Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 19 de 19
Filtrar
1.
Rev Panam Salud Publica;46, 2022. Special Issue Tobacco Control
Monografia em Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-56772

RESUMO

[ABSTRACT]. Objective. To assess the adoption of tobacco packaging and labeling policies based on the World Health Organization (WHO) Framework Convention on Tobacco Control (FCTC)’s Article 11 guidelines, in the WHO Region of the Americas (AMRO). Methods. We reviewed tobacco control laws in AMRO from the Campaign for Tobacco-Free Kids’ Tobacco Control Laws database. We analyzed four sub-policy areas for smoked and smokeless tobacco products: 1) health warning labels (HWLs), 2) constituents and emissions (C&Es), 3) misleading tobacco packaging and labeling, and 4) standardized “plain” packaging. Results. Of 35 countries in AMRO, 31 have tobacco packaging and labeling laws. Twenty-six countries require pictorial HWLs, 24 require warnings printed on at least 50% of the front and back of the packs, and 24 rotate a single or multiple (from 2 to 16) warnings within a specified period (from 5 up to 24 months). Only 21 countries require descriptive messages on toxic C&Es information. Twenty-seven countries ban brand descriptors with references to implied harm reduction (e.g., “light”), 24 ban figures, colors, and other signs, but only 13 prohibit emission yields printed on the packs. Only Canada and Uruguay have adopted standardized tobacco pack- aging while Uruguay also requires a single presentation (one brand variant) per brand family. Conclusion. Many countries in AMRO have made good progress in adopting multiple, rotating, large picto- rial HWLs and banning misleading brand descriptors. However, there needs to be greater attention on other tobacco packaging and labeling provisions with a focus on implementing standardized tobacco packaging.


[RESUMEN]. Objetivo. Evaluar la adopción de las políticas de empaquetado y etiquetado de los productos de tabaco basadas en las Directrices del Artículo 11 del Convenio Marco para el Control del Tabaco (CMCT) de la Orga- nización Mundial de la Salud (OMS) en la Región de las Américas de la OMS. Métodos. Se examinaron las leyes de control del tabaco en la Región de las Américas de la base de datos de legislación para el control del tabaco de la organización Campaign for Tobacco-Free Kids. Se analiza- ron cuatro subáreas de políticas sobre los productos de tabaco para fumar y sin humo: 1) etiquetas de advertencia sanitaria; 2) componentes y emisiones; 3) empaquetado y etiquetado engañoso del tabaco, y 4) empaquetado "neutro" estandarizado. Resultados. De los 35 países de la Región, 31 disponen de leyes de empaquetado y etiquetado de los productos de tabaco. Veintiséis países requieren etiquetas de advertencia sanitaria con imágenes, 24 requi- eren advertencias impresas en al menos 50% de la parte frontal y posterior de los paquetes, y en 24 se rotan una o varias advertencias (entre 2 y 16) en un período específico (entre 5 y 24 meses). Solo 21 países requieren mensajes descriptivos sobre componentes y emisiones tóxicos. Veintisiete países prohíben los descriptores de marca con referencias a una supuesta reducción de daños (por ejemplo, "suaves"), 24 prohí- ben imágenes, colores y otros símbolos, aunque solo 13 prohíben que las cifras de emisiones figuren en los paquetes. Únicamente Canadá y Uruguay han adoptado un empaquetado estandarizado de los productos de tabaco, si bien en Uruguay también es obligatoria una presentación única (variante de marca) por familia de marca. Conclusión. Muchos países de la Región han logrado avances en la adopción de diferentes etiquetas rota- tivas de advertencia sanitaria con imágenes de gran tamaño y en la prohibición de descriptores de marca engañosos. Sin embargo, es necesario prestar mayor atención a otras disposiciones sobre el empaquetado y el etiquetado de los productos de tabaco destinadas a la aplicación de un empaquetado estandarizado de estos productos.


[RESUMO]. Objetivo. Avaliar a adoção de políticas de embalagem e etiquetagem de produtos de tabaco com base nas diretrizes do Artigo 11 da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (FCTC) da Organização Mundial da Saúde (OMS), na Região das Américas da OMS. Métodos. As leis de controle do tabaco na AMR foram examinadas com base no banco de dados das Leis de Controle do Tabaco da Campanha para Crianças Livres do Tabaco. Foram analisadas quatro subáreas de política para produtos de tabaco queimados/combustíveis e não geradores de fumaça: 1) advertências sanitárias, 2) componentes e emissões (C&E), 3) embalagem e etiquetagem enganosa de produtos de tabaco e 4) embalagem padronizada. Resultados. Dos 35 países da AMR, 31 têm leis sobre a embalagem e etiquetagem de produtos de tabaco. Vinte e seis países exigem imagens de advertência, 24 exigem advertências impressas que ocupem pelo menos 50% da frente (face anterior) e do verso (face posterior) das embalagens e 24 realizam rodízio de uma ou várias (de 2 a 16) advertências dentro de um período especificado (de 5 a 24 meses). Apenas 21 países exigem mensagens descritivas sobre C&E tóxicos. Vinte e sete países proíbem os descritores que levem a uma falsa impressão de redução de danos (por exemplo, “light”) e 24 proíbem o uso de figuras, cores e outros indicadores, mas apenas 13 proíbem a impressão do teor de emissões nas embalagens. Somente o Canadá e o Uruguai adotaram embalagens padronizadas para produtos de tabaco, e o Uruguai também exige uma única apresentação (uma variante de marca) por família de produto. Conclusão. Muitos países na AMR têm avançado na adoção de advertências sanitárias pictóricas, múltiplas, grandes e com rotatividade, bem como na proibição de termos enganosos nas embalagens. Porém, é preciso dar mais atenção a outras disposições sobre a embalagem e a etiquetagem dos produtos de tabaco, com foco na implementação de embalagens padronizadas.


Assuntos
Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental , Comunicação em Saúde , América , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental , Comunicação em Saúde , América , América , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental , Comunicação em Saúde
2.
Rev Panam Salud Publica ; 46, 2022. Special Issue Tobacco Control
Artigo em Inglês | PAHO-IRIS | ID: phr-56461

RESUMO

[ABSTRACT]. Countries in the Region of the Americas have been slow to adopt standardized packaging of tobacco prod- ucts. The objectives of this analysis are to report on the progress made in adopting such packaging in countries in the Region, review known tobacco industry strategies for opposing these policies and discuss the resources available to academics, advocates and policy-makers who might be interested in advancing the use of standardized packaging in the Region. Of the 23 countries worldwide that have fully adopted stan- dardized packaging laws, only 2 are in the Region (Canada and Uruguay). Six other countries (Brazil, Chile, Costa Rica, Ecuador, Mexico and Panama) have tried to introduce standardized packaging through draft bills, all of which have been delayed or withdrawn. There are indications that the tobacco industry has used its playbook of arguments to oppose the policy in those countries, including allegations that standardized pack- aging breaches national laws and international treaties protecting intellectual property, alongside threats of litigation. It is possible that these threats and allegations may have had a greater effect in the Region because of the lengthy (6 years) and costly (legal fees of US$ 10 million) international investment arbitration brought by Philip Morris International against Uruguay’s strong tobacco packaging laws. However, all of the industry’s arguments have been debunked, and national courts and international legal forums have upheld standard- ized packaging as a lawful policy. Governments in the Region of the Americas should follow the examples of Canada and Uruguay and reject the industry’s false arguments and litigation threats. This analysis discusses some of the financial and technical resources that can assist them.


[RESUMEN]. Los países de la Región de las Américas han tardado en adoptar el empaquetado estandarizado de los pro- ductos de tabaco. Los objetivos de este análisis son informar sobre el progreso realizado en la adopción de dicho empaquetado en los países de la Región, revisar las estrategias conocidas de la industria tabacalera para oponerse a estas políticas y abordar los recursos disponibles para la comunidad académica, los defen- sores de la causa y los responsables de formular las políticas que podrían estar interesados en fomentar el uso del empaquetado estandarizado en la Región. De los 23 países de todo el mundo que han adoptado plenamente leyes sobre el empaquetado estandarizado, solo dos se encuentran en la Región (Canadá y Uruguay). Otros seis países (Brasil, Chile, Costa Rica, Ecuador, México y Panamá) han tratado de introducir empaquetados estandarizados mediante proyectos de ley, los cuales han enfrentado demoras o han sido retirados. En esos países hay indicios de que la industria tabacalera ha recurrido a una cartilla de argumentos para oponerse a esta política, como acusaciones de que los empaquetados estandarizados violan las leyes nacionales y los tratados internacionales que protegen la propiedad intelectual, además de amenazas de litigios. Es posible que estas amenazas y alegatos hayan tenido un mayor efecto en la Región debido al largo (6 años) y costoso (costos legales de US$ 10 millones) arbitraje internacional en el ámbito de las inversiones presentado por Philip Morris International contra las fuertes leyes de empaquetado de tabaco de Uruguay. Sin embargo, todos los argumentos de la industria han sido desacreditados, y los tribunales nacionales y los foros jurídicos internacionales han defendido el empaquetado estandarizado como una política legal. Los gobiernos de la Región de las Américas deben seguir los ejemplos de Canadá y Uruguay y rechazar los argu- mentos falsos y las amenazas de litigio de la industria. En este análisis se examinan algunos de los recursos financieros y técnicos que pueden ayudarlos.


[RESUMO]. Os países da Região das Américas têm sido lentos em adotar embalagens padronizadas para produtos de tabaco. Os objetivos desta análise são: informar acerca do progresso feito na adoção de tais embalagens nos países da região; revisar as estratégias conhecidas da indústria do tabaco para se opor a essas políticas; e discutir os recursos disponíveis para acadêmicos, defensores e formuladores de políticas que possam estar interessados em avançar no uso de embalagens padronizadas na região. Dos 23 países do mundo que adotaram leis obrigando o uso de embalagens totalmente padronizadas, apenas 2 estão na região (Canadá e Uruguai). Seis outros países (Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, México e Panamá) tentaram introduzir embalagens padronizadas por meio de projetos de lei, os quais foram todos adiados ou retirados. Há indícios de que a indústria do tabaco usou seus argumentos habituais – incluindo alegações de que embalagens padronizadas violam leis nacionais e tratados internacionais de proteção à propriedade intelectual, além de ameaças de litígio – para se opor às políticas nesses países. É possível que essas ameaças e alegações tenham tido um efeito maior na região devido ao longo (6 anos) e dispendioso (US$ 10 milhões em hon- orários advocatícios) processo de arbitragem internacional iniciado pela Philip Morris International contra as fortes leis de embalagem de produtos de tabaco do Uruguai. Porém, todos os argumentos da indústria foram desmascarados e tanto os tribunais nacionais como fóruns jurídicos internacionais decidiram em favor da embalagem padronizada como política legal. Os governos da Região das Américas deveriam seguir os exemplos do Canadá e do Uruguai e rejeitar os argumentos falsos e as ameaças de litígio da indústria. Esta análise discute alguns recursos financeiros e técnicos que podem ajudá-los.


Assuntos
América , Indústria do Tabaco , Produtos do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental , América , Indústria do Tabaco , Produtos do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental , América , Indústria do Tabaco , Produtos do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Regulamentação Governamental
3.
Rev Panam Salud Publica ; 46, 2022. Special Issue Tobacco Control
Artigo em Inglês | PAHO-IRIS | ID: phr-56459

RESUMO

[ABSTRACT]. Objectives. To provide detailed information about how countries in the Region of the Americas are fulfilling the requirements set out in the guidelines for the implementation of Article 11 of the WHO Framework Convention on Tobacco Control in relation to the rotation of health warning labels and to identify possible challenges in the implementation of the laws or regulations governing the rotation. Methods. We first searched for and identified all the relevant laws or regulations pertaining to health warning labels on cigarette packs in 24 countries and territories in the Region of the Americas. We then analyzed these documents to see whether the requirements in the guidelines of the WHO Convention were being met, identi- fying similarities and differences across countries. Results. We found that the majority of countries (18/24) rotate the warning labels within the 12–36 month period recommended by the WHO Convention, and about half (13/24) have sets of 8 to 12 warning labels, thus complying with the additional regional guidance, which adds other stipulations. Across the Region, there is variability regarding transition periods between sets, which range from 1 to 6 months. In the majority of coun- tries, the leading authority in charge of warnings is the Ministry of Health. Conclusions. Our analysis shows that even when countries’ laws meet the requirements of the WHO Con- vention, there are still challenges. Most countries’ laws require future legislation or regulations to be adopted before new iterations of warnings can come into effect. If legal instruments are not adopted in a timely fashion – which is occurring in many countries – new warning labels are not implemented on time, and message fatigue becomes a risk.


[RESUMEN]. Objetivos. Proporcionar información detallada sobre cómo los países de la Región de las Américas están cumpliendo con los requisitos establecidos en las directrices para la aplicación del artículo 11 del Convenio Marco de la OMS para el Control del Tabaco en lo relativo a la rotación de las etiquetas con advertencias sanitarias, e determinar cuáles son los posibles retos en la aplicación de las leyes o regulaciones que rigen esta rotación. Métodos. En primer lugar, se buscaron las leyes o regulaciones pertinentes relacionadas con las etiquetas de advertencia sanitaria en los paquetes de cigarrillos en 24 países y territorios de la Región de las Américas y se indicó cuáles eran. A continuación, se analizaron estos documentos para comprobar si se cumplían los requisitos de las directrices del Convenio Marco de la OMS, y se señalaron las similitudes y las diferencias entre los países. Resultados. Se determinó que la mayoría de los países (18/24) rotan las etiquetas de advertencia en el período de 12 a 36 meses que se recomienda en el Convenio Marco de la OMS, y aproximadamente la mitad (13/24) disponen de conjuntos de 8 a 12 etiquetas de advertencia, de modo que también cumplen con la orientación regional, que añade otras estipulaciones. En los distintos países de la Región existe variabilidad con respecto al período de transición entre los conjuntos de etiquetas, y este oscila entre 1 y 6 meses. En la mayoría de los países, la principal autoridad encargada de las advertencias es el Ministerio de Salud. Conclusiones. Este análisis muestra que incluso cuando las leyes de los países cumplen con los requisitos del Convenio Marco de la OMS, persisten los retos. Las leyes de la mayoría de los países requieren que en el futuro se adopten leyes o regulaciones antes de que puedan entrar en vigor nuevas iteraciones de adver- tencias. Si no se adoptan de manera oportuna los instrumentos jurídicos, como está ocurriendo en muchos países, las nuevas etiquetas de advertencia no se aplican a tiempo y se corre el riesgo de que el mensaje cause una sensación de hartazgo.


[RESUMO]. Objetivos. Fornecer informações detalhadas sobre o cumprimento, pelos países da Região das Américas, dos requisitos estabelecidos nas diretrizes para a implementação do Artigo 11 da Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco em relação à rotatividade das advertências sanitárias, bem como identificar possíveis desafios na implementação das leis ou regulamentações que regem a rotatividade. Métodos. Inicialmente, pesquisamos e identificamos todas as leis ou regulamentações relativas a advertên- cias sanitárias em embalagens de cigarro em 24 países e territórios da Região das Américas. Em seguida, analisamos esses documentos para verificar se os requisitos das diretrizes da Convenção-Quadro da OMS estavam sendo cumpridos, identificando semelhanças e diferenças entre os países. Resultados. Constatamos que a maioria dos países (18/24) aplica a rotatividade das advertências no período de 12 a 36 meses, conforme recomendado pela Convenção-Quadro da OMS, e cerca de metade (13/24) dispõe de conjuntos de 8 a 12 advertências, cumprindo assim a orientação regional complementar, que acrescenta outras estipulações. Na Região, o período de transição entre os conjuntos varia de 1 a 6 meses. Na maioria dos países, a principal autoridade responsável pelas advertências é o Ministério da Saúde. Conclusões. Nossa análise mostra que, mesmo quando as leis nacionais satisfazem os requisitos da Con- venção-Quadro da OMS, ainda há desafios. A legislação da maioria dos países exige que as novas leis ou regulamentações entrem em vigor antes do início de novos ciclos de advertências. Caso os instrumentos legais não sejam adotados em tempo hábil — o que vem ocorrendo em muitos países — as novas etiquetas de advertência não são implementadas a tempo, com o consequente risco de fadiga da mensagem.


Assuntos
Nicotiana , Controle e Fiscalização de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , América , Nicotiana , Controle e Fiscalização de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , América , Controle e Fiscalização de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , América
4.
Rev. Bras. Cancerol. (Online) ; 68(4)Out-Dez. 2022.
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1437672

RESUMO

Introdução: O tabagismo persiste como grave problema de saúde pública, apesar dos avanços nos campos da saúde e legislativos, que culminaram em redução significativa na prevalência de fumantes. No entanto, a embalagem de cigarros continua exercendo papel publicitário em pontos de venda, festivais culturais e Internet. Essa estratégia reflete no aumento do tabagismo entre jovens, o que exige a implementação de novas medidas. A padronização das embalagens tem sido adotada internacionalmente, com resultados relevantes. Objetivo: Desvendar percepções e representações das embalagens padronizadas de cigarros entre adultos fumantes e não fumantes brasileiros, e identificar possíveis efeitos na experimentação, consumo e cessação do tabagismo. Método: Foram constituídos seis grupos focais em três capitais. Fumantes e não fumantes manipularam protótipos dessas embalagens, descrevendo experiências próximas da vida real. Os participantes também avaliaram as cores dos protótipos. Seus depoimentos foram submetidos à análise de conteúdo desenvolvida manualmente pelos pesquisadores, identificando percepções e representações, e apontando possíveis repercussões sobre o comportamento de fumar. Resultados: As percepções dos participantes apontaram menor atratividade e menor qualidade do produto, levando ao desinteresse em sua compra. As advertências sanitárias foram percebidas como mais proeminentes, tornando os riscos do tabagismo mais evidentes. Os resultados sugerem que essas embalagens desencorajam a experimentação e iniciação entre jovens, com potenciais estímulos à cessação do tabagismo. Conclusão: As embalagens padronizadas parecem gerar mudança de significação sobre o produto, que, ao romperem a representação positiva da personalidade do fumante transmitida pelas marcas de cigarros, direcionam sua imagem para uma realidade próxima das enfermidades associadas ao tabagismo


Introduction: Smoking persists as a serious public health problem, despite health and legislative advances, that have led to a significant reduction in the prevalence of smokers. Despite that, cigarette packs continues to play an advertising role at points of sale, cultural festivals and on the Internet. This strategy is reflected in the increase of smoking among young people, which requires the implementation of new measures. The standardization of cigarette packs has been adopted internationally, with relevant results. Objective: To unravel perceptions and representations of plain cigarette packs among adult smokers and non-smokers in Brazil, and to identify possible effects on experimentation, consumption and smoking cessation. Method: Six focus groups were set up in three capitals. Smokers and non-smokers manipulated prototypes of these packs, describing experiences close to real life. The participants also evaluated the colors of the prototypes. Their statements were submitted to content analysis, manually developed by the investigators, identifying perceptions and representations, and pointing out possible repercussions on smoking behavior. Results: The participants' perceptions indicated less attractiveness and lower quality of the product, leading to disinterest in purchasing it. Health warnings were perceived as more prominent, making the risks of smoking clearly evident. The results suggest that plain packs discourage experimentation and initiation among young people, with potential stimuli for smoking cessation. Conclusion:The standardized packs seem to generate a change in the product meaning, which, by breaking the positive representation of the smoker's personality, transmitted by cigarette brands, directs the smoker's image to a reality close to the diseases associated with smoking


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Percepção , Tabagismo , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco
5.
Rev. méd. Urug ; 37(2): e37206, 2021. tab, graf
Artigo em Espanhol | LILACS, BNUY | ID: biblio-1289847

RESUMO

Resumen: Introducción: los productos de tabaco están diseñados para ser atractivos, introduciéndose últimamente elementos aditivos y saborizantes. En Uruguay existen normativas que evitan la publicidad en cualquiera de sus formas, por esto, la atracción del propio producto de tabaco a través de su sabor y diseño es un factor importante para la elección por parte de los fumadores, en particular, jóvenes. Es relevante conocer qué productos se encuentran disponibles en nuestro medio y cuáles son accesibles cerca de centros educativos. Material y método: se realizó un estudio descriptivo, observacional, prospectivo de corte transversal. El protocolo de trabajo de campo se adaptó del Sistema de Vigilancia de paquetes de Tabaco de la Universidad de Johns Hopkins. Resultados: se identificaron 23 variedades. El 34,78% de los productos fueron saborizados, estando disponibles en 86,67% de los puntos de venta. Todas las cajas de los saborizados tenían alguna referencia que indicaba su condición. En la mitad, la marca sugería la presencia de sabor o su activación. El 87,5% de los filtros se referían a la activación del sabor y 37,5% agregaban caracteres tecnológicos para éste; 75% tenía sabor a menta y 24% doble sabor. Solo 39,1% tenía información de protección al menor. Conclusiones e implicancias: hay una gran disponibilidad de productos de tabaco saborizados, incrementado la variedad en los últimos años, siendo en Uruguay menor que en otros países. En ausencia de regulación específica sobre aditivos y saborizantes, los países podrían disminuir la oferta implementando presentación única por marca y prohibición total de la publicidad.


Summary: Introduction: tobacco products are designed to be attractive, and recently, flavour additives have been introduced in the market. In Uruguay, regulations in force prohibit all forms of publicity for these products. For this reason, attracting consumers to tobacco products by means of flavour and design constitutes an important factor in smokers' choice, in particular the young. Learning about products available in our market and those that are close to educational centers is relevant. Method: descriptive, observational, prospective and transversal study. The field work protocol was adapted from the Johns Hopkins University Tobacco Pack Surveillance System Project. Results: 23 varieties were identified. 34.78% of the products were flavoured, and they were available in 86,67% points of sale. All flavoured products' packs included a reference to its condition. In 50% of them, the brand suggested the presence or activation of flavour. 87.5% of filters referred to flavor activation and 37.5% added technological traits. 75% were mint flavoured and 24% were double-flavoured. Only 39.1% included minor protection information. Conclusions: there is great availability of flavoured tobacco products, the variety being greater in recent years, although lower in Uruguay if compared to other countries. In the absence of specific regulations on additives and flavouring substances, countries could reduce the offer by implementing a single presentation by brand and the complete banning of publicity.


Resumo: Introdução: os produtos do tabaco são projetados para serem atraentes, com aditivos e elementos aromatizantes recentemente introduzidos. No Uruguai, existem normas que proíbem a publicidade em qualquer de suas formas, portanto, a atração do próprio produto do tabaco pelo seu sabor e design é um fator importante na escolha dos fumantes, principalmente dos jovens. É importante saber quais produtos estão disponíveis em nosso ambiente e quais estão disponíveis próximos a centros educativos. Material e métodos: foi realizado um estudo transversal descritivo, observacional e prospectivo. O protocolo de trabalho de campo foi adaptado do Sistema de Vigilância de Pacotes de Tabaco da Universidade Johns Hopkins. Resultados: foram identificadas 23 marcas diferentes. 34,78% dos produtos eram aromatizados, estando disponíveis em 86,67% dos pontos de venda. A embalagem de todas as marcas com sabor tinha alguma referência indicando essa característica. A metade delas indicava a presença do sabor ou sua ativação. 87,5% dos filtros referiram-se à ativação do sabor e 37,5% agregaram sus características tecnológicas. 75% tinham sabor mentolado e 24% dois sabores. Apenas 39,1% possuíam informações de proteção à criança. Conclusões e implicações: há uma grande disponibilidade de produtos de tabaco aromatizados, e a variedade tem aumentado nos últimos anos, sendo menor no Uruguai que em outros países. Na ausência de regulamentação específica sobre aditivos e aromatizantes, os países poderiam reduzir a oferta implementando uma apresentação única por marca e a proibição total da publicidade.


Assuntos
Adolescente , Adulto Jovem , Tabagismo , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , Produtos do Tabaco , Publicidade de Produtos Derivados do Tabaco , Aromatizantes , Publicidade Direta ao Consumidor
6.
Multimedia | Recursos Multimídia | ID: multimedia-5705

RESUMO

Em 2016, a OMS definiu como tema as embalagens padronizadas de cigarro e correlatos para ser trabalhado internacionalmente a fim de incentivar os países a reforçarem as restrições sobre embalagens, que são formas de publicidade, promoção e patrocínio ainda em uso, e apoiar os governos e a sociedade civil contra a interferência da indústria do tabaco nos processos políticos que levam à adoção de leis de embalagem padronizada.


Assuntos
Neoplasias/prevenção & controle , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco
12.
Rio de Janeiro; INCA; 2014. 62 p. ilus.
Monografia em Português | Coleciona SUS, Inca | ID: biblio-940855

RESUMO

O objetivo deste documento é subsidiar o posicionamento do governo brasileiro que participará de um painel de disputa do Órgão de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio (OMC) frente à medida adotada pelo governo da Austrália, em 2012, que exige que todos os produtos de tabaco sejam vendidos em embalagens padronizadas. - pt


Assuntos
Masculino , Feminino , Humanos , Criança , Adolescente , Adulto , Adulto Jovem , Controle e Fiscalização de Produtos Derivados do Tabaco , Nicotiana , Rotulagem de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco
15.
Recurso na Internet em Português | LIS - Localizador de Informação em Saúde | ID: lis-27099

RESUMO

O Observatório da Política Nacional de Controle do Tabaco objetiva reunir, organizar e disponibilizar informações e conhecimentos atualizados sobre a implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco no Brasil, um tratado internacional de saúde pública que visa conter a epidemia do tabagismo em todo o mundo. O site informa sobre a política nacional antitabagismo, ambientes livres de tabaco, regulação de produtos, educação e conscientização etc. Disponibiliza legislação, ações judiciais entre outras.


Assuntos
Saúde Pública , Política de Saúde , Disseminação de Informação , Promoção da Saúde , Fumar , Controle e Fiscalização de Produtos Derivados do Tabaco , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Comercialização de Produtos Derivados do Tabaco , Publicidade de Produtos Derivados do Tabaco , Legislação , Disseminação de Informação , Produtos e Serviços de Informação , Serviços de Informação
16.
Rio de Janeiro; Inffinito;Afinal; 2011. 1 videocassete (19 min.).
Não convencional em Português | LILACS | ID: lil-599454

RESUMO

As decisões tomadas pelo Brasil com a criação de uma nova legislação para regulamentar a exibição da propaganda de cigarro nos grandes veículos de comunicação. A influência da propaganda tabagista na vida dos jovens brasileiros, expostos a este tipo de divulgação nos ambientes que frequentam. As estratégias de comunicação utilizadas pelas marcas de cigarro a fim de atraírem os jovens.


Assuntos
Humanos , Adolescente , Criança , Publicidade de Produtos Derivados do Tabaco , Tabagismo/efeitos adversos , Tabagismo/legislação & jurisprudência , Tabagismo/prevenção & controle , Meios de Comunicação de Massa/estatística & dados numéricos , Produtos de Venda Direta ao Consumidor , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco
19.
Recurso na Internet em Português | LIS - Localizador de Informação em Saúde | ID: lis-16214

RESUMO

Informações sobre tabagismo, abordando os seguintes aspectos: fatores de risco, auto-exame, como parar de fumar, programas nacionais de prevenção e avaliação, fumo e gravidez, doenças causadas pelo uso do cigarro, tabagismo passivo e outros tópicos ligados à saude. Faz também uma abordagem ambiental e econômica.


Assuntos
Saúde Pública , Fumar , Gravidez , Tabagismo , Nicotiana , Embalagem de Produtos Derivados do Tabaco , Publicidade de Produtos Derivados do Tabaco , Poluição por Fumaça de Tabaco , Abandono do Uso de Tabaco , Promoção da Saúde , 50207 , Educação em Saúde , 16672 , Estatísticas de Saúde
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA