Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Clin Endocrinol (Oxf) ; 88(3): 388-396, 2018 Mar.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-29280189

RESUMO

BACKGROUND: The combinations of adipokines and body mass parameters to estimate carotid atherosclerotic disease have not been completely delineated. OBJECTIVE: To test the combinations of well-established, easily accessible body mass indices and circulating biomarkers to identify increased carotid intima-media thickness (cIMT) in a primary prevention setting. DESIGN AND PATIENTS: In a cross-sectional analysis of 339 asymptomatic individuals with no history of cardiovascular events, inflammatory and insulin sensitivity biomarkers as well as adipokine levels were measured and combined with body mass parameters to evaluate the best marker for increased cIMT. RESULTS: As isolated parameters, body mass index (BMI) and adiponectin best identified abnormal cIMT (P = .04). Adiponectin levels were also linked to the relationship between BMI and cIMT (ß = 0.0371; P = .01). Twenty-nine individuals with increased cIMT were missed by BMI alone but detected by combining BMI and adiponectin measurements. When compared with BMI alone, the combination of adiponectin plus BMI improved the c-statistic (0.549-0.567) and the integrated discrimination improvement index (0.01725; P = .021). Segregation of individuals by the combined use of BMI + adiponectin is associated with significant differences in insulin sensitivity, glomerular filtration rate, systemic inflammatory activity, dyslipidaemia and cIMT. CONCLUSIONS: Combining plasma adiponectin measurements and BMI improves estimation of cIMT as compared to anthropometric parameters.

2.
Clin Endocrinol (Oxf) ; 88(3): 388-396, 2018.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: ses-36558

RESUMO

BACKGROUND: The combinations of adipokines and body mass parameters to estimate carotid atherosclerotic disease have not been completely delineated. OBJECTIVE: To test the combinations of well-established, easily accessible body mass indices and circulating biomarkers to identify increased carotid intima-media thickness (cIMT) in a primary prevention setting. DESIGN AND PATIENTS: In a cross-sectional analysis of 339 asymptomatic individuals with no history of cardiovascular events, inflammatory and insulin sensitivity biomarkers as well as adipokine levels were measured and combined with body mass parameters to evaluate the best marker for increased cIMT.RESULTS: As isolated parameters, body mass index (BMI) and adiponectin best identified abnormal cIMT (P = .04). Adiponectin levels were also linked to the relationship between BMI and cIMT (β = 0.0371; P = .01). Twenty-nine individuals with increased cIMT were missed by BMI alone but detected by combining BMI and adiponectin measurements. When compared with BMI alone, the combination of adiponectin plus BMI improved the c-statistic (0.549-0.567) and the integrated discrimination improvement index (0.01725; P = .021). Segregation of individuals by the combined use of BMI + adiponectin is associated with significant differences in insulin sensitivity, glomerular filtration rate, systemic inflammatory activity, dyslipidaemia and cIMT.(AU)


Assuntos
Adiponectina , Aterosclerose , Obesidade
3.
Arq. bras. cardiol ; 109(6,supl.1): 1-31, dez. 2017. tab
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-887990

RESUMO

Resumo Fundamentação: desde o primeiro posicionamento da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) sobre diabetes e prevenção cardiovascular, em 2014,1 importantes estudos têm sido publicados na área de prevenção cardiovascular e tratamento do diabetes,2 os quais contribuíram para a evolução na prevenção primária e secundária nos pacientes com diabetes. Ferramentas de estratificação de risco mais precisas, novos fármacos hipolipemiantes e novos antidiabéticos com efeitos cardiovasculares e redução da mortalidade, são parte desta nova abordagem para os pacientes com diabetes. O reconhecimento de que o diabetes é uma doença heterogênea foi fundamental, sendo claramente demonstrado que nem todos os pacientes diabéticos pertencem a categorias de risco alto ou muito alto. Um porcentual elevado é composto por pacientes jovens, sem os fatores de risco clássicos, os quais podem ser classificados adequadamente em categorias de risco intermediário ou mesmo em baixo risco cardiovascular. O presente posicionamento revisa as melhores evidências atualmente disponíveis e propõe uma abordagem prática, baseada em risco, para o tratamento de pacientes com diabetes. Estruturação: perante este desafio e reconhecendo a natureza multifacetada da doença, a SBD uniu-se à Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e à Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo (SBEM), e formou um painel de especialistas, constituído por 28 cardiologistas e endocrinologistas, para revisar as melhores evidências disponíveis e elaborar uma diretriz contendo recomendações práticas para a estratificação de risco e prevenção da Doença Cardiovascular (DVC) no Diabetes Melito (DM). As principais inovações incluem: (1) considerações do impacto de novos hipolipemiantes e das novas medicações antidiabéticas no risco cardiovascular; (2) uma abordagem prática, baseada em fator de risco, para orientar o uso das estatinas, incluindo novas definições das metas da Lipoproteína de Baixa Densidade-colesterol (LDL-colesterol) e colesterol não Lipoproteína de Alta Densidade HDL; (3) uma abordagem baseada em evidências, para avaliar a isquemia miocárdica silenciosa (IMS) e a aterosclerose subclínica em pacientes com diabetes; (4) as abordagens mais atuais para o tratamento da hipertensão; e (5) recomendação de atualizações para o uso de terapia antiplaquetária. Esperamos que esta diretriz auxilie os médicos no cuidado dedicado aos pacientes com diabetes. Métodos: inicialmente, os membros do painel foram divididos em sete subcomitês para definirem os tópicos principais que necessitavam de uma posição atualizada das sociedades. Os membros do painel pesquisaram e buscaram no PubMed estudos clínicos randomizados e metanálises de estudos clínicos e estudos observacionais de boa qualidade, publicados entre 1997 e 2017, usando termos MeSH: [diabetes], [diabetes tipo 2], [doença cardiovascular], [estratificação de risco cardiovascular] [doença arterial coronária], [rastreamento], [isquemia silenciosa], [estatinas], [hipertensão], [ácido acetilsalicílico]. Estudos observacionais de baixa qualidade, metanálises com alta heterogeneidade e estudos transversais não foram incluídos, embora talvez tenham impactado no Nível de Evidência indicado. A opinião de especialistas foi usada quando os resultados das buscas não eram satisfatórios para um item específico. É importante salientar que este posicionamento não teve a intenção de incluir uma revisão sistemática rigorosa. Um manuscrito preliminar, destacando recomendações de graus e níveis de evidência (Quadro 1), foi esboçado. Este passo levou a várias discussões entre os membros dos subcomitês, que revisaram os achados e fizeram novas sugestões. O manuscrito foi, então, revisto pelo autor líder, encarregado da padronização do texto e da inclusão de pequenas alterações, sendo submetido à apreciação mais detalhada pelos membros dos comitês, buscando uma posição de consenso. Depois desta fase, o manuscrito foi enviado para a banca editorial e edição final, sendo encaminhado para publicação. Quadro 1 Graus de recomendações e níveis de evidências adotados nesta revisão Grau de recomendação Classe I A evidência é conclusiva ou, se não, existe consenso de que o procedimento ou tratamento é seguro e eficaz Classe II Há evidências contraditórias ou opiniões divergentes sobre segurança, eficácia, ou utilidade do tratamento ou procedimento Classe IIa As opiniões são favoráveis ao tratamento ou procedimento. A maioria dos especialistas aprova Classe IIb A eficácia é bem menos estabelecida, e as opiniões são divergentes Classe III Há evidências ou consenso de que o tratamento ou procedimento não é útil, eficaz, ou pode ser prejudicial Níveis de Evidência A Múltiplos estudos clínicos randomizados concordantes e bem elaborados ou metanálises robustas de estudos clínicos randomizados B Dados de metanálises menos robustas, um único estudo clínico randomizado ou estudos observacionais C Opinião dos especialistas

SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA