Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 303
Filtrar
1.
Cardiol Rev ; 27(5): 260-266, 2019.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31393288

RESUMO

Long-acting basal insulins are used for the management of both type 1 and type 2 diabetes mellitus. Long-acting basal insulins were developed utilizing recombinant DNA technology and have been available since 2000 with the approval of insulin glargine U-100 followed by insulin detemir in 2005. In recent years, diabetes management has become more complex with the approval of insulin glargine U-300 and insulin degludec U-100 and U-200. Both insulin glargine U-300 and insulin degludec have been compared with insulin glargine U-100 and have demonstrated longer durations of action, as well as lower rates of hypoglycemia. This review discusses the Food and Drug Administration-approved long-acting insulins with a focus on recently approved agents and their efficacy and safety compared with the first long-acting basal insulins.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Insulina de Ação Prolongada/uso terapêutico , Guias de Prática Clínica como Assunto , Ensaios Clínicos como Assunto , Feminino , Humanos , Hipoglicemia/induzido quimicamente , Hipoglicemiantes/efeitos adversos , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/efeitos adversos , Insulina de Ação Prolongada/efeitos adversos , Masculino
2.
Can J Diabetes ; 43(7): 504-509.e1, 2019 Oct.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31256905

RESUMO

OBJECTIVES: This study evaluated real-world clinical outcomes of patients with type 1 diabetes (T1D) and type 2 diabetes (T2D) initiating or transferring to insulin glargine 300 U/mL (Gla-300) vs insulin glargine 100 U/mL (Gla-100). METHODS: This is a retrospective cohort study using data from the Canadian LMC Diabetes Patient Registry. The 4 following cohorts were analyzed: 1) insulin-naïve patients with T2D who initiated Gla-300 or Gla-100, 2) patients with T2D who switched from neutral protamine Hagedorn (NPH) or detemir to Gla-300 or Gla-100, 3) patients with T2D who switched from Gla-100 to Gla-300 and 4) patients with T1D who switched from Gla-100, NPH or detemir to Gla-300. RESULTS: Of 376 propensity score-matched insulin-naïve patients, 6-month reduction in glycated hemoglobin (A1C) was similar between Gla-300 (-1.78%±1.85%; p<0.001) and Gla-100 (-1.74%±1.87%; p<0.001). In 114 propensity score-matched patients who switched from NPH or detemir, 6-month reduction in A1C was similar between Gla-300 (-0.78%±1.14%) and Gla-100 (-0.70%±1.57%). The 396 patients who switched from Gla-100 to Gla-300 had a significant reduction in A1C (-0.45%±1.39%; p<0.001). In 196 patients with T1D who switched from Gla-100, NPH or detemir to Gla-300, there was a significant reduction in A1C of -0.17%±1.19% (p=0.04). CONCLUSIONS: In a real-world clinical setting, insulin-naïve patients who initiated Gla-300 or Gla-100 showed similar changes in A1C and weight. Patients with T1D or T2D using Gla-300 transferred from another basal insulin had significant reductions in A1C with no change in weight or insulin dose.


Assuntos
Biomarcadores/análise , Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Sistema de Registros/estatística & dados numéricos , Adulto , Glicemia/análise , Feminino , Seguimentos , Hemoglobina A Glicada/análise , Humanos , Hipoglicemia/induzido quimicamente , Hipoglicemia/prevenção & controle , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Prognóstico , Estudos Retrospectivos
3.
Endocr Pract ; 25(11): 1091-1100, 2019 Nov.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31241362

RESUMO

Objective: Type 2 diabetes (T2D) is more common in Hispanic than non-Hispanic white (NHW) populations worldwide, and ethnicity, among other factors, may affect response to therapy. The efficacy and safety of insulin glargine 100 units/mL (iGlar) and the fixed-ratio combination of iGlar and the glucagon-like peptide 1 receptor agonist lixisenatide (iGlarLixi) was assessed in Hispanic and NHW patients with T2D from 25 countries. Methods: In this post hoc analysis, data from two 30-week randomized controlled trials comparing iGlar and iGlarLixi in patients with T2D uncontrolled on basal insulin ± oral antidiabetes drugs (OADs; LixiLan-L: NCT02058160) or uncontrolled on metformin ± OADs (LixiLan-O: NCT02058147) were evaluated. Results: Of the 1,512 patients included across trials, 301 were Hispanic and 1,211 NHW. Compared with iGlar, iGlarLixi resulted in greater reductions in glycated hemoglobin (A1C) and 2-hour postprandial glucose and a higher proportion of patients at target A1C <7.0% (<53 mmol/mol), regardless of ethnicity. Among NHWs from the LixiLan-L trial, documented symptomatic hypoglycemia (plasma glucose ≤70 mg/dL) rates were higher with iGlar compared with iGlarLixi (P = .06), whereas this trend was reversed among Hispanics (P = .07). Nevertheless, in both trials, a greater proportion of patients taking iGlarLixi than iGlar reached the composite efficacy endpoints of target A1C without hypoglycemia and target A1C without weight gain, regardless of ethnicity. Conclusion: These results indicate that iGlarLixi is a viable therapeutic option for both Hispanic and NHW patients with T2D, as it is efficacious without a significant increase in hypoglycemia, irrespective of ethnicity. Abbreviations: A1C = glycated hemoglobin; BMI = body mass index; FPG = fasting plasma glucose; FRC = fixed-ratio combination; GLP-1 RA = glucagon-like peptide 1 receptor agonist; HDL-C = high-density-lipoprotein cholesterol; iGlar = insulin glargine; iGlarLixi = insulin glargine + lixisenatide; LDL-C = low-density-lipoprotein cholesterol; NHW = non-Hispanic white; OAD = oral antidiabetes drug; PPG = postprandial glucose; T2D = type 2 diabetes.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 2 , Insulina Glargina/uso terapêutico , Glicemia , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Combinação de Medicamentos , Hemoglobina A Glicada , Humanos , Hipoglicemiantes
4.
Metabolism ; 98: 27-36, 2019 09.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31202833

RESUMO

OBJECTIVE: To explore the beneficial effects of dapagliflozin and/or insulin glargine on the pancreatic beta cell mass and hepatic steatosis in db/db mice. METHODS: Six-week-old db/db mice were assigned to one of four groups: untreated (Placebo), treated with dapagliflozin (Dapa), treated with insulin glargine (Gla), or treated with dapagliflozin and insulin glargine (Dapa+Gla). After 8 weeks of treatment, we determined glucose tolerance, beta cell mass, hepatic lipid content and gene expression. RESULTS: Glucose tolerance was significantly ameliorated in the three treated groups to the same degree compared with the Placebo group. Immunohistochemical analysis revealed that the pancreatic beta cell mass was significantly maintained in the Dapa and Dapa+Gla groups, but not in the Gla group, compared with the Placebo group (Placebo 2.25 ±â€¯1.44 mg, Dapa 5.01 ±â€¯1.63 mg, Gla 3.79 ±â€¯0.96 mg, Dapa+Gla 5.19 ±â€¯1.78 mg). However, the triglyceride content of the liver was markedly elevated in the Gla group compared with that in the other three groups (Placebo 24.1 ±â€¯11.5 mg, Dapa 30.6 ±â€¯12.9 mg, Gla 128 ±â€¯49.7 mg, Dapa+Gla 54.4 ±â€¯14.1 mg per gram liver). The expression levels of genes related to fatty acid synthesis and lipid storage were significantly upregulated in the Gla group. CONCLUSIONS: Our results showed that beta cell mass was sustained and hepatic steatosis was prevented, after 8 weeks of treatment with either dapagliflozin or dapagliflozin plus insulin glargine, but not with insulin glargine alone, in db/db mice.


Assuntos
Compostos Benzidrílicos/uso terapêutico , Glucosídeos/uso terapêutico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Células Secretoras de Insulina/efeitos dos fármacos , Hepatopatia Gordurosa não Alcoólica/tratamento farmacológico , Inibidores do Transportador 2 de Sódio-Glicose/uso terapêutico , Animais , Compostos Benzidrílicos/farmacologia , Ácidos Graxos/biossíntese , Expressão Gênica/efeitos dos fármacos , Intolerância à Glucose , Glucosídeos/farmacologia , Hipoglicemiantes/farmacologia , Insulina Glargina/farmacologia , Células Secretoras de Insulina/ultraestrutura , Metabolismo dos Lipídeos/efeitos dos fármacos , Fígado/efeitos dos fármacos , Fígado/metabolismo , Masculino , Camundongos , Inibidores do Transportador 2 de Sódio-Glicose/farmacologia , Triglicerídeos/metabolismo
5.
Clin Drug Investig ; 39(8): 745-756, 2019 Aug.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31119716

RESUMO

BACKGROUND AND OBJECTIVES: Lilly insulin glargine (LY IGlar; Basaglar®) and the reference insulin glargine product (IGlar; Lantus®) are basal insulin glargine analogs with identical amino acid sequence and similar pharmacological profiles. ELEMENT 5, a Phase 3, prospective, randomized, multinational, two-arm, active-controlled, open-label, parallel-design study in type 2 diabetes mellitus (T2DM) patients (N = 493) showed similar efficacy and safety profiles with LY IGlar and IGlar. This study reports results from India (N = 100) and East Asia (N = 134) subpopulations. METHODS: Patients from India and East Asia (Korea and Taiwan) with T2DM who were insulin naïve (glycated hemoglobin (HbA1c) ≥ 7.0% and ≤ 11.0%) or on basal insulin (HbA1c ≤ 11.0%) were randomized to receive LY IGlar or IGlar along with oral antihyperglycemic medications (OAMs) for 24 weeks. Patients were instructed to self-titrate from the starting dose by 1 unit/day until fasting blood glucose (FBG) ≤ 5.6 mmol/L (100 mg/dL) was achieved. The key outcome was HbA1c change from baseline to Week 24. RESULTS: Within-group least-squares mean (LSM) decrease (baseline to Week 24) in HbA1c was similar between treatments. The upper limit of confidence interval (CI) for treatment difference was below the defined 0.4% noninferiority margin in India (LY IGlar: - 0.83%; IGlar: - 0.62%; difference [95% CI] - 0.21 [- 0.70, 0.28]) and East Asia (LY IGlar: - 1.28%; IGlar: - 1.26%; difference [95% CI] - 0.02 [- 0.34, 0.30]) subpopulations. Results of other efficacy and safety endpoints at Week 24 were similar between treatments in both subpopulations. LSM self-monitored FBG levels were similar between treatments at all visits in both subpopulations except at Week 24 in the India subpopulation (LY IGlar: 5.65 [0.10] mmol/L or 101.8 [1.86] mg/dL; IGlar: 5.18 [0.10] mmol/L or 93.3 [1.75] mg/dL; p = 0.002). CONCLUSION: Efficacy and safety profiles of LY IGlar and IGlar, in combination with OAMs, were similar in India and East Asia subpopulations. This was consistent with the ELEMENT 5 total population. CLINICAL TRIAL REGISTRATION: NCT02302716.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Glicemia/metabolismo , Feminino , Hemoglobina A Glicada/análise , Humanos , Hipoglicemia/tratamento farmacológico , Índia , Insulina/uso terapêutico , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Estudos Prospectivos , República da Coreia , Taiwan
6.
Diabetes Res Clin Pract ; 153: 14-22, 2019 Jul.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31078666

RESUMO

AIMS: To compare the effects of long-term treatment with the GLP-1RA exenatide twice-daily versus titrated insulin glargine (iGlar) on renal function and albuminuria in type 2 diabetes (T2DM) patients. METHODS: We post-hoc evaluated renal outcome-data of 54 overweight T2DM patients (mean  ±â€¯SD age 60 ±â€¯8 years, HbA1c 7.5 ±â€¯0.9%, eGFR 86 ±â€¯16 mL/min/1.73 m2, median [IQR] urinary albumin-to-creatinine-ratio (UACR) 0.75 [0.44-1.29] mg/mmol) randomised to exenatide 10 µg twice-daily or titrated iGlar on-top-of metformin for 52-weeks. Renal efficacy endpoints were change in creatinine clearance (CrCl) and albuminuria (urinary albumin-excretion [UAE] and UACR) based on 24-h urines, collected at baseline and Week-52. eGFR and exploratory endpoints were collected throughout the intervention-period, and after a 4-week wash-out. RESULTS: HbA1c-reductions were similar with exenatide (mean ±â€¯SEM -0.80 ±â€¯0.10%) and iGlar (-0.79 ±â€¯0.14%; treatment-difference 0.02%; 95% CI -0.31 to 0.42%). Change from baseline to Week-52 in CrCl, UAE or UACR did not statistically differ; only iGlar reduced albuminuria (P < 0.05; within-group). eGFR decreased from baseline to Week-4 with exenatide (-3.9 ±â€¯2.1 mL/min/1.73 m2; P = 0.069) and iGlar (-2.7 ±â€¯1.2 mL/min/1.73 m2; P = 0.034), without treatment-differences in ensuing trajectory. Exenatide versus iGlar reduced bodyweight (-5.4 kg; 2.9-7.9; P < 0.001), but did not affect blood pressure, lipids or plasma uric acid. CONCLUSIONS: Among T2DM patients without overt nephropathy, one-year treatment with exenatide twice-daily does not affect renal function-decline or onset/progression of albuminuria compared to titrated iGlar. TRIAL REGISTRATION: ClinicalTrials.gov ID: NCT00097500.


Assuntos
Albuminúria/urina , Diabetes Mellitus Tipo 2/sangue , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Nefropatias Diabéticas/tratamento farmacológico , Exenatida/uso terapêutico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Testes de Função Renal/métodos , Nefropatias Diabéticas/patologia , Exenatida/farmacologia , Feminino , Humanos , Hipoglicemiantes/farmacologia , Insulina Glargina/farmacologia , Masculino , Pessoa de Meia-Idade
7.
Diabetes Technol Ther ; 21(5): 286-294, 2019 05.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31017497

RESUMO

Background: This study investigated the accuracy of real-time continuous glucose monitoring (rtCGM) during high intensity interval training (HIIT) in patients with type 1 diabetes (T1D). Methods: Seventeen participants with T1D, using multiple daily injections (MDI) with basal insulin glargine 300 U/mL (Gla-300), completed four fasted HIIT sessions over 4 weeks while wearing a Dexcom rtCGM G4 Platinum system. Each exercise consisted of high intensity interval cycling and multimodal training over 25 min. Reference venous plasma glucose (PG) was measured at 60- and 10-min before exercise (Stage 1), every 10 min during exercise and then every 15 min until 180 min after the end of exercise (Stage 2: during exercise and 45-min early recovery; Stage 3: 45 min to 3 h after the end of exercise); and at 6-, 10-, and 13-h postexercise (Stage 4). Results: In the 64 HIIT sessions that resulted in hyperglycemia, PG increased 90.0 ± 32.4 mg/dL (mean ± standard deviation), peaking at 68.0 ± 18.4 min from the start of HIIT. Mean absolute relative difference was highest during exercise and early recovery (Stage 2) at 17.8%, versus Stage 1 (10.4%), Stage 3 (10.6%), and Stage 4 (11.5%) (P < 0.001). During Stage 2, rtCGM showed a significant negative bias of 35.3 mg/dL (P < 0.001) compared to reference glucose. Lag time to reach the half-maximal glucose rise was 35 min in rtCGM versus PG. The Surveillance Error Grid found that in Stage 2, only 65.5% of paired values were in the no-risk zone and the %15/15 was 50%, significantly lower than the other stages (P < 0.001). Conclusions: During HIIT and early recovery, there is an increase in lag time and a related decline in accuracy of Dexcom rtCGM G4, compared to pre-exercise and later recovery, in patients with T1D using MDI.


Assuntos
Automonitorização da Glicemia/métodos , Glicemia/análise , Diabetes Mellitus Tipo 1/sangue , Treinamento Intervalado de Alta Intensidade , Adulto , Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Feminino , Humanos , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Masculino , Pessoa de Meia-Idade
8.
Diabetes Care ; 42(5): 903-909, 2019 05.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30833375

RESUMO

OBJECTIVE: To determine whether self-monitoring of blood glucose (SMBG) is associated with lower HbA1c in youth with type 2 diabetes taking oral medications only or after starting insulin for persistently elevated HbA1c. RESEARCH DESIGN AND METHODS: Treatment Options for Type 2 Diabetes in Adolescents and Youth (TODAY) study participants (n = 699) taking oral medications were asked to perform SMBG twice daily. After reaching primary outcome (PO) (HbA1c ≥8% [64 mmol/mol]) over 6 months or an inability to wean from temporary insulin because of metabolic decompensation), insulin glargine was started. HbA1c and percent of SMBG (SMBG%) (percent days when the meter was used one or more times) before and after PO were analyzed. RESULTS: SMBG declined over time and was inversely related to HbA1c (P < 0.0001). Of 298 youth who reached PO and started insulin, 282 had SMBG data. At PO, mean ± SD age was 15.8 ± 2.3 years, BMI 35.5 ± 7.9 kg/m2, and HbA1c 9.6 ± 2.0% (81 ± 21.9 mmol/mol); 65.3% were female. Median SMBG% was 40% at PO, which increased to 49% after 6 months and fell to 41% after 1 year on insulin. At PO, 22% of youth checked ≥80% of days, which increased to 25% and fell to 19% after 6 and 12 months using insulin, respectively. At PO, compared with those who checked <80%, youth who checked ≥80% were younger and with a lower BMI, HbA1c, and blood pressure. SMBG ≥80% was associated with ≥1% reduction in HbA1c at 6 and 12 months after insulin initiation. CONCLUSIONS: Low SMBG adherence was common and associated with higher HbA1c. Optimal SMBG frequency in youth using or not using insulin, and whether less frequent SMBG is a marker for overall worse self-care, require further study.


Assuntos
Glicemia/análise , Diabetes Mellitus Tipo 2/sangue , Diabetes Mellitus Tipo 2/terapia , Adolescente , Idade de Início , Glicemia/metabolismo , Automonitorização da Glicemia/métodos , Criança , Diabetes Mellitus Tipo 2/epidemiologia , Quimioterapia Combinada , Feminino , Hemoglobina A Glicada/metabolismo , Humanos , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Masculino , Metformina/administração & dosagem , Metformina/efeitos adversos , Cooperação do Paciente/estatística & dados numéricos , Comportamento de Redução do Risco , Rosiglitazona/administração & dosagem , Rosiglitazona/efeitos adversos , Autocuidado/normas , Autocuidado/estatística & dados numéricos , Resultado do Tratamento
10.
Brasília; CONITEC; mar. 2019. ilus, tab.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-997101

RESUMO

INTRODUÇÃO: O diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é um transtorno endócrino caracterizado por hiperglicemia devido à destruição de células beta, geralmente levando a deficiência absoluta de insulina. Trata-se de uma doença de grande relevância, principalmente porque o não tratamento ou o seu agravamento podem levar a desfechos graves como a morte e a complicações macro e microvasculares, oculares, renais e neurológicas. O tratamento do paciente acometido com DM1 consiste na reposição de insulina endógena através do uso de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, associada a uma insulina de ação intermediária ou prolongada, além da monitorização da glicemia capilar pelo paciente e medidas de autocuidado dos pacientes. Como terapia medicamentosa, o SUS disponibiliza a insulina Regular, insulina NPH e insulinas análogas de ação rápida. Além das insulinas disponibilizadas pelo SUS, atualmente também se encontram disponíveis no mercado, as insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca), além de pré-misturas que contêm associações entre estas diversas opções. TECNOLOGIA: Insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca). PERGUNTA: As insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca) são eficazes, seguras e efetivas para o tratamento de pacientes com diabetes tipo 1, quando comparadas à insulina NPH? EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Foram selecionadas sete revisões sistemáticas (RS) de risco de viés baixo a incerto, avaliadas pela ferramenta Risk of Bias in Systematic Reviews (ROBIS) e separadas por tipo de comparação. Insulina glargina vs NPH: foram incluídas quatro RS com metanálise, que demonstraram eficácia na redução dos níveis de HbA1c a favor da insulina glargina, variando entre 0,33 a 0,40%. ANÁLISE DE IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: Foi considerada a dose diária definida estabelecida pela OMS para todas as tecnologias (40 UI). A difusão das tecnologias foi estimada por mês, por meio de função logarítmica, com difusão de 50% ao final do horizonte temporal de cinco anos. Os preços foram obtidos no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG). Foram feitos dois cenários populacionais, sendo um a partir de dados epidemiológicos e outro com dados de dispensação pelo SUS e pelo programa "Aqui Tem Farmácia Popular". No primeiro cenário, o impacto orçamentário incremental em relação à insulina humana NPH varia entre R$ 5,5 bi (glargina Basaglar®) e R$ 18,8 bi (degludeca). No segundo, a variação é entre R$ 1,1 bi (glargina Basaglar) e R$ 3,7 bi (degludeca). Após sugestão do plenário da CONITEC, foi calculado cenário baseado em dados de um estado que atualmente forneça insulinas análogas de ação prolongada. Foram utilizados dados do estado do Paraná, extrapolados para os demais estados por meio da taxa de uso desses medicamentos na população e na difusão diferenciada das tecnologias em estados que atualmente fornecem ou não fornecem tais tecnologias. Neste cenário, o impacto orçamentário estimado para o horizonte temporal de cinco anos foi de, aproximadamente, R$ 863 mi para glargina com aplicador e R$ 2,0 bi para detemir com aplicador. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: As pesquisas apontaram não haver insulinas de ação prolongada novas ou emergentes para DM1 no horizonte tecnológico considerado nesta análise. Entretanto, em busca complementar foram identificadas quatro insulinas biossimilares à glargina que não possuem registro no Brasil. Não foram identificadas insulinas biossimilares à detemir ou à degludeca em fases 3 ou 4 de pesquisa clínica ou registradas no FDA ou EMA. CONSIDERAÇÕES: As insulinas análogas de ação prolongada demonstram benefício clínico modesto, sendo o seu efeito mais proeminente para o controle da hipoglicemia grave e noturna. Seu uso como regime basal de insulina para DM1 parece beneficiar mais os pacientes que apresentam episódios recorrentes de hipoglicemia. No entanto, há de se ponderar a fragilidade em avaliar os eventos de hipoglicemia, devido às divergências nas definições deste desfecho. Na comparação entre insulinas análogas de ação prolongada não houve um consenso entre os autores sobre qual seria mais eficaz e segura. Além disso, desfechos importantes no diabetes, como complicações diabéticas, presença de eventos adversos e medidas da variabilidade glicêmica, não foram relatados nos estudos incluídos. Evidência clínica sobre a efetividade da insulina glargina com dados brasileiros demonstrou que um pequeno número de pacientes obtiveram o controle glicêmico e não foi identificada correlação entre o tipo de insulinoterapia e a qualidade de vida relacionada à saúde do paciente com DM1. A análise de impacto orçamentário demonstra que o montante de recursos envolvido numa potencial incorporação poderia prejudicar a sustentabilidade do SUS. RECOMENDAÇÃO PRELIMINAR: Pelo exposto, a CONITEC, em sua 73ª reunião ordinária, no dia 6 de dezembro de 2018, recomendou a não incorporação no SUS de insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca) para diabetes mellitus tipo 1. A matéria foi disponibilizada em consulta pública. CONSULTA PÚBLICA: A matéria esteve em consulta pública no período de 29/12/2018 à 28/01/2019 e obteve um total de 2.574 contribuições, sendo 156 pelo formulário para contribuições técnicocientíficas e 2418 pelo formulário para contribuições sobre experiência ou opinião. Foram excluídas 53 contribuições de cunho técnico-científico, por se tratarem de duplicações de outras contribuições, por abordarem um tema diferente ou por não conter informações. Foram identificadas 47 contribuições alusivas às evidências clínicas, com argumentos relacionados a: 1) promoção de educação em saúde; 2) melhorar a adesão ao tratamento; 3) redução de HbA1c; 4) redução de crises de hipoglicemia noturna; 5) maior flexibilidade com os horários das refeições; 6) restrito para pacientes que falharam no controle das hipoglicemias; 7) melhor controle glicêmico. Houve 33 contribuições sobre a análise de impacto orçamentário, mas apenas quatro continham argumentação técnico-científica. As principais considerações foram sobre os cenários propostos e sobre a incidência de impostos sobre os preços dos medicamentos. Com isso, ajustou-se o principal cenário proposto, incluindo cenários-base e custos com agulha. A estimativa de impacto orçamentário incremental varia entre R$ 506 milhões e R$ 637 milhões para glargina e detemir em relação a NPH em frasco de 10 mL. Em comparação a NPH em tubete de 3 mL com aplicador, os valores variam entre R$ 140 milhões e R$ 271 milhões. Dentre as contribuições sobre a experiência e opinião dos participantes, 947 foram excluídas por se tratarem de duplicações de outras contribuições, por abordarem um tema diferente ou por não conter informação. RECOMENDAÇÃO FINAL: Os membros da CONITEC presentes na 75ª reunião ordinária do plenário do dia 13/03/2019 deliberaram por unanimidade recomendar a incorporação da insulina análoga de ação prolongada para o tratamento de diabetes mellitus tipo I, condicionada ao custo de tratamento igual ou inferior ao da insulina NPH na apresentação de tubete com sistema aplicador e mediante protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 429/2019. DECISÃO: Incorporar insulina análoga de ação prolongada para o tratamento dediabetes mellitus tipo I, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Dada pela Portaria nº 19, publicada no Diário Oficial da União nº 61, seção 1, página 99, em 29 de março de 2019.


Assuntos
Humanos , Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Avaliação em Saúde/economia , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
11.
Brasília; CONITEC; mar. 2019.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1023886

RESUMO

INTRODUÇÃO: O diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é um transtorno endócrino caracterizado por hiperglicemia devido à destruição de células beta, geralmente levando a deficiência absoluta de insulina. Trata-se de uma doença de grande relevância, principalmente porque o não tratamento ou o seu agravamento podem levar a desfechos graves como a morte e a complicações macro e microvasculares, oculares, renais e neurológicas. O tratamento do paciente acometido com DM1 consiste na reposição de insulina endógena através do uso de insulina de ação rápida ou ultrarrápida, associada a uma insulina de ação intermediária ou prolongada, além da monitorização da glicemia capilar pelo paciente e medidas de autocuidado dos pacientes. Como terapia medicamentosa, o SUS disponibiliza a insulina Regular, insulina NPH e insulinas análogas de ação rápida. Além das insulinas disponibilizadas pelo SUS, atualmente também se encontram disponíveis no mercado, as insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca), além de pré-misturas que contêm associações entre estas diversas opções. TECNOLOGIA: Insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca). PERGUNTA: As insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca) são eficazes, seguras e efetivas para o tratamento de pacientes com diabetes tipo 1, quando comparadas à insulina NPH? EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Foram selecionadas sete revisões sistemáticas (RS) de risco de viés baixo a incerto, avaliadas pela ferramenta Risk of Bias in Systematic Reviews (ROBIS) e separadas por tipo de comparação. Insulina glargina vs NPH: foram incluídas quatro RS com metanálise, que demonstraram eficácia na redução dos níveis de HbA1c a favor da insulina glargina, variando entre 0,33 a 0,40%. Quanto aos episódios de hipoglicemia grave Dawoud et al. (2018) e Tricco et al. (2014) demonstraram que não houve diferença estatisticamente significante entre as insulinas, no entanto Marra et al. (2016) apresentaram uma estimativa da diferença da média do número de episódios de hipoglicemia grave a favor da insulina glargina em -0,58, p< 0,00001. Apenas dois estudos avaliaram a qualidade de vida relacionada à saúde, os quais apontaram que não há diferenças significantes entre as insulinas glargina e NPH, exceto para o domínio satisfação dos pacientes, cujo resultado favorece o uso da insulina glargina. ANÁLISE DE IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: Foi considerada a dose diária definida estabelecida pela OMS para todas as tecnologias (40 UI). A difusão das tecnologias foi estimada por mês, por meio de função logarítmica, com difusão de 50% ao final do horizonte temporal de cinco anos. Os preços foram obtidos no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG). Foram feitos dois cenários populacionais, sendo um a partir de dados epidemiológicos e outro com dados de dispensação pelo SUS e pelo programa "Aqui Tem Farmácia Popular". No primeiro cenário, o impacto orçamentário incremental em relação à insulina humana NPH varia entre R$ 5,5 bi (glargina Basaglar®) e R$ 18,8 bi (degludeca). No segundo, a variação é entre R$ 1,1 bi (glargina Basaglar) e R$ 3,7 bi (degludeca). Após sugestão do plenário da CONITEC, foi calculado cenário baseado em dados de um estado que atualmente forneça insulinas análogas de ação prolongada. Foram utilizados dados do estado do Paraná, extrapolados para os demais estados por meio da taxa de uso desses medicamentos na população e na difusão diferenciada das tecnologias em estados que atualmente fornecem ou não fornecem tais tecnologias. Neste cenário, o impacto orçamentário estimado para o horizonte temporal de cinco anos foi de, aproximadamente, R$ 863 mi para glargina com aplicador e R$ 2,0 bi para detemir com aplicador. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: As pesquisas apontaram não haver insulinas de ação prolongada novas ou emergentes para DM1 no horizonte tecnológico considerado nesta análise. Entretanto, em busca complementar foram identificadas quatro insulinas biossimilares à glargina que não possuem registro no Brasil. Não foram identificadas insulinas biossimilares à detemir ou à degludeca em fases 3 ou 4 de pesquisa clínica ou registradas no FDA ou EMA. CONSIDERAÇÕES: As insulinas análogas de ação prolongada demonstram benefício clínico modesto, sendo o seu efeito mais proeminente para o controle da hipoglicemia grave e noturna. Seu uso como regime basal de insulina para DM1 parece beneficiar mais os pacientes que apresentam episódios recorrentes de hipoglicemia. No entanto, há de se ponderar a fragilidade em avaliar os eventos de hipoglicemia, devido às divergências nas definições deste desfecho. Na comparação entre insulinas análogas de ação prolongada não houve um consenso entre os autores sobre qual seria mais eficaz e segura. Além disso, desfechos importantes no diabetes, como complicações diabéticas, presença de eventos adversos e medidas da variabilidade glicêmica, não foram relatados nos estudos incluídos. Evidência clínica sobre a efetividade da insulina glargina com dados brasileiros demonstrou que um pequeno número de pacientes obtiveram o controle glicêmico e não foi identificada correlação entre o tipo de insulinoterapia e a qualidade de vida relacionada à saúde do paciente com DM1. A análise de impacto orçamentário demonstra que o montante de recursos envolvido numa potencial incorporação poderia prejudicar a sustentabilidade do SUS. RECOMENDAÇÃO PRELIMINAR: Pelo exposto, a CONITEC, em sua 73ª reunião ordinária, no dia 6 de dezembro de 2018, recomendou a não incorporação no SUS de insulinas análogas de ação prolongada (glargina, detemir e degludeca) para diabetes mellitus tipo 1. A matéria foi disponibilizada em consulta pública. CONSULTA PÚBLICA: A matéria esteve em consulta pública no período de 29/12/2018 à 28/01/2019 e obteve um total de 2.574 contribuições, sendo 156 pelo formulário para contribuições técnicocientíficas e 2418 pelo formulário para contribuições sobre experiência ou opinião. Foram excluídas 53 contribuições de cunho técnico-científico, por se tratarem de duplicações de outras contribuições, por abordarem um tema diferente ou por não conter informações. Foram identificadas 47 contribuições alusivas às evidências clínicas, com argumentos relacionados a: 1) promoção de educação em saúde; 2) melhorar a adesão ao tratamento; 3) redução de HbA1c; 4) redução de crises de hipoglicemia noturna; 5) maior flexibilidade com os horários das refeições; 6) restrito para pacientes que falharam no controle das hipoglicemias; 7) melhor controle glicêmico. Houve 33 contribuições sobre a análise de impacto orçamentário, mas apenas quatro continham argumentação técnico-científica. As principais considerações foram sobre os cenários propostos e sobre a incidência de impostos sobre os preços dos medicamentos. Com isso, ajustou-se o principal cenário proposto, incluindo cenários-base e custos com agulha. A estimativa de impacto orçamentário incremental varia entre R$ 506 milhões e R$ 637 milhões para glargina e detemir em relação a NPH em frasco de 10 mL. Em comparação a NPH em tubete de 3 mL com aplicador, os valores variam entre R$ 140 milhões e R$ 271 milhões. Dentre as contribuições sobre a experiência e opinião dos participantes, 947 foram excluídas por se tratarem de duplicações de outras contribuições, por abordarem um tema diferente ou por não conter informação. Os motivos alegados pelos participantes foram relacionados aos seguintes fatores: 1) menor risco de eventos hipoglicêmicos graves; 2) maior efetividade no controle glicêmico; 3) menor variação glicêmica; 4) melhor qualidade de vida; 5) menor risco de complicações decorrentes do DM1; 6) redução de gastos médicos em médio e longo prazo; 7) redução de demandas por via judicial; 8) para aqueles que realmente se beneficiam; 9) melhor adesão ao tratamento; 10) redução do número de ações judiciais; 11) para os casos mais graves e de difícil controle. Após a apreciação das contribuições o plenário da CONITEC entendeu que houve argumentação suficiente para alterar a recomendação inicial. RECOMENDAÇÃO FINAL: Os membros da CONITEC presentes na 75ª reunião ordinária do plenário do dia 13/03/2019 deliberaram por unanimidade recomendar a incorporação da insulina análoga de ação prolongada para o tratamento de diabetes mellitus tipo I, condicionada ao custo de tratamento igual ou inferior ao da insulina NPH na apresentação de tubete com sistema aplicador e mediante protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 429/2019. DECISÃO: Incorporar insulina análoga de ação prolongada para o tratamento dediabetes mellitus tipo I, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Dada pela Portaria nº 19, publicada no Diário Oficial da União nº 61, seção 1, página 99, em 29 de março de 2019.


Assuntos
Humanos , Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
12.
Rev Med Liege ; 74(2): 111-116, 2019 Feb.
Artigo em Francês | MEDLINE | ID: mdl-30793566

RESUMO

Suliqua® (iGlarLixi) is a fixed ratio combination of basal insulin glargine U100 and the glucagon-like peptide-1 (GLP-1) receptor agonist lixisenatide. Both molecules exert complementary antihyperglycaemic effects : insulin glargine mainly targets fasting glycaemia while lixisenatide mainly targets postprandial hyperglycaemia. Thus, iGlarLixi is associated with a greater reduction in glycated haemoglobin (HbA1c) than each individual component and thereby results in a greater percentage of patients reaching HbA1c ? 7 %. It has a good tolerance profile, with a more favourable effect on body weight compared with insulin glargine alone and less gastrointestinal adverse effects when compared with lixisenatide alone, because of a more progressive titration of the GLP-1 receptor agonist component. iGlarLixi (Suliqua®) is presented as two different prefilled pens, one allowing to titrate glargine up to 40 IU/day, the other up to 60 IU/day, both with lixisenatide uptitrated to a maximum of 20 µg/day. This dual presentation facilitates a personalized approach according to patient's needs. Suliqua® is currently reimbursed, under conditions, for the management of type 2 diabetes not well controlled with basal insulin associated or not with oral antidiabetic agents.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 2 , Hipoglicemia , Hipoglicemiantes , Insulina Glargina , Glicemia , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Hemoglobina A Glicada , Humanos , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina , Insulina Glargina/uso terapêutico , Peptídeos
13.
Rev Bras Ginecol Obstet ; 41(2): 104-115, 2019 Feb.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30786308

RESUMO

Diabetes during pregnancy has been linked to unfavorable maternal-fetal outcomes. Human insulins are the first drug of choice because of the proven safety in their use. However, there are still questions about the use of insulin analogs during pregnancy. The objective of the present study was to determine the effectiveness of insulin analogs compared with human insulin in the treatment of pregnant women with diabetes through a systematic review with meta-analysis. The search comprised the period since the inception of each database until July 2017, and the following databases were used: MEDLINE, CINAHL, EMBASE, ISI Web of Science, LILACS, Scopus, SIGLE and Google Scholar. We have selected 29 original articles: 11 were randomized clinical trials and 18 were observational studies. We have explored data from 6,382 participants. All of the articles were classified as having an intermediate to high risk of bias. The variable that showed favorable results for the use of insulin analogs was gestational age, with a mean difference of - 0.26 (95 % confidence interval [CI]: 0.03-0.49; p = 0.02), but with significant heterogeneity (Higgins test [I2] = 38%; chi-squared test [χ2] = 16.24; degree of freedom [DF] = 10; p = 0.09). This result, in the clinical practice, does not compromise the fetal well-being, since all babies were born at term. There was publication bias in the gestational age and neonatal weight variables. To date, the evidence analyzed has a moderate-to-high risk of bias and does not allow the conclusion that insulin analogs are more effective when compared with human insulin to treat diabetic pregnant women.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Diabetes Gestacional/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina/uso terapêutico , Aborto Espontâneo/etiologia , Peso ao Nascer , Feminino , Macrossomia Fetal/etiologia , Idade Gestacional , Humanos , Hipoglicemia/induzido quimicamente , Insulina/análogos & derivados , Insulina Aspart/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Insulina Lispro/uso terapêutico , Estudos Observacionais como Assunto , Gravidez , Cuidado Pré-Natal/métodos , Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto , Resultado do Tratamento
14.
Brasília; CONITEC; fev. 2019. ilus, tab.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-997348

RESUMO

INTRODUÇÃO: O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) ocorre como consequência da perda progressiva da produção de insulina pelo pâncreas ou ainda pela resistência à insulina e deficiência na ação desse hormônio. Esta doença, que corresponde a cerca de 90% dos casos de todos os tipos de diabestes, representa um problema relevante de saúde pública, devido a sua natureza crônica, a gravidade das complicações e a meios necessários para controlá-las tornando-se muito onerosa tanto para os pacientes e suas famílias como para os sistemas de saúde. Para o tratamento do DM2 é recomendado um plano terapêutico que vise ao controle glicêmico e a prevenção de complicações crônicas decorrentes da doença, primeiramente por meio de condutas não medicamentosas, como educação em saúde, alimentação saudável, prática de atividade física e cessação do tabagismo, em seguida se inicia a terapia medicamentosa com antidiabético oral. Atualmente estão disponíveis no SUS as insulinas de ação intermediária (insulin


Assuntos
Humanos , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Insulinas/uso terapêutico , Insulina Lispro/uso terapêutico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
15.
Brasília; CONITEC; fev. 2019. ilus, tab.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1024490

RESUMO

INTRODUÇÃO: O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) ocorre como consequência da perda progressiva da produção de insulina pelo pâncreas ou ainda pela resistência à insulina e deficiência na ação desse hormônio. Esta doença, que corresponde a cerca de 90% dos casos de todos os tipos de diabestes, representa um problema relevante de saúde pública, devido a sua natureza crônica, a gravidade das complicações e a meios necessários para controlá-las tornando-se muito onerosa tanto para os pacientes e suas famílias como para os sistemas de saúde. Para o tratamento do DM2 é recomendado um plano terapêutico que vise ao controle glicêmico e a prevenção de complicações crônicas decorrentes da doença, primeiramente por meio de condutas não medicamentosas, como educação em saúde, alimentação saudável, prática de atividade física e cessação do tabagismo, em seguida se inicia a terapia medicamentosa com antidiabético oral. Atualmente estão disponíveis no SUS as insulinas de ação intermediária (insulina NPH) e de ação rápida (insulina regu


Assuntos
Humanos , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Insulina Isófana/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
16.
Life Sci ; 219: 90-99, 2019 Feb 15.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30639280

RESUMO

Insulin remains a predominant life-saving medication for type 1 and type 2 Diabetes Mellites. Natural insulin secretion limits the fluctuation of the narrow and high surge of blood glucose levels. However, imitating the same by external insulin remains a challenge as a variety of insulin analogs (rapid acting, short acting, intermediate acting and long-acting) have different pharmacokinetic (PK) and pharmacodynamic (PD) properties. Inconsistent reduction in overall hyperglycemia level and nocturnal hypoglycemia due to variable absorption time and time action profile predominantly highlights the need of revisiting the PK/PD of insulin analogs as single analog is not yet sufficed to replace internal insulin exogenously. Combination therapy with basal and prandial insulins or intensification of hypoglycemic therapy with premixed insulins are of prime importance in managing diabetes effectively, imitating the natural insulin secretion. Therefore, the knowledge of PK/PD properties might help a practitioner to design, implement and manage insulin replacement therapy effectively and averting adverse events. Present study reports the comparative analysis of PK/PD profile of various insulin analogs based on the concurrent information about clinical aspects. Moreover, study interlinks the major concerns of therapeutic efficacy of insulin analogs with their respective onset of action and duration of effectiveness and reported adverse drug reaction which explore the scope of improvement.


Assuntos
Diabetes Mellitus/tratamento farmacológico , Insulina/análogos & derivados , Previsões , Humanos , Insulina/uso terapêutico , Insulina Aspart/uso terapêutico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Insulina Lispro/uso terapêutico , Insulina de Ação Prolongada/uso terapêutico
17.
Diabetes Res Clin Pract ; 150: 144-149, 2019 Apr.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30641166

RESUMO

AIMS: To compare the effectiveness of different titration algorithms for insulin glargine U100 used in everyday practice to achieve glycaemic targets in patients with type 2 diabetes mellitus (T2DM). METHODS: A total of 526 patients (278 in Slovenia, 248 in Croatia) with T2DM (aged ≥ 18 years) and treated with insulin glargine prior to inclusion were enrolled. Patients self-titrated insulin glargine according to physicians' guidance. RESULTS: Among the 524 patients included in the final analysis, the titration algorithm from the LANMET study was used most commonly (n = 368, 70.5% patients), followed by the Treat-To-Target (TTT) algorithm (n = 117, 22.4%). At the end of the study (6 months), 179 (34.3%) patients reached HbA1c ≤ 7%. There was no significant difference in the proportion of patients who reached their target HbA1c between the different algorithms at 6 months (35.6% using LANMET, 30.7% with TTT, and 32.4% with other algorithms; p = 0.611). HbA1c levels were more significantly reduced in patients using the TTT algorithm compared to LANMET (-2.31%, vs. -1.57%; p < 0.05). The proportion of patients with reported symptomatic hypoglycaemia did not differ significantly between the algorithms. CONCLUSIONS: Continuous titration of insulin glargine U100 is a safe and efficient option for T2DM management, regardless of the titration algorithm applied.


Assuntos
Algoritmos , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Testes Diagnósticos de Rotina/normas , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Padrões de Prática Médica/normas , Adolescente , Adulto , Glicemia/análise , Croácia , Relação Dose-Resposta a Droga , Feminino , Hemoglobina A Glicada/análise , Humanos , Hipoglicemia/prevenção & controle , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Estudos Prospectivos , Eslovênia , Adulto Jovem
18.
Diabetes Res Clin Pract ; 148: 137-143, 2019 Feb.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30641168

RESUMO

AIMS: Patients with type 1 diabetes (T1D) often report a rise in their blood glucose level following brief intense exercise. We sought to determine the reproducibility of the cardiometabolic responses to high-intensity interval training (HIIT). METHODS: Sixteen adults with T1D, using an optimized multiple daily injection with basal insulin glargine 300 U/mL (Gla-300), performed four fasted HIIT sessions over a 4-6-week period. Exercise consisted of high-intensity interval cycling and multimodal training over 25 min. RESULTS: Heart rate and rating of perceived exertion rose similarly in all sessions, as did lactate, catecholamine and growth hormone levels. Plasma glucose increased in response to HIIT in 62 of 64 visits (97%), with an overall increase of 3.7 ±â€¯1.6 mmol/L (Mean ±â€¯SD) (P < 0.001). In within-patient comparisons, the change in plasma glucose among the four HIIT sessions was significantly correlated with a composite correlation of 0.58 ([r2 = 0.34]; 95% CI 0.35-0.80; P < 0.01). CONCLUSIONS: Intersession observations of four separate HIIT sessions showed high intrasubject reproducibility in the cardiometabolic responses to exercise, including the rise in plasma glucose, when adults with T1D perform the activity in a fasted state.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 1/metabolismo , Diabetes Mellitus Tipo 1/fisiopatologia , Diabetes Mellitus Tipo 1/terapia , Terapia por Exercício/métodos , Exercício/fisiologia , Treinamento Intervalado de Alta Intensidade , Adulto , Metabolismo Energético/fisiologia , Feminino , Frequência Cardíaca/fisiologia , Humanos , Insulina Glargina/uso terapêutico , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Esforço Físico/fisiologia , Projetos Piloto , Reprodutibilidade dos Testes , Adulto Jovem
19.
J Am Osteopath Assoc ; 119(2): 89-95, 2019 Feb 01.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30688354

RESUMO

Context: Hyperglycemia in the hospital setting is associated with increased morbidity and mortality. In an attempt to cut costs, some hospitals implement policies to substitute all glargine orders with detemir. Objective: To examine how the substitution of glargine with detemir affects inpatient blood glucose control. Methods: Medical records were retrospectively analyzed to investigate the effect of a hospital formulary change at a semi-urban underserved hospital that substituted detemir for glargine on a 1:1 dosing basis. The study evaluated blood glucose control from September 6, 2015, to September 5, 2016, before substitution and from September 6, 2016, to September 5, 2017, after the substitution began. Patients were included in the study if they were older than 18 years, received glargine before admission, and had type 1 or 2 diabetes mellitus. Patients were excluded if they were pregnant, did not receive long-acting insulin, or lacked regular blood glucose testing. The medical records were analyzed for mean glucose levels, hypoglycemic events, and short-acting insulin administration amounts. Results: A total of 318 patients met criteria and were included in the retrospective analysis-134 patients received detemir and 184 patients received glargine. The mean glucose levels in the morning were 133.8 mg/dL for patients receiving detemir and 145.8 mg/dL for patients receiving glargine (95% CI, 126.972-140.753; P=.013). The mean blood glucose levels in the afternoon were 171.6 mg/dL for patients receiving detemir and 172.1 mg/dL for patients receiving glargine (95% CI, 162.955-180.344; P=.938). The mean blood glucose levels in the evening were 162.5 mg/dL for patients receiving detemir and 163.3 mg/dL for patients receiving glargine (95% CI, 153.654-171.315; P=.897). The mean blood glucose levels at night were 176.1 mg/dL for patients receiving detemir and 174.7 mg/dL for patients receiving glargine (95% CI, 167.797-184.474; P=.788). No significant difference in sliding scale insulin was required between the patient groups (0.16 U/kg insulin aspart in detemir group vs 0.18 U/kg aspart in glargine; 95% CI, 0.154-0.189; P=.297). There was no significant difference between the patient groups in regard to hypoglycemic events (45% glargine vs 49% detemir; P=.59). Conclusion: Substituting detemir for glargine did not adversely affect inpatients' blood glucose control.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 1/tratamento farmacológico , Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Detemir/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Glicemia/análise , Feminino , Humanos , Pacientes Internados , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Estudos Retrospectivos
20.
Drugs ; 79(2): 173-186, 2019 Feb.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30623349

RESUMO

The recent introduction of the second-generation long-acting analogue insulins degludec and insulin glargine U300 have increased the choice of basal insulin therapy for patients with type 2 diabetes. The pharmacokinetic and pharmacodynamic properties of these insulins result in a flatter profile that lasts over 24 h and provides an increased window of administration of 6 h once daily. Large-scale multicentre randomised clinical trial programmes (BEGIN for degludec U100 and U200 and EDITION for glargine U300) evaluating these insulin therapies against glargine U100 have demonstrated that they are either non-inferior or superior for glycaemic efficacy and safety, but less likely to result in severe or nocturnal hypoglycaemia than glargine U100. The disposable pen devices for these insulins have been designed with patient satisfaction and convenience in mind. No concerns have arisen with adverse events with insulin analogues or cardiovascular safety from the ORIGIN and DEVOTE trials. As they demonstrate equivalent glycaemic efficacy to other basal insulins, they should be considered more in selected patient groups including those with recurrent or increased risk of hypoglycaemia, especially severe or nocturnal episodes, in the elderly or those living alone, and in patients with multiple co-morbidities such as cardiovascular or renal disease.


Assuntos
Diabetes Mellitus Tipo 2/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/uso terapêutico , Insulina Glargina/uso terapêutico , Insulina de Ação Prolongada/uso terapêutico , Glicemia , Esquema de Medicação , Humanos , Hipoglicemia/induzido quimicamente , Hipoglicemia/tratamento farmacológico , Hipoglicemiantes/administração & dosagem , Hipoglicemiantes/efeitos adversos , Insulina Glargina/administração & dosagem , Insulina Glargina/efeitos adversos , Insulina de Ação Prolongada/administração & dosagem , Insulina de Ação Prolongada/efeitos adversos , Resultado do Tratamento
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA