Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 19 de 19
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Foodborne Pathog Dis ; 12(1): 74-83, 2015 Jan.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-25514382

RESUMO

This study characterized 52 Escherichia coli isolates from distinct diseased organs of 29 broiler chickens with clinical symptoms of colibacillosis in the Southern Brazilian state of Rio Grande do Sul. Thirty-eight isolates were highly virulent and 14 were virtually avirulent in 1-day-old chicks, yet all isolates harbored virulence factors characteristic of avian pathogenic E. coli (APEC), including those related to adhesion, iron acquisition, and serum resistance. E. coli reference collection phylogenetic typing showed that isolates belonged mostly to group D (39%), followed by group A (29%), group B1 (17%), and group B2 (15%). Phylogenetic analyses using the Amplified Ribosomal DNA Restriction Analysis and pulse-field gel electrophoresis methods were used to discriminate among isolates displaying the same serotype, revealing that five birds were infected with two distinct APEC strains. Among the 52 avian isolates, 2 were members of the pandemic E. coli O25:H4-B2-ST131 clone.


Assuntos
Galinhas/microbiologia , Infecções por Escherichia coli/veterinária , Escherichia coli/classificação , Escherichia coli/isolamento & purificação , Sepse/veterinária , Fatores de Virulência/genética , Animais , Técnicas de Tipagem Bacteriana , Brasil , DNA Bacteriano/genética , DNA Ribossômico/genética , Farmacorresistência Bacteriana , Escherichia coli/efeitos dos fármacos , Genótipo , Sepse/microbiologia , Sorotipagem
2.
J. pediatr. (Rio J.) ; 88(4): 357-360, jul.-ago. 2012. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-649468

RESUMO

OBJETIVO: O conhecimento de Bordetella pertussis circulante na América Latina é limitado. Portanto, o objetivo deste estudo foi usar a técnica da eletroforese em campo pulsado e a sorotipagem para caracterizar cepas de B. pertussis isoladas na cidade de São Paulo (SP). MÉTODOS: Este estudo, conduzido entre 2006 e 2008, analisou 652 swabs de nasofaringe coletados de casos suspeitos e comunicantes de coqueluche, provenientes de 37 hospitais sentinela de São Paulo. Foram realizadas as técnicas da eletroforese em campo pulsado e sorotipagem em 91 (70%) cepas de B. pertussis, escolhidas aleatoriamente. RESULTADOS: Noventa e sete por cento das cepas de São Paulo foram sorotipadas como Fim3. Foram identificados 14 perfis genéticos pela eletroforese em campo pulsado; o mais prevalente (57%) também é o mais prevalente nos EUA. CONCLUSÕES: Esses dados, em conjunto com ações da vigilância, podem ter um impacto nas estratégias de prevenção e controle de coqueluche na região, oferecendo informações úteis para a introdução de estratégias novas de vacinação e redução do risco de transmissão para bebês menores de 6 meses de idade.


OBJECTIVE: Knowledge of Bordetella pertussis circulating in Latin America is limited. Therefore, the goal of this study was to use pulsed-field gel electrophoresis and serotyping to characterize B. pertussis strains isolated in the city of São Paulo, Brazil. METHODS: This study, conducted between 2006 and 2008, analyzed 652 nasopharyngeal swabs from suspected pertussis cases and contacts, collected from 37 sentinel hospitals in São Paulo. Randomized samples of 91 (70%) strains of B. pertussis were subtyped by pulsed-field gel electrophoresis and serotyping. RESULTS: Ninety-seven percent of strains from São Paulo were serotyped as Fim3. Fourteen pulsed-field gel electrophoresis profiles were identified; the most prevalent (57%) is also the most prevalent in the USA. CONCLUSIONS: These data, in conjunction with surveillance activities, may impact strategies regarding prevention and control of pertussis in the region, providing useful information for introduction of new vaccination strategies and reduction of risk of transmission to infants less than 6 months of age.


Assuntos
Adolescente , Criança , Pré-Escolar , Feminino , Humanos , Lactente , Recém-Nascido , Adulto Jovem , Bordetella pertussis/classificação , Coqueluche/microbiologia , Fatores Etários , Bordetella pertussis/genética , Bordetella pertussis/isolamento & purificação , Brasil/epidemiologia , Eletroforese em Gel de Campo Pulsado , Vacina contra Coqueluche/uso terapêutico , Sorotipagem , Vacinação , Coqueluche/prevenção & controle
3.
J Pediatr (Rio J) ; 88(4): 357-60, 2012 Jul.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-22622958

RESUMO

OBJECTIVE: Knowledge of Bordetella pertussis circulating in Latin America is limited. Therefore, the goal of this study was to use pulsed-field gel electrophoresis and serotyping to characterize B. pertussis strains isolated in the city of São Paulo, Brazil. METHODS: This study, conducted between 2006 and 2008, analyzed 652 nasopharyngeal swabs from suspected pertussis cases and contacts, collected from 37 sentinel hospitals in São Paulo. Randomized samples of 91 (70%) strains of B. pertussis were subtyped by pulsed-field gel electrophoresis and serotyping. RESULTS: Ninety-seven percent of strains from São Paulo were serotyped as Fim3. Fourteen pulsed-field gel electrophoresis profiles were identified; the most prevalent (57%) is also the most prevalent in the USA. CONCLUSIONS: These data, in conjunction with surveillance activities, may impact strategies regarding prevention and control of pertussis in the region, providing useful information for introduction of new vaccination strategies and reduction of risk of transmission to infants less than 6 months of age.


Assuntos
Bordetella pertussis/classificação , Coqueluche/microbiologia , Adolescente , Fatores Etários , Bordetella pertussis/genética , Bordetella pertussis/isolamento & purificação , Brasil/epidemiologia , Criança , Pré-Escolar , Eletroforese em Gel de Campo Pulsado , Feminino , Humanos , Lactente , Recém-Nascido , Masculino , Vacina contra Coqueluche/uso terapêutico , Sorotipagem , Vacinação , Coqueluche/prevenção & controle , Adulto Jovem
4.
J Med Microbiol ; 59(Pt 6): 634-40, 2010 Jun.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-20223897

RESUMO

Escherichia coli strains of serotype O113 : H21 are commonly described as belonging to a Shiga toxin (Stx)-producing E. coli (STEC) pathotype worldwide. Albeit this STEC serotype is frequently identified among cattle and other domestic animals, to the best of our knowledge no human infections associated with STEC O113:H21 have been registered in Brazil to date. Here, we report the virulence profile and genetic relatedness of a collection of O113:H21 E. coli strains mainly isolated from the animal reservoir aimed at determining their potential as human pathogens. The strains from the animal reservoir (n=34) were all classified as STEC, whereas the few isolates recovered so far from human diarrhoea (n=3) lacked stx genes. Among the STEC, the stx2d-activatable gene was identified in 85% of the strains that also carried lpfAO113, iha, saa, ehxA, subAB, astA, cdt-V, espP, espI and epeA; the human strains harboured only lpfAO113, iha and astA. All the strains except one, isolated from cattle, were genetically classified as phylogenetic group B1. High mass plasmids were observed in 25 isolates, but only in the STEC group were these plasmids confirmed as the STEC O113 megaplasmid (pO113). Many closely related subgroups (more than 80% similarity) were identified by PFGE, with human isolates clustering in a subgroup separate from most of the animal isolates. In conclusion, potentially pathogenic O113:H21 STEC isolates carrying virulence markers in common with O113:H21 clones associated with haemolytic uraemic syndrome cases in other regions were demonstrated to occur in the natural reservoir in our settings, and therefore the risk represented by them to public health should be carefully monitored.


Assuntos
Infecções por Escherichia coli/epidemiologia , Infecções por Escherichia coli/veterinária , Proteínas de Escherichia coli/genética , Escherichia coli Shiga Toxigênica/classificação , Escherichia coli Shiga Toxigênica/isolamento & purificação , Fatores de Virulência/genética , Animais , Animais Domésticos/microbiologia , Técnicas de Tipagem Bacteriana , Brasil/epidemiologia , Análise por Conglomerados , Impressões Digitais de DNA , Diarreia/microbiologia , Eletroforese em Gel de Campo Pulsado , Infecções por Escherichia coli/microbiologia , Humanos , Plasmídeos , Sorotipagem , Escherichia coli Shiga Toxigênica/genética
5.
Int J Food Microbiol ; 127(1-2): 139-46, 2008 Sep 30.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-18678426

RESUMO

The prevalence, serotypes and virulence profiles of Shiga toxin-producing Escherichia coli (STEC) were investigated in 205 healthy beef and dairy cattle, and 106 goats reared in the southeastern region of Minas Gerais State, Brazil. The prevalence of STEC was 57.5% (61/106) in goats, 39.2%, (40/102) in beef cattle and 17.5% (18/103) in dairy cattle. Among the 514 STEC isolates, 40 different serotypes were found and some of them were identified in a specific host. STEC isolates harboring stx1 corresponded to 15.6% (28/180), 26.7% (16/60) and 24.1% (66/274) in beef cattle, dairy cattle and goats, respectively. stx2 was found in 30% (54/180), 53.3% (32/60) and 34.7% (95/274) of beef and dairy cattle, and goats. stx1 plus stx2 sequences were harbored by 54.4% (98/180), 20% (12/60) and 41.2% (113/274) of beef cattle, dairy cattle and goats, respectively. The eae sequence was found in 15% (9/60) and 0.6% (1/180) of STEC isolates from dairy and beef cattle, respectively, and the toxB gene was found only in one O157:H7 strain isolated from beef cattle. Strains with the genetic profiles stx2 ehxA iha saa and stx1 stx2 ehxA iha saa were the most prevalent among STEC isolates from cattle. Profiles stx1 stx2 ehxA iha, stx2, and stx1 iha accounted for 75.5% (207 /274) of the STEC isolates from goats. While STEC strains carrying either stx2 alone or associated with stx1 were found more frequently in cattle, those harboring sequences stx1c and stx2d alone or associated with stx1c predominated in goats. Our data show a diversity of STEC strains in food-producing animals, most of them carrying genes linked to severe forms of human diseases.


Assuntos
Doenças dos Bovinos/microbiologia , Infecções por Escherichia coli/veterinária , Doenças das Cabras/microbiologia , Escherichia coli Shiga Toxigênica/classificação , Escherichia coli Shiga Toxigênica/isolamento & purificação , Fatores de Virulência/genética , Animais , Brasil/epidemiologia , Bovinos , Doenças dos Bovinos/epidemiologia , Reservatórios de Doenças/veterinária , Infecções por Escherichia coli/epidemiologia , Infecções por Escherichia coli/microbiologia , Feminino , Doenças das Cabras/epidemiologia , Cabras , Humanos , Masculino , Filogenia , Prevalência , Sorotipagem , Toxinas Shiga/biossíntese , Toxinas Shiga/genética , Escherichia coli Shiga Toxigênica/patogenicidade , Especificidade da Espécie
6.
São Paulo; s.n; 2006. [151] p.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-437018

RESUMO

Foi estudada uma coleção de 48 cepas de Escheríchía cali produtoras de toxina Shiga (STEC), a maioria de origem humana, e 30 cepas de E. cali não STEC de origem humana, portadoras da seqüência eae e pertencentes aos mesmos sorogrupos de STEC, isoladas no período entre 1976-03. Foram analisadas as características fenotípicas, os fatores de virulência e a diversidade genética. A maioria das cepas STEC originou de estudos realizados em dois períodos distintos: um estudo retrospectivo incluindo o período 1976-99 e um estudo prospectivo desenvolvido no período 2000-03. Excetuando duas cepas isoladas do mesmo paciente durante o estudo prospectivo, todas as cepas de origem humana eram de infecções esporádicas e não relacionadas. Entre os diferentes sorotipos de STEC identificados, a maioria pertencia aos sorotipos 0111:H-, 0111:H8, 026:H11 e 0157:H7. Observou-se, no entanto, uma variação em relação a ocorrência dos sorotipos STEC não-0157 no período estudado. Enquanto os sorotipos 0111 :H8 (H-) e 026:H11 predominaram entre aquelas isoladas no período 1976-99, no período 2000-03 foi identificada apenas uma cepa STEC 0111:H-. A ausência de fermentação da ramnose e dulcitol estava mais associada às cepas STEC e não STEC pertencentes ao sorogrupo 026, enquanto que as cepas STEC do sorogrupo 0111 se distinguiram por não descarboxilar a lisina. A maioria das cepas STEC foi sensível a todos os antimicrobianos testados; porém múltiplas marcas de resistência foram observadas, principalmente, em algumas cepas do sorogrupo 0111. Todas as cepas STEC 0157:H7 eram portadoras do gene stx2. Cepas pertencentes aos sorotipos 093:H19 e 077:H18, pertenciam ao genótipo stx1 stx2, enquanto que os demais sorotipos STEC carreavam apenas a seqüência stx 1. A seqüência eae foi identificada em todas as cepas STEC, exceto entre aquelas pertencentes aos sorotipos 093:H19, 077:H18 e 055:H19 e observou-se uma estreita relação entre os tipos de intimina, sorotipos e categoria diarreogênica. A presença da seqüência ehxA foi variável segundo os sorotipos. Com exceção do sorogrupo 026, as cepas STEC e não STEC do mesmo sorogrupo pertenciam a distintos grupos clonais determinado pela técnica de eletroforese em campo pulsado. Observou-se que cepas STEC com distintas características fenotípicas e genotípicas, estavam presentes em nosso meio desde a década de 70 e as características moleculares apontaram para uma provável ocorrência de um surto de infecção O157:H7.


Assuntos
Eletroforese em Gel de Campo Pulsado , Escherichia coli , Toxinas Shiga
7.
São Paulo; s.n; 2001. 24 p. ilus.
Não convencional em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: ses-7917

RESUMO

A coqueluche, também conhecida pela designação expressiva de "tosse comprida" é uma doença infecciosa aguda e transmissível que compromete predominantemente o aparelho respiratório, caracterizando-se por típicos acessos paroxísticos de tosse. Sendo um agravo de notificação nacional, a principal dificuldade na vigilância dessa doença com todos os seus pressupostos, está na confirmação etiológica. Outras doenças respiratórias agudas, virais ou bacterianas, podem provocar a "síndrome pertussis" ou "doenças coqueluchóides" (ítem 7). Aparecem, com maior frequência, nos mesmos grupos populacionais onde ocorre a coqueluche, e também apresentam maior gravidade nos lactentes e crianças menores de dois anos. Esses agravos podem, então, serem confundidos e classificados como coqueluche, clinicamente. Dessa forma, um sistema de notificação passivo para a coqueluche tem baixo valor preditivo positivo, ou seja, confirma casos (clinicamente e/ou por métodos laboratoriais não específicos) que não o são, podendo induzir à investigação e adoção de medidas de controle de epidemias que de fato não tenham ocorrido, provocando custos desnecessários ao sistema de vigilância. O que se propõe no presente documento é a implantação de um sistema sentinela de vigilância para a coqueluche no Estado de São Paulo


Assuntos
Coqueluche/prevenção & controle , Coqueluche/terapia , Monitoramento Epidemiológico , Coqueluche/etiologia
8.
São Paulo; s.n; 2001. 24 p. ilus.
Não convencional em Português | LILACS, Coleciona SUS, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ACVSES | ID: biblio-932945

RESUMO

A coqueluche, também conhecida pela designação expressiva de "tosse comprida" é uma doença infecciosa aguda e transmissível que compromete predominantemente o aparelho respiratório, caracterizando-se por típicos acessos paroxísticos de tosse. Sendo um agravo de notificação nacional, a principal dificuldade na vigilância dessa doença com todos os seus pressupostos, está na confirmação etiológica. Outras doenças respiratórias agudas, virais ou bacterianas, podem provocar a "síndrome pertussis" ou "doenças coqueluchóides" (ítem 7). Aparecem, com maior frequência, nos mesmos grupos populacionais onde ocorre a coqueluche, e também apresentam maior gravidade nos lactentes e crianças menores de dois anos. Esses agravos podem, então, serem confundidos e classificados como coqueluche, clinicamente. Dessa forma, um sistema de notificação passivo para a coqueluche tem baixo valor preditivo positivo, ou seja, confirma casos (clinicamente e/ou por métodos laboratoriais não específicos) que não o são, podendo induzir à investigação e adoção de medidas de controle de epidemias que de fato não tenham ocorrido, provocando custos desnecessários ao sistema de vigilância. O que se propõe no presente documento é a implantação de um sistema sentinela de vigilância para a coqueluche no Estado de São Paulo


Assuntos
Monitoramento Epidemiológico , Coqueluche/etiologia , Coqueluche/prevenção & controle , Coqueluche/terapia
9.
São Paulo; s.n; 2001. 24 p. ilus.
Não convencional em Português | LILACS, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-480954

RESUMO

A coqueluche, também conhecida pela designação expressiva de "tosse comprida" é uma doença infecciosa aguda e transmissível que compromete predominantemente o aparelho respiratório, caracterizando-se por típicos acessos paroxísticos de tosse. Sendo um agravo de notificação nacional, a principal dificuldade na vigilância dessa doença com todos os seus pressupostos, está na confirmação etiológica. Outras doenças respiratórias agudas, virais ou bacterianas, podem provocar a "síndrome pertussis" ou "doenças coqueluchóides" (ítem 7). Aparecem, com maior frequência, nos mesmos grupos populacionais onde ocorre a coqueluche, e também apresentam maior gravidade nos lactentes e crianças menores de dois anos. Esses agravos podem, então, serem confundidos e classificados como coqueluche, clinicamente. Dessa forma, um sistema de notificação passivo para a coqueluche tem baixo valor preditivo positivo, ou seja, confirma casos (clinicamente e/ou por métodos laboratoriais não específicos) que não o são, podendo induzir à investigação e adoção de medidas de controle de epidemias que de fato não tenham ocorrido, provocando custos desnecessários ao sistema de vigilância. O que se propõe no presente documento é a implantação de um sistema sentinela de vigilância para a coqueluche no Estado de São Paulo...


Assuntos
Coqueluche/etiologia , Coqueluche/prevenção & controle , Coqueluche/terapia
10.
Arq. bras. oftalmol ; 58(2): 98-104, abr. 1995. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-169872

RESUMO

Neste trabalho testa-se o uso de soluçöes hipertônicas de sacarose a 240 por cento e a 120 por cento em úlceras de córnea de coelho contaminadas por Pseudomonas aeruginosa. Os resultados desta pesquisa mostram que o uso de soluçöes hipertônicas de sacarose é ineficaz em úlceras de córnea infectadas pela bactéria acima. Por outro lado observou-se diminuiçäo da contagem bacteriana em úlceras de córnea contaminadas, submetidas a repetidas instilaçöes de soro fisiológico possivelmente por um efeito de limpeza mecânica do local da infecçäo


Assuntos
Animais , Coelhos , Pseudomonas aeruginosa/efeitos dos fármacos , Soluções Hipertônicas/farmacologia , Úlcera da Córnea/tratamento farmacológico
11.
Rev. Inst. Med. Trop. Säo Paulo ; 36(6): 491-6, nov.-dez 1994. ilus, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-154300

RESUMO

Amostras de liquido cefalorraquidiano (LCR) de 2083 pacientes com Sindrome de Imunodeficiencia Adquirida (SIDA) e complicacoes neurologicas foram examinados durante um periodo de 7 anos (1984-1990). A porcentagem de pacientes que tiveram pelo menos um agente bacteriano cultivado do LCR foi de 6,2 por cento Mycobacterium tuberculosis foi o mais frequentemente isolado (4,3 por cento), seguido do complexo Mycobacterium avium ou MAC (0,7 por cento), de Pseudomas spp (0,5 por cento), Enterobacter spp (0,4 por cento), e Staphilococcus aureus (0,3 por cento). Entre 130 pacientes com cultura positiva, de 89 (68,5 por cento) foi isolado o M. tuberculosis e de 15 (11,6 por cento) MAC. A frequencia de isolamentos bacterianos foram mais frequentemente isolados de pacientes na faixa etaria de 21-30 anos e de mulheres (p<0.050).


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Lactente , Criança , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Líquido Cefalorraquidiano/microbiologia , Manifestações Neurológicas , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/líquido cefalorraquidiano , Infecções Bacterianas/diagnóstico , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/complicações , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/diagnóstico
12.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 49(1): 107-15, jun. 1989. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALACERVO | ID: ses-1144

RESUMO

290 cepas de Serratia marcescens, a grande maioria isolada de líquido cefalorraquidiano(LCR) e de sangue, foram classificadas em 46 sorotipos de acordo com a classificaçäo sorológica proposta por Le Minor e Pigache. Foram identificados 25 sorotipos entre as 145 cepas isoladas de LCR e os sorotipos 06,14:H12 e 06,14:H4 foram os mais frequêntes, correspondendo a mais de 70% das cepas. Das 102 cepas isoladas de sangue, 65% dos sorotipos pertenciam aos sorotipos 06,14:H12, 06,14:H4 e 01:H7, sendo que este último foi responsabilizado por um surto de infecçäo hospitalar atingindo crianças, na sua maioria menores de 1 ano. Foi verificado que mais de 73%, 70% e 80% de cepas isoladas respectivamente de LCR, sangue e fezes, eram provenientes de crianças de 0 a 5 anos. Os sorotipos 06,14:H12 e 06,14:H4 também foram os predominantes entre os 12 sorotipos identificados nas amostras isoladas de fezes, sugerindo uma possível fonte de infecç äo, principalmente em berçários


Assuntos
Serratia marcescens , Sorotipagem , Infecções
13.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 49(1): 107-15, jun. 1989. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-81158

RESUMO

290 cepas de Serratia marcescens, a grande maioria isolada de líquido cefalorraquidiano(LCR) e de sangue, foram classificadas em 46 sorotipos de acordo com a classificaçäo sorológica proposta por Le Minor e Pigache. Foram identificados 25 sorotipos entre as 145 cepas isoladas de LCR e os sorotipos 06,14:H12 e 06,14:H4 foram os mais frequêntes, correspondendo a mais de 70% das cepas. Das 102 cepas isoladas de sangue, 65% dos sorotipos pertenciam aos sorotipos 06,14:H12, 06,14:H4 e 01:H7, sendo que este último foi responsabilizado por um surto de infecçäo hospitalar atingindo crianças, na sua maioria menores de 1 ano. Foi verificado que mais de 73%, 70% e 80% de cepas isoladas respectivamente de LCR, sangue e fezes, eram provenientes de crianças de 0 a 5 anos. Os sorotipos 06,14:H12 e 06,14:H4 também foram os predominantes entre os 12 sorotipos identificados nas amostras isoladas de fezes, sugerindo uma possível fonte de infecç äo, principalmente em berçários


Assuntos
Infecções , Sorotipagem , Serratia marcescens
14.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 49(2): 207-211, 1989. tab
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALACERVO | ID: ses-1103

RESUMO

22 cepas de Flavobacterium meningosepticum, sendo 19 isoladas de líquido cefalorraquidiano, 2 de sangue e 1 de secreçäo traqueal, de diferentes procedências, foram sorotipadas por aglutinaçäo em lâmina, utilizando soros somáticos específicos, preparados segundo o método descrito por RICHARD et alii. As cepas, isoladas na sua grande maioria de crianças recém-nascidas, foram classificadas em 6 sorotipos, sendo o sorotipo C o mais frequênte, seguido de F, B, D, H e . A meningite neonatal, embora de ocorrência rara, é uma doença de alta letalidade que deixa graves sequelas. A caracterizaçäo das cepas responsáveis pelos surtos epidêmicos ocorridos nos diversos países tem sido realizada pela identificaçäo dos sorotipos, que säo principais marcadores epidemiológicos de F. meningosepticum (AU)


Assuntos
Flavobacterium , Sorotipagem , Meningite
15.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 49(2): 207-211, 1989. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-94017

RESUMO

22 cepas de Flavobacterium meningosepticum, sendo 19 isoladas de líquido cefalorraquidiano, 2 de sangue e 1 de secreçäo traqueal, de diferentes procedências, foram sorotipadas por aglutinaçäo em lâmina, utilizando soros somáticos específicos, preparados segundo o método descrito por RICHARD et alii. As cepas, isoladas na sua grande maioria de crianças recém-nascidas, foram classificadas em 6 sorotipos, sendo o sorotipo C o mais frequênte, seguido de F, B, D, H e . A meningite neonatal, embora de ocorrência rara, é uma doença de alta letalidade que deixa graves sequelas. A caracterizaçäo das cepas responsáveis pelos surtos epidêmicos ocorridos nos diversos países tem sido realizada pela identificaçäo dos sorotipos, que säo principais marcadores epidemiológicos de F. meningosepticum


Assuntos
Flavobacterium , Meningite , Sorotipagem
16.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 44(2): 115-23, dez. 1984. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-41209

RESUMO

Foram analisados os resultados de 5.360 culturas de sangue de pacientes provenientes do Hospital de Isolamento "Emílio Ribas", Hospital Infantil Cândido Fontoura, e do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, no município de Säo Paulo, SP, durante o período de 1978 a 1982, em relaçäo à incidência de infecçöes bacterianas mistas, faixas etárias, e à resistência das cepas isoladas aos antibióticos e sulfonamidas. As hemoculturas foram positivas em 19,70% dos casos, sendo que 18,06% correspondeu a infecçöes simples, enquanto que em 1,64% dos casos positivos foi encontrado mais de um germe como agente etiológico. Nas infecçöes simples evidenciou-se a predominância da Salmonella typhimurium em 24,40% dos casos, seguida pelo Staphylococcus aureus e Salmonella typhi, com 17,67 e 11,15%, respectivamente. Nas infecçöes mistas houve a predominância da Klebsiella pneumoniae em 20,91% dos casos, seguida pela S. typhimurium e Escherichia coli em 18,38 e 14,28% respectivamente, associadas entre si ou com outras bactérias. Foi digno de nota que em 7 foram isoladas cepas de Shigella flexneri pertencentes aos sorotipos 2 (4 casos), 3 (2 casos) e 4 (1 caso). Com relaçäo â sensibilidade aos antibióticos testados, observou-se grande resistência da S. typhimurium, P. aeruginosa e K. pneumoniae a vários destes antibióticos. As cepas de S. typhimurium apresentaram 100% de sensibilidade ao cloranfenicol


Assuntos
Humanos , Sepse/microbiologia , Bactérias Aeróbias/isolamento & purificação , Bactérias Anaeróbias/isolamento & purificação , Brasil , Infecção Hospitalar/microbiologia , Infecções Bacterianas/microbiologia
17.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 44(1): 1-18, 1984. ilus
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-CTDPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IALACERVO | ID: ses-1277

RESUMO

Foram identificados 124 sorotipos de SALMONELLA de origem humana e näo humana, perfazendo um total de 25.022 cepas. De 15.892 cepas de origem humana, foram identificados 82 sorotipos, sendo S. typhimurium, S. agona e S. typhi os sorotipos prevalentes com 69,34...(AU)


Assuntos
Salmonella , Infecções por Salmonella , Sorotipagem
18.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 44(1): 1-18, 1984. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-55436

RESUMO

Foram identificados 124 sorotipos de SALMONELLA de origem humana e näo humana, perfazendo um total de 25.022 cepas. De 15.892 cepas de origem humana, foram identificados 82 sorotipos, sendo S. typhimurium, S. agona e S. typhi os sorotipos prevalentes com 69,34...


Assuntos
Salmonella , Infecções por Salmonella , Sorotipagem
19.
Rev. Inst. Adolfo Lutz ; 43(1/2): 97-103, 1983.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-18873

RESUMO

E relatada a frequencia de infeccoes multiplas por membros da familia Enterobacteriaceae, no sextenio 1977-1982. Neste periodo, foram encontrados 526 casos de infeccoes duplas e 20 de infeccoes triplas, correspondendo a 10,32% de total dos exames positivos, sendo que predominou o modelo Salmonella tyhimurium mais Escherichia coli 0111:K58, e o grupo etario mais atingido foi o de zero a seis meses de idade, onde esta 64% dos casos


Assuntos
Infecções por Enterobacteriaceae , Brasil
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA