Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 111
Filtrar
1.
Rev. bioét. derecho ; (47): 43-54, nov. 2019.
Artigo em Espanhol | IBECS | ID: ibc-184865

RESUMO

En este trabajo se plantean algunas reflexiones respecto de la edición genética y su impacto en la responsabilidad. Me centraré en la investigación y en las prácticas que se realizan en línea germinal, ya que son las que más preocupan a nuestra sociedad. Aunque estas tecnologías no generan problemas realmente novedosos, cuestionan el alcance de nuestra noción tradicional de responsabilidad y nos plantean nuevos desafíos respecto de cómo afrontarlas. Podemos pensar la responsabilidad de manera individual, en tanto progenitores, a la hora de decidir respecto de nuestra descendencia. Pero también se puede plantear una responsabilidad colectiva: por ejemplo, en tanto científicos a la hora de regular la ciencia, o en tanto sociedad. En este último sentido pareciera que deberíamos considerar cómo estas tecnologías puedan afectar el sistema público de acceso al cuidado de la salud así como también tener en cuenta si determinados grupos de pacientes corren el riesgo de ser postergados sin olvidar cuál pueda ser el impacto en las futuras generaciones


En aquest treball es plantegen algunes reflexions respecte de l'edició genètica i el seu impacte en la responsabilitat. Em centraré en la recerca i en les pràctiques que es realitzen en la línia germinal, ja que són les que més preocupen la nostra societat. Encara que aquestes tecnologies no generen problemes realment nous, qüestionen l'abast de la nostra noció tradicional de responsabilitat i ens plantegen nous desafiaments respecte de com afrontar-les. Podem pensar la responsabilitat de manera individual, en tant progenitors, a l'hora de decidir respecte de la nostra descendència. Però també es pot plantejar una responsabilitat col•lectiva: per exemple, en tant que científics a l'hora de regular la ciència, o en tant que societat. En aquest últim sentit hauríem de considerar com aquestes tecnologies poden afectar el sistema públic d'accés a la salut així com també tenir en compte si determinats grups de pacients corren el risc de ser postergats sense oblidar quin pugui ser l'impacte en les futures generacions


In this article I would like to examine gene editing and its impact on responsibility. I will focus on germ line’ research and practice. Though these technologies do not raise novel issues, they make us re-think the scope of traditional responsibility. I will examine responsibility from an individual perspective: for example our role as parents and the impact of our decisions on our descendants. I will also examine responsibility from a collective perspective: scientists should examine how to regulate these technologies. In addition, as a society we should address how these technologies may affect public access to health care, or if groups of patients might be overlooked. We should also think the impact gene editing may have on future generations


Assuntos
Humanos , Edição de Genes/ética , Responsabilidade Social , Células Germinativas , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/organização & administração , Tecnologia/legislação & jurisprudência , Direitos Humanos/legislação & jurisprudência
2.
Cad. Ibero Am. Direito Sanit. (Impr.) ; 8(3): 152-172, jul.-set. 2019.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1023217

RESUMO

Objetivo: o artigo analisa a distinção entre responsabilidade solidária e subsidiária dos entes federativos para prestação de ações e serviços de saúde e contribuir com a indicação de critérios objetivos para a fixação dessas responsabilidades. Metodologia: foram verificados os dispositivos constitucionais e legais, trazendo-se a divergência doutrinária e o posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) quanto à fixação da responsabilidade dos entes federativos como solidária. Resultados: as discussões devem se aprofundar para que a responsabilidade subsidiária dos entes federados seja determinada segundo critérios objetivos de descentralização, regionalização e hierarquização definidos pelos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS). Conclusão: necessidade que o STF avalie mais detidamente o modelo de governança do SUS, constituído por regras infraconstitucionais próprias, que trazem a autonomia dos entes federados para disciplinar suas atribuições na proteção e concretização do direito à saúde. (AU).


Objective: the article analyzes the distinction between joint and several liability of federative entities for the provision of health actions and services and contributes to the indication of objective criteria for the establishment of these responsibilities. Methodology: the constitutional and legal provisions were verified, bringing the doctrinal divergence and the position of the Supreme Court regarding the establishment of the responsibility of the federative entities as solidary. Results: the discussions should deepen so that the subsidiary responsibility of the federated entities is determined according to objective criteria of decentralization, regionalization and hierarchization defined by the Brazilian Unified Health System (SUS) managers. Conclusion: it is necessary for the Supreme Court to evaluate more closely the SUS governance model, constituted by its own unconstitutional rules, which bring the autonomy of the federated entities to discipline their duties in the protection and implementation of the right to health. (AU).


Objetivo: El artículo analiza la distinción entre la responsabilidad solidaria y solidaria de las entidades federativas por la provisión de acciones y servicios de salud y contribuye a la indicación de criterios objetivos para el establecimiento de estas responsabilidades. Metodología: se verificaron las disposiciones constitucionales y legales, trayendo la divergencia doctrinal y la posición de la Corte Suprema con respecto al establecimiento de la responsabilidad de las entidades federativas como solidarias. Resultados: las discusiones deberían profundizarse para que la responsabilidad subsidiaria de las entidades federadas se determine de acuerdo con criterios objetivos de descentralización, regionalización y jerarquización definidos por los administradores del Sistema Único de la Salud (SUS). Conclusión: es necesario que la Corte Suprema evalúe más de cerca el modelo de gobernanza del SUS, constituido por sus propias normas inconstitucionales, que otorgan la autonomía de las entidades federadas para disciplinar sus deberes en la protección e implementación del derecho a la salud. (AU).


Assuntos
Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Decisões Judiciais , Federalismo
3.
Rev. nefrol. diál. traspl ; 38(4): 280-285, dic. 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1007016

RESUMO

Cases of next-of-kin veto, i.e., a family refusal to allow organs harvest contrary to donor wishes or when the law presumes consent, is a widespread practice that seriously harms thousands of people. This is a practice settled in many countries Family refusal to donate reduces an already shallow donor pool by approximately 43% in the Americas, 25% in Europe (37,3% in United Kingdom) and 54% in Asia. Some countries, such Argentina, France, Colombia and Wales, current reversed its policy on organ donations to a system that prevents next of kin to dishonoring the donor's wishes restricting the confirm donor status only with the National Donor Registry and unless evidence of their objection is produced. In part I we review the latest amended transplant legislation of those countries that are trying to change this scenario. In part II we question the most frequently cited arguments to uphold the next-of-kin veto right and the countries that successfully changed their legislation banning this practice to encourage organ donation. We conclude that it is imperative to change this practice because the harm caused by promoting the family veto is greater and more serious than the potential harm of not allowing it


Los casos de veto familiar a la donación de órganos es una práctica generalizada que perjudica seriamente a miles de personas. Esta es una práctica establecida en muchos países. La negativa de la familia a donar reduce en un 43% las donaciones bajas de los donantes en las Américas, un 25% en Europa (37,3% en el Reino Unido) y un 54% en Asia. Algunos países como Argentina, Francia, Colombia y Gales han intentado revertir su política de donación de órganos de modo de impedir que los parientes revoquen los deseos del donante. En la primera parte, revisamos las más recientes reformas legislativas de aquellos países que están tratando de cambiar este escenario. En la segunda parte cuestionamos los argumentos más citados para defender el derecho de veto de la familia. Concluimos que es imperativo cambiar esta práctica porque el daño causado por el veto familiar es mayor y más grave que el daño potencial de no permitirlo


Assuntos
Humanos , Bioética , Obtenção de Tecidos e Órgãos/legislação & jurisprudência , Obtenção de Tecidos e Órgãos/ética , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Saúde Pública
4.
Rev. bioét. derecho ; (43): 161-177, jul. 2018.
Artigo em Espanhol | IBECS | ID: ibc-176771

RESUMO

El objetivo de este trabajo es analizar distintos aspectos de la regulación chilena en materias de salud y la teoría bioética, y esclarecer eventuales conflictos con la objeción de conciencia, en torno a la posibilidad de excusarse de practicar abortos en instituciones privadas de salud. La tesis a desarrollar es que existen poderosos argumentos para que una institución de salud no pueda negarse a la realización de abortos, y que la objeción de conciencia no puede constituirse como excusa para tal negativa a pesar de su reciente consagración normativa para instituciones privadas


The objective of the paper is to analyse the various aspects of Chilean health regulation and Bioethics theory, and to clarify its eventual conflicts with conscientious objection, regarding the possibility of excusing oneself from practising abortions in private health institutions. The idea is to show that there are powerful arguments proving a health institution cannot deny an abortion procedure, and that conscientious objection is not a valid excuse for that denial in spite of its recent legal acceptance


L'objectiu d'aquest treball és analitzar diferents aspectes de la regulació xilena en matèria de salut i la teoria bioètica, i esclarir els eventuals conflictes amb l'objecció de consciència pel que fa a la possibilitat d'excusar-se de practicar avortaments en institucions privades de salut. La tesi que s’hi desenvolupa és que existeixen poderosos arguments perquè una institució de salut no pugui negar-se a la realització d'avortaments, i que l'objecció de consciència no pot constituir-se en una excusa per aquesta negativa malgrat la seva recent consagració normativa per a institucions privades


Assuntos
Humanos , Aborto , Direito à Saúde , Teoria Ética , Instituições Privadas de Saúde/ética , Instituições Privadas de Saúde/legislação & jurisprudência , Vigilância Sanitária/legislação & jurisprudência , Jurisprudência , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Chile
5.
Brasília; CONASS; 2018. 97 p. (CONASS documenta, 30).
Monografia em Português | LILACS, Coleciona SUS, CONASS | ID: biblio-986649

RESUMO

O CONASS reconhece a importância do Direito Sanitário, o que é evidente em suas manifestações públicas e produções técnico-científicas. Contudo, é dever chamar a atenção para a abrangência do conjunto normativo que refere o direito à saúde, não sendo admissível sua redução ao fenômeno da judicialização. Com esse pensamento e considerada a necessidade de se especializarem técnicos e advogados públicos da gestão estadual, de modo a capacitá-los nos aspectos da política de saúde, para atuarem pelo SUS, junto à administração, aos tribunais, defensorias, Ministério Público ou quaisquer outras esferas, o CONASS estabeleceu parceria com a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec), a fim de oferecer curso de especialização em Direito Sanitário, pela modalidade de ensino à distância. O curso contou com a expertise do Programa de Direito Sanitário (Prodisa), da Fiocruz Brasília e da Universidade Aberta do SUS (UnaSUS), que atuaram em consonância com as necessidades e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). A proposta de vanguarda favoreceu as condições de ensino-aprendizado de aproximadamente 160 profissionais, de diferentes áreas das Secretarias Estaduais de Saúde (SES) e também das procuradorias dos estados, de forma a propiciar a observação e a compreensão dos indicadores de saúde, a percorrer todo o arcabouço legislativo e normativo do SUS ­ desde a Constituição até seus atos administrativos, para ao final propor, no âmbito da Educação Permanente, o fortalecimento da política pública de saúde, a partir de estratégias territorialmente identificadas. É necessário destacar que a Educação Permanente em Saúde (EPS) é, ao mesmo tempo, um conceito e uma estratégia. Efetua relações orgânicas entre o ensino e o serviço, a docência e a atenção à saúde, o trabalho e a gestão, o desenvolvimento institucional e o controle social. É, portanto, uma estratégia político-pedagógica que favorece a transformação de conceitos e práticas. A EPS reconhece o caráter educativo do trabalho, porque entende o trabalho como lugar de problematização. A aprendizagem acontece no trabalho, a partir dos problemas enfrentados no seu contexto, centrada na resolução dos problemas. A valorização do trabalho como fonte de conhecimento tem relação direta com o conceito de aprendizagem significativa. A aprendizagem significativa considera conhecimentos e experiências, acontece a partir da problematização do processo de trabalho, ora para responder a uma pergunta, ora para produzir um novo conhecimento a partir do diálogo com o que já se sabia. A EPS reconhece o caráter educativo do próprio trabalho, concebido não apenas no sentido instrumental, mas como espaço de problematização, diálogo e construção de consensos. Isto porque conhecimento não se transmite, se constrói desde as dúvidas e questionamentos das práticas, baseadas em determinado contexto. A EPS é um instrumento potente para corrigir o descompasso entre a formação dos profissionais e os princípios e diretrizes do SUS. Na medida em que este CONASS DOCUMENTA 30 constitui-se em fonte de pesquisa, especialmente para a Educação Permanente, cabem duas importantes considerações. A primeira é que a Educação Permanente se faz necessária para todos os profissionais inseridos no sistema de saúde, pois somente com a ampliação do conhecimento é possível o enfrentamento dos desafios postos ao SUS. A segunda é que é missão do CONASS promover a informação e a difusão de conhecimento sobre o SUS, buscando tanto a produção do saber quanto a inovação para a gestão em saúde. Nesse contexto, o presente livro disponibiliza para acesso livre e desembaraçado ­ seja por sua versão impressa ou eletrônica ­ os trabalhos finais do mencionado curso, com o intuito de difundir esta experiência singular possibilitando aprimoramento da gestão e a cooperação técnica entre SES.


Assuntos
Vigilância Sanitária/legislação & jurisprudência , Legislação como Assunto , Direito Sanitário , Sistema Único de Saúde , Brasil , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência
6.
Brasília; CONASS; 2018. 321 p. (Coletânea direito à saúde, 2).
Monografia em Português | LILACS, Coleciona SUS, CONASS | ID: biblio-986817

RESUMO

A Coletânea Direito à Saúde está dividida em 3 volumes: (i) institucionalização; (ii) dilemas do fenômeno da judicialização; (iii) boas práticas e diálogos institucionais. Este é o segundo volume e trata da temática relacionada aos dilemas do fenômeno da judicialização do Direito à Saúde. O Livro 2: dilemas do fenômeno da judicialização, refere-se, em especial, aos problemas relacionados ao fenômeno da judicialização e, assim como os demais, é formado por capítulos compostos a partir de escritos elaborados por profissionais ligados à gestão do sistema de saúde, ao sistema de justiça e também às pesquisas acadêmicas. Neste livro, os artigos apontam questões relevantes sobre a legislação sanitária e a organização do SUS e, em especial, apresentam os problemas e dúvidas que surgem das dificuldades em conciliar as pactuações intergestores e as peculiaridades para o cumprimento das decisões judiciais. A judicialização do direito à saúde tem sido o palanque para a exposição de conflitos entre a organização do sistema de saúde, sua representação judicial e os operadores do direito, cujas teses têm chegado às últimas instâncias de todos os poderes constituídos. Neste cenário, a realidade que se impõe é de uma enorme variedade de perfis dos entes federados e da população, do perfil epidemiológico, dos indicadores de desenvolvimento humano ou econômico, o que justifica a variação do padrão de competências específicas dos entes na gestão do SUS. Ao admitir que não é razoável esperar que a Constituição e a legislação ordinária deem conta de tamanha diversidade, é importante realçar as atribuições das comissões intergestores, que servem de agentes legiferantes no SUS. A governança no SUS tem um arranjo complexo e sofisticado. Trata-se do modelo de governança cooperativa, atualmente expresso na Lei n. 8.080, de 1990, e seu decreto regulamentador. O SUS foi vanguardista na adoção deste modelo que, desde os anos 1990, promove o diálogo entre os entes federados, reconhece as realidades loco-sanitárias, e cuja edição normativa ocorre de forma dinâmica e ininterrupta. Portanto, as normativas exaradas pelas comissões intergestores também compreendem competências específicas e têm sido alvo de debates. Na judicialização, o protagonismo é da atenção hospitalar e da assistência farmacêutica, o que pode encontrar explicação nas necessidades de acesso da população aos serviços de saúde, na cultura hegemônica vigente e nos significativos avanços tecnológicos, tanto na área diagnóstica quanto na terapêutica. Pode ter explicação na relação entre um setor produtivo globalizado, que defende seus interesses comerciais, e o setor público, que deve fazer escolhas alocativas, o que per si já é um dilema e traz uma série de elementos a serem analisados e discutidos. É a partir da contribuição de autores ligados às diferentes instituições, que se suscita o debate acerca dos dilemas que envolvem as relações entre os sistemas judiciário e sanitário. A pretensão deste livro não é, e nem poderia ser, levar o tema à exaustão. Contudo, pretende apresentar ao leitor diferentes pontos de vista que, obrigatoriamente, se relacionam e que não dizem, exclusivamente, as posições adotadas pela gestão estadual do SUS. O Conass reitera seus agradecimentos aos autores e demais envolvidos no presente esforço de produção e difusão de novos conhecimentos no tema e espera contar com toda sua expertise para novos empreendimentos editoriais.


Assuntos
Sistema Único de Saúde/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Políticas Públicas de Saúde , Judicialização da Saúde/legislação & jurisprudência , Judicialização da Saúde/políticas , Brasil , Conselhos de Saúde
7.
Guatemala; Ministerio de Salud Pública y Asistencia Social; 22 nov. 2017. 2 p.
Monografia em Espanhol | LILACS | ID: biblio-1024433

RESUMO

La estrategia, contempla los lineamientos de gestión y atención integral de la red de servicios en salud a nivel nacional. Y además, tiene como objetivo organizar la red de servicios de salud para dar una respuesta operativa.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Estrutura dos Serviços/legislação & jurisprudência , Direito à Saúde , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Serviços Básicos de Saúde , Acesso aos Serviços de Saúde/organização & administração , Gestão em Saúde , Guatemala
8.
Guatemala; Unidad de Planificación Estratégica, Ministerio de Salud Pública y Asistencia Social; ene. 2016. 25 p.
Monografia em Espanhol | LILACS | ID: biblio-1024088

RESUMO

Entre los asuntos abordados por esta normativa, está la de unificar y ordenar los requisitos que deben contener cada uno de los establecimientos de salud, en los distintos niveles de atención, de acuerdo al tipo de servicio de salud que se preste. Además, se definen los tipos de servicios con su respectiva cartera de atención organizándose de acuerdo a los niveles de complejidad; este proceso facilitará brindar a la población servicios disponibles accesibles. Este ordenamiento facilitará hacer una gestión basada en resultados, proceso que evitará la duplicidad de esfuerzos.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Serviços Básicos de Saúde , Serviços de Saúde/legislação & jurisprudência , Acesso aos Serviços de Saúde/legislação & jurisprudência , Hospitais/classificação , Atenção Primária à Saúde/normas , Atenção Secundária à Saúde/legislação & jurisprudência , Atenção Terciária à Saúde/legislação & jurisprudência , Guatemala
10.
Brasília; CONASS; 2015. 20 p. (Coleção para entender a gestão do SUS (atualização coleção lançada em 2011), 1).
Monografia em Português | Coleciona SUS, CONASS | ID: biblio-986929

RESUMO

Esta publicação aborda ainda, a importância das Secretarias Estaduais de Saúde e da sua entidade representativa ­ o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) ­ na construção do sistema público de saúde no Brasil, além de fazer um registro do processo de implantação do Pacto pela Saúde no momento atual.O livro Sistema Único de Saúde apresenta os antecedentes históricos da criação do SUS, a conformação legal a partir da Constituição de 1988 e os seus desdobramentos normativos até os dias de hoje. Aborda os instrumentos e estratégias fundamentais para a sua implementação, como planejamento, sistemas de informação e a participação social e descreve o processo de implantação do SUS, seus avanços e desafios.


Assuntos
Sistema Único de Saúde/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Regulação e Fiscalização em Saúde , Brasil , Conselhos de Saúde
11.
Consensus (Brasília) ; 15(15): 1-5, 2015.
Artigo em Português | Coleciona SUS, CONASS | ID: biblio-987816

RESUMO

O processo de consolidação e aprimoramento do Sistema Único de Saúde (SUS) passa necessariamente pela alocação adicional de recursos e estabilidade das suas fontes de financiamento. Recentemente, nos anos de 2013 e 2014, vários segmentos da sociedade brasileira mobilizaram-se pelo fortalecimento do financiamento do SUS, movimento este denominado Saúde+10", que resultou na apresentação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular (PLC n. 321/2013) ao Congresso Nacional com mais de 2,2 milhões de assinaturas auditadas em prol da aplicação mínima de 10% da Receita Corrente Bruta da União em Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS). Porém, desrespeitando esta explícita manifestação da vontade popular, a quase totalidade dos deputados e senadores do Congresso Nacional (com o apoio do governo federal) aprovou a Proposta de Emenda à Constituição ­ PEC n. 358/2013 em 10/02/2015, agora Emenda Constitucional nº 86/2015 (EC n. 86). O objetivo deste artigo é contribuir para o debate a respeito das implicações dessa EC para o processo de planejamento do SUS, enfatizando a questão do financiamento pela ótica da aplicação mínima em ASPS, baseada nos novos critérios constitucionalmente estabelecidos. O problema está colocado nos seguintes termos: haverá perda de financiamento para o SUS decorrente das novas regras estabelecidas pela EC n. 86? Quais serão as consequências do início da vigência da nova regra constitucional para o financiamento do SUS na União, Distrito Federal, Estados e Municípios?


Assuntos
Economia da Saúde/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Recursos Financeiros em Saúde/organização & administração , Financiamento da Assistência à Saúde
12.
Córdoba; s.n; 2015. 49 p. graf.
Tese em Espanhol | LILACS | ID: biblio-871375

RESUMO

La mortalidad en Orissa es elevada pese a las políticas y esfuerzos del gobierno tendientes a mejorar la salud materna. Durante los últimos cinco años en India los esfuerzos y las inversiones se centraron a nivel del sistema de salud, sin embargo a nivel comunitario todavía existen vacíos sistémicos y amplias brechas que resueltas podrían prevenir significativamente las muertes maternas. En la presente tesis se estudiaron y analizaron 800 muertes maternas en ocho distritos de Orissa, India, producidas entre los años 2007 y 2009 para determinar los condicionantes socio-económicos, los factores y las causas que produjeron las muertes maternas y la enfermedad proponiendo posibles acciones correctivas para evitar este tipo de muertes innecesarias en el futuro. Se esquematizaron los porcentajes de muertes producidos en el modelo de las tres demoras y la relación porcentual de muertes en la comunidad, en los servicios de salud así como también las muertes producidas en camino a los servicios de salud. Se analizaron los datos obtenidos graficando estas relaciones estudiando donde, cómo y cuándo mueren las madres. Cuantas mueren antes del parto y cuantas luego del mismo. Se analizaron el número de muertes en la primera semana luego del parto como indicador importante de impacto social de las muertes maternas. Se estudiaron los factores familiares relacionados con las castas y costumbres en las áreas rurales de Orissa. Finalmente el estudio recomienda acciones a todos los niveles para prevenir y disminuir las muertes maternas innecesarias con acciones efectivas en diferentes niveles de atención del sistema de salud pública del estado de Orissa, India


ABSTRACT: Orissa maternal mortality is high despite govemment efforts and policies aimed at improving maternal health. During the last five years India experienced an increased investment in the public health system to strength the supply side, however the at comunity wide gaps, from the demand side, can be narrowed that could significatly resolved preventing maternal deaths. In the present study, eight hundred maternal deaths were analyzed in eight districts of Orissa, India from 2007 to 2008 in order to determine the socio-economic conditions, factors and causes that produced maternal illness and deaths


Assuntos
Humanos , Feminino , Autopsia , Agentes Comunitários de Saúde , Medicina Legal , Mortalidade Materna/etnologia , Saúde Sexual e Reprodutiva , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Índia
13.
Rev. esp. sanid. penit ; 16(3): 103-109, 2014.
Artigo em Espanhol | IBECS | ID: ibc-127447

RESUMO

El bloqueo en la aplicación de la transferencia de la sanidad penitenciaria a las CCAA, supone un problema sanitario y social, y también indica una gran debilidad institucional y política. El artículo revisa la dinámica de poder entre administraciones y niveles, señalando el carácter subordinado de las agendas sanitarias frente a las políticas y económicas, así como las importantes capacidades de bloqueo del entorno. Sobre esta base se postulan algunas estrategias de mejora de la factibilidad futura de integración de la sanidad penitenciaria en el Sistema Nacional de Salud, a partir de la conciencia de que se precisa acumular poder e influencia, promover mejoras de servicios que mejoren la atractividad y deseabilidad de la sanidad penitenciaria, y asumir plazos más dilatados para que arraiguen cambios culturales (AU)


The blockage in implementing transfer of prison health care to regional governments is a problematic social and health care issue, and also brings to light major institutional and political weaknesses. This article considers the power dynamics between administrations and levels, highlighting the subordinate nature of the health care agendas with regard to political and economic ones, as well as the sizeable capacity for blockage created by the environment itself. Within this context, some strategies are proposed to improve the future feasibility of the integration of prison health into the National Health System, based on the awareness of the need to accumulate power and influence, promote service improvements to increase the attractiveness and desirability of prison health, and the acceptance of more extended time scales so that cultural changes may take root (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Formulação de Políticas , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/normas , Prisões/organização & administração , Prisões/tendências , Sistemas Políticos , Política/normas , Política/tendências , Sistemas de Saúde/organização & administração , Sistemas de Saúde/tendências , Prisões/normas , Prisões , Política/legislação & jurisprudência , Política/organização & administração
14.
Brasília; CONASS; 2013. 159 p. (CONASS documenta, 26).
Monografia em Português | LILACS, Coleciona SUS, CONASS | ID: biblio-986647

RESUMO

Esse CONASS Documenta apresenta uma análise sistemática da Lei n. 141/2012 e a experiência de reorganização do Fundo Estadual de Saúde do Paraná. Espera-se que sirva a todos os gestores do SUS para o aprimoramento dos seus instrumentos de gestão, fundamentais para cumprir a missão de ofertar a toda população brasileira um sistema de saúde efetivo e de qualidade.


Assuntos
Sistema Único de Saúde/organização & administração , Sistemas de Saúde/economia , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Regulação e Fiscalização em Saúde , Brasil , Economia e Organizações de Saúde
15.
Rev. direito sanit ; 14(1): 60-76, marc.-jun. 2013. tab
Artigo em Português | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-65943

RESUMO

O presente artigo se propôs a estudar as demandas do Ministério Público em um município de pequeno porte, a partir do olhar da ouvidoria da saúde. Foi realizada pesquisa de natureza exploratória e qualitativa que utilizou como método o estudo de caso. As unidades de análise foram as demandas apresentadas pelo Ministério Público à secretaria municipal de saúde no período de janeiro a dezembro de 2010. A pesquisa documental consistiu na análise de 77 ofícios. As variáreis estudadas foram: assunto, natureza e teor das demandas. Os dados foram agrupados conforme as categorias analisadas e apresentaram seis tipos de assunto: comunicação, intimação, recomendação, requisição de atendimento, requisição de informação e solicitação de providências. Quanto à natureza das demandas encontramos: execução de pena, curadoria do idoso, cível, procedimento ordinário, contravenção penal, cível (curatela/interdição), medida de proteção e pedido de providência. A análise do teor das demandas demonstrou que a intervenção do Ministério Público tem características bastante peculiares no município estudado, pois, das 77 demandas, apenas três referem-se a serviços indisponíveis no sistema público de saúde. Portanto, apesar de ser objeto de demandas oriundas do Ministério Público, 96,11 por cento das solicitações foram de serviços ou insumos disponíveis no município. O estudo concluiu que, das demandas apresentadas no ano de 2010, nenhuma foi registrada na ouvidoria de saúde. Esse fato demonstra que não há dupla porta para o cidadão acessar seus direitos. No entanto, a não atuação da ouvidoria nesses casos, antecedendo o acesso ao Ministério Público, pode indicar um desconhecimento de sua existência ou função.(AU)


Assuntos
Ministério Público , Direito à Saúde , Sistema Único de Saúde , Problemas Sociais/legislação & jurisprudência , Sistemas de Saúde/legislação & jurisprudência , Política de Saúde , Disparidades nos Níveis de Saúde , Planejamento em Saúde , Pesquisa Qualitativa , Epidemiologia Descritiva , Estudos de Casos e Controles
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA