Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 22
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Mental ; 9(16): 303-326, jun. 2011.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-603451

RESUMO

Trata-se de um estudo de caso em clínica psicossocial sobre um usuário em tratamento, articulando saúde mental e a estratégia saúde da família. Recorte de uma pesquisa participante realizada em um centro paulista de atenção psicossocial com apoio matricial à estratégia saúde da família. Os resultados evidenciam itinerários fragmentados antes de seu tratamento nesse centro em contraste com os percursos articulados no tratamento interativo. Os sentidos da experiência de sofrimento do usuário passam por sua visão de mundo místico-pentecostal repercutindo-se nesses diferentes itinerários. Nas considerações finais, salienta-se que não se observaram discursos de poder nas relações de cuidados nesse último tratamento. Entretanto, haveria uma tendência do usuário para a construção de um projeto de vida no qual a aposentadoria parece ser uma meta importante.


This article is a clinical psycho-social case study about a patient in treatment, which connects mental health and the family health strategy. It is part of a participant research conducted in a psychosocial care center providing matrix support to the family health strategy. The results show fragmented itineraries before treatment in this center, in contrast with the pathways articulated in the interactive treatment. The senses of the user's experience of suffering are associated with his mystical Pentecostal worldview, echoing on these different itineraries. The final considerations highlight that no power discourses were observed in care relationships during the interactive treatment. However, there would be a tendency of the user to build a life plan in which a retirement pension seems to be an important target.


Assuntos
Humanos , Saúde da Família , Saúde Mental
2.
Mental ; 9(16): 397-416, jun. 2011.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-50786

RESUMO

Trata-se de um estudo de caso em clínica psicossocial sobre um usuário em tratamento, articulando saúde mental e a estratégia saúde da família. Recorte de uma pesquisa participante realizada em um centro paulista de atenção psicossocial com apoio matricial à estratégia saúde da família. Os resultados evidenciam itinerários fragmentados antes de seu tratamento nesse centro em contraste com os percursos articulados no tratamento interativo. Os sentidos da experiência de sofrimento do usuário passam por sua visão de mundo místico-pentecostal repercutindo-se nesses diferentes itinerários. Nas considerações finais, salienta-se que não se observaram discursos de poder nas relações de cuidados nesse último tratamento. Entretanto, haveria uma tendência do usuário para a construção de um projeto de vida no qual a aposentadoria parece ser uma meta importante.(AU)


This article is a clinical psycho-social case study about a patient in treatment, which connects mental health and the family health strategy. It is part of a participant research conducted in a psychosocial care center providing matrix support to the family health strategy. The results show fragmented itineraries before treatment in this center, in contrast with the pathways articulated in the interactive treatment. The senses of the user's experience of suffering are associated with his mystical Pentecostal worldview, echoing on these different itineraries. The final considerations highlight that no power discourses were observed in care relationships during the interactive treatment. However, there would be a tendency of the user to build a life plan in which a retirement pension seems to be an important target.(AU)


Assuntos
Humanos , Saúde Mental , Saúde da Família
3.
Rev. mal-estar subj ; 11(1): 309-333, mar. 2011.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-693243

RESUMO

O conceito de síndrome de institucionalização em Franco Basaglia é revisto e reformulado para a prática dos serviços substitutivos em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Essa síndrome é entendida como um tipo de adoecimento de origem psicossocial decorrente da evolução do processo de sofrimento psíquico construído ou reforçado no percurso de adaptação à institucionalização do sujeito/usuário vivenciando relações de subordinação e constrangimento moral e/ou psicológico, durante a intervenção e/ou internação em ambiente hospitalar, ambulatorial ou outra instituição total. A terapêutica deste quadro clínico está implicada no processo de desinstitucionalização e transformação da cultura excludente manicomial que vem introduzindo normatividade na relação contratual de cuidados, dando condições de possibilidade para ações clínicas interdisciplinares, sobretudo, em trabalho articulando o serviço de saúde mental e a atenção básica (saúde da família). Nesse contexto, a relação terapêutica dialógica e em rede social supõe um processo empático dual e ampliado a outros membros da equipe do serviço e a(s) pessoa(s) da(s) relação(ões) significativa(s) do sujeito/usuário, como também reflexões sobre as transferências multifocais...


The concept of institutionalization syndrome in Franco Basaglia is reviewed and reformed to the practice of alternative services in mental health in the context of Brazilian psychiatric reform. This syndrome is understood as a kind of a psychosocial illness consequence of the evolution of the patient psychological suffering, built or reinforced, in the course of adaptation during the process of institutionalization experiencing relations of subordination and moral/or psychological constraint into intervention and/or hospitalization or another total institution. Therapy in this clinical condition is implicated in the process of deinstitutionalization and the social transformation of the hospice culture of exclusion that has been introducing normativity in the contractual relationship of mental health care giving conditions of possibility for interdisciplinary clinical actions, particularly in articulating the work of mental health services and primary care ( family health).In this context, therapeutic dialogical relation and social network approach suppose a dual empathic process that could be extended to other members of staff service and the person (s) of the relationship (s) significantly (s) of the patient and reflections about multifocal transfers...


El concepto de sindrome de institucionalización planteado por Franco Basaglia es revisto y reformulado para la práctica de los servicios comunitários en salud mental dentro del contexto de la reforma psiquiátrica brasileña. Este síndrome es entendido como un tipo de dolecencia de origen psicosocial que transcurre en el proceso de adaptación a la institucionalización en el cual el paciente vivencia como sufrimiento las relaciones de subordinación y de opresion moral y /o psicológica en el ambiente del hospital o en forma ambulatória o en outra institución total. La terapéutica de este quadro clinico esta implicada en la desinstitucionalización y la transformación de la cultura excludente manicomial que produce normatividad en las relaciones de cuidado propocionando las condiciones para las acciones clinicas interdisciplinares,sobretodo, quando articula la intervención entre el servicio de salud mental y la atencción primaria de medicina de família. En este contexto, la relación terapéutica dialógica y en red social supone un processo empático entre terapeuta y paciente pero ampliado en relación a los otros miembros del equipo del servicio y a la(s) persona (s) de la(s) relación (nes) significativa(s) del sujeto/paciente. Asimismo, las reflexiones sobre las transferências multifocales que se passan en estas relaciones. El diagnostico interdisciplinar previsto es co-construido, en el cotidiano, en la(s) reunión (nes) del equipo de profissionales, y que integrada a el proyeto terapêutico del sujeto/paciente...


Le concept de syndrôme de l'institutionalisation suivant Franco Basaglia est revu et reformulé pour la pratique des services sectcorisés de santé mentale dans le contexte de la reforme psychiatrique bresilienne Ce syndrôme est compris comme une specificité d'etre malade dont l'origine est psychosociale conséquence d'une evolution du processus d'une souffrance psychique construite ou reforcée dans le parcours d'adaptation à l'institutionnalisation du sujet/patient où il éprouve experience des relations de subordination et de contrainte morale et/ou psychologique pendant l'intervention et/ou l'enfermement dans l'ambience hopitalière, ambulatoire ou une autre institution totale. Le traÎtement thérapeutique de ce cadre clinique est impliqué dans le processus de desinstitutionnalisation et de transformation de la culture excludante asilaire qui a introduit de la normativité dans la relation contractuelle de soin engendrant ainsi des conditions de possibilités d'actions cliniques interdisciplinaires plutôt orientée dans le travaille thérapeutique qui articule l'intervention entre le service sectorisé de santé mentale et celui de la medicine de famille Dans ce contexte, la relation thérapeutique dialogique et en reseau social suppose un processus d'empathie entre le thérapeute et le patient, entre le therapeute et les membres du groupe soigant et les personnes de(s) la (les) relation(s) significative(s) du sujet/patient. Les reflexions sur les transferts multifocaux doivent être aussi envisagés dans la compreénsion de ces relations...


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Saúde da Família , Institucionalização , Saúde Mental , Estresse Psicológico
4.
Rev. Mal-Estar Subj ; 11(1): 309-333, mar. 2011.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-55715

RESUMO

O conceito de "síndrome de institucionalização" em Franco Basaglia é revisto e reformulado para a prática dos serviços substitutivos em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Essa síndrome é entendida como um tipo de adoecimento de origem psicossocial decorrente da evolução do processo de sofrimento psíquico construído ou reforçado no percurso de adaptação à institucionalização do sujeito/usuário vivenciando relações de subordinação e constrangimento moral e/ou psicológico, durante a intervenção e/ou internação em ambiente hospitalar, ambulatorial ou outra instituição total. A terapêutica deste quadro clínico está implicada no processo de desinstitucionalização e transformação da cultura excludente manicomial que vem introduzindo normatividade na relação contratual de cuidados, dando condições de possibilidade para ações clínicas interdisciplinares, sobretudo, em trabalho articulando o serviço de saúde mental e a atenção básica (saúde da família). Nesse contexto, a relação terapêutica dialógica e em rede social supõe um processo empático dual e ampliado a outros membros da equipe do serviço e a(s) pessoa(s) da(s) relação(ões) significativa(s) do sujeito/usuário, como também reflexões sobre as transferências multifocais. O diagnóstico interdisciplinar previsto é co-construído no cotidiano e em reunião(ões) da equipe com o conjunto dos profissionais como parte integrada ao projeto terapêutico do sujeito/usuário em coerência com seu tratamento em saúde mental territorial, incluindo neste uma rede de apoio. Espera-se que essa reformulação teórica possa contribuir para futuras pesquisas interdisciplinares em psicologia.(AU)


The concept of "institutionalization syndrome" in Franco Basaglia is reviewed and reformed to the practice of alternative services in mental health in the context of Brazilian psychiatric reform. This syndrome is understood as a kind of a psychosocial illness consequence of the evolution of the patient psychological suffering, built or reinforced, in the course of adaptation during the process of institutionalization experiencing relations of subordination and moral/or psychological constraint into intervention and/or hospitalization or another total institution. Therapy in this clinical condition is implicated in the process of deinstitutionalization and the social transformation of the hospice culture of exclusion that has been introducing normativity in the contractual relationship of mental health care giving conditions of possibility for interdisciplinary clinical actions, particularly in articulating the work of mental health services and primary care ( family health).In this context, therapeutic dialogical relation and social network approach suppose a dual empathic process that could be extended to other members of staff service and the person (s) of the relationship (s) significantly (s) of the patient and reflections about multifocal transfers. The interdisciplinary diagnosis expected is co-constructed in everyday life and in reunion (s) with the staff of professionals as a part of the therapeutic project of the patient being coherent with his community mental health treatment, including a network support. It is expected that this theoretical reformulation could contribute to future interdisciplinary research in psychology.(AU)


El concepto de "sindrome de institucionalización" planteado por Franco Basaglia es revisto y reformulado para la práctica de los servicios comunitários en salud mental dentro del contexto de la reforma psiquiátrica brasileña. Este síndrome es entendido como un tipo de dolecencia de origen psicosocial que transcurre en el proceso de adaptación a la institucionalización en el cual el paciente vivencia como sufrimiento las relaciones de subordinación y de opresion moral y /o psicológica en el ambiente del hospital o en forma ambulatória o en outra institución total. La terapéutica de este quadro clinico esta implicada en la desinstitucionalización y la transformación de la cultura excludente manicomial que produce normatividad en las relaciones de cuidado propocionando las condiciones para las acciones clinicas interdisciplinares,sobretodo, quando articula la intervención entre el servicio de salud mental y la atencción primaria de medicina de família. En este contexto, la relación terapéutica dialógica y en red social supone un processo empático entre terapeuta y paciente pero ampliado en relación a los otros miembros del equipo del servicio y a la(s) persona (s) de la(s) relación (nes) significativa(s) del sujeto/paciente. Asimismo, las reflexiones sobre las transferências multifocales que se passan en estas relaciones. El diagnostico interdisciplinar previsto es co-construido, en el cotidiano, en la(s) reunión (nes) del equipo de profissionales, y que integrada a el proyeto terapêutico del sujeto/paciente. Este proyeto es coerente con su tratamiento en salud mental comunitária que incluye también una red de apoyo social. Se espera que esta reformulación teórica pueda contribuir a las futuras investigacciones interdisciplinares en psicologia nel tema propuesto.(AU)


Le concept de "syndrôme de l'institutionalisation" suivant Franco Basaglia est revu et reformulé pour la pratique des services sectcorisés de santé mentale dans le contexte de la reforme psychiatrique bresilienne Ce syndrôme est compris comme une specificité d'etre malade dont l'origine est psychosociale conséquence d'une evolution du processus d'une souffrance psychique construite ou reforcée dans le parcours d'adaptation à l'institutionnalisation du sujet/patient où il éprouve experience des relations de subordination et de contrainte morale et/ou psychologique pendant l'intervention et/ou l'enfermement dans l'ambience hopitalière, ambulatoire ou une autre institution totale. Le traÎtement thérapeutique de ce cadre clinique est impliqué dans le processus de desinstitutionnalisation et de transformation de la culture excludante asilaire qui a introduit de la normativité dans la relation contractuelle de soin engendrant ainsi des conditions de possibilités d'actions cliniques interdisciplinaires plutôt orientée dans le travaille thérapeutique qui articule l'intervention entre le service sectorisé de santé mentale et celui de la medicine de famille Dans ce contexte, la relation thérapeutique dialogique et en reseau social suppose un processus d'empathie entre le thérapeute et le patient, entre le therapeute et les membres du groupe soigant et les personnes de(s) la (les) relation(s) significative(s) du sujet/patient. Les reflexions sur les transferts multifocaux doivent être aussi envisagés dans la compreénsion de ces relations. Le diagnostique interdisciplinaire prévu se fait dans l'ambience quotidienne en co-construction de sens avec les professionels dans la(es) réunion(s) du groupe soignant. Diagnostique consideré comme un element integré au projet thérapeutique du sujet/patient et en cohérence avec son traitement en service sectorisé qui inclu aussi un reseau de soutien social. On espère que cette réformulation théorique puisse contribuer ...(AU)

5.
Rev. mal-estar subj ; 11(1): 309-333, mar. 2011.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-60253

RESUMO

O conceito de "síndrome de institucionalização" em Franco Basaglia é revisto e reformulado para a prática dos serviços substitutivos em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Essa síndrome é entendida como um tipo de adoecimento de origem psicossocial decorrente da evolução do processo de sofrimento psíquico construído ou reforçado no percurso de adaptação à institucionalização do sujeito/usuário vivenciando relações de subordinação e constrangimento moral e/ou psicológico, durante a intervenção e/ou internação em ambiente hospitalar, ambulatorial ou outra instituição total. A terapêutica deste quadro clínico está implicada no processo de desinstitucionalização e transformação da cultura excludente manicomial que vem introduzindo normatividade na relação contratual de cuidados, dando condições de possibilidade para ações clínicas interdisciplinares, sobretudo, em trabalho articulando o serviço de saúde mental e a atenção básica (saúde da família). Nesse contexto, a relação terapêutica dialógica e em rede social supõe um processo empático dual e ampliado a outros membros da equipe do serviço e a(s) pessoa(s) da(s) relação(ões) significativa(s) do sujeito/usuário, como também reflexões sobre as transferências multifocais. O diagnóstico interdisciplinar previsto é co-construído no cotidiano e em reunião(ões) da equipe com o conjunto dos profissionais como parte integrada ao projeto terapêutico do sujeito/usuário em coerência com seu tratamento em saúde mental territorial, incluindo neste uma rede de apoio. Espera-se que essa reformulação teórica possa contribuir para futuras pesquisas interdisciplinares em psicologia.(AU)


The concept of "institutionalization syndrome" in Franco Basaglia is reviewed and reformed to the practice of alternative services in mental health in the context of Brazilian psychiatric reform. This syndrome is understood as a kind of a psychosocial illness consequence of the evolution of the patient psychological suffering, built or reinforced, in the course of adaptation during the process of institutionalization experiencing relations of subordination and moral/or psychological constraint into intervention and/or hospitalization or another total institution. Therapy in this clinical condition is implicated in the process of deinstitutionalization and the social transformation of the hospice culture of exclusion that has been introducing normativity in the contractual relationship of mental health care giving conditions of possibility for interdisciplinary clinical actions, particularly in articulating the work of mental health services and primary care ( family health).In this context, therapeutic dialogical relation and social network approach suppose a dual empathic process that could be extended to other members of staff service and the person (s) of the relationship (s) significantly (s) of the patient and reflections about multifocal transfers. The interdisciplinary diagnosis expected is co-constructed in everyday life and in reunion (s) with the staff of professionals as a part of the therapeutic project of the patient being coherent with his community mental health treatment, including a network support. It is expected that this theoretical reformulation could contribute to future interdisciplinary research in psychology.(AU)


El concepto de "sindrome de institucionalización" planteado por Franco Basaglia es revisto y reformulado para la práctica de los servicios comunitários en salud mental dentro del contexto de la reforma psiquiátrica brasileña. Este síndrome es entendido como un tipo de dolecencia de origen psicosocial que transcurre en el proceso de adaptación a la institucionalización en el cual el paciente vivencia como sufrimiento las relaciones de subordinación y de opresion moral y /o psicológica en el ambiente del hospital o en forma ambulatória o en outra institución total. La terapéutica de este quadro clinico esta implicada en la desinstitucionalización y la transformación de la cultura excludente manicomial que produce normatividad en las relaciones de cuidado propocionando las condiciones para las acciones clinicas interdisciplinares,sobretodo, quando articula la intervención entre el servicio de salud mental y la atencción primaria de medicina de família. En este contexto, la relación terapéutica dialógica y en red social supone un processo empático entre terapeuta y paciente pero ampliado en relación a los otros miembros del equipo del servicio y a la(s) persona (s) de la(s) relación (nes) significativa(s) del sujeto/paciente. Asimismo, las reflexiones sobre las transferências multifocales que se passan en estas relaciones. El diagnostico interdisciplinar previsto es co-construido, en el cotidiano, en la(s) reunión (nes) del equipo de profissionales, y que integrada a el proyeto terapêutico del sujeto/paciente. Este proyeto es coerente con su tratamiento en salud mental comunitária que incluye también una red de apoyo social. Se espera que esta reformulación teórica pueda contribuir a las futuras investigacciones interdisciplinares en psicologia nel tema propuesto.(AU)


Le concept de "syndrôme de l'institutionalisation" suivant Franco Basaglia est revu et reformulé pour la pratique des services sectcorisés de santé mentale dans le contexte de la reforme psychiatrique bresilienne Ce syndrôme est compris comme une specificité d'etre malade dont l'origine est psychosociale conséquence d'une evolution du processus d'une souffrance psychique construite ou reforcée dans le parcours d'adaptation à l'institutionnalisation du sujet/patient où il éprouve experience des relations de subordination et de contrainte morale et/ou psychologique pendant l'intervention et/ou l'enfermement dans l'ambience hopitalière, ambulatoire ou une autre institution totale. Le traÎtement thérapeutique de ce cadre clinique est impliqué dans le processus de desinstitutionnalisation et de transformation de la culture excludante asilaire qui a introduit de la normativité dans la relation contractuelle de soin engendrant ainsi des conditions de possibilités d'actions cliniques interdisciplinaires plutôt orientée dans le travaille thérapeutique qui articule l'intervention entre le service sectorisé de santé mentale et celui de la medicine de famille Dans ce contexte, la relation thérapeutique dialogique et en reseau social suppose un processus d'empathie entre le thérapeute et le patient, entre le therapeute et les membres du groupe soigant et les personnes de(s) la (les) relation(s) significative(s) du sujet/patient. Les reflexions sur les transferts multifocaux doivent être aussi envisagés dans la compreénsion de ces relations. Le diagnostique interdisciplinaire prévu se fait dans l'ambience quotidienne en co-construction de sens avec les professionels dans la(es) réunion(s) du groupe soignant. Diagnostique consideré comme un element integré au projet thérapeutique du sujet/patient et en cohérence avec son traitement en service sectorisé qui inclu aussi un reseau de soutien social. On espère que cette réformulation théorique puisse contribuer pour les prochaines recherches interdisciplinaires en psychologie dans ce domaine d'études.(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Estresse Psicológico , Institucionalização , Saúde Mental , Saúde da Família , Hospitais , Administração Hospitalar
6.
Psicol. teor. pesqui ; 26(1): 49-55, jan.-mar. 2010.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-548949

RESUMO

O objetivo deste artigo é analisar as concepções sobre o inconsciente ligadas ao cotidiano da prática terapêutica de rede, como contribuição à clínica em saúde mental. A pesquisa participante foi realizada em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) na cidade de São Paulo. Os resultados mostraram as concepções mais frequentes: o inconsciente como inconsciência, o inconsciente como desconhecimento e o inconsciente como método de escuta do sujeito e das relações na instituição. Demonstram uma flexibilidade teórica que pode permitir articulações complexas nas diversas intervenções no cotidiano da equipe referentes às subjetividades e saberes sobre o inconsciente, psicanalíticos ou não. Conclui-se que a elucidação desse saber prático sobre o inconsciente contribui para o aprofundamento dessa temática no campo da reforma psiquiátrica.


The goal of this article is to analyze the conceptions about the unconscious connected with the everyday life of the therapeutic practice network, as a contribution to the mental health clinical approach. The participant research took place in a Psychosocial Care Center at São Paulo countryside. The results showed the most frequent conceptions: unconscious as unconsciousness, unconscious as ignorance, and unconscious as a method to listen to the subject and to the relationships in the institution. Those results demonstrate a theoretical flexibility that allows complex articulations in diverse interventions in the everyday life of the team referring to subjectivities and knowledge about unconscious, related or not to psychoanalysis. It is concluded that practical knowledge elucidation about unconscious contributes to this subject deepening in the psychiatric reform.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Saúde Mental , Inconsciente Psicológico , Serviços de Saúde Mental
7.
Psicol. teor. pesqui ; 26(1): 49-55, jan.-mar. 2010.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-55549

RESUMO

O objetivo deste artigo é analisar as concepções sobre o inconsciente ligadas ao cotidiano da prática terapêutica de rede, como contribuição à clínica em saúde mental. A pesquisa participante foi realizada em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) na cidade de São Paulo. Os resultados mostraram as concepções mais frequentes: o inconsciente como inconsciência, o inconsciente como desconhecimento e o inconsciente como método de escuta do sujeito e das relações na instituição. Demonstram uma flexibilidade teórica que pode permitir articulações complexas nas diversas intervenções no cotidiano da equipe referentes às subjetividades e saberes sobre o inconsciente, psicanalíticos ou não. Conclui-se que a elucidação desse saber prático sobre o inconsciente contribui para o aprofundamento dessa temática no campo da reforma psiquiátrica.(AU)


The goal of this article is to analyze the conceptions about the unconscious connected with the everyday life of the therapeutic practice network, as a contribution to the mental health clinical approach. The participant research took place in a Psychosocial Care Center at São Paulo countryside. The results showed the most frequent conceptions: unconscious as unconsciousness, unconscious as ignorance, and unconscious as a method to listen to the subject and to the relationships in the institution. Those results demonstrate a theoretical flexibility that allows complex articulations in diverse interventions in the everyday life of the team referring to subjectivities and knowledge about unconscious, related or not to psychoanalysis. It is concluded that practical knowledge elucidation about unconscious contributes to this subject deepening in the psychiatric reform.(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Inconsciente Psicológico , Saúde Mental , Serviços de Saúde Mental
8.
Rev. bras. med. fam. comunidade ; 2(5): 15-22, 17.nov.2006.
Artigo em Português | Coleciona SUS, Coleciona SUS | ID: biblio-878264

RESUMO

O objetivo proposto foi investigar como a saúde mental está inserida na prática da atenção integral do Programa de Saúde da Família (PSF). Nesse sentido, foi realizada em Recife uma pesquisa participante em uma unidade desse Programa, na qual, após diálogo com a equipe, decidiu-se focalizar os aspectos psicossociais ligados a essa atenção integral. Para isso, elaborou-se um questionário, que, posteriormente, foi aplicado a uma amostra empírica de 88 pessoas que tomavam "remédio controlado" em saúde mental. O perfil desses pacientes mostra uma tendência à inserção social precária. Os percursos terapêuticos apontam que o PSF não estaria funcionando como "porta de entrada" em saúde mental. Algumas concepções populares foram constatadas, dentre elas: convulsão, nervos, depressão e deficiência mental. As medicações mais utilizadas foram: diazepam, gardenal e haldol. Observou-se que 44,3% dos que se submeteram ao estudo foram internados. Nas considerações finais, dá-se ênfase à compreensão do conhecimento de senso comum dos pacientes nas ações integrativas de saúde/saúde mental, bem como ao trabalho terapêutico em rede de serviços.


The objective was to investigate how mental health is embedded in the practice of comprehensive care of the family health program (PSF). In this sense, was held in Recife a research participant in a program unit, in which, after dialogue with the team, it was decided to focus on psychosocial aspects linked to that integral attention. For this, a questionnaire was elaborated, which subsequently was applied to an empirical sample of 88 people who were taking


El objetivo fue investigar la salud mental cómo está incrustado en la práctica de la completa atención del programa de salud familiar (PSF). En este sentido, se llevó a cabo en Recife un participante de la investigación en una unidad de programa, en el que, después de diálogo con el equipo, se decidió centrarse en aspectos psicosociales vinculados a las que atención integral. Para ello, se elaboró un cuestionario, que posteriormente se aplicó a una muestra empírica de 88 personas que estaban tomando


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Recém-Nascido , Lactente , Pré-Escolar , Criança , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Saúde Mental , Colaboração Intersetorial , Estratégia Saúde da Família
9.
Estud. psicol. (Campinas) ; 22(3): 301-308, jul.-set. 2005.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-467315

RESUMO

O objetivo principal deste artigo é elucidar aspectos teóricos básicos para uma compreensão da prática complexa do psicólogo clínico no contexto da reforma psiquiátrica, enfatizando a importância da cultura e do cotidiano. Essa prática implica uma interatividade colaborativa e continuada de caráter interdisciplinar e comunitário. Parte-se de um enfoque psicossocial que valoriza a dinâmica das redes sociais, a cooperação entre profissionais e desses com os usuários. Os aspectos discutidos são: experiência cultural; dinâmica entre oferta de serviço, demanda do usuário e dialógica relacional; sofrimento psíquico, cujo entendimento considera a visão de mundo e mitos culturais do usuário. Destacou-se que as regras informais e interpessoais tenderiam a influenciar o cotidiano do profissional, interferir nas decisões e nas mudanças institucionais. A dialógica relacional supõe uma ressignificação do sofrimento psíquico e da visão de mundo do usuário que passaria pela reinvenção dos mitos culturais excludentes referentes à loucura. Nas considerações finais, dá-se importância à desconstrução institucional como processo de inclusão social.


The main objective of this article is to clarify basic theoretical constructs about lhe complexity of clinical psychologist practice in the context of psychiatric reform, with an emphasis on lhe influence of everyday life and culture in therapeutic interventions involving community networks. This practice implies interdisciplinary collaboration and continuous interactions with lhe community. The psychosocial approach adopted highlights lhe dynamic of social networks and the cooperation between professionals and patients. The aspects discussed in this article are: cultural experience; the interactions involving mental health services, the demand of patients, and the dialogue in therapeutic relations; psychological suffering, whose understanding takes into account lhe patients' world vision and cultural myths. It was emphasized here that informal and interpersonal rules tend to influence lhe professionals' daily practice, and interfere with institutional decisions and changes. The dialogical communication in therapeutic interaction supposes patients' psychic suffering and world vision, which would require reinvention of cultural myths of social exclusion regarding madness. As final considerations, importance is given to de-institutionalization mental institutions as a process of social inclusion.


Assuntos
Hospitais Psiquiátricos , Psicologia
10.
Estud. psicol. (Campinas) ; 22(3): 301-308, jul.-set. 2005.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-29214

RESUMO

O objetivo principal deste artigo é elucidar aspectos teóricos básicos para uma compreensão da prática complexa do psicólogo clínico no contexto da reforma psiquiátrica, enfatizando a importância da cultura e do cotidiano. Essa prática implica uma interatividade colaborativa e continuada de caráter interdisciplinar e comunitário. Parte-se de um enfoque psicossocial que valoriza a dinâmica das redes sociais, a cooperação entre profissionais e desses com os usuários. Os aspectos discutidos são: experiência cultural; dinâmica entre oferta de serviço, demanda do usuário e dialógica relacional; sofrimento psíquico, cujo entendimento considera a visão de mundo e mitos culturais do usuário. Destacou-se que as regras informais e interpessoais tenderiam a influenciar o cotidiano do profissional, interferir nas decisões e nas mudanças institucionais. A dialógica relacional supõe uma ressignificação do sofrimento psíquico e da visão de mundo do usuário que passaria pela reinvenção dos mitos culturais excludentes referentes à loucura. Nas considerações finais, dá-se importância à desconstrução institucional como processo de inclusão social (AU)


Assuntos
Psicologia , Hospitais Psiquiátricos
11.
Psicol. ciênc. prof ; 25(2): 228-239, 2005.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-477597

RESUMO

O processo de desinstitucionalização prioriza a atenção em saúde mental nos serviços comunitários e o trabalho terapêutico em rede social. A partir da demanda do usuário e/ou família, é possível construir, nessa prática complexa, uma rede social de apoio articulada ao processo terapêutico, incluindo cuidados religiosos, e que funcione como sistema de amparo social em situação de sofrimento. O objetivo deste artigo é refletir sobre essa construção e suas implicações para a clínica da atenção psicossocial. Percursos terapêuticos em diferentes países demonstram que existem, em diversos contextos culturais, pacientes que circulam entre os serviços oficiais de saúde e os cuidados religiosos. Essa situação se repete em usuários de uma clínica-escola pública brasileira onde se observa que eles parecem orientar-se por um pensamento sincrético que seria capaz de dar uma certa coerência tanto a múltiplos aspectos do sofrimento quanto à busca de diversos cuidados à saúde mental. A OMS tem adotado, nestas últimas décadas, uma postura de tendência inclusiva relativa aos serviços culturais de saúde. Esse fato reforça que é fundamental a ampliação de pesquisas sobre sistemas terapêuticos (oficial e cultural), como propõe Tobie Nathan. Numa rede de apoio, esses dois sistemas não estão em concorrência, mas em cooperação, e com a intenção de auxiliar, proteger e socorrer o usuário e/ou família que sofre. Essas interações podem estar ligadas à psicoterapia (complexa e dialógica), exigindo, assim, tanto uma atenção preventiva quanto uma certa margem de risco interativo.


In the deinstitutionalization process the priority is mental health care in community healthcare clinics and the use of the network therapeutic approach. In order to respond to patients' (and/or their families') needs, this complex practice enables the building of a social support network concomitantly with the therapeutic process, including religious care, to operate as a system of social relations that offers protection for people in suffering situations. The objective of this paper is to discuss the construction of such support network and its implications for a psychosocial clinical approach. Therapeutic itineraries in different countries evidence the existence of patients who resort to public healthcare services and religious care in various cultural contexts. This situation is reproduced in one public university clinic in Brazil where it was observed that clients are apparently guided by a logic of religious syncretism that seem to render some coherence to multiple aspects of suffering as well as to their seeking for various types of mental health care. WHO policy in the last decades has tended to admit alternative care that is culturally accepted. This reinforces the idea that it is fundamental to extend research on therapeutic systems (both official and cultural systems), as proposed by Tobie Nathan. According to the network therapeutic approach, the two systems do not compete, but cooperate to assist and protect patients (and/or their families) who suffer. These interactions could be linked to psychotherapy (complex and dialogical), thus requiring preventive care concerning potential risks posed by such interactivity.


Assuntos
Humanos , Desinstitucionalização , Saúde Mental , Apoio Social , Atenção à Saúde
12.
Psicol. ciênc. prof ; 25(2): 228-239, 2005.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-32863

RESUMO

O processo de desinstitucionalização prioriza a atenção em saúde mental nos serviços comunitários e o trabalho terapêutico em rede social. A partir da demanda do usuário e/ou família, é possível construir, nessa prática complexa, uma rede social de apoio articulada ao processo terapêutico, incluindo cuidados religiosos, e que funcione como sistema de amparo social em situação de sofrimento. O objetivo deste artigo é refletir sobre essa construção e suas implicações para a clínica da atenção psicossocial. Percursos terapêuticos em diferentes países demonstram que existem, em diversos contextos culturais, pacientes que circulam entre os serviços oficiais de saúde e os cuidados religiosos. Essa situação se repete em usuários de uma clínica-escola pública brasileira onde se observa que eles parecem orientar-se por um pensamento sincrético que seria capaz de dar uma certa coerência tanto a múltiplos aspectos do sofrimento quanto à busca de diversos cuidados à saúde mental. A OMS tem adotado, nestas últimas décadas, uma postura de tendência inclusiva relativa aos serviços culturais de saúde. Esse fato reforça que é fundamental a ampliação de pesquisas sobre sistemas terapêuticos (oficial e cultural), como propõe Tobie Nathan. Numa rede de apoio, esses dois sistemas não estão em concorrência, mas em cooperação, e com a intenção de auxiliar, proteger e socorrer o usuário e/ou família que sofre. Essas interações podem estar ligadas à psicoterapia (complexa e dialógica), exigindo, assim, tanto uma atenção preventiva quanto uma certa margem de risco interativo


Assuntos
Humanos , Desinstitucionalização , Saúde Mental , Apoio Social , Atenção à Saúde
13.
Estud. psicol. (Natal) ; 9(2): 373-379, maio-ago. 2004.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-404946

RESUMO

O objetivo principal deste artigo é dar uma contribuição teórica psicossocial ao trabalho terapêutico em rede social, recomendado para os serviços comunitários, no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Considera-se que a porta de entrada desses serviços no SUS (Sistema Unificado de Saúde) seria o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) em saúde mental e o PSF (Programa de Saúde da Família) em saúde geral. O trabalho terapêutico em rede social, nessa primeira micro-organização territorial, funcionaria no interior de uma rede articulada e solidária de unidades sanitárias e inserido em políticas públicas de não abandono ao usuário. Estuda-se principalmente o processo de desconstrução das redes de instituições totais em saúde mental, no circuito hospitalocêntrico, e a construção de um novo sistema de saúde mental que funcione numa dinâmica institucional autopoiética. Essa situação facilitaria então as mediações dialógicas nas relações terapêuticas e entre os diversos atendimentos, com conexões intra e inter institucionais, como também contribuiria para a inserção social do usuário. Em conseqüência, a psicoterapia praticada no CAPS incluiria tanto a possibilidade de variações no enquadre, quanto às intervenções na rede pessoal significativa do usuário, quando necessárias. Conclui-se que estaria havendo, em muitos casos, decalagem entre a teorização proposta e a prática instituída no SUS. Recomenda-se que nas práticas técnico-profissionais e nas políticas públicas sejam tomadas medidas concretas que possam superar esta situação no sentido de melhor qualificar os atendimentos em saúde mental.


Assuntos
Serviços Comunitários de Saúde Mental , Saúde Mental , Psicologia Social , Psicoterapia , Pesquisas sobre Serviços de Saúde/métodos , Sistema Único de Saúde
14.
Estud. psicol. (Natal) ; 9(2): 373-379, mai.-ago. 2004.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-33765

RESUMO

O objetivo principal deste artigo é dar uma contribuição teórica psicossocial ao trabalho terapêutico em rede social, recomendado para os serviços comunitários, no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Considera-se que a porta de entrada desses serviços no SUS (Sistema Unificado de Saúde) seria o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) em saúde mental e o PSF (Programa de Saúde da Família) em saúde geral. O trabalho terapêutico em rede social, nessa primeira micro-organização territorial, funcionaria no interior de uma rede articulada e solidária de unidades sanitárias e inserido em políticas públicas de não abandono ao usuário. Estuda-se principalmente o processo de desconstrução das redes de instituições totais em saúde mental, no circuito hospitalocêntrico, e a construção de um novo sistema de saúde mental que funcione numa dinâmica institucional autopoiética. Essa situação facilitaria então as mediações dialógicas nas relações terapêuticas e entre os diversos atendimentos, com conexões intra e inter institucionais, como também contribuiria para a inserção social do usuário. Em conseqüência, a psicoterapia praticada no CAPS incluiria tanto a possibilidade de variações no enquadre, quanto às intervenções na rede pessoal significativa do usuário, quando necessárias. Conclui-se que estaria havendo, em muitos casos, decalagem entre a teorização proposta e a prática instituída no SUS. Recomenda-se que nas práticas técnico-profissionais e nas políticas públicas sejam tomadas medidas concretas que possam superar esta situação no sentido de melhor qualificar os atendimentos em saúde mental. (AU)


Assuntos
Saúde Mental , Psicoterapia , Psicologia Social , Serviços Comunitários de Saúde Mental , Pesquisas sobre Serviços de Saúde/métodos , Sistema Único de Saúde
15.
Psicol. estud ; 8(1): 23-29, jan.-jun. 2003.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-392795

RESUMO

Trabalhar a implicação do pesquisador é fundamental na investigação clínica. A implicação psicoafetiva é entendida como parte integrante do processo cognoscitivo, permitindo o elo entre o saber e a vivência afetiva do observador clínico durante o processo de conhecimento. A prática lhe suscita representações, valores, emoções, que, associados ao contexto de trabalho, podem permitir a valorização ou não de certas temáticas e percursos teóricos e metodológicos do pesquisador. Este artigo mostra a importância deste estudo na abordagem clínica e na prática investigativa, através de exemplos de experiências implicativas de uma pesquisadora iniciante que atua como colaboradora de um sistema terapêutico-investigativo (supervisão, atendimento e pesquisa). Observa-se que esta implicação aparece sobretudo como um ôterceiro incluídoõ, que permitiria sobretudo evitar a reificação das análises clínicas.

16.
Psicol. estud ; 8(1): 23-29, jan.-jun. 2003.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-22882

RESUMO

Trabalhar a implicação do pesquisador é fundamental na investigação clínica. A implicação psicoafetiva é entendida como parte integrante do processo cognoscitivo, permitindo o elo entre o saber e a vivência afetiva do observador clínico durante o processo de conhecimento. A prática lhe suscita representações, valores, emoções, que, associados ao contexto do trabalho, podem permitir a valorização ou não de certas temáticas e percursos teóricos e metodológicos do pesquisador. Este artigo mostra a importância deste estudo na abordagem clínica e na prática investigativa, através de exemplos de experiências implicativas de uma pesquisadora iniciante que atua como colaboradora de um sistema terapêutico-investigativo (supervisão, atendimento e pesquisa). Observa-se que esta implicação aparece sobretudo como um 'terceiro incluído', que permitiria sobretudo evitar a reificação das análises clínicas(AU)


Assuntos
Psicologia Clínica
17.
Psicol. ciênc. prof ; 23(3): 34-41, 2003.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-429620

RESUMO

Trata-se de uma pesquisa participante que focaliza a dialogicidade, subjacente à prática clínica psicossocial, com o cliente dito "psicótico", no contexto de uma clínica-escola federal. Nessa, os observadores, trabalhando em sistema terapêutico investigativo (STI), selecionaram uma amostra de sessões individuais. A análise efetuada destaca que a empatia, a disponibilidade, a solidariedade e a transferência amistosa seriam indispensáveis para manter a dialogicidade. A prática das entrevistas clínicas tendem a acompanhar as variações de enquadre e momentos de sofrimento do cliente. Entretanto, a identificação do cliente ao papel de doente/louco e a falta de serviço de reinserção social teriam dificultado a eficácia terapêutica


Assuntos
Humanos , Prática Psicológica , Transtornos Psicóticos , Psicologia Social/métodos , Brasil , Entrevista Psicológica , Processos Psicoterapêuticos , Psicoterapia , Saúde Pública
18.
Psicol. ciênc. prof ; 23(3): 34-41, 2003.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-30287

RESUMO

Trata-se de uma pesquisa participante que focaliza a dialogicidade, subjacente à prática clínica psicossocial, com o cliente dito 'psicótico', no contexto de uma clínica-escola federal. Nessa, os observadores, trabalhando em sistema terapêutico investigativo (STI), selecionaram uma amostra de sessões individuais. A análise efetuada destaca que a empatia, a disponibilidade, a solidariedade e a transferência amistosa seriam indispensáveis para manter a dialogicidade. A prática das entrevistas clínicas tendem a acompanhar as variações de enquadre e momentos de sofrimento do cliente. Entretanto, a identificação do cliente ao papel de doente/louco e a falta de serviço de reinserção social teriam dificultado a eficácia terapêutica(AU)


Assuntos
Humanos , Psicologia Social/métodos , Transtornos Psicóticos , Prática Psicológica , Saúde Pública , Psicoterapia , Brasil , Processos Psicoterapêuticos , Entrevista Psicológica
19.
Interaçöes estud. pesqui. psicol ; 4(7): 99-113, jan.-jun. 1999.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-396754

RESUMO

Este trabalho critica a supervisão de estágio em psicologia clínica quando reduzida a mera atividade didática e aplicativista na qual os sujeitos implicados não estão em posição de interlocutores. Propõe a supervisão como pesquisa participante clínica. Este sistema complexo engloba, de um lado, formação, atendimento, pesquisa e, de outro, supervisor, supervisionando e outros em cooperação e em co-construção conjunta de conhecimento. Os momentos que se destacam na pesquisa (exploratório, trabalho de campo, laboratorial) não são obviamente estanques. A análise de implicação do supervisor atravessa estes momentos, tornando-se fundamental no tratamento do material. O aspecto político é lembrado e sugere-se que esta atividade seja situada no processo de desinstitucionalização em curso no sistema de saúde mental brasileiro


Assuntos
Administração de Recursos Humanos , Prática Psicológica , Teoria Psicológica , Psicologia Clínica , Pesquisa
20.
Interaçöes estud. pesqui. psicol ; 4(7): 99-113, jan.-jun. 1999.
Artigo em Português | Index Psicologia - Periódicos | ID: psi-18232

RESUMO

Este trabalho critica a supervisão de estágio em psicologia clínica quando reduzida a mera atividade didática e aplicativista na qual os sujeitos implicados não estão em posição de interlocutores. Propõe a supervisão como pesquisa participante clínica. Este sistema complexo engloba, de um lado, formação, atendimento, pesquisa e, de outro, supervisor, supervisionando e outros em cooperação e em co-construção conjunta de conhecimento. Os momentos que se destacam na pesquisa (exploratório, trabalho de campo, laboratorial) não são obviamente estanques. A análise de implicação do supervisor atravessa estes momentos, tornando-se fundamental no tratamento do material. O aspecto político é lembrado e sugere-se que esta atividade seja situada no processo de desinstitucionalização em curso no sistema de saúde mental brasileiro (AU)


Assuntos
Teoria Psicológica , Prática Psicológica , Organização e Administração , Pesquisa , Psicologia Clínica
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...