Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 5 de 5
Filtrar
Filtros adicionais











País/Região como assunto
Intervalo de ano
1.
Arq Bras Cardiol ; 105(2 Suppl 1): 1-105, 2015 Aug.
Artigo em Português | MEDLINE | ID: mdl-26375058
2.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 23(4,supl.A): 32-37, out.-dez.2013.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-767478

RESUMO

Introdução e Objetivos: Valores elevados de A1C estãoassociados a maior incidência de eventos cardiovascularesadversos, porém sua correlação com gravidade da doençaarterial coronariana não é bem estabelecida. O objetivo doestudo é correlacionar A1C com extensão e gravidade dadoença arterial coronariana. Métodos: Pacientes admitidospor síndrome coronariana aguda foram divididos emdiabéticos, hiperglicêmicos à admissão e controles combase na glicemia de admissão e jejum e comparados quantoà glicemia de admissão, jejum, A1C, HDL, triglicerídeos,CK-MB atividade, circunferência abdominal, proteínaC reativa ultrassensível e pressão arterial. Foi realizadocateterismo cardíaco para avaliar extensão e gravidade dadoença coronariana. Resultados: De 150 pacientes, 38%eram hiperglicêmicos à admissão, 36% diabéticos e 26%controles. A A1C variou entre 8,17 ± 1,08 nos diabéticos,6,29 ± 0,53 nos hiperglicêmicos e 6,16 ± 0,55 nos controles,com diferença significativa. Foi significativa a diferençada glicemia de admissão, jejum, e CK-MB. A médiade obstruções coronarianas significativas e críticas foi,respectivamente, de 1,18 e 0,97 por paciente, sem correlaçãocom A1C. Conclusões: A1C não se correlaciona comextensão e gravidade de doença arterial coronariana.


Introduction and Objectives: Elevated A1C levels areassociated with higher incidence of adverse cardiovascularevents, but its correlation with severity of coronary artery diseaseis uncertain. The objective of this study is to correlate A1C withextension and severity of coronary artery disease. Methods: Patientsadmitted by acute coronary syndrome were separated in diabetics,admission hyperglycemics and controls based on admissionglycemia and fasting blood glucose. They were comparedon admission glycemia, fasting blood glucose, A1C, HDL,triglycerides, CK-MB activity, abdominal circumference andblood pressure. Cardiac catheterization was performed to evaluateextension and severity of coronary artery disease. Results: Of150 patients, 38% were hyperglicemics at admission, 36% diabeticsand 26% controls. A1C varied between 8.17 ± 1.08 in diabetics,6.29 ± 0.53 in hyperglycemics and 6.16 ± 0.55 in controls, withsignificant difference. Admission glycemia, fasting blood glucoseand CK-MB were significantly different. Mean significant andcritical coronary obstructions were, respectively, 1.18 and 0.97per patient. There was no correlation between A1C and extentand severity of coronary disease. Conclusions: A1C does notcorrelate with extension or severity of coronary artery disease.


Assuntos
Humanos , Adolescente , Adulto Jovem , Diabetes Mellitus/diagnóstico , Síndrome Coronariana Aguda/diagnóstico , Eletrocardiografia , Índice Glicêmico , Hemoglobina A Glicada , Estudos Prospectivos
3.
Rev. bras. cardiol. (Impr.) ; 26(4): 291-299, jul.-ago. 2013. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-702195

RESUMO

Fundamentos: A presença de hiperglicemia de admissão em síndrome coronariana aguda em pacientes não diabéticos é conhecida como hiperglicemia de estresse. Estudos sugerem que esses indivíduos apresentem isquemia de maior gravidade. Objetivos: Investigar a prevalência de hiperglicemia de estresse em pacientes com síndrome coronariana aguda e sua relação com o perfil metabólico cardiovascular e a extensão da necrose miocárdica. Métodos: Foram estudados 150 pacientes, estratificados em três grupos: diabéticos, hiperglicêmicos de estresse e grupo-controle. Para a avaliação do perfil metabólico cardiovascular, foram analisados: idade, sexo, tempo de hospitalização, óbito, glicemia de admissão, glicemia de jejum, hemoglobina glicada, presença de hipertensão arterial sistêmica, colesterol total, colesterol não HDL, HDL, LDL, triglicerídeos e proteína C-reativa ultrassensível. Necrose miocárdica foi avaliada pelo valor de pico da CK-MB atividade. Resultados: A hiperglicemia de estresse foi encontrada em 38 % dos pacientes; diabetes mellitus em 36 %. Ao serem comparados os três grupos, houve diferença significativa quanto à glicemia de admissão (p<0,001), jejum (p=0,007), hemoglobina glicada (p<0,001) e CK-MB atividade (p=0,021) com valores absolutos superiores para os hiperglicêmicos. O valor de pico da CK-MB atividade apresentou o maior valor médio: 89,02 U/L. Conclusões: Hiperglicemia de estresse apresentou alta prevalência em pacientes com síndrome coronariana aguda e associou-se com pior perfil metabólico cardiovascular e necrose miocárdica mais extensa.


Background: The presence of admission hyperglycemia in acute coronary syndrome among non-diabetic patients is known as stress hyperglycemia, with studies suggesting that ischemia is more severe among them. Objectives: To investigate the prevalence of stress hyperglycemia among patients with acute coronary syndrome and correlations to cardiovascular metabolic profiles and extent of myocardial necrosis. Methods: 150 patients were allocated to three groups: diabetics, stress hyperglycemics and control. The following were analyzed in order to evaluate their metabolic cardiovascular profiles: age, gender, length of hospital stay, death, blood glucose on admission, fasting blood glucose, glycated hemoglobin, presence of systemic arterial hypertension, total cholesterol, non-HDL cholesterol, HDL, LDL, triglycerides and ultrasensitive C-reactive protein. Myocardial necrosis was assessed by the CK-MB activity peak value. Results: Stress hyperglycemia was found in 38 %of the patients and diabetes mellitus in 36 %. Comparing the three groups, there were significant differences in: admission glycemia (p<0.001), fasting blood glucose (p=0.007), glycated hemoglobin (p<0.001) and CK-MB activity (p=0.021), with higher absolute values in the hyperglycemics group, with the highest mean CK-MB peak activity level: 89.02 U/L. Conclusions: Stress hyperglycemia was highly prevalent in patients with acute coronary syndrome, associated with poorer metabolic cardiovascular profiles and more extensive myocardial necrosis.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Diabetes Mellitus/mortalidade , Hiperglicemia/complicações , Síndrome Coronariana Aguda/complicações , Eletrocardiografia/métodos
4.
Rev. bras. cardiol. (Impr.) ; 26(2): 120-126, mar.-abr. 2013. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-685722

RESUMO

Fundamentos: Valores elevados de hemoglobinaglicada (A1C) estão associados a maior incidência de eventos cardiovasculares adversos, porém sua correlação com a gravidade da doença arterial coronariana (DAC) não está bem estabelecida.Objetivo: Correlacionar A1C com extensão e gravidade anatômica da DAC em hospital de referência em Cardiologia em Curitiba.Métodos: Estudo observacional longitudinal prospectivo no qual pacientes hospitalizados consecutivamente por síndrome coronariana aguda foram estratificados à admissão em três grupos: diabéticos, hiperglicêmicos e euglicêmicos (grupo-controle) com base na glicemia de admissão e jejum. Foram comparados quanto à glicemia de admissão, jejum, A1C, HDL, triglicerídeos, CK-MB atividade, circunferência abdominal, proteína C-reativa ultrassensível e pressão arterial. Para avaliar extensão e gravidade da DAC, realizou-se cateterismo cardíaco. Resultados: De 150 pacientes, 38% eram hiperglicêmicos à admissão, 36% diabéticos e 26% euglicêmicos. A A1C variou entre 8,17±1,08% nos diabéticos, 6,29±0,53% nos hiperglicêmicos e 6,16±0,55% no grupo-controle, com diferença significativa. A diferença da glicemia de admissão, jejum, e CK-MB também foi significativa. A média das obstruções coronarianas significativas e críticas foi, respectivamente, 1,18 e 0,97 por paciente, sem correlação com A1C. Conclusão: A1C não se correlacionou com extensão e gravidade anatômica da doença arterial coronarianana amostra estudada.


Background: Elevated glycated hemoglobin (A1C) levels are associated with higher rates of adverse cardiovascular events, but its correlation with the anatomical severity of coronary artery disease (CAD) is not well established. Objective: To correlate A1C with the extent and severity of CAD in a Cardiology Reference Hospital in Curitiba. Methods: A prospective longitudinal observational study in which patients hospitalized consecutively for acute coronary syndrome were segmented into three groups: diabetics, hyperglycemics and euglycemics (control group), based on admission glycemia and fasting blood glucose. They were compared for admission glycemia, fasting blood glucose, A1C, HDL, triglycerides, CK-MB activity, abdominal circumference, ultra-sensitive C-reactive protein and blood pressure. Cardiac catheterization was performed to evaluate CAD extent and severity. Results: Of 150 patients, 38% were hyperglycemic at admission, 36% were diabetic and 26% were euglycemic. The A1C varied between 8.17±1.08 in the diabetics, 6.29±0.53 in the hyperglycemics and 6.16±0.55 for the control group, with a significant difference. Admission glycemia, fasting blood glucose and CK-MB were also significantly different. The mean significant and critical coronary obstructions were respectively 1.18 and 0.97 per patient, not correlated to A1C. Conclusion: A1C is not correlated with the anatomical severity and extent of CAD in the sample studied.


Assuntos
Humanos , Adulto , Cateterismo Cardíaco , Diabetes Mellitus/diagnóstico , Diabetes Mellitus/mortalidade , Doença da Artéria Coronariana/complicações , Hemoglobina A Glicada/análise , Hemoglobina A Glicada/efeitos adversos , Estudos Prospectivos , Fatores de Risco
5.
Arq. bras. cardiol ; 83(supl.4): 1-86, set. 2004. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-389546
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA