Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 48
Filtrar
4.
Arq. bras. cardiol ; 115(4): 720-775, out. 2020. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1131346
5.
Arq Bras Cardiol ; 114(5): 849-942, 2020 06 01.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-32491078
7.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 30(2 Suppl. B): 194-194, abr-jun., 2020.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1117258

RESUMO

INTRODUÇÃO: A doença valvar é responsável por acometer mais de 100 milhões de pessoas no mundo e a substituição valvar em geral é o tratamento de escolha. As próteses biológicas são propensas à degeneração valvar estrutural (DVE), seja por um processo multifatorial mediado pela calcificação do tecido conjuntivo, ou pela deterioração do colágeno, o que leva a disfunção protética (estenose e /ou desgaste) e interfere na sua durabilidade. Os autores tiveram como objetivo avaliar o desempenho hemodinâmico da bioprótese EpicTM (prótese com terapia anticalcífica) em pacientes submetidos a cirurgia de troca valvar, bem como sua durabilidade e eventuais complicações como trombose, fratura e/ou disfunção. MÉTODOS: Foram analisados um total de 104 pacientes submetidos à troca valvar no período de 2002 a 2008, cuja média das idades foi de 38,9 anos±16,8 anos, sendo observada uma idade mínima de 9 anos e máxima de 73 anos. Os pacientes foram alocados em grupo de próteses sendo somente mitral (n: 38); somente aórtico (n:43); somente tricúspide (n:7) e mitro-aórtico (n: 16) e analisados conforme as caratéristicas pré e pós operatórias, além do seguimento pós cirúrgico. RESULTADOS: Dentro da amostra de 104 pacientes foi possível avaliar o seguimento em 99 pacientes. No grupo somente mitral encontramos um porcetagem maior de paciente do sexo feminino, com ritmo de FA/flutter e febre reumática. No grupo aórtico pacientes do sexo masculino, com hipertensão e ritmo sinusal. No grupo tricúspide os pacientes eram mais jovens e com ritmo de MP. O tempo médio livre de reoperação foi de 12,99 anos (IC 12,09-13,89). A curva livre de reoperação foi 98±1,4% em 3 anos, 95±2,2% em 5 anos 85±3,6% em 10 anos. Não foi observado nenhum óbito nos grupos avaliados. Reoperação foi realizada em 21 pts (5 por EI, 2 por VPP, 1 por trombose de prótese e 13 por disfunção estrutural da prótese). O tipo da disfunção foi estenose em 7pts e fratura do folheto em quatro pacientes Entre os 13 pacientes (12,5%) reoperados por disfunção da prótese, 2 eram mitrais, 7 aórticos, 3 tricúspides e 1 mitro/aórtico. Na análise multivariada observaos que os pacientes tabagistas tinham 10,6 vezes mais risco de evoluir com disfunção e a idade foi um fator protetor. CONCLUSÕES: Apesar da amostra estudada ter 78% dos pacientes com menos de 50 anos de idade a evolução tardia (13 anos) pós implante da prótese EPIC foi muito favorável, com mortalidade zero e curva livre de reoperação de 85±3,6 % em 10 anos. Disfunção estrutural ocorreu em 12,5% A incidência de reoperação foi maior nos pacientes mais jovens.


Assuntos
Falha de Prótese , Hemodinâmica , Bioprótese
8.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 121-121, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009295

RESUMO

INTRODUÇÃO: A estenose aórtica (EAo) constitui uma das principais valvopatias encontradas, estando associada a grande morbimortalidade ao iniciarem os seus sintomas. O implante de bioprótese aórtica transcateter (do inglês transcatheter aortic valve implantation ­ TAVI) constitui em modalidade mais recente no tratamento intervencionista da estenose aórtica, revolucionando a propedêutica de muitos pacientes antes considerados inoperáveis. Grande preocupação é dada as complicações de sangramento submetidos pós-TAVI. Objetiva-se avaliar a incidência e fatores clínicos associados ao sangramento tardio (≥ 30 dias) em pacientes submetidos a TAVI e analisar o impacto do sangramento tardio nesses indivíduos. Além disso, buscou-se correlacionar a ocorrência de sangramento com escores de risco já estabelecidos em outros cenários clínicos. MÉTODOS: Trata-se de pesquisa observacional e retrospectiva através de análise de banco de dados de um único centro composto de pacientes consecutivos submetidos a TAVI. A definição de sangramentos tardios foram baseados nos critérios definidos pelo Valve Academic Research Consortium 2 (VARC-2). O nível de significância adotado foi para valores de p < 0,05. RESULTADOS: De uma população de 371 pacientes, há um predomínio do sexo feminino (54%), com idade média de 67 anos, obtendo-se taxa de sangramentos tardios de 10%, valores semelhantes aos encontrados na literatura. Dentre os fatores associados, a presença de doença carotídea >50% (p=0,021), hipertensão pulmonar (p=0,023), refluxo aórtico (p=0,014), HAS-BLED (p<0,001), uso de anticoagulação oral (p<0,001), ácido acetilsalicílico (p=0,001), disfunção diastólica (p=0,032) e a ocorrência de fibrilação atrial/flutter seja de maneira paroxística (p<0,01) ou permanente (p<0,001) estiveram associados a maior ocorrência de sangramento tardio. De maneira semelhante a outros estudos na literatura, fatores como a terapia antitrombótica e até mesmo refluxo aórtico tiveram grande influência na ocorrência dos eventos de sangramento. CONCLUSÃO: A TAVI é um procedimento inovador e cada vez importante no tratamento da estenose aórtica. O conhecimento dos fatores relacionados ao sangramento tardio são de grande importância na redução de efeitos adversos em pacientes submetidos a TAVI, uma vez que estão associados a grande impacto na morbimortalidade desses doentes. (AU)


Assuntos
Humanos , Estenose da Valva Aórtica , Implante de Prótese de Valva Cardíaca , Hemorragia
9.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(2): 167-171, abr.-jun. 2019. ilus
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009510

RESUMO

A estenose aórtica degenerativa é uma patologia com incidência elevada em pacientes idosos. Sua fisiopatologia está relacionada à calcificação valvar e não está totalmente elucidada. Sabe-se, entretanto, que inicialmente há grande semelhança com o processo de aterosclerose e, após o inicio da deposição do cálcio, tal processo se autoperpetua, gerando mais calcificação e piora da gravidade anatômica valvar progressivamente. Ainda há uma carência de testes para o diagnóstico das fases iniciais de calcificação. Porém, nas fases finais, a utilização da tomografia com escore de cálcio valvar e o ecocardiograma estão bem estabelecidos. Com relação ao tratamento medicamentoso para reduzir ou deter a progressão da doença valvar, devemos reforçar a necessidade de tratamento para os fatores de risco de aterosclerose. Entretanto, a estatina provou-se ineficaz até o momento e novas medicações, como o esonumabe e os bifosfonados, ainda estão em estudo


Degenerative aortic stenosis is a pathology with high incidence in elderly patients. Its pathophysiology is related to valve calcification and has not been fully elucidated. However, it is known to be very similar to the atherosclerotic process in the initial stages. Once calcium deposition begins, this process is self-perpetuating, generating further calcification and progressive degeneration of the valve anatomy. The number of tests used to diagnose the early stages of calcification is still insufficient. However, in the late stages, the use of computed tomography aortic valve calcium scoring and echocardiogram scans is well established. Regarding medical treatment aimed at reducing or slowing heart valve disease progression, we must emphasize the need for treatment of atherosclerosis risk factors. However, statins have thus far proven ineffective, and new drug products, such as desonumab and bisphosphonates, are still being studied


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Estenose da Valva Aórtica/prevenção & controle , Calcificação Vascular , Valva Aórtica , Ecocardiografia/métodos , Tomografia/métodos , Fatores de Risco , Inibidores de Hidroximetilglutaril-CoA Redutases
10.
In. Consolim-Colombo, Fernanda M; Saraiva, José Francisco Kerr; Izar, Maria Cristina de Oliveira. Tratado de Cardiologia: SOCESP / Cardiology Treaty: SOCESP. São Paulo, Manole, 4ª; 2019. p.692-697.
Monografia em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009475
11.
Arq. bras. cardiol ; 111(3 supl.1): 199-199, set., 2018.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1046105

RESUMO

INTRODUÇÃO: A insuficiência valvar tricúspide é frequentemente verificada em associação à valvopatia mitral, sendo denominada secundária. Outras etiologias como a endocardite, doença carcinoide e o trauma fechado de tórax são geralmente menos frequentes, e portando, motivo de publicações com pequenas séries. A regurgitação tricúspide traumática é uma complicação rara do trauma torácico fechado. Com o aumento do número de acidentes automobilísticos, a regurgitação tricúspide traumática tornou-se um problema importante. Tem sido relatado com mais frequência por causa de melhores procedimentos diagnósticos e melhor compreensão da patologia. O diagnóstico precoce é importante, pois a lesão tricúspide traumática poderia ser efetivamente corrigida com técnicas reparadoras, a operação precoce é considerada para aliviar os sintomas e prevenir a disfunção do ventrículo direito. A ecocardiografia pode revelar a causa e a gravidade da regurgitação. RELATO DE CASO: E.C.S.M., 43 anos, 73 kg, 158 cm, natural e residente em São Paulo, auxiliar de limpeza, solteira, antecedentes de hipertensão, história familiar de doença arterial coronária, miocardite aos 13 anos e com relato de queda de moto em 2014. Evoluiu com quadro de dispneia classe funcional II (NYHA) em 2015 com piora progressiva há 01 ano. Iniciou seguimento em hospital primária e após realização de ecocardiograma em 24/08/2016 com presença de função biventricular preservada associado a presença de insuficiência tricúspide moderada a importante foi encaminhada para seguimento em hospital terciário. Após investigação foi identificado insuficiência tricúspide importante com etiologia traumática já que não havia nenhuma condição nas câmaras esquerdas que justificassem o quadro. Realizou investigação com cineangiocoronariografia demonstrando coronárias normais e ressonância de coração que demonstrou apenas lesão em valva tricúspide. Foi submetido a cirurgia de valvar na tricúspide com anulopastia com pericárdio bovino e sutura de folheto anterior. Evoluiu estável e no 6º pós-operatório recebeu alta hospitalar sem sopros residuais em foco tricúspide. Retornou com um mês após a cirurgia no ambulatório com boa evolução sendo agendado seguimento anual. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Embora as lesões valvulares após trauma torácico fechado sejam sabidamente uma complicação muito rara, a regurgitação tricúspide grave é a complicação cardíaca mais comum podendo ter seu diagnóstico atrasado como o caso em questão. (AU)


Assuntos
Humanos , Insuficiência da Valva Tricúspide , Contusões Miocárdicas
12.
Arq. bras. cardiol ; 109(6): 590-598, Dec. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-887987

RESUMO

Abstract Background: The impact of paravalvular regurgitation (PVR) following transcatheter aortic valve implantation (TAVI) remains uncertain. Objective: To evaluate the impact of PVR on mortality and hospital readmission one year after TAVI. Methods: Between January 2009 and June 2015, a total of 251 patients underwent TAVI with three different prostheses at two cardiology centers. Patients were assessed according to PVR severity after the procedure. Results: PVR was classified as absent/trace or mild in 92.0% (n = 242) and moderate/severe in 7.1% (n = 18). The moderate/severe PVR group showed higher levels of aortic calcification (22% vs. 6%, p = 0.03), higher serum creatinine (1.5 ± 0.7 vs. 1.2 ± 0.4 mg/dL, p = 0.014), lower aortic valve area (0.6 ± 0.1 vs. 0.7 ± 0.2 cm2, p = 0.05), and lower left ventricular ejection fraction (49.2 ± 14.8% vs. 58.8 ± 12.1%, p = 0.009). Patients with moderate/severe PVR had more need for post-dilatation (p = 0.025) and use of larger-diameter balloons (p = 0.043). At one year, all-cause mortality was similar in both groups (16.7% vs. 12%, p = 0.08), as well as rehospitalization (11.1% vs. 7.3%, p = 0.915). PVR grade significantly reduced throughout the first year after the procedure (p < 0.01). The presence of moderate/severe PVR was not associated with higher one-year mortality rates (HR: 0.76, 95% CI: 0.27-2.13, p = 0.864), rehospitalization (HR: 1.08, 95% CI: 0.25-4.69, p=0.915), or composite outcome (HR: 0.77, 95% CI: 0.28-2.13, p = 0.613). Conclusion: In this sample, moderate/severe PVR was not a predictor of long-term mortality or rehospitalization. (Arq Bras Cardiol. 2017; [online].ahead print, PP.0-0)


Resumo Fundamento: O impacto da regurgitação paravalvular (RPV) após implante de valva aórtica transcateter (TAVI) permanece incerto. Objetivo: Analisar o impacto da RPV na mortalidade e re-hospitalização 1 ano após o TAVI. Métodos: Entre janeiro de 2009 e junho de 2015, 251 pacientes foram submetidos ao TAVI em dois centros cardiológicos com 3 diferentes próteses. Os pacientes foram analisados de acordo com a gravidade da RPV pós-procedimento. Resultados: RPV foi classificada como ausente/mínima ou discreta em 92,0% (n=242) dos pacientes e moderada/grave em 7,1% (n = 18). Os pacientes com RPV moderada/importante apresentaram maior grau de calcificação aórtica (22,0% vs. 6,0%; p = 0,03), creatinina sérica (1,53 ± 0,71 vs. 1,18 ± 0,43 mg/dL; p = 0,01), menor área valvar aórtica (0,61 ± 0,12 vs. 0.69 ± 0,17 cm2; p = 0,05) e menor fração de ejeção do ventrículo esquerdo (49,17±14,79% vs. 58,82±12,14%; p = 0,009). Nos pacientes com RPV moderada/importante a necessidade de pós-dilatação foi maior (p = 0,025) e eventualmente com balão de diâmetro maior (p = 0,04). Ao final de 1 ano, a mortalidade por todas as causas foi similar em ambos os grupos (16,7% vs. 12,0%; p = 0,08), assim como re-hospitalização (11,1% vs. 7,3%; p = 0,91). O grau de RPV ao longo do primeiro ano reduziu progressivamente (p < 0,01). A presença de RPV moderada/importante não foi associada a maiores taxas de mortalidade em 1 ano [RR (risco relativo): 0,76; IC (intervalo de confiança) 95%: 0,27-2,13; p = 0,864)], re-hospitalização (RR: 1,08; IC 95%: 0,25-4,69; p = 0,915) ou desfecho combinado (RR: 0,77; IC 95%: 0,28-2,13; p = 0,61). Conclusões: Nesta amostra, a presença de regurgitação paravalvular moderada/importante não foi um preditor de mortalidade ou reinternação a longo prazo. (Arq Bras Cardiol. 2017; [online].ahead print, PP.0-0)

13.
Arq Bras Cardiol ; : 0, 2017 Nov 13.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-29166455

RESUMO

BACKGROUND: The impact of paravalvular regurgitation (PVR) following transcatheter aortic valve implantation (TAVI) remains uncertain. OBJECTIVE: To evaluate the impact of PVR on mortality and hospital readmission one year after TAVI. METHODS: Between January 2009 and June 2015, a total of 251 patients underwent TAVI with three different prostheses at two cardiology centers. Patients were assessed according to PVR severity after the procedure. RESULTS: PVR was classified as absent/trace or mild in 92.0% (n = 242) and moderate/severe in 7.1% (n = 18). The moderate/severe PVR group showed higher levels of aortic calcification (22% vs. 6%, p = 0.03), higher serum creatinine (1.5 ± 0.7 vs. 1.2 ± 0.4 mg/dL, p = 0.014), lower aortic valve area (0.6 ± 0.1 vs. 0.7 ± 0.2 cm2, p = 0.05), and lower left ventricular ejection fraction (49.2 ± 14.8% vs. 58.8 ± 12.1%, p = 0.009). Patients with moderate/severe PVR had more need for post-dilatation (p = 0.025) and use of larger-diameter balloons (p = 0.043). At one year, all-cause mortality was similar in both groups (16.7% vs. 12%, p = 0.08), as well as rehospitalization (11.1% vs. 7.3%, p = 0.915). PVR grade significantly reduced throughout the first year after the procedure (p < 0.01). The presence of moderate/severe PVR was not associated with higher one-year mortality rates (HR: 0.76, 95% CI: 0.27-2.13, p = 0.864), rehospitalization (HR: 1.08, 95% CI: 0.25-4.69, p=0.915), or composite outcome (HR: 0.77, 95% CI: 0.28-2.13, p = 0.613). CONCLUSION: In this sample, moderate/severe PVR was not a predictor of long-term mortality or rehospitalization. (Arq Bras Cardiol. 2017; [online].ahead print, PP.0-0).

15.
Arq. bras. cardiol ; 107(1): 55-62, July 2016. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-792497

RESUMO

Abstract Background: Paravalvular regurgitation (paravalvular leak) is a serious and rare complication associated with valve replacement surgery. Studies have shown a 3% to 6% incidence of paravalvular regurgitation with hemodynamic repercussion. Few studies have compared surgical and percutaneous approaches for repair. Objectives: To compare the surgical and percutaneous approaches for paravalvular regurgitation repair regarding clinical outcomes during hospitalization and one year after the procedure. Methods: This is a retrospective, descriptive and observational study that included 35 patients with paravalvular leak, requiring repair, and followed up at the Dante Pazzanese Institute of Cardiology between January 2011 and December 2013. Patients were divided into groups according to the established treatment and followed up for 1 year after the procedure. Results: The group submitted to percutaneous treatment was considered to be at higher risk for complications because of the older age of patients, higher prevalence of diabetes, greater number of previous valve surgeries and lower mean creatinine clearance value. During hospitalization, both groups had a large number of complications (74.3% of cases), with no statistical difference in the analyzed outcomes. After 1 year, the percutaneous group had a greater number of re-interventions (8.7% vs 20%, p = 0.57) and a higher mortality rate (0% vs. 20%, p = 0.08). A high incidence of residual mitral leak was observed after the percutaneous procedure (8.7% vs. 50%, p = 0.08). Conclusion: Surgery is the treatment of choice for paravalvular regurgitation. The percutaneous approach can be an alternative for patients at high surgical risk.


Resumo Fundamento: Regurgitação ou escape paravalvar é uma complicação grave e incomum associada ao implante de prótese valvar. Estudos mostram incidência de 3% a 6% com repercussão hemodinâmica. Existem poucos estudos na literatura que comparam as abordagens cirúrgica e percutânea para sua correção. Objetivos: Comparar as abordagens cirúrgica e percutânea de correção da regurgitação paravalvar quanto a desfechos clínicos durante a internação e após 1 ano do procedimento. Métodos: Este é um estudo retrospectivo, descritivo e observacional, que incluiu 35 pacientes com escape paravalvar acompanhados no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia entre janeiro de 2011 e dezembro de 2013 e que necessitaram de correção. Os pacientes foram divididos de acordo com o tratamento estabelecido e acompanhados por um período 1 ano após o procedimento. Resultados: O grupo submetido ao tratamento percutâneo foi considerado como de maior risco para complicações por apresentar pacientes mais idosos, com maior prevalência de diabetes, maior quantidade de cirurgias valvares prévias e menor valor médio de clearance de creatinina. Durante a evolução intra-hospitalar, observou-se grande número de complicações nos dois grupos (74,3% dos casos), sem diferença estatística nos desfechos analisados. Após 1 ano, o grupo percutâneo teve maior número de reintervenções (8,7% vs. 20%, p = 0,57) e mortalidade maior (0% vs. 20%, p = 0,08). Uma alta incidência de escape residual mitral foi verificada após procedimento percutâneo (8,7% vs. 50%, p = 0,08). Conclusão: A cirurgia é o tratamento de escolha da regurgitação paravalvar. A abordagem percutânea pode ser uma alternativa para os pacientes com risco cirúrgico elevado.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Insuficiência da Valva Aórtica/cirurgia , Insuficiência da Valva Aórtica/etiologia , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/efeitos adversos , Intervenção Coronária Percutânea/métodos , Insuficiência da Valva Mitral/cirurgia , Insuficiência da Valva Mitral/etiologia , Valva Aórtica/cirurgia , Insuficiência da Valva Aórtica/mortalidade , Complicações Pós-Operatórias/cirurgia , Complicações Pós-Operatórias/mortalidade , Reoperação , Fatores de Tempo , Bioprótese/efeitos adversos , Próteses Valvulares Cardíacas/efeitos adversos , Estudos Retrospectivos , Fatores de Risco , Resultado do Tratamento , Ecocardiografia Transesofagiana , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/métodos , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/mortalidade , Oclusão Terapêutica/métodos , Oclusão Terapêutica/mortalidade , Intervenção Coronária Percutânea/mortalidade , Hospitalização , Valva Mitral/cirurgia , Insuficiência da Valva Mitral/mortalidade
16.
Arq Bras Cardiol ; 107(1): 55-62, 2016 Jul.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-27305109

RESUMO

BACKGROUND: Paravalvular regurgitation (paravalvular leak) is a serious and rare complication associated with valve replacement surgery. Studies have shown a 3% to 6% incidence of paravalvular regurgitation with hemodynamic repercussion. Few studies have compared surgical and percutaneous approaches for repair. OBJECTIVES: To compare the surgical and percutaneous approaches for paravalvular regurgitation repair regarding clinical outcomes during hospitalization and one year after the procedure. METHODS: This is a retrospective, descriptive and observational study that included 35 patients with paravalvular leak, requiring repair, and followed up at the Dante Pazzanese Institute of Cardiology between January 2011 and December 2013. Patients were divided into groups according to the established treatment and followed up for 1 year after the procedure. RESULTS: The group submitted to percutaneous treatment was considered to be at higher risk for complications because of the older age of patients, higher prevalence of diabetes, greater number of previous valve surgeries and lower mean creatinine clearance value. During hospitalization, both groups had a large number of complications (74.3% of cases), with no statistical difference in the analyzed outcomes. After 1 year, the percutaneous group had a greater number of re-interventions (8.7% vs 20%, p = 0.57) and a higher mortality rate (0% vs. 20%, p = 0.08). A high incidence of residual mitral leak was observed after the percutaneous procedure (8.7% vs. 50%, p = 0.08). CONCLUSION: Surgery is the treatment of choice for paravalvular regurgitation. The percutaneous approach can be an alternative for patients at high surgical risk.


Assuntos
Insuficiência da Valva Aórtica/etiologia , Insuficiência da Valva Aórtica/cirurgia , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/efeitos adversos , Insuficiência da Valva Mitral/etiologia , Insuficiência da Valva Mitral/cirurgia , Intervenção Coronária Percutânea/métodos , Oclusão Terapêutica/métodos , Adulto , Idoso , Valva Aórtica/cirurgia , Insuficiência da Valva Aórtica/mortalidade , Bioprótese/efeitos adversos , Ecocardiografia Transesofagiana , Feminino , Próteses Valvulares Cardíacas/efeitos adversos , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/métodos , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/mortalidade , Hospitalização , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Valva Mitral/cirurgia , Insuficiência da Valva Mitral/mortalidade , Intervenção Coronária Percutânea/mortalidade , Complicações Pós-Operatórias/mortalidade , Complicações Pós-Operatórias/cirurgia , Reoperação , Estudos Retrospectivos , Fatores de Risco , Oclusão Terapêutica/mortalidade , Fatores de Tempo , Resultado do Tratamento
17.
Rev. bras. cardiol. invasiva ; 23(3): 166-172, jul.-set.2015. tab, ilus, graf
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-794192

RESUMO

Introdução: Estudos recentes têm demonstrado a eficácia do implante transcateter valve-in-valve para otratamento de disfunção de biopróteses em pacientes de alto risco cirúrgico. Apresentamos nossa experiênciainicial com o implante valve-in-valve.Métodos: Caracterizamos o perfil clínico, ecocardiográfico e do procedimento, e reportamos os resultados de médio prazo de pacientes com disfunção de bioprótese submetidos a implante valve-in-valve em posição aórtica. Resultados: Incluímos sete pacientes do sexo masculino, com idade de 72,6 ± 10,0 anos. O escore STS foi 9,6± 10,5%, e o EuroSCORE logístico foi 22,7 ± 14,7%. Três pacientes apresentavam dupla disfunção; dois tinham insuficiência; e dois exibiam estenose isolada. A via transfemoral foi utilizada em seis casos, e a transapical, em um caso. Os dispositivos implantados incluíram as próteses Sapien XT (n = 5) e CoreValve (n = 2). O sucesso do procedimento foi obtido em seis (85,7%) casos. Após o procedimento, o gradiente médio reduziu-se de 38,2 ± 9,6mmHg para 20,9 ± 5,9 mmHg, e a área valvar elevou-se de 1,2 ± 0,4 cm2 para 1,5 ± 0,5 cm2. Ao final de 1 ano, nãoocorreram óbitos e nem outros desfechos adversos significativos; 80% dos pacientes encontravam-se em classefuncional NYHA I/II. Os gradientes transvalvares e a área valvar permaneceram inalterados nesse período. Conclusões: O procedimento valve-in-valve foi eficaz na maioria dos pacientes de alto risco cirúrgico comdisfunção de bioprótese. Quando realizado em pacientes bem selecionados, resulta em desfechos clínicos e hemodinâmicos satisfatórios.


Background: Recent studies have demonstrated the efficacy of the transcatheter valve-in-valveimplantation for the treatment of bioprosthesis dysfunction in high-risk surgical patients. This study presents the initial experience with valve-in-valve implantation. Methods: Clinical, echocardiographic, and procedural profiles were characterized, and the mid-term results of patients with surgical bioprosthesis dysfunction submitted to valve-in-valve implantation in theaortic position were reported.Results: Seven male patients were included, aged 72.6 ± 10.0 years. The STS score was 9,6 ± 10,5%, andthe logistic EuroSCORE was 22.7 ± 14.7%. Three patients had combined aortic bioprosthesis failure; two had isolated regurgitation; and two had isolated stenosis. The transfemoral access was used in six cases, and the transapical access in one case. Implanted devices included Sapien XT (n = 5) and CoreValve (n = 2) prostheses. Procedural success was achieved in six (85.7%) cases. After the procedure, the mean gradient decreased from 38.2 ± 9.6 mmHg to 20.9 ± 5.9 mmHg, and the valve area increased from 1.2 ±0.4 cm2 to 1.5 ± 0.5 cm2. After 1 year, there were no deaths and no other significant adverse outcomes; 80% of patients were in NYHA functional class I/II. The transvalvular gradients and valve area remained unchanged in this period.


Assuntos
Humanos , Masculino , Idoso , Bioprótese , Estenose da Valva Aórtica/diagnóstico , Estenose da Valva Aórtica/terapia , Substituição da Valva Aórtica Transcateter/métodos , Análise Estatística , Ecocardiografia/métodos , Fatores de Risco , Próteses e Implantes/métodos , Medição de Risco/métodos , Tratamento Farmacológico/métodos , Valva Aórtica/cirurgia , Ventrículos do Coração
18.
RELAMPA, Rev. Lat.-Am. Marcapasso Arritm ; 28(3): 107-112, jul.-set.2015. ilus
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-777953

RESUMO

O implante por cateter de bioprótese valvar aórtica (do inglês Transcatheter Aortic Valve Implantation –TAVI) vem ganhando espaço e configura-se como opção terapêutica para pacientes com estenose aórtica grave sintomática e risco cirúrgico elevado ou proibitivo. Apesar da menor manipulação e da menor agressividade comparativamente à abordagem cirúrgica tradicional, a incidência de bloqueio atrioventricular avançado é expressiva e resulta em aproximadamente 30% de implantes de marcapasso cardíaco definitivo. A identificação de fatores clínicos, eletrocardiográficos, anatômicos e relacionados ao tipo de prótese ou à técnica de liberação do dispositivo é fundamental para o desenvolvimento de novas técnicas e materiais, visando a reduzir a taxa de bloqueio atrioventricular avançado após o procedimento de TAVI. Os preditores mais relevantes analisados foram: bloqueio de ramo direito prévio, tipo de prótese (autoexpansível vs. balão expansível), profundidade do implante sobre a via de saída do ventrículo esquerdo, expansão excessiva da prótese, bloqueio atrioventricular total intra procedimento, bloqueio atrioventricular de 1o grau ao eletrocardiograma de base e sexo masculino...


Transcatheter Aortic Valve Implantation (TAVI) has emerged as a therapeutic option for patients with symptomatic severe aortic stenosis who have a high surgical risk. Despite of less aggressive manipulation when compared to conventional surgery, the incidence of atrioventricular block is significant and 30% of patients require permanent pacemaker. The identification of clinical, electrocardiographic, anatomic and technical factors related to the type of implant or device release technique is essential for the development of new techniques and materials aiming at reducing the advanced atrioventricular block rate after TAVI. The most relevant predictors analyzed were: previous right bundle branch block, type of device (self-expanding vs. balloon-expandable), depth of frame in left ventricular outflow tract, valve over expansion, intraprocedural total atrioventricular block, first degree atrioventricular block in baseline electrocardiogram and male gender...


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Idoso , Bloqueio Atrioventricular/complicações , Bloqueio Atrioventricular/terapia , Cardiopatias Congênitas/terapia , Estenose da Valva Aórtica/terapia , Implante de Prótese de Valva Cardíaca/métodos , Marca-Passo Artificial , Bioprótese , Eletrocardiografia/métodos , Fatores de Risco , Próteses e Implantes/métodos , Literatura de Revisão como Assunto , Valva Aórtica/cirurgia , Ventrículos do Coração
19.
Rev. bras. cardiol. invasiva ; 23(2): 124-129, abr.-jun. 2015. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-786995

RESUMO

Introdução: A utilização crescente do implante transcateter de prótese valvar aórtica (TAVI) em pacientes de alto risco, em especial naqueles com disfunção ventricular, justifica uma avaliação mais profunda da seleção e dos resultados do procedimento. Utilizamos nosso banco de dados para caracterizar o perfil dos pacientes e avaliar os resultados do TAVI de acordo com o grau de disfunção ventricular.Métodos: Estudo observacional longitudinal no qual foram incluídos todos os pacientes com estenose aórtica (EAo) grave, submetidos ao TAVI entre 2009 e 2014, e comparados àqueles com fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) ≤ 40% vs. > 40%. Foram avaliados os desfechos de segurança e eficácia em 30dias e 1 ano. Resultados: Dentre os 172 pacientes, 20 (11,6%) apresentavam FEVE ≤ 40%. Esses pacientes eram mais jovens, com maior prevalência de tabagismo, infarto agudo do miocárdio prévio, cirurgia de revascularizaçãomiocárdica, marca-passo definitivo e hipertensão arterial pulmonar. Também se observou, nesse grupo, maior frequência de classes funcionais mais elevadas. O grupo com FEVE ≤ 40% apresentou menor gradiente valvar aórtico médio para área valvar equivalente. As taxas de sucesso do procedimento não diferiram entre os grupos. Não foram observadas diferenças na mortalidade, nos eventos coronarianos, cerebrovasculares, sangramentos, complicações vasculares e disfunção renal aguda no acompanhamento de 30 dias e 1 ano. No grupo FEVE ≤ 40%, a média da FEVE elevou-se de 31,5 para 45,1% 1 ano após o procedimento (p = 0,002).Conclusões: O TAVI em pacientes com EAo grave e FEVE ≤ 40% não aumenta o risco de complicações e estáassociado à melhora da FEVE.


Background: The increasing use of transcatheter aortic valve implantation (TAVI) in high-risk patients, especially those with ventricular dysfunction, justifies further evaluation of the selection and the results of the procedure. A database was used to characterize the profile of patients and evaluate TAVI results according to the degree of ventricular dysfunction.Methods: This was a longitudinal observational study that included all patients with severe aortic stenosis(AoS) submitted to TAVI between 2009 and 2014, comparing those with left ventricular ejection fraction (LVEF) ≤ 40% vs. > 40%. The safety and efficacy outcomes were evaluated at 30 days and 1 year. Results: Of the 172 patients, 20 (11.6%) had LVEF ≤ 40%. These patients were younger, with a higherprevalence of smoking, previous acute myocardial infarction, coronary artery bypass graft surgery, permanent pacemaker, and pulmonary artery hypertension. Higher functional classes were also more often observed in this group. The group with LVEF ≤ 40% had lower mean aortic valve gradient for anequivalent valve area. The procedure success did not differ between groups. There were no differences in mortality in coronary and cerebrovascular events, bleeding, vascular complications, and acute renal failure in the 30 day and 1 year follow-up. In the LVEF ≤ 40% group, the mean LVEF increased from 31.5 to 45.1% 1 year after the procedure (p = 0.002). Conclusions: TAVI in patients with severe AoS and LVEF ≤ 40% does not increase the risk of complications and is associated with LVEF improvement.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Disfunção Ventricular Esquerda/fisiopatologia , Estenose da Valva Aórtica/fisiopatologia , Resultado do Tratamento , Substituição da Valva Aórtica Transcateter/métodos , Análise Estatística , Aspirina/administração & dosagem , Ecocardiografia Transesofagiana/métodos , Ecocardiografia/métodos , Estudo Observacional , Próteses e Implantes , Prognóstico , Volume Sistólico
20.
Echocardiography ; 32(7): 1122-30, 2015 Jul.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-25327943

RESUMO

BACKGROUND: Left atrial (LA) dilation is associated with worse prognosis in various clinical situations including chronic mitral regurgitation (MR). Real time three-dimensional echocardiography (3DE) has allowed a better assessment of LA volumes and function. Little is known about LA size and function in early postoperative period in symptomatic patients with chronic organic MR. We aimed to investigate these aspects. METHODS: By means of 3DE, 43 patients with symptomatic chronic organic MR were prospectively studied before and 30 days after surgery (repair or bioprosthetic valve replacement). Twenty subjects were studied as controls. Maximum (Vol-max), minimum, and preatrial contraction LA volumes were measured and total, passive, and active LA emptying fractions were calculated. RESULTS: Before surgery patients had higher LA volumes (P < 0.001) but smaller LA emptying fractions than controls (P < 0.01). After surgery there was a reduction in all 3 LA volumes and an increase in active atrial emptying fraction (AAEF). Multivariate analysis showed that independent predictors of early postoperative Vol-max reduction were preoperative diastolic blood pressure (coefficient = -0.004; P = 0.02), lateral mitral annular early diastolic velocity (e') (coefficient = 0.023; P = 0.008), and the mean transmitral diastolic gradient increment (coefficient = -0.035; P < 0.001). Furthermore, e' was also independently associated with AAEF increase (odds ratio = 1.66, P = 0.027). CONCLUSION: Early LA reverse remodeling and functional improvement occur after successful surgery of symptomatic organic MR regardless of surgical technique. Diastolic blood pressure and transmitral mean gradient augmentation are variables negatively related to Vol-max reduction. Besides, e' is positively correlated with both Vol-max reduction and AAEF increase.


Assuntos
Remodelamento Atrial/fisiologia , Ecocardiografia Tridimensional , Implante de Prótese de Valva Cardíaca , Insuficiência da Valva Mitral/diagnóstico por imagem , Insuficiência da Valva Mitral/cirurgia , Adulto , Feminino , Átrios do Coração/diagnóstico por imagem , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Valva Mitral/diagnóstico por imagem , Valva Mitral/cirurgia , Estudos Prospectivos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...