Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros










Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
Biosci. j. (Online) ; 36(3): 956-967, 01-05-2020. ilus, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1147179

RESUMO

The visceral establishment of Leishmania infantum in dogs may result in kidney and bladder tissue injury, with L. infantum ending up in urine. This study therefore aimed at investigating the presence of Leishmania sp. in urinary sediments, and correlating the results with those from renal and bladder serum biochemistry and histopathology. Thirty dogs with negative Nested-Polymerase Chain Reaction (PCR) for E. canis were used in the experiment, and were divided into three groups: control group (10 dogs), neither leishmaniasis nor clinical changes; group I (15 dogs), leishmaniasis but no Leishmania sp. in urine; and group II (5 dogs), leishmaniasis, as well as Leishmania sp. in urine. All animals were submitted to clinical, serological, and parasitological diagnosis for leishmaniasis, biochemical exams, and kidney and bladder histopathology. The parasite was also detected in the bladder imprint of one group II dog. Group II dogs presented with very low albumin concentrations, low albumin/globulin ratios, and kidney and bladder lesions. In the kidneys, hydropic degeneration, thickened Bowman's capsule, and thickening of the tubular capsule were detected in all dogs with positive urinary sediment. However, no significant difference in these renal changes was observed between groups. The intensity and distribution of bladder inflammatory infiltrates were significantly (p-value < 0.05, Kruskal-Wallis' and Dunn's tests) higher in group II dogs, compared with those of the other groups. The presence of Leishmania sp.in the urine of infected dogs appeared to be related to low serum albumin concentrations and more severe bladder lesions


O estabelecimento visceral de Leishmania infantum em cães pode resultar em lesões nos tecidos dos rins e da bexiga, favorecendo a chegando do parasito até a urina. Portanto, este estudo teve como objetivo investigar a presença de Leishmania sp. em sedimentos urinários e correlacionar os resultados com os achados de quantificações bioquímicas séricas e histopatologia de rim e bexiga. Trinta cães com Nested-Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) negativa para E. canis foram utilizados no experimento e foram divididos em três grupos: grupo controle (10 cães), negativos para leishmaniose e sem alterações clínicas; grupo I (15 cães), com leishmaniose, mas sem Leishmania sp. na urina; e grupo II (5 cães), com leishmaniose e com Leishmaniasp. na urina. Todos os animais foram submetidos a diagnóstico clínico, sorológico e parasitológico para leishmaniose, exames bioquímicos e histopatologia de rim e bexiga. O parasito foi detectado no imprimt de bexiga de um cão do grupo II. Os cães do grupo II apresentaram concentrações muito baixas de albumina, baixa relação albumina/globulina e lesões nos rins e na bexiga. Nos rins, foram detectadas degeneração hidrópica, espessamento da cápsula de Bowman e espessamento da cápsula tubular, em todos os cães com sedimento urinário positivo. No entanto, nenhuma diferença significativa nessas alterações renais foi observada entre os grupos. A intensidade e a distribuição dos infiltrados inflamatórios da bexiga foram significativamente (p-valor < 0,05, testes de Kruskal-Wallis e Dunn) maiores nos cães do grupo II, em comparação com a dos outros grupos. A presença de Leishmania sp. na urina de cães infectados parece estar relacionada a baixa concentração sérica de albumina e a lesões mais graves na bexiga.


Assuntos
Urina , Leishmaniose , Cães
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...