Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
1.
Fisioter. mov ; 28(3): 583-596, July-Sept. 2015. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: lil-763021

RESUMO

AbstractIntroduction Urinary incontinence is a geriatric syndrome that generates strong economic and social impacts as well as emotional changes and negative consequences for the health of the elderly.Objective The objective of this work was to identify the prevalence of urinary incontinence and its associated factors, as well as its impact on quality of life of institutionalized elderly.Materials and methods A cross-sectional study was conducted herein, with 10 long-term institutions for the elderly of the municipality of Natal (Northeast Brazil). The Minimum Data Set was completed by caregivers to determine the presence of incontinence, and the Short Form of the International Consultation on Incontinence Questionnaire was answered by the elderly, to assess the frequency and amount of urinary leakage, the impact on quality of life, and the type of incontinence. The chi-square test and Fisher’s exact test were applied in the bivariate analysis, and logistic regression was utilized for multivariate analysis.Results The prevalence of urinary incontinence was 42.7% (95% CI: 34.8–50.8). The impact of this condition on daily life was mild in 46.5% of cases, moderate for 29.3% of cases, and severe in 24.1% of cases. The condition was associated with functional impairment (p < 0.001; RP: 4.13).Final considerations The prevalence of urinary incontinence in this sample, which presented cognitive ability to answer questionnaires, was over 40% with a high degree of severity. Approximately half of the incontinents referred a moderate-severe impact of incontinence. Control measures for this geriatric syndrome within the institutions are important to delay the decline of health and improve the quality of life of the residents.


ResumoIntrodução A incontinência urinária é uma síndrome geriátrica que gera um forte impacto econômico e social, assim como alterações emocionais e consequências negativas na saúde do idoso.Objetivo O objetivo deste trabalho é identificar a prevalência e fatores associados à incontinência urinária, bem como o seu impacto na qualidade de vida de idosos institucionalizados.Materiais e métodos Trata-se de um estudo transversal desenvolvido em dez instituições de longa permanência para idosos de Natal (Brasil). Utilizou-se o Minimum Data Set, respondido pelos cuidadores, para determinar a presença de incontinência, e o International Consultationon Incontinence Questionnaire-Short Form, respondido pelos idosos, para aferir a frequência e quantidade das perdas de urina e o impacto na qualidade de vida, além do tipo de incontinência. Foram aplicados os testes de qui-quadrado e teste exato de Fisher para a análise bivariada, assim como a regressão logística para a análise múltipla.Resultados A prevalência de IU foi de 42,7% (IC 95%: 34,8–50,8). O impacto da condição na vida diária foi leve em 46,5% dos casos, moderado em 29,3% e severo em 24,1%. A condição esteve associada à incapacidade funcional (p < 0,001; RP: 4,13).Considerações finais A prevalência de incontinência urinária nesta amostra com capacidade cognitiva para responder questionários foi de mais de 40%, e a severidade foi elevada. Aproximadamente metade dos incontinentes refere um impacto moderado ou severo das perdas urinárias. São importantes medidas de controle dessa síndrome geriátrica no âmbito das instituições para postergar o declínio da saúde e melhorar a qualidade de vida dos residentes.

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA