular units (88.32% of 137 curricular units) and an approach beyond the exclusively biological perspective (63.5% of 48 CPPs and 62.04% of curricular units). No statistical significance was evidenced by the chi-square test. Regarding the documentary analysis, two categories were constructed: "gender and sexuality associated with a biological perspective", "gender and sexuality associated with a predominantly broader perspective or social determinants in health". It was observed that the first category predominates in curricular units associated with organs, systems or life cycles of the human being, while the second, to social and human sciences applied to health and Primary Health Care. Conclusions: We conclude there is a significant number of CPPs and, consequently, also of curricular units that have a perspective beyond the exclusively biological approach. Nevertheless, there is difficulty with comprehensive health care that may be related to a selective visibility to pathology and technical aspects of medical practice and a difficulty in effectively promoting an interdisciplinary dialogue between the biological, exact and human sciences as proposed by the NCG.


Resumo: Introdução: Desde 2014, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para os cursos de graduação em Medicina do Brasil destacam a necessidade da inclusão dos temas gênero e sexualidade nos currículos dos cursos de Medicina, almejando um melhor cuidado com as pessoas. Objetiva-se, com isso, identificar e analisar a abordagem de gênero e sexualidade nos Projetos Pedagógicos Curriculares (PPC) dos cursos de Medicina das Instituições Federais do Brasil. Método: Trata-se de um estudo transversal do tipo descritivo e de análise documental, realizado por meio da análise de PPC dos cursos de graduação em Medicina das Universidades Federais do Brasil. Os dados foram obtidos no sítio eletrônico do curso de graduação de Medicina de cada Instituição de Ensino Superior. Além disso, foram enviadas mensagens por correio eletrônico para as coordenações desses cursos de modo a obter os PPC atualizados. Para a análise quantitativa, realizou-se uma descrição inicial da amostra seguida de uma análise estatística utilizando o teste qui-quadrado para avaliar se haveria associação ou não entre a presença do debate de gênero e/ou sexualidade nos PCC, a publicação das DCN de 2014 e a região geográfica brasileira, bem como entre a natureza da unidade curricular (obrigatória ou complementar/optativa) e a perspectiva da abordagem. Para a análise qualitativa, foi utilizada a análise documental com a técnica de análise de conteúdo por meio do método de análise temática. Resultados: Identificou-se que 48 (69,56%) dos 69 PPC analisados discutem os temas gênero e/ou sexualidade em uma ou mais disciplinas oferecidas pelo curso. Há um predomínio da temática da sexualidade, de unidades curriculares de caráter obrigatório (88,32% das 137 unidades curriculares) e de uma abordagem para além da perspectiva exclusivamente biológica (63,5% dos 48 PPC e 62,04% das unidades curriculares). Não foram evidenciadas significâncias estatísticas pelo teste qui-quadrado. Em relação à análise documental, construíram-se duas categorias: "gênero e sexualidade associados a uma perspectiva biológica" e "gênero e sexualidade associados a uma perspectiva predominantemente ampliada ou dos determinantes sociais em saúde". Observou-se que a primeira categoria predomina em unidades curriculares associada a órgãos, sistemas ou ciclos de vida do ser humano, enquanto a segunda, às Ciências Sociais e Humanas aplicadas à Saúde e à Atenção Primária à Saúde. Conclusões: Há uma quantidade relevante de PPC e, consequentemente, de unidades curriculares que têm uma perspectiva para além da abordagem exclusivamente biológica. Apesar disso, há uma dificuldade para um cuidado integral em saúde que pode estar relacionado a uma visibilidade seletiva à patologia e aos aspectos técnicos da prática médica e a uma dificuldade de efetivamente promover um diálogo interdisciplinar entre as ciências biológicas, exatas e humanas como proposto pelas DCN.

5.
Interface (Botucatu, Online) ; 24: e190572, 2020. tab, ilus
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1101209

RESUMO

O currículo oculto resulta das relações interpessoais vividas academicamente, extrapolando o currículo formal, podendo ser um facilitador e também um empecilho ao aprendizado. Essa revisão objetiva compreender a abordagem da temática na educação médica e sua relação com o profissionalismo. A revisão integrativa nos permitiu observar uma sobrecarga cognitiva e emocional do(a)s estudantes causada pelo currículo oculto. Todavia, constatamos como a educação médica tem trabalhado com a finalidade de reduzir esses prejuízos. Nesse sentido, é importante problematizar os modelos hegemônicos que influenciam valores, interesses, discursos, saberes e práticas ao longo da formação. Para isso, é fundamental o debate em torno de conceitos/ações como identidade, diversidade, inclusão, hegemonia, ideologia, poder e cultura, que pode ocorrer de forma longitudinal e integrada em unidades curriculares relacionadas às humanidades.(AU)


Hidden curriculum results from interpersonal relations experienced in academia and go beyond the formal curriculum, being both a facilitator and an obstacle to learning. This analysis aims at understanding the thematic approach of medical education and its relationship with professionalism. Through an integrative review, we were able to observe a cognitive and emotional overload in students caused by hidden curriculum. However, we noticed how medical education has been trying to reduce these negative effects. In this sense, it is important to question hegemonic models that influence values, interests, discourses, knowledges, and practices throughout the learning process. In order to do that, it is essential to discuss concepts/actions such as identity, diversity, inclusion, hegemony, ideology, power, and culture, which can occur longitudinally and integrated with curricular units related to Humanities.(AU)


El currículo oculto es resultado de las relaciones interpersonales vividas académicamente que extrapola el currículum formal, pudiendo ser un facilitador y también un obstáculo para el aprendizaje. Esta revisión tiene el objetivo de comprender el abordaje de la temática en la educación médica y su relación con el profesionalismo. La revisión integradora nos permitió observar una sobrecarga cognitiva y emocional de los estudiantes causada por el currículo oculto. Sin embargo, constatamos cómo la educación médica ha trabajado con la finalidad de reducir esos perjuicios. En ese sentido, es importante problematizar los modelos hegemónicos que influyen sobre valores, intereses, discursos, saberes y prácticas durante la formación. Para tanto, es fundamental el debate alrededor de los conceptos/acciones tales como identidad, diversidad, inclusión, hegemonía, ideología, poder y cultura, que puede ocurrir de forma longitudinal e integrada en unidades curriculares relacionadas con las humanidades.(AU)

6.
Ciênc. Saúde Colet ; 25(6): 2335-2346, Mar. 2020. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1101058

RESUMO

Resumo A formação em Saúde Coletiva objetiva formar profissionais da saúde com conhecimentos voltados para a promoção, prevenção e gestão dos sistemas de saúde. Entretanto, no direcionamento para a abordagem das questões de gênero e sexualidade ainda se observa um aparente silenciamento desse debate nos cursos. O objetivo é compreender a presença ou não de conteúdos que contemplem aspectos de gênero e sexualidade nesta formação, utilizando a análise qualitativa, por meio da Pesquisa Documental e Análise de Conteúdo, a partir do levantamento e análise dos Projetos Pedagógicos Curriculares dos cursos de graduação em Saúde Coletiva no Brasil. Foram analisados 16 projetos dos 21 cursos existentes, sendo constatado, principalmente, que 12 cursos possuem disciplinas que discutem as questões de gênero e sexualidade ao longo da graduação, ora de forma obrigatória, ora optativa. Conclui-se que o debate de gênero e sexualidade ocorre em grande parte das Instituições que apresentam o curso de Saúde Coletiva. Entretanto, esse campo de discussões precisa ser aprimorado inclusive na Diretriz Curricular Nacional para os Cursos de Saúde Coletiva, que deve explicitar esses temas, viabilizando uma formação que supere os preconceitos, violências e o binarismo presentes em uma sociedade sexista e heteronormativa.


Abstract Public Health undergraduation aims to train health professionals with knowledge focused on the promotion, prevention and health systems management. However, an apparent silencing of debate in the courses is noted regarding the approach to issues of gender and sexuality. The objective is to understand the presence or not of contents that consider gender and sexuality aspects in this undergraduation, using the qualitative analysis, through Documentary Research and Content Analysis, from the research and analysis of the Curricular Pedagogical Projects (CPP) of Brazilian Public Health undergraduate courses. A total of 16 projects were analyzed from the 21 existing courses in Brazil. We present, mainly, that 12 courses have disciplines that discuss gender and sexuality issues during graduation, sometimes mandatorily or optionally. We conclude that the debate on gender and sexuality occurs in most of the Institutions with Public Health undergraduate courses. However, this field of discussion must also be improved in the National Curricular Guideline for Public Health courses, which should explicit these topics, enabling an undergraduation that overcomes prejudice, violence and binarism found in a heteronormative and sexist society.

9.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e129, 2020. graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137577

RESUMO

Resumo: Introdução: Historicamente, a comunidade LGBT+ enfrenta obstáculos estruturais que interferem na garantia da cidadania plena. Com a pandemia da Covid-19, observa-se que a vulnerabilidade individual da população LGBT+ tornou-se ainda mais intensa e explícita. Diante disso, o presente relato de experiência apresenta e analisa criticamente uma ação de estudantes de Medicina que buscaram promover a representatividade e uma rede de cuidado/apoio e solidariedade entre os(as) estudantes LGBT+ no contexto da pandemia. Relato de experiência: Este relato descreve a construção de um vídeo "Evoluiu Challenge" por acadêmicos(as) e médicos(as) graduados(as) do curso de Medicina de uma universidade pública brasileira. Diante do isolamento social e da necessidade de representatividade, encorajamento e empoderamento LGBT+ dentro do espaço acadêmico da Medicina, identificou-se a necessidade de ações, como a produção do vídeo, para que os(as) acadêmicos(as) mais vulnerabilizados(as) possam localizar em seus/suas colegas de curso uma rede de apoio, solidariedade e empoderamento. O projeto foi desenvolvido com 20 estudantes e três egressos(as) da mesma instituição. Ao todo, foram mais de 85 mil visualizações. Discussão: Diante da experiência relatada, destaca-se a importância dos avanços tecnológicos como promotores da "aproximação" em tempos de isolamento e distanciamento social. Nesse sentido, o vídeo resultou em significativa visibilidade à população LGBT+ presente no meio médico. Ademais, propiciou representatividade e a construção de uma rede de apoio estudantil, como descrito nas DCN, com a promoção do cuidado. Conclusão: A partir deste relato de experiência, fica visível a necessidade de implementação de estratégias de ações de apoio para a população LGBT+ nas universidades, como as redes de cuidado/solidariedade. Dessa maneira, assim como o vídeo, essas estratégias potencializarão a construção de um espaço de ensino-aprendizagem mais inclusivo e que seja um oásis do pensamento contra a opressão e espaço de contestação.


Abstract: Introduction: Members of the LGBT+ community have historically faced structural obstacles denying them the protections and rights guaranteed by full citizenship. The COVID-19 pandemic has caused the vulnerability of these individuals to become even more intense and explicit. In light of these developments, this experience report presents and critically analyzes an action executed by medical students to promote equal representation and a care/support and solidarity network among LGBT+ students during the pandemic. Experience Report: This report describes the creation of a video entitled "Evoluiu Challenge" by medical students and graduates from a Brazilian public university. In the face of social isolation and the need for LGBT+ equal representation, encouragement and empowerment in medical schools, actions, such as producing the video, were identified as necessary in order to help the most vulnerable academics find a network of support, solidarity and empowerment among their peers. The project was developed with 20 students and 3 graduates from the same institution, with the video being viewed more than 85,000 times. Discussion: The experience reported here highlights the importance of technological advances to promote "togetherness" in times of isolation and social distancing. In this regard, the video increased the visibility of the LGBT+ population in the medical sphere. Furthermore, it fostered equal representation and the construction of a student support network promoting care, as described in the National Curriculum Guidelines. Conclusion: This experience report clearly demonstrates the need to implement strategies for actions that support the LGBT+ community at universities, such as care/solidarity networks. Such strategies, like the video, will therefore leverage the construction of a more inclusive teaching-learning space, representing an oasis of thought against oppression and space for contestation.

10.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e137, 2020.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137579

RESUMO

Resumo: Introdução: Com a pandemia da Covid-19 houve um recrudescimento da vulnerabilidade, do empobrecimento e do desemprego. Com base no pressuposto de que uma escola médica responsável e comprometida precisa estar atenta às necessidades básicas da sociedade para que os processos formativos possam atender a elas, torna-se necessário refletir sobre a educação médica em tempos de pandemia. Objetivo: O presente ensaio buscará refletir criticamente sobre "o que já aprendemos" em relação à educação médica no contexto atual de pandemia da Covid-19. Desenvolvimento: Em 2010, a revista Lancet publicou um manuscrito intitulado "Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world", o qual realiza uma análise histórica e socioepidemiológica sobre a formação em saúde, a fim de refletir sobre as características necessárias para uma formação profissional voltada para o século XXI. Diante disso e dos 20 anos vividos em um novo século, questionamo-nos: como estamos formando profissionais para o século XXI? Estamos reproduzindo padrões tecnicistas com uma "nova roupagem" ou promovendo a responsabilidade social ao longo do processo formativo? Estamos utilizando metodologias ativas com um enfoque técnico ou ampliando a análise a partir da perspectiva da determinação social do processo saúde-doença proposta pelas DCN? Não é nossa proposta apresentar uma resposta simples, mas fomentar o debate para que possamos pensar juntos(as) quais são os caminhos possíveis para ampliarmos nossa formação e realmente pensarmos em processos formativos voltados para a promoção da equidade no século XXI. Conclusão: Precisamos advogar em função dos usuários do SUS e também despertar em nossos(as) estudantes o olhar para essa necessidade. As demandas sociais da atualidade também exigem competências atitudinais e relacionais dos profissionais da saúde, o que precisa ser colocado em prática na formação desses profissionais.


Abstract: Introduction: Vulnerability, impoverishment and unemployment have all increased during the Covid-19 pandemic. Considering that a socially responsible and committed Medical School needs to understand that there are basic societal needs on which training processes must be based, it has become necessary to reflect on Medical Education during this period of the Covid-19 pandemic. Objective: This essay will seek to critically reflect on the lessons learned in relation to Medical Education in the current context of the Covid-19 pandemic. Development: In 2010, the Lancet magazine published a manuscript entitled "Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world", which involved an historical and socio-epidemiological analysis on health training, with the aim of reflecting on the required characteristics for professional training geared toward the 21st century. In view of this and the 20 years elapsed of a new century, we ask the question: how are we training professionals for the 21st century? Are we reproducing technicist standards dressed in "new clothing" or are we promoting social responsibility over the course of the training process? Are we using active methodologies with a technical focus or broadening analysis based on a social deterministic perspective of the health-disease process, proposed by the National Curriculum Guidelines? We do not propose to present a simple answer, but rather to foment the debate so that we can think together about the possible paths to broadening our training and really focus on training processes aimed at promoting equality in the 21st century. Conclusion: We must champion causes on behalf of the SUS users, and also bring this need to our students' attention. Modern society also demands certain attitudes and relational skills of health professionals which need to be put into practice in their training.

11.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e153, 2020.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137582

RESUMO

Resumo: Introdução: Este artigo relata as experiências da representação estudantil da Faculdade de Medicina de uma universidade federal brasileira, incluindo organização de eventos, participação nas decisões em instâncias superiores e interrupção do ensino em uma pandemia. Relato de Experiência: Inicialmente, houve a mobilização do movimento estudantil para regulamentar as atividades remotas. Em seguida, outras instituições da universidade movimentaram-se para regulamentar as atividades acadêmicas remotas emergenciais. Por fim, realizou-se um evento para informar aos estudantes os planos para a implementação dessas atividades e dialogar sobre questões da educação médica nesse contexto. Discussão: A importância da integração das instituições de representação estudantil com órgãos superiores é notável e ocorre pela proatividade dos(as) alunos(as) e pelo consenso com docentes e técnicos(as) administrativos(as). Foi preciso considerar o contexto socioeconômico dos envolvidos e manejar seus interesses. Assim, lidar com conflitos e propor soluções abrangentes foi fundamental para garantir, de forma democrática, condições viáveis para aplicação das atividades acadêmicas remotas emergenciais por meio da promoção da inclusão digital para professores(as). Além disso, criaram-se meios de assistências para os(as) estudantes. Portanto, percebeu-se o protagonismo dos(as) acadêmicos(as) na resolução de conflitos por meio da participação ativa em conselhos e realização de eventos informativos e consultivos destinados ao restante da comunidade, o que resultou também em pesquisa, extensão e atividades para a melhora da saúde mental no contexto atual. Conclusão: Percebe-se que a participação acadêmica nas deliberações da universidade possibilitou decisões mais democráticas que consideraram os impactos da pandemia na vida dos(as) estudantes e as futuras consequências na formação médica. Além disso, esse processo despertou o interesse da comunidade em atividades de gestão acadêmica.


Abstract: Introduction: This article reports on the experiences of student representation at the medical school of a Brazilian federal university, including organizing events, participating in decisions at higher levels and interrupting teaching during a pandemic. Experience Report: Initially, the students' movement was mobilized to regulate remote activities. Then other university institutions took action to regulate Emergency Remote Academic Activities. Finally, an event was held to inform students about plans for the implementation of these activities and to discuss medical education issues in this context. Discussion: The importance of the integration of student representation institutions with higher bodies is remarkable and occurs due to the students' proactivity and the consensus with teaching staff and administrative technicians. It was necessary to consider the socio-economic context of those involved and manage their interests. Therefore dealing with conflicts and proposing comprehensive solutions was fundamental in order to guarantee viable conditions for the democratic application of Emergency Remote Academic Activities, promoting digital inclusion for teachers and creating means of student assistance. Hence, it became clear that academics were playing a pivotal role in conflict resolution through active participation in councils and holding informative and consultative events for the rest of the community, which also promoted research, community outreach projects and activities to improve mental health in the current setting. Conclusion: It can be seen that academic participation in university deliberations enabled more democratic decisions that considered the impacts of the pandemic on the lives of students and its future consequences on medical training. It furthermore sparked community interest in academic management activities.

12.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e135, 2020. tab
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137583

RESUMO

Resumo: Introdução: Os movimentos sociais, organizados em torno da reforma sanitária, contribuíram para a institucionalização do processo de formação em saúde no país que deve estar em consonância com as reais necessidades de saúde da população e, dessa forma, promover a inclusão e equidade na perspectiva da social accountability. Isso se torna ainda mais importante no contexto da pandemia da Covid-19, já que se vivencia uma nova prioridade de saúde. Entretanto, o que se tem observado ao longo da pandemia da Covid-19 é um despreparo profissional para um cuidado integral em saúde que considere as pessoas e comunidades historicamente invisibilizadas. Objetivo: Analisar criticamente as questões das diversidades em relação às Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Medicina (DCN). Desenvolvimento: Por meio de três blocos temáticos - "Análise comparativa das DCN de 2001 e 2014 na perspectiva da diversidade","Como podemos problematizar as questões da diversidade a partir das DCN de 2014?" "As DCN de 2014 e o que precisamos tornar mais evidente na busca pela diversidade no ensino médico" -, aprofundou-se o debate crítico e reflexivo sobre a educação médica a partir da perspectiva de diversidade. Constatou-se a necessidade de uma articulação formativa e assistencial com as demais políticas públicas em saúde, principalmente aquelas relacionadas a populações marginalizadas. Conclusão: A pandemia da Covid-19 mostra-se como uma oportunidade de a mídia e a sociedade como um todo olharem para as desigualdades sociais em saúde, considerarem a relevância do SUS e enfatizarem os múltiplos apontamentos contemporâneos que evidenciam que os projetos pedagógicos e os componentes curriculares dos cursos de Medicina precisam ser atualizados e se comprometer com a construção de uma proposta de ensino e cuidado em saúde que valorize a diversidade e diminuição das iniquidades em saúde.


Abstract: Introduction: Social movements for Public Health Reform in Brazil have contributed toward the institutionalization of the health training process, to bring it in line with real public health needs, thus promoting inclusion, equality and an approach based on social accountability. With the onset of the Covid-19 pandemic this change has become even more important, as a new health priority has emerged. However, throughout the pandemic there has been an evident lack of professional preparation to provide comprehensive health care for people and communities who have historically been disregarded. Objective: Critically analyze the issues of diversities in relation to the National Curriculum Guidelines (DCNs) for the undergraduate medicine courses. Development: The critical and reflexive debate on Medical Education is developed from a perspective of diversity in three parts: 1: Comparative analysis of the DCNs from 2001 to 2014 in relation to the perspective of diversity; 2: How the issues of diversity can be critically questioned based on the 2014 DCNs; 3: The 2014 DCNs and what needs to be demonstrated in the search for diversity in medical education. Furthermore, the need for a connection between training and care was made explicit through the other public health policies, especially those related to marginalized groups. Conclusion: The Covid-19 pandemic has proven to be an opportunity for the media and society as a whole to recognize social inequalities in health care and the relevance of the Unified Health System (SUS), and to highlight the multiple indications that the pedagogical projects and curricular components of Medicine courses need updating and to commit to building an educational and health care proposal that values diversity and reduces inequalities in health.

13.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e152, 2020.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137585

RESUMO

Resumo: Introdução: As Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Medicina (DCN) de 2014 definem que o(a) graduando(a) deve ser formado(a) para abordar a diversidade biológica, étnico-racial, de gênero e orientação sexual. Entretanto, essa temática costuma ser invisibilizada, reiterando a LGBTI+fobia institucional que perpetua desigualdades e iniquidades no ensino e cuidado em saúde. Essa situação se tornou mais explícita durante a pandemia da Covid-19. Objetivo: Analisar as DCN sob a ótica das diversidades de gênero e sexual, de modo a problematizar "o que" e "como" pode ser aprimorado na educação médica em relação às questões LGBTI+. Desenvolvimento: Considerando que a aprendizagem de adultos ocorre a partir da problematização de vivências do cotidiano, serão apresentados três casos relativos ao atual momento da pandemia da Covid-19, com base nos quais se podem abordar temas sobre a saúde LGBTI+ no curso médico. Após, serão problematizadas algumas competências específicas sobre saúde LGBTI+ que podem ser aprimoradas durante a formação médica, inclusive no período da pandemia da Covid-19, a fim de visibilizar a temática LGBTI+ no currículo como uma estratégia de combater a LGBTI+fobia na escola médica e promover o cuidado integral em saúde. Conclusão: É possível abordar sobre a saúde LGBTI+ a partir de situações vivenciadas durante a pandemia da Covid-19. Entretanto, é necessário ter clareza de como as DCN se traduzem em competências específicas sobre saúde LGBTI+. Essa pode ser uma das estratégias a fim de tornar os currículos mais acolhedores e compromissados com as necessidades de saúde dessa população.


Abstract: Introduction: The 2014 National Curriculum Guidelines ("DCNs") determine that undergraduates should be trained to address biological, ethnic-racial, gender and sexual orientation diversity. However, academic medical training only occasionally addresses this theme, which perpetuates inequality and prevents physicians from being adequately trained to serve this population. The reorganization of curricular activities due to the Covid-19 pandemic may have aggravated this situation and this invisibility emphasizes institutional LGBTI+phobia. Objective: To shed light on the LGBTI+ theme in academic medical training is one of the strategies to tackle LGBTI+phobia in medical school. This essay will analyze the "DCNs" from the perspective of gender and sexual diversity, recommending related competencies on LGBTI+ health that should feature in the course, including the Covid-19 pandemic period. Development: We will present three cases related to the current moment of the Covid-19 pandemic, from which topics on LGBTI + health could be discussed in academic medical training. After analyzing the DCNs and the needs arising from these cases, some competencies in LGBTI+ health will be proposed for undergraduate medicine students; considering that adult learning results from critically questioning everyday experiences. Conclusion: we believe that it is possible to approach LGBTI+ health from situations experienced during the Covid-19 pandemic. However, it is necessary to be clear how the DCNs translate to LGBTI+ health-related skills. This might be one of the strategies to make academic medical training more welcoming and committed to the health needs of this group.

14.
Rev. bras. educ. méd ; 44(supl.1): e141, 2020.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1137588

RESUMO

Resumo: Introdução: A atual pandemia da Sars-CoV-2 (Covid-19) deixou ainda mais evidentes a desigualdade social e o impacto dos determinantes sociais nos indicadores de saúde. Por conta disso, os profissionais de saúde, para cuidar das pessoas e populações, devem desenvolver ações que promovam a equidade, papel que também cabe às instituições de ensino e saúde. As Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Medicina trazem em seu artigo 3º que a formação do(a) graduando(a) deverá ocorrer com "responsabilidade social e compromisso com a defesa da cidadania". Relato de Experiência: Este relato mostra como o debate da determinação social do processo de saúde e doença vem ocorrendo ao longo dos eventos nacionais de educação médica, especificamente nos Congressos Brasileiros de Educação Médica (Cobem), e como isso resultou na construção coletiva e colaborativa do grupo de trabalho Populações (In)Visibilizadas e Diversidades da Abem (GT-PIVD). Discussão: Os Cobems têm ampliado as oportunidades para debates sobre determinantes sociais por meio de atividades relacionadas às questões LGBTI+, racial, da mulher e indígena. O GT-PIVD, criado em 2019, reúne um coletivo de educandos(as) e educadores(as) com o objetivo de promover esse debate na formação médica e nos eventos da Abem, além de ser uma comunidade de trocas de experiências sobre as populações (in)visibilizadas e diversidades. Conclusão: Algumas iniciativas, como a "Carta de Porto Alegre", sobre equidade de gênero e diversidade sexual, e a criação do GT-PIVD, são produtos dos Cobem. O GT-PIVD, por meio de sua comunidade de práticas virtuais, tem se tornando um espaço importante de trocas de experiências entre educandos(as) e educadores(as) sobre racismo, sexismo, LGBTIfobia e outras violências, inclusive durante a pandemia da Covid-19.


Abstract: Introduction: The current SARS-COV 2 pandemic (Covid-19) has made social inequality and the impact of social determinants on health indicators even more explicit. It is evident that health professionals, as well as educational and health institutions, must develop actions to promote equity in order to care for people and populations. The National Curricular Guidelines for Undergraduate Courses in Medicine bring in their third article that the training of the undergraduate student must occur with "social responsibility and commitment to promote citizenship". Experience Report: This report presents how the debate on the social determination of the health and disease process has been taking place throughout the national Medical Education events, specifically in the Brazilian Medical Education Congress ("Cobem"), and how this resulted in the collective and collaborative initiative of the (In)Visible Populations and Diversities of the ABEM Working Group ("GT-PIVD"). Discussion: The "Cobems" have expanded opportunities for debates on social determinants through activities related to LGBTI+, race, women and indigenous issues. The "GT-PIVD", created in 2019, gathers students and educators with the aim of promoting this debate in medical settings and at ABEM events, constituting a community for exchanging experiences about (in)visible populations and diversities. Conclusion: Some initiatives, such as the Porto Alegre Letter, on gender equality and sexual diversity, and the creation of the GT - PIVD, are products of the "COBEMs". The GT-PIVD, through its community of virtual practices, has become an important space for exchanging experiences between students and educators on racism, sexism, LGBTIphobia and other violence, including during the COVID-19 pandemic.

15.
Rev. bras. educ. méd ; 43(4): 15-25, Out.-Dec. 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1042104

RESUMO

RESUMO A assistência à saúde torna-se cada vez mais complexa, e as novas demandas exigem que as pessoas readaptem seus processos de trabalho para a construção de uma equipe multiprofissional que assegure integralidade, qualidade e efetividade do cuidado aos usuários do sistema de saúde. A Association of American Medical Colleges recomendou que os currículos médicos buscassem estratégias para o desenvolvimento de colaboração, responsabilidade compartilhada e equipes de alto desempenho, caracterizadas pelas habilidades de liderança, tomada de decisões, comunicação, resolução de conflitos, autoconhecimento, cooperação, corresponsabilidade e compromisso. Em consonância com essa orientação, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para os Cursos de Graduação em Medicina afirmam que o estudante deve ser capaz de assumir liderança nas relações interpessoais, com comprometimento, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e desempenho de ações efetivas, mediada pela interação, participação e diálogo, objetivando o bem-estar da comunidade. Uma estratégia para a produção de equipes e o desenvolvimento de competências do trabalho em equipe é o Myers-Briggs Type Indicator (MBTI), amplamente utilizado nos setores de recursos humanos, de gerenciamento e administração na construção de equipes, com o propósito de autoconhecimento e autodesenvolvimento, desenvolvimento organizacional, treinamento gerencial e desenvolvimento curricular acadêmico e profissional. Assim, o MBTI foi incorporado ao planejamento e à execução de um componente curricular de Saúde Coletiva, no sétimo semestre de um curso de Medicina de uma universidade federal brasileira, como estratégia para a divisão das equipes de trabalho durante o período. Dessa forma, o objetivo deste artigo é relatar a experiência vivenciada e realizar análises quantitativa e qualitativa dessa experiência por meio de respostas discentes obtidas em questionários. Após a realização do MBTI pelos estudantes, para a formação das equipes foi aplicado o agrupamento por temperamento, que consiste em reunir os 16 tipos psicológicos em quatro temperamentos: SJ (guardiães), SP (artesãos), NF (idealistas) e NT (racionais). As equipes de trabalho foram formadas de modo que cada uma fosse composta por pelo menos um representante de cada temperamento. A análise quantitativa demonstrou que a intervenção foi estatisticamente significativa. A análise qualitativa das respostas às questões abertas foi obtida inicialmente pela categorização das informações, seguida pelo agrupamento em categorias amplas, por meio da análise de conteúdo. As categorias "formação de equipes satisfatória", "oportunidade de autoconhecimento e conhecimento dos pares pelo MBTI" e "discordância da divisão segundo MBTI" elucidaram a percepção discente sobre as potencialidades e desafios do uso do MBTI na formação de equipes na educação médica. Com essa experiência, percebemos que somar habilidades individuais é possível e importante não apenas para a construção de produtos finais de qualidade, mas para que o processo de trabalho seja valorizado e permita autoconhecimento e o desenvolvimento de habilidades de relação interpessoal. Fica evidente a importância de que, enquanto estudantes e professores, profissionais de saúde e pessoas, nós nos permitamos ser afetados pelo potencial transformador do processo educacional para que, então, sejamos capazes de agir também como agentes promotores da mudança.


ABSTRACT Health care has become increasingly complex and new needs demand that people readjust their work processes towards the construction of multi-professional teams that assure users comprehensive, effective, high quality care. The Association of American Medical Colleges has recommended that medical curricula seek strategies for collaborative development, shared responsibility, and high-performance teams characterized by leadership, decision-making, communication, conflict resolution, self-knowledge, cooperativity, co-responsibility, and commitment. Accordingly, the National Curriculum Guidelines for Medical Undergraduate Courses states that the student must be able to take leadership in interpersonal relationships with commitment, responsibility, empathy, ability to make decisions, communication and perform effective actions, mediated by interaction, participation and dialogue, aiming at the community's well-being. One strategy to produce teams and develop teamwork skills is the Myers-Briggs Type Indicator (MBTI), widely used in the human resources, management and administration sectors in team building, with the purpose of self-knowledge and self-development, organizational development, managerial training, and academic and professional curriculum development. Thus, the MBTI was incorporated into the planning and execution of a Public Health discipline, in the seventh semester of a Medicine course of a Brazilian Federal University, as a strategy for the division of working teams during the academic period. The objective of the present article, therefore, is to report the experience and to perform a quantitative and qualitative analysis based on student answers obtained in questionnaires. Following application of the MBTI test, teams were formed according to the students' temperament, with the sixteen psychological types divided into four large groups of temperaments: SJ (guardians), SP (craftsmen), NF (idealists), NT (rational). The teams were created so that they each had at least one representative of each temperament. The quantitative analysis shows that the intervention was statistically significant. Qualitative analysis of the answers to the open-ended questions was obtained initially by categorization of the information, followed by grouping into broad categories, through content analysis. The categories "satisfactory team formation", "opportunity for self-knowledge and peer knowledge by the MBTI", and "disagreement with the MBTI division" elucidated the students' perceptions about the potentialities and challenges of using the MBTI for team division in medical training. The experience taught us that adding individual skills is possible and important, not only for the construction of quality end products, but for the work process to be valued, allowing self-knowledge and the development of interpersonal skills. It is evident that we, as students and teachers, health professionals and people, should allow ourselves to be affected by the transformative potential of the educational process in order to enable us to act as agents that promote change.

16.
Saúde Soc ; 28(3): 198-209, jul.-set. 2019.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1043385

RESUMO

Resumo As diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em Medicina reiteram a importância das questões de gênero e sexualidade para o desenvolvimento de competências relacionadas ao cuidado integral em saúde e promoção dos direitos humanos. Diante disso, foi implementado este debate no currículo de uma escola de Medicina no Brasil e discutida a influência na educação e prática em saúde da matriz heteronormativa e seu consequente preconceito social e institucional. Os dados e reflexões desta experiência foram analisados e apresentados a partir do referencial da autoetnografia performática, em diálogo com os estudos queer e culturais. Identificou-se que o cuidado integral em saúde se torna um grande desafio entre efeitos essencializadores e naturalizadores do currículo oculto sobre os corpos que deslizam as normas e expectativas de gênero e sexualidade. Concluiu-se que realizar ações de sensibilização e afetação aos(as) outros(as) com a efetivação de uma rede de apoiadores(as) foi fundamental para promover o sentimento de solidariedade, amorosidade e diálogo no enfrentamento de uma luta sem garantias, promovendo assim, o cuidado integral em saúde e os direitos humanos.


Abstract The National Curricular Guidelines for Undergraduate Medicine Courses reiterate the importance of gender and sexuality issues for the development of competencies related to integral health care and promotion of human rights. In view of this, this debate was implemented in the curriculum of a medical school in Brazil, discussing the influence on health education and practice of the heteronormative matrix and its consequent social and institutional prejudice. The data and reflections of this experiment were analyzed and presented from the performance autoethnography reference, in dialogue with the queer and cultural studies. It was identified that integral health care becomes a great challenge between the essentializing and naturalizing effects of the hidden curriculum on the bodies that slide the norms and expectations of gender and sexuality. It was concluded that actions to raise awareness and affectation to others, with the realization of a network of supporters were fundamental to promote a sense of solidarity, love and dialogue in the face of a struggle without guarantees, thus promoting integral health care and human rights.

17.
Rev. bras. educ. méd ; 43(3): 16-26, jul.-set. 2019.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1003436

RESUMO

RESUMO As conquistas dos movimentos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) estabeleceram uma tensão na sociedade que sugere serem irreversíveis suas conquistas, inclusive em termos de visibilidade e recusa ao silenciamento. O cenário de redemocratização e a luta contra o preconceito e a discriminação, assim como pelos direitos humanos e acesso à saúde para todos, compõem alguns dos objetivos desses movimentos. Entretanto, a ideia ainda recorrente da impureza da homossexualidade, que posiciona o sujeito gay como "ser perigoso" reatualiza o estigma e a discriminação com base na suposta "contaminação presumida" do HIV/aids. Nesse sentido, o presente artigo tem por objetivo analisar os efeitos dos discursos sobre as (homo)sexualidades e o HIV/aids na formação médica. Por meio da autoetnografia performática, foi desenvolvida uma análise nas intersecções do self nos coletivos, do eu nas culturas, do agente nas agências, a partir de cenas (auto)etnográficas e da observação participante nos vários cenários de ensino-aprendizagem de uma escola médica pública brasileira. Observamos que, embora proscrito desde a CID 10, o diagnóstico de "homossexualismo" segue sendo produzido e produzindo efeitos por meio da solicitação sistemática e sem evidências de investigação do HIV/aids na formação médica. Assim, compreendemos que ainda há certa cultura hegemônica heterossexual-homofóbica na formação e no cuidado em saúde que atualiza o circuito da exclusão, dominação, colonização e subjugação do sujeito homossexual pela reiterada relação "ser gay - ter HIV/aids". Com os encontros e as experiências vividas aqui analisadas, explicitam-se visceralmente as disputas e os enfrentamentos no currículo, na esfera do cotidiano e em nossa própria consciência e prática diária para a produção de espaços que considerem outras possibilidades de existência para além da somente hegemônica heterossexualidade branca masculina. Concluímos, também, que foram e ainda continuam sendo abertas várias disputas na formação e atuação médicas, evidenciando que "não estamos sozinhos". Muitos(as) de nós estamos comprometidos(as) com a tentativa de construir outros modos de ensinar e cuidar, guiados por performances - escritas e corporificadas - de inclusão e resistência, cujo objetivo é expor, desafiar e transformar narrativas desumanas contra a população LGBT e a opressão em geral.


ABSTRACT The achievements of the lesbian, gay, bisexual, transvestite and transsexual (LGBT) movements have established a tension in society that suggests that their accomplishments are irreversible, including in terms of visibility and refusal to remain silent. The scenario of re-democratization and the fight against prejudice and discrimination, as well as human rights and access to health for all, make up some of the objectives of these movements. However, the persistently recurrent idea of the dirtiness of homosexuality that positions the gay subject as being dangerous, reaffirm the stigma and discrimination from the alleged "presumed contamination" of HIV/aids. In this sense, this article aims to analyze the effects of discourses on (homo)sexualities and HIV/aids in Medical Education. By means of performative autoethnography, an analysis was performed at the intersections of the "self" in the collective, the self in the cultures, from (auto)ethnographic scenes and participant observation in the various teaching scenarios of a Brazilian public Medical School. We observed that, although proscribed since ICD 10, the diagnosis of "homosexualism" continues to be produced through the systematic and unproven application of HIV/aids research in medical education. Thus, we understand that there is still a certain heterosexual-homophobic hegemonic culture in health education and health care that updates the circuit of exclusion, domination, colonization and subjugation of the homosexual subject by the repeated relationship between "being gay - having HIV/aids". With the encounters and experiences that have been analyzed here, the disputes and confrontations in the curriculum, in the daily life and in our own daily consciousness and practice for the production of spaces that consider other ways of living beyond just hegemonic male white heterosexuality are made viscerally explicit. We also conclude that several disputes have been and are still being opened in medical training and performance, proving that "we are not alone". Many of us are committed to the attempt to construct other ways of teaching and caring, guided by performances - written and embodied - of inclusion and resistance, whose goal is to expose, challenge and transform dehumanizing narratives against the LGBT population and oppression in general.

18.
Rev. bras. educ. méd ; 43(2): 130-142, abr.-jun. 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-990621

RESUMO

RESUMO Este artigo apresenta a estruturação de uma unidade curricular para a discussão da temática de gênero e sexualidade, bem como os primeiros resultados da implantação dessa discussão em um curso médico de uma Universidade Federal Brasileira. Utilizou-se como eixo de elaboração do artigo o modelo Context / Input / Process / Product (CIPP) de avaliação de programas para apresentar a estruturação dessa unidade curricular e a heterogeneidade de percursos e caminhos para a sua efetivação (etapas 1, 2 e 3 do CIPP), bem como os primeiros resultados da implementação dessa discussão em um curso médico (etapa 4 do CIPP). Na etapa 1, realizou-se uma análise documental do projeto pedagógico curricular da escola médica em estudo; nas etapas 2 e 3, fez-se uma narrativa descritiva do processo de planejamento e implementação da unidade curricular a partir do Arco de Paulino & Raimondi para o ensinoaprendizagem das políticas públicas em interface com o cuidado para os cursos da saúde; na etapa 4, aplicou-se aos discentes um questionário de preenchimento voluntário retrospectivo pré/pós-intervenção, com questões fechadas, por meio de uma escala Likert de sete pontos, a fim de avaliar a percepção discente sobre o aprimoramento de suas competências relacionadas às questões de gênero e sexualidade no cuidado em saúde com base nessa experiência pedagógica. Nesta etapa, fez-se uma análise estatística descritiva e inferencial, utilizando-se o teste t de Student, o cálculo do tamanho do efeito (d de Cohen) e o modelo linear geral de delineamento misto a fim de determinar se há diferença significativa entre os gêneros antes e depois da intervenção de cada uma das perguntas. Os resultados mostram que a intervenção/unidade curricular desenvolvida por meio do Arco de Paulino & Raimondi foi estatisticamente significativa, com grande impacto no aprimoramento de competências relacionadas a essa temática, na perspectiva discente, o que foi mais evidente no gênero feminino. Conclui-se que essa estratégia pedagógica se mostrou potente na educação das profissões da saúde para promover a integralidade no cuidado em relação às questões de gênero e sexualidade a partir do aprimoramento de competências relacionadas às questões de gênero e sexualidade no cuidado em saúde, promovendo, assim, os princípios do SUS, de justiça social e direitos humanos.


ABSTRACT The aim of this article is to present the structure of a curricular unit for the discussion of gender and sexuality, as well as the initial results of the implementation of this discussion in a medical course of a Brazilian Federal University. The Context / Input / Process / Product (CIPP) model for program evaluation was used to present the structure of this curricular unit, and the heterogeneity of the steps and paths taken for its realization (steps 1, 2 and 3 of the CIPP). It also presents the initial results of the implementation of this discussion on a medical course (Step 4 of the CIPP). In stage 1, a document analysis of the curriculum of the medical school under study was carried out; Stages 2 and 3 give a descriptive narrative of the process of planning and implementing the curricular unit, based on the Paulino & Raimondi Arch for the Teaching-Learning of Public Policies in interface with Care for Health Degrees Programs; In step 4, a retrospective pre-post questionnaire was filled out voluntarily, in the end of the intervention, to the students. It consisted of closed questions, using a 7-point Likert scale to assess the students' perceptions about the improvement of their competences in the areas of gender and sexuality in health care, following this pedagogical experience. This step also included a descriptive and inferential statistical analysis, using the student's t-test, the effect size calculation (Cohen's d), and the general linear model of mixed design, to determine whether there is significant difference between the genders before and after the intervention of each of the questions. The results show that the intervention/curricular unit developed, through the Paulino & Raimondi Arch, was statistically significant, having a significant impact on the improvement of competences, from the students' perspective, in relation to this theme. This impact was most evident in female gender. It is concluded that this pedagogical strategy proved to be powerful in education for the health professions, promoting integrality in health care regarding gender and sexuality issues, through the improvement of competences related to those issues, thereby promoting the principles of the Unified Health System (SUS - Sistema Único de Saúde), social justice, and human rights.

19.
Rev. bras. educ. méd ; 43(1,supl.1): 641-651, 2019.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1057588

RESUMO

RESUMO A formação em medicina pode gerar grandes responsabilidades ao estudante e provocar diversos problemas comportamentais, psíquicos e físicos. Diante desse fato, evidencia-se a necessidade de problematização de estratégias de Promoção da Saúde física e mental dos graduandos, conforme apontam as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Medicina no Brasil. Este relato de experiência almeja problematizar uma iniciativa do eixo curricular de Saúde Coletiva de uma Universidade Federal brasileira voltada para o aprimoramento de competências relacionadas à Promoção da Saúde. Durante a terceira unidade curricular desse eixo, problematizou-se com os estudantes, por meio do Arco de Maguerez, o aprimoramento de competências relacionadas à Promoção da Saúde e à salutogênese, em consonância com os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e as políticas públicas de saúde, especialmente a Política Nacional de Promoção da Saúde. Com isso, a unidade curricular com essa temática foi construída coletivamente, com diálogo e amorosidade entre discentes e docentes. Partimos da realidade dos estudantes para aprender sobre Promoção da Saúde e, assim, poder transformá-la. As atividades construídas, em um componente do currículo formal de um curso médico, permitiram aprender a relevância e a prática da Promoção da Saúde no cotidiano e se sensibilizarem em relação a elas. Buscou-se realizar ações para a ampliação do bem-estar dos discentes de forma autônoma e libertadora. Assim, empoderados com esses saberes, a unidade foi encerrada em uma atividade construída pelos estudantes por meio dos objetivos pedagógicos propostos. O local em que ela ocorreu se mostrou potente para produzir saúde e constituir-se como cenário de ensino-aprendizagem para a formação médica. Compreendeu-se que a Promoção da Saúde por intermédio de atividades contextualizadas com as realidades e necessidades discentes, inseridas na rotina acadêmica, possui potencial transformador na saúde dos estudantes, preparando-os para uma prática médica ética, relacional, com amorosidade e corresponsabilidade. A experiência foi inovadora, pois enfrentou a incoerência de ensinar a Promoção da Saúde sem praticá-la, em um contexto em que cada vez mais as condições de saúde física e mental dos estudantes de Medicina têm se tornado precárias. Assim, a oportunidade de aprender sobre o tema foi aproveitada para desenvolver competências e vivenciar a Promoção da Saúde na realidade dos estudantes, preparando-os para as intervenções com a comunidade, que ocorreram em seguida. A avaliação da atividade foi positiva, e destacou-se a relevância da Saúde Coletiva na formação médica para pensar as interfaces entre o eu e o outro, nossas semelhanças, diferenças e necessidades de transformações nos encontros que a graduação e a profissão médica proporcionam.


ABSTRACT Medical training can generate huge responsibilities for the students and cause various behavioral, mental and physical problems. Considering this fact, we need to problematize strategies to promote the physical and mental health of medical students, as highlighted by the National Guidelines for Undergraduate Medical Education in Brazil. This experience report aims to problematize an initiative of a curricular axis of Public Health of a Brazilian Federal University, focused on the improvement of competencies related to health promotion. During the third curricular unit of this axis, the students were challenged, through the Arch of Maguerez, to improve competencies related to health promotion and salutogenesis, according to the principles of SUS and Public Health Policies, especially the National Policy for Health Promotion. After that, the curricular unit that included this theme was collectively constructed, with dialogue and affection between students and teachers. We began with the students' reality, to learn about Health Promotion and, thus, to be able to transform it. The developed activities, within a component of the formal curriculum of a medical course, allowed them to learn and become aware of the relevance and practice of Health Promotion in everyday life. Efforts were made to expand and promote health and well-being in a free and autonomous way. Empowered with these knowledges and based on the proposed pedagogical objectives, the students built the final activity of this unit. The place where it occurred showed to be effective in producing health and in constituting a scenario of teaching and learning for medical training. It was understood that health promotion, based on activities contextualized with the students' realities and needs, as part of the academic routine, has a transformative potential for their health, and can prepare them for a medical practice that is ethical, relational, affective and co-responsible. The experience was innovative, because it faced the incoherence of teaching Health Promotion without practicing it, in a context where the physical and mental health conditions of medical students have become more precarious. Thus, the opportunity to learn about the subject was used to develop skills and to experience Health Promotion within the students' reality, preparing them for the interventions with the community, which occurred next. The activity was positively evaluated, highlighting the relevance of Public Health in the medical training, aiming to think about the interfaces between the self and the other, our similarities, differences and need for transformations in the meetings that the undergraduate school and the medical profession provide.

20.
Rev. bras. educ. méd ; 43(1,supl.1): 662-671, 2019. graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1057610

RESUMO

RESUMO Diante da necessidade de integrar o debate de gênero e sexualidade à formação médica, uma unidade curricular de Saúde Coletiva de um curso de Medicina público federal propôs a metodologia da Aprendizagem Baseada em Projetos (ABPj) para essa formação. Nessa proposta pedagógica, os estudantes constroem um produto final como recurso para intervenção/aprimoramento da realidade. Dessa forma, a metodologia da Problematização, com o Arco de Maguerez, forneceu o subsídio à concretização desses produtos. Cada um desses projetos utilizou uma das políticas públicas relacionadas ao debate em torno do gênero e da sexualidade. Neste artigo, relata-se o projeto relacionado à Política Pública de Atenção Integral à Saúde de Adolescentes e Jovens na Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde. Na apresentação desse produto foi utilizada a metodologia do role-play, com três cenas, para intervenção/aprimoramento da realidade observada/vivida. Essa experiência também conquistou a premiação de melhor trabalho apresentado naquele ano no Congresso Brasileiro de Educação Médica, construindo nessa escola médica um espaço formal para o desenvolvimento de competências no tocante aos determinantes sociais de gênero e sexualidade, para uma prática médica integral e equânime. Este relato de experiência destaca ainda a relevância do uso de metodologias ativas, como a ABPj e role-play, na educação médica.


ABSTRACT Faced with the need to integrate the gender and sexuality debate into medical training, a Public Health curricular unit from a Federal Public Medicine course proposed the Project Based Learning (PjBL) methodology as a resource for the implementation of this debate. In this pedagogical proposal, the students construct a final product as a resource for intervention/improvement of reality. Thus, the methodology of Problematization, with the Arch of Maguerez, supported the consolidation of these products. Each of these projects was based on one of the public policies that are related to the debate of gender and sexuality. In this article, we report the project related to the public policy of Comprehensive Health Care for Adolescents and Young People in Health Promotion, Protection and Recovery. The presentation of this product was made using the methodology of role-play, with three scenarios, for intervention/improvement in the observed/lived reality. This experience also won the award for best work presented that year at the Brazilian Congress of Medical Education, building a formal space for the development of gender and sexuality determined competencies in the Medical School, to ensure comprehensive and equal medical practice. Moreover, this report highlights the relevance of the use of active methodologies, such as PjBL and role-play, in medical education.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...