Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 3 de 3
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
J. coloproctol. (Rio J., Impr.) ; 39(3): 279-287, June-Sept. 2019. tab, ilus
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1040330

RESUMO

ABSTRACT Aim: The purpose of this review was to present and discuss the anatomical variations and congenital abnormalities of the vermiform appendix and mesoappendix reported in recent years, and their associations with acute appendicitis and other associated pathologies. Methods: The search was carried out in the following databases: PubMed, Science Direct, and SciELO. Results: Thirty-seven studies were included in this review. Among the abnormalities of the vermiform appendix identified are agenesis and duplicity, and anatomical variations were related to length and positioning. Appendicular duplicity was a more frequent abnormality, mainly Type B2, associated with acute appendicitis, followed by agenesis, Type III. The first case of agenesis associated with acute appendicitis and volvulus-type duplicity of the appendix was identified. The most frequent position was retrocecal in adults and pelvic in children. In the mesoappendix, anatomical variations in its positioning, shape, absence, and length were identified. Conclusion: This review sought to present and discuss the anatomical variations and congenital abnormalities of the vermiform appendix and mesoappendix reported in recent years, and their associations with acute appendicitis and other associated pathologies, contributing to aid in clinical diagnosis and surgical interventions in patients with suspected acute appendicitis.


RESUMO Objetivo: O objetivo desta revisão foi apresentar e discutir as variações anatômicas e anomalias congênitas do apêndice vermiforme e mesoapêndice relatados nos últimos anos e suas associações com apendicite aguda e outras patologias associadas. Métodos: A busca foi realizada nas seguintes bases de dados: Pubmed, Science Direct e Scielo. Resultados: Trinta e sete estudos foram incluídos nesta revisão. Entre as anormalidades do apêndice vermiforme identificada estão agenesia e duplicidade e, variações anatômicas relacionadas ao comprimento e posicionamento. A duplicidade apendicular foi a anormalidade mais incidente, principalmente do Tipo B2, associada à apendicite aguda, seguida de agenesia do Tipo III. O primeiro caso de agenesia associada à apendicite aguda e à duplicidade de apêndice do tipo vólvulo foi identificado. A posição mais frequente foi a retrocecal em adultos e a pélvica em crianças. No mesoapêndice, foram identificadas variações anatômicas em seu posicionamento, formato, ausência e comprimento. Conclusão: Esta revisão procurou apresentar e discutir as variações anatômicas e anomalias congênitas do apêndice vermiforme e mesoapêndice relatados nos últimos anos e suas associações com apendicite aguda e outras patologias associadas contribuindo para o auxílio no diagnóstico clínico e intervenções cirúrgicas em pacientes com suspeita apendicite aguda.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Apêndice/anatomia & histologia , Apêndice/anormalidades , Apendicite , Anormalidades Congênitas , Variação Anatômica
2.
Rev. bras. cineantropom. desempenho hum ; 17(6): 722-732, Nov.-Dec. 2015. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: lil-771177

RESUMO

Abstract The aim of this study was to analyze the effect of flexibility training on the maximum range of motion levels and reach capacity of older women practitioners of aquatic exercises of the Prev-Quedas project. Participants were divided into two groups: intervention (IG, n = 25), which were submitted to flexibility training program and control (CG, n = 21), in which older women participated only in aquatic exercises. Flexibility training lasted three months with weekly frequency of two days, consisting of stretching exercises involving trunk and lower limbs performed after aquatic exercises. The stretching method used was passive static. Assessment consisted of the functional reach, lateral and goniometric tests. Statistical analysis was performed using the following tests: Shapiro-Wilk normality, ANCOVA, Pearson and Spearman correlations. Significant results for GI in gains of maximum range of motion for the right hip joint (p = 0.0025), however, the same result was not observed in other joints assessed, and there was no improvement in functional and lateral reach capacity for both groups. Significant correlations between reach capacity and range of motion in the trunk, hip and ankle were not observed. Therefore, flexibility training associated with the practice of aquatic exercises promoted increased maximum range of motion only for the hip joint; however, improvement in the reach capacity was not observed. The practice of aquatic exercises alone did not show significant results.


Resumo O objetivo do presente estudo foi analisar a influência de um treinamento de flexibilidade nos níveis de amplitude articular máxima e capacidade de alcance em idosas praticantes de hidroginástica participantes do projeto Prev-Quedas. As idosas foram alocadas em dois grupos: Intervenção (GI, n=25), no qual foram submetidas a um programa de treinamento de flexibilidade; e Controle (GC, n=21), no qual as idosas participavam, apenas, das aulas de hidroginástica. O treinamento de flexibilidade teve a duração de três meses e frequência semanal de dois dias, composto por exercícios de alongamento envolvendo tronco e membros inferiores, realizados após as aulas de hidroginástica. O método de alongamento utilizado foi o estático passivo. A aferição foi constituída pelos testes de alcance funcional, lateral e goniométrico. A análise estatística foi feita através dos seguintes testes: normalidade de Shapiro-Wilk, ANCOVA, correlação de Pearson e de Spearman. Foram encontrados resultados significativos para o GI no ganho de amplitude articular máxima na articulação do quadril direito (p=0,0025), porém, o mesmo não foi visto nas demais articulações aferidas, assim como também, não houve melhora na capacidade de alcance funcional e lateral para ambos os grupos. Também não foram vistas correlações significativas entre a capacidade de alcance e amplitude articular no tronco, quadril e tornozelo. Portanto, o treinamento de flexibilidade associado à prática da hidroginástica, promoveu aumento da amplitude articular máxima somente na articulação do quadril, contudo, não foi visto melhora na capacidade de alcance. A prática, somente da hidroginástica, apresentou resultados não significativos.

3.
Niterói; s.n; 2014. 139 p.
Tese em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-914019

RESUMO

O processo de envelhecimento acarreta uma série de mudanças anatômicas, fisiológicas, biomecânicas, psicológicas, afetivas e sociais. Essas alterações podem levar ao comprometimento da execução das atividades cotidianas e aumentar o risco de acidentes por queda. Atualmente, a queda no idoso é um episódio preocupante devido à alta incidência e suas consequências, afetando sua qualidade de vida. Entre os diversos fatores de risco, a debilidade do sistema de controle postural e a perda da flexibilidade foram escolhidas para estudo devido à possível relação entre eles. Desse modo, este trabalho teve como objetivo verificar o efeito crônico do treinamento de flexibilidade sobre o controle postural de idosas praticantes de hidroginástica participantes do projeto Prev-Quedas. A amostra foi composta por idosas participantes somente da hidroginástica, selecionadas de forma não probabilística, atendendo aos critérios de elegibilidade. Foram formados dois grupos: o grupo intervenção (GI) composto por 25 idosas que participaram de um programa com exercícios de flexibilidade, além da hidroginástica e o grupo controle (GC), formado por 21 idosas que realizaram apenas a hidroginástica. As idosas foram submetidas às avaliações: antropométrica, da capacidade cognitiva, da força de preensão manual, do controle postural e da amplitude articular máxima. O tratamento estatístico foi feito por meio do software BIOESTAT. 5.2. Foram aplicados testes de comparação e correlação inter e intragrupos. Para analisar a distribuição dos dados foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk com o objetivo de designar testes paramétricos e não paramétricos para cada ocasião. Nas comparações foram utilizados os testes t de Student para amostras dependentes e independentes não paramétricas, Mann-Whitney para as independentes paramétricas e Wilcoxon para as amostras dependentes não paramétricas. Para correlacionar os dados foram utilizados o teste de correlação de Pearson para as amostras paramétricas e Spearman para não paramétricas. O nível de significância adotado foi p ≤ 0,05. Os resultados revelaram que o treinamento de flexibilidade associado à prática da hidroginástica, apesar de promoverem aumento na amplitude articular, não acarretou resultados positivos significativos nos indicadores de controle postural em idosas participantes do projeto Prev-Quedas. O grupo controle apresentou melhora significativa da velocidade média, deslocamento total do COP no eixo ântero-posterior, além da capacidade de alcance lateral para ambos os lados e uma redução no tempo de permanência em apoio unipodal. Não foram encontradas correlações significativas entre os valores de Δ goniométricos com aqueles referentes aos testes de controle postural para ambos os grupos. Portanto, o treinamento de flexibilidade associado à prática da hidroginástica não acarretou resultados significativos nos indicadores de controle postural em idosas, embora tenha promovido aumento da amplitude articular máxima nas articulações do quadril e tornozelo. As descobertas expostas sugerem a elaboração de estudos transversais ou longitudinais que abordem o efeito de um programa de exercícios de flexibilidade sobre o controle postural em idosas ativas para contribuir com futuras discussões sobre essa temática


The aging process involves a series of anatomical, physiological, biomechanical, psychological, emotional and social changes. These changes may lead to impairment performance daily activities and increase the risk of accidents from falls. Currently, the fall in the elderly is a worrying episode due to the high incidence and consequences, affecting their quality of life. Among the many risk factors, the weakness of the balance control system and the loss of flexibility were chosen for study because of the possible relationship between them. Thus, this study aimed to determine the chronic effect of flexibility training on balance control in elderly women engaged in water aerobics participants in Prev-Quedas project. The sample consisted of participants only the elderly water aerobics, selected nonprobabilistically manner, meeting the eligibility criteria. Two groups were formed: the intervention group (IG) consisting of 25 elderly that participated in a program with flexibility exercises, in addition to water aerobics and the control group (CG) consisting of 21 elderly women who underwent only water aerobics. Older underwent evaluation: anthropometric, cognitive ability, handgrip strength, postural balance and maximum range of motion articular. Statistical analysis was performed using the BioStat 5.2 software. Comparison and correlation inter and intra-groups tests were applied. To analyze the distribution of data, the Shapiro-Wilk test aiming to describe parametric and non-parametric tests for each occasion was used. In comparisons the Student t test for non parametric dependent and independent samples was applied, Mann-Whitney test for independent parametric and Wilcoxon tests for non parametric dependent samples were used. To correlate the data the Pearson correlation test were used for parametric samples and Spearman non parametric. The level of significance was p ≤ 0,05. The results revealed that training of flexibility associated with the practice of water aerobics, despite promote increased on the range of motion, not had significant positive results in indicators of postural balance in elderly participants in Prev-Quedas project. The control group showed significant improvement in average speed, total displacement in anteroposterior axis of the COP, and the ability to reach for both lateral sides and a reduction in time spent on one foot. No significant correlations between the values of Δ goniometric those related to postural control tests for both groups were found. Therefore, flexibility training associated with the practice of water aerobics has not resulted in significant indicators of postural balance in older adults, although promoted increased on maximum range of motion in the hip and ankle. The findings suggest the development of exposed transverse or longitudinal studies that address the effect of a program of flexibility exercises on balance control in active elderly to contribute to future discussions on this topic


Assuntos
Idoso , Exercícios de Alongamento Muscular , Equilíbrio Postural , Amplitude de Movimento Articular
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA