Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros










Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
Fisioter. mov ; 29(4): 741-750, Out.-Dec. 2016. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-828780

RESUMO

Abstract Introduction: With the creation of the Support Center for Family Health (NASF) and the high insertion of physiotherapists in this, it is necessary to have a better knowledge on this category's current work. Objective: To analyze the process of work of physiotherapists at NASF and their education, and the technological tools usage. Methods: Transversal study, descriptive, analytic, enforced by online semi-structured questionnaires to NASF's physiotherapists in Mato Grosso do Sul. The results were analyzed through descriptive statistics and chi-square test (significant level of 5%). Results: 37 physiotherapists (21 cities) participated. Among them, 27% Family-Health/Primary-Health-Care post graduates, and 51.4% in other clinical areas. Most (91,9%) did not receive enough capacitation when joining NASF, and 94.6% consider that did not have enough knowledge to do their activities. The articulation NASF and Family-Health-Strategy team is considered unsatisfactory to 51.3%. Individual rehabilitation is the most carried activity on a daily basis (59.5%), and NASF's tools are used by less than half, except the Amplified Clinic, which is used by 54,1% of physiotherapists. There was a significant association between capacitation to NASF's work and the tools usage of Singular-Therapeutic Project, Territorial Health Project and Support Pact. There was no association between the tools usage and the specialization in Family Health. Conclusion: The assistive and rehabilitator model has been the conductor of physiotherapists' actions. NASF's tools are little used. These results are explained due to the limited knowledge about NASF's attributions, resulting from the small capacitation offer to these activities and the traditional rehabilitator education.


Resumo Introdução: Com a criação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e a alta inserção de fisioterapeutas neste serviço, faz-se necessário conhecer melhor o trabalho da categoria neste cenário. Objetivo: Analisar o processo de trabalho dos fisioterapeutas nos NASF, a utilização de ferramentas-tecnológicas e a formação destes para o trabalho. Métodos: Estudo transversal, descritivo-analítico, por meio de questionário on-line semiestruturado aplicado com fisioterapeutas dos NASF de Mato-Grosso do Sul. Os resultados foram analisados através de estatística descritiva e teste qui-quadrado (p<0,05). Resultados: Participaram 37 fisioterapeutas de 21 municípios. Destes, 27% possuem especialização em Saúde da Família (SF)/Atenção-Primária à Saúde e 51,4% em outras áreas clínicas. A maioria (91,9%) não recebeu capacitação ao ingressar no NASF, e 94.6% não possuíam conhecimento suficiente para realizar suas atividades. A articulação NASF e equipe de Estratégia de Saúde da Família é considerada insatisfatória para 51,3%. A reabilitação individual é a atividade mais realizada diariamente (59,5%), e as ferramentas do NASF são utilizadas por menos da metade, exceto a Clínica Ampliada, realizada por 54,1%. Houve associação significativa entre a capacitação para o trabalho no NASF e a utilização das ferramentas Projeto-Terapêutico-Singular, Projeto Saúde no Território e Pactuação de Apoio. Não houve associação entre a utilização das ferramentas e a especialização em SF. Conclusão: O modelo assistencial-reabilitador tem sido o condutor das ações dos fisioterapeutas, e as ferramentas do NASF são pouco utilizadas. Estes resultados podem ser explicados pelo limitado conhecimento sobre as atribuições do NASF, resultante da pouca oferta de capacitação e da formação tradicional.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...