Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 3 de 3
Filtrar
Mais filtros










Assunto principal
Intervalo de ano de publicação
1.
Int. arch. otorhinolaryngol. (Impr.) ; 22(2): 181-189, Apr.-June 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-954025

RESUMO

Abstract Introduction Mandibular fractures represent a high percentage of all facial fractures, and the bite force is a fundamental parameter to measure the actual mandibular function and, subsequently, the masticatory efficiency and quality of life. Objectives The purpose of the present systematic review was to verify if there is any difference in the bite forces of patients with mandibular fractures fixed by locking or non-locking plates, testing the null hypothesis of no difference in this parameter. Data Synthesis A systematic review of the literature was conducted using four databases (PubMed, Virtual Health Library,Web of Science and Science Direct) without restrictions as to publication date or language. We found 3,039 abstracts, and selected 4 articles for this review. Conclusion The overall results show better performance in bite force for the locking plates when compared with the non-locking plates in the incisor region (mean deviation [MD]: 1.18; 95% confidence interval [95%CI]: 0.13-2.23), right molar region (MD: 4.71; 95%CI: 0.63-8.79) and left molar region (MD: 10.34; 95%CI: 4.55-16.13). Although the results of this study indicated a better bite force result with the locking plates, there is still no sufficient evidence to support this information safely.

2.
Int Arch Otorhinolaryngol ; 22(2): 181-189, 2018 Apr.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-29619110

RESUMO

Introduction Mandibular fractures represent a high percentage of all facial fractures, and the bite force is a fundamental parameter to measure the actual mandibular function and, subsequently, the masticatory efficiency and quality of life. Objectives The purpose of the present systematic review was to verify if there is any difference in the bite forces of patients with mandibular fractures fixed by locking or non-locking plates, testing the null hypothesis of no difference in this parameter. Data Synthesis A systematic review of the literature was conducted using four databases (PubMed, Virtual Health Library, Web of Science and Science Direct) without restrictions as to publication date or language. We found 3,039 abstracts, and selected 4 articles for this review. Conclusion The overall results show better performance in bite force for the locking plates when compared with the non-locking plates in the incisor region (mean deviation [MD]: 1.18; 95% confidence interval [95%CI]: 0.13-2.23), right molar region (MD: 4.71; 95%CI: 0.63-8.79) and left molar region (MD: 10.34; 95%CI: 4.55-16.13). Although the results of this study indicated a better bite force result with the locking plates, there is still no sufficient evidence to support this information safely.

3.
Arq. odontol ; 41(02): 163-169, 2005. ilus, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-849910

RESUMO

Este trabalho objetivou analisar a variação da posição do forame mentoniano em relação aos dentes inferiores e chamar a atenção dos cirurgiões-dentistas para a importância da correta localização deste forame, quando da análise de radiografias periapicais. Foram utilizadas 117 radiografias do arquivo da Disciplina de Imaginologia das Faculdades Federais integradas de Diamantina/MG. As radiografias foram analisadas de acordo com: presença ou ausência do forame, posição do forame em relação aos dentes inferiores, incidência nos hemiarcos direito e esquerdo e distribuição por sexo. Das radiografias analisadas 44,4 por cento (n=52) não mostraram presença do forame mentoniano e 55,6 por cento (n=65) exibiram o reparo anatômico. Das radiografias positivas para o forame (n=65), 69,23 por cento apareceram no lado esquerdo, 23,07 por cento no direito e 7,70 por cento em ambos os lados. O forame apresentou-se em 72,2 por cento localizados entre os pré-molares, 16,6 por cento na região dos primeiros molares e 11,2 por cento na região dos caninos. Os forames evidentes em homem (n=33) localizaram-se em 78,78 por cento entre os pré-molares, 12,12 por cento na região do primeiro molar e 9,1 por cento no canino. Os forames evidentes em mulheres (n=32) localizaram-se em 78,12 por cento entre os pré-molares, 18,75 por cento na região do primeiro molar e 3,13 por cento no canino. Estes resultados mostram que o forame mentoniano pode não ser evidenciado em uma quantidade significativa de radiografias periapicais de dentes inferiores e quando presente, mostra-se mais prevalente no hemiarco esquerdo e entre os pré-molares, não havendo variação da posição do mesmo quanto à distribuição por sexo


Assuntos
Mandíbula/anatomia & histologia , Mandíbula , Radiografia Dentária
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...