Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Filtros adicionais











Intervalo de ano
1.
Diagn. tratamento ; 24(1): [25-36], jan -mar 2019. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1005094

RESUMO

Contexto: O Ministério da Saúde do Brasil anunciou, em março de 2018, uma expansão das políticas para práticas integrativas em saúde dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), incorporando 10 novos tipos de práticas integrativas à lista de procedimentos disponíveis no sistema público de saúde brasileiro. Objetivo: Identificar, sintetizar e avaliar criticamente evidências de revisões sistemáticas Cochrane sobre as novas práticas de medicina integrativa inseridas no SUS. Métodos: Revisão de revisões sistemáticas conduzida pela Disciplina de Medicina Baseada em Evidências, Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sobre as seguintes intervenções: apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, terapia de florais, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos e ozonioterapia. Resultados: Foram incluídas 16 revisões sistemáticas: 4 sobre apiterapia, 4 sobre aromaterapia, 6 sobre hipnoterapia e 2 sobre ozonioterapia. Não foram encontradas revisões sistemáticas Cochrane referentes aos temas bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, terapia de florais ou imposição de mãos. A única evidência de alta qualidade encontrada nessas revisões foi sobre o potencial benefício da apiterapia, especificamente para o uso de curativos de mel para cura parcial de feridas por queimadura, para redução de tosse entre crianças com tosse aguda e para prevenção de reações alérgicas a picadas de insetos. Conclusão: Exceto por alguns usos específicos da apiterapia (mel para lesões por queimadura e para tosse aguda e do veneno de abelhas para reações alérgicas às picadas de insetos), o uso das 10 práticas integrativas recentemente incorporadas ao SUS não é embasado por evidências de revisões sistemáticas Cochrane.


Assuntos
Revisão , Medicina Baseada em Evidências , Prática Clínica Baseada em Evidências , Medicina Integrativa , Tomada de Decisão Clínica
2.
Diagn. tratamento ; 23(2): 61-65, abr.-jun. 2018. fig
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-904904

RESUMO

Introdução: As avaliações econômicas são importantes para quantificar e comparar custos e consequências das alternativas disponíveis em saúde. Objetivos: Descrever as características e a utilidade dos principais tipos de estudos de análises econômicas. Métodos: Estudo descritivo e de análise crítica realizado na Disciplina de Medicina Baseada em Evidências da Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Resultados: Apresentamos características e exemplos dos principais tipos de análises econômicas em saúde, como análise de custo-utility, análise de custo-minimização, análise de custo-efetividade e análise de custo-benefício. Conclusão: Existem diferentes tipos de análise econômica, destinados a responder perguntas específicas, que precisam ser bem planejados e conduzidos para embasar a tomada de decisão de gestores e profissionais da saúde, tornando o processo mais explícito e objetivo.


Assuntos
Análise Custo-Benefício , Custos e Análise de Custo , Economia da Saúde , Gestão em Saúde , Anos de Vida Ajustados por Qualidade de Vida
3.
Diagn. tratamento ; 23(2): 76-82, abr.-jun. 2018.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-904918

RESUMO

Contexto: Apesar de a enurese acometer mais de 15% das crianças e ter impacto importante na sua qualidade de vida, existem muitas incertezas sobre a efetividade e a segurança das intervenções disponíveis para o seu tratamento. Objetivo: Avaliar evidências de revisões sistemáticas Cochrane sobre efetividade e segurança de intervenções para o tratamento da enurese em crianças. Métodos: Revisão de revisões sistemáticas com busca sistematizada na Biblioteca Cochrane. Dois autores avaliaram a adequação das revisões encontradas aos critérios de inclusão e apresentaram uma síntese qualitativa de seus resultados. Resultados: Foram incluídas sete revisões que avaliaram o uso de intervenções farmacológicas (n = 3), comportamentais e educacionais (n = 4) em crianças com enurese. Conclusão: Desmopressina, indometacina, diclofenaco, diazepam e ibuprofeno/pseudoefedrina, intervenções com dispositivos de alarme e intervenções educacionais e comportamentais parecem ter algum benefício nos desfechos clínicos. No entanto, esses achados precisam ser confirmados em futuras atualizações das revisões sistemáticas existentes e por ensaios clínicos adicionais com melhor qualidade metodológica.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Criança , Tomada de Decisão Clínica , Medicina Baseada em Evidências , Prática Clínica Baseada em Evidências , Enurese Noturna , Revisão
4.
Int J Clin Pract ; 72(7): e13203, 2018 Jul.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-29799148

RESUMO

BACKGROUND: The aim of this study was to assess the effectiveness and safety of melatonin for primary headache. METHODS: This systematic review following the Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions recommendations and PRISMA Statement. RESULTS: Four randomized controlled trials were included (351 participants). According to the GRADE approach the quality of evidence was very low. The use of melatonin for migraine showed that (i) reduced the number of days with pain and the analgesic consumption when compared with placebo, (ii) no benefits on headache intensity, number of headache days and analgesics consumption when compared with amitriptyline, (iii) reduced the number of analgesic consumption, the attack frequency and the headache intensity when associated with propranolol plus nortriptyline vs placebo plus propranolol plus nortriptyline, and (iv) no difference for any of the interest outcomes when associated with propranolol plus nortriptyline vs sodium valproate plus propranolol plus nortriptyline. The use of melatonin for cluster headache when compared with placebo showed a reduction in the daily number of analgesic consumption and no difference in the number of daily attacks. Adverse events were poorly reported by all of the studies. CONCLUSION: This review found that so far there are few clinical trials, with poor methodological quality about melatonin for primary headaches. The available evidence is not sufficient to support the use of melatonin in clinical practice for this population. Further research is still necessary for assess its effects (benefits and harms) for primary headaches patients. Number of Protocol registration in PROSPERO database: CRD42017067105 (available at https://www.crd.york.ac.uk/PROSPERO/display_record.asp?ID=CRD42017067105) .


Assuntos
Analgésicos/uso terapêutico , Depressores do Sistema Nervoso Central/uso terapêutico , Melatonina/uso terapêutico , Transtornos de Enxaqueca/dietoterapia , Acetaminofen/uso terapêutico , Aspirina/uso terapêutico , Humanos , Transtornos de Enxaqueca/prevenção & controle , Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto , Resultado do Tratamento
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA