Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
2.
Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul ; 33(2): 121-127, 2011. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-599960

RESUMO

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é uma doença mental grave, com graves consequências para a dinâmica familiar. Desta forma, o envolvimento dos pais parece ser determinante na resolução dos sintomas desse transtorno. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade da evidência para a recomendação de terapia cognitivo-comportamental (TCC) com intervenção familiar para crianças e adolescentes com TOC. A busca sistemática foi realizada nas bases de dados MEDLINE/PubMed, seguida da análise de resumos e artigos na íntegra por dois avaliadores independentes. Posteriormente, foi realizada a análise de evidência através do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE). O tamanho de efeito da intervenção foi calculado através do d de Cohen. Foram localizados 77 artigos no PubMed e mais 12 artigos após busca cruzada de referências. Destes, sete artigos foram incluídos na revisão, segundo os seguintes critérios: ser estudo de intervenção, envolver apenas crianças e/ou adolescentes e possuir diagnóstico clínico ou estruturado de TOC. A escala Children’s Yale-Brown Obsessive Compulsive Scale (CY-BOCS) foi utilizada por todos os artigos para a avaliação de desfecho, permitindo avaliar o tamanho de efeito das intervenções não controladas (d = 1,43), que resultou em uma diferença de médias de cerca 13 pontos (IC95 por cento 11,84-14,39; p < 0,001). Por outro lado, uma alta heterogeneidade foi detectada entre os estudos (I² = 67 por cento). A TCC com intervenção familiar parece ter um efeito importante na redução dos sintomas de TOC na infância e adolescência. No entanto, os poucos estudos disponíveis não nos permitem estabelecer um grau de evidência maior do que C para essa recomendação. Novos ensaios clínicos randomizados são necessários para confirmar essa recomendação.


Obsessive-compulsive disorder (OCD) is a severe mental disorder with serious consequences to family dynamics. Therefore, parental involvement seems to be a key factor for the successful treatment of this psychiatric disorder. The aim of this study was to evaluate the level of evidence available to allow recommendation of cognitive behavioral therapy (CBT) with family intervention for the treatment of children and adolescents with OCD. The systematic search was performed on MEDLINE/PubMed, followed by analysis of abstracts and full-length articles by two independent evaluators. Subsequently, an analysis of the evidence available was conducted using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. The effect size of the intervention was calculated using Cohen’s d. We found 77 articles on PubMed, plus 12 articles via cross-reference search. Of these, seven articles were included in this review, according to the following criteria: intervention study, involving only children and/or adolescents, and a having a structured or clinical diagnosis of OCD. The Children’s Yale-Brown Obsessive Compulsive Scale (CY-BOCS) was used for outcome evaluation in all articles, thus enabling assessment of the effect size of non-controlled interventions (d = 1.43), resulting in a mean difference of 13.11 points (95 percentCI 11.84-14.39; p < 0.001). Conversely, a high heterogeneity was detected among the studies (I² = 67 percent). Family-based CBT seems to have an important effect on the reduction of OCD symptoms in children and adolescents. However, the small number of studies available do not allow us to establish an evidence level higher than C for this recommendation. New randomized clinical trials are needed to confirm this recommendation.

3.
Saúde Soc ; 17(3): 33-41, jul.-set. 2008.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-493325

RESUMO

Este é um trabalho de natureza ensaística, resultado de reflexões sobre o desenvolvimento sustentável e a sua conexão com as ações de extensão universitárias e a violência. Discute as quatro dimensões básicas do desenvolvimento sustentável - a ética, a temporal, a social e a prática - e os princípios éticos da sustentabilidade, necessários para uma cultura de paz. Propõe uma nova práxis universitária, em que a departamentalização da instituição seja repensada a fim de abrir espaço para a construção de um ambiente de atuação transdisciplinar, formador de profissionais preparados para um futuro sustentável. Apresenta um serviço da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que, por meio da ação de extensão Projeto Proteger, estuda o comportamento violento e age para diminuir efetivamente a violência. Conclui que é papel da universidade formar profissionais em compasso com os valores do desenvolvimento sustentável, preparados para agir de forma ética e responsável com os recursos naturais e humanos, capazes de entender e interagir com a complexidade de problemas como a pobreza, as desigualdades sociais e a violência, que ameaçam os direitos humanos e as futuras gerações.


Assuntos
Saúde Pública , Desenvolvimento Sustentável , Universidades , Violência , Brasil
4.
Saúde Soc ; 17(3): 33-41, jul.-set. 2008.
Artigo em Português | LILACS-Express | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-58945

RESUMO

Este é um trabalho de natureza ensaística, resultado de reflexões sobre o desenvolvimento sustentável e a sua conexão com as ações de extensão universitárias e a violência. Discute as quatro dimensões básicas do desenvolvimento sustentável - a ética, a temporal, a social e a prática - e os princípios éticos da sustentabilidade, necessários para uma cultura de paz. Propõe uma nova práxis universitária, em que a departamentalização da instituição seja repensada a fim de abrir espaço para a construção de um ambiente de atuação transdisciplinar, formador de profissionais preparados para um futuro sustentável. Apresenta um serviço da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que, por meio da ação de extensão Projeto Proteger, estuda o comportamento violento e age para diminuir efetivamente a violência. Conclui que é papel da universidade formar profissionais em compasso com os valores do desenvolvimento sustentável, preparados para agir de forma ética e responsável com os recursos naturais e humanos, capazes de entender e interagir com a complexidade de problemas como a pobreza, as desigualdades sociais e a violência, que ameaçam os direitos humanos e as futuras gerações.(AU)


Assuntos
Violência , Desenvolvimento Sustentável , Universidades , Saúde Pública , Brasil
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...