Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 331
Filtrar
1.
Addiction ; 2021 Feb 23.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-33620750

RESUMO

BACKGROUND AND AIMS: In Latin America, Mexico was first to launch a hepatitis C virus (HCV) elimination strategy, where people who inject drugs (PWID) are a main risk group for transmission. In Tijuana, HCV seroprevalence among PWID is > 90%, with minimal harm reduction (HR). We evaluated cost-effectiveness of strategies to achieve the incidence elimination target among PWID in Tijuana. METHODS: Modeling study using a dynamic, cost-effectiveness model of HCV transmission and progression among active and former PWID in Tijuana, to assess the cost-effectiveness of incidence elimination strategies from a health-care provider perspective. The model incorporated PWID transitions between HR stages (no HR, only opioid agonist therapy, only high coverage needle-syringe programs, both). Four strategies that could achieve the incidence target (80% reduction by 2030) were compared with the status quo (no intervention). The strategies incorporated the number of direct-acting anti-viral (DAA) treatments required with: (1) no HR scale-up, (2) HR scale-up from 2019 to 20% coverage among PWID, (3) HR to 40% coverage and (4) HR to 50% coverage. Costs (2019 US$) and health outcomes [disability-adjusted life years (DALYs)] were discounted 3% per year. Mean incremental cost-effectiveness ratios (ICER, $/DALY averted) were compared with one-time per capita gross domestic product (GDP) ($9698 in 2019) and purchasing power parity-adjusted per capita GDP ($4842-13 557) willingness-to-pay (WTP) thresholds. RESULTS: DAAs alone were the least costly elimination strategy [$173 million, 95% confidence interval (CI) = 126-238 million], but accrued fewer health benefits compared with strategies with HR. DAAs + 50% HR coverage among PWID averted the most DALYs but cost $265 million, 95% CI = 210-335 million). The optimal strategy was DAAs + 50% HR (ICER $6743/DALY averted compared to DAAs only) under the one-time per-capita GDP WTP ($9698). CONCLUSIONS: A combination of high-coverage harm reduction and hepatitis C virus treatment is the optimal cost-effective strategy to achieve the HCV incidence elimination goal in Mexico.

2.
Public Health ; 190: 116-122, 2021 Jan.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-33450632

RESUMO

OBJECTIVES: We develop a patient prioritization scheme for treating patients infected with hepatitis C virus (HCV) and study under which scenarios it outperforms the current practices in Spain and Chile. STUDY DESIGN: We use simulation to evaluate the performance of prioritization rules under two HCV patient cohorts, constructed using secondary data of public records from Chile and Spain, during 2015-2016. METHODS: We use the results of a mathematical model, which determines individual optimal HCV treatment policies as an input for constructing a patient prioritization rule, when limited resources are present. The prioritization is based on marginal analysis on cost increases and health-outcome gains. We construct the Chilean and Spanish case studies and used Monte Carlo simulation to evaluate the performance of our methodology in these two scenarios. RESULTS: The resulting prioritizations for the Chilean and Spanish patients are similar, despite the significant differences of both countries, in terms of epidemiological profiles and cost structures. Furthermore, when resources are scarce compared with the number of patients in need of the new drug, our prioritization significantly outperforms current practices of treating sicker patients first, both in terms of cost and healthcare indicators: for the Chilean case, we have an increase in the quality-adjusted life years (QALYs) of 0.83 with a cost reduction of 8176 euros per patient, with a budget covering 2.5% of the patients in the cohort. This difference slowly decreases when increasing the available resources, converging to the performance indicators obtained when all patients are treated immediately: for the Spanish case, we have a decrease in the QALYs of 0.17 with a cost reduction of 1134 euros per patient, with a budget covering 20% of the patients in the cohort. CONCLUSION: Decision science can provide useful analytical tools for designing efficient public policies that can excel in terms of quantitative health performance indicators.


Assuntos
Antivirais/uso terapêutico , Hepacivirus/isolamento & purificação , Hepatite C Crônica/diagnóstico , Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico , Antivirais/economia , Orçamentos , Chile/epidemiologia , Estudos de Coortes , Análise Custo-Benefício , Feminino , Custos de Cuidados de Saúde , Hepacivirus/efeitos dos fármacos , Hepatite C Crônica/economia , Humanos , Programas de Rastreamento/economia , Modelos Teóricos , Método de Monte Carlo , Anos de Vida Ajustados por Qualidade de Vida , Espanha/epidemiologia , Resultado do Tratamento
3.
Ann Hepatol ; 20: 100292, 2020 Nov 28.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-33259949

RESUMO

INTRODUCTION AND OBJECTIVES: HCV infection is targeted by the WHO's Global Health Sector Strategy on Viral Hepatitis to be reduced notably by 2030. However, renovated epidemiological data is needed to line up with such goals. Herein, we provide an updated review of incidence, prevalence, genotypes (GTs), and risk factors (RFs) of HCV infection in Mexico to build elimination strategies. MATERIAL AND METHODS: HCV incidence was charted using the cumulative new cases/year at week 52. Prevalence, GTs, and RFs data from low-risk (LR-G) and high-risk (HR-Gs) groups were searched in PubMed/MEDLINE/Medigraphic/Scielo databases from January 2008 to December 2019 as per PRISMA guidelines. Weighted mean prevalence (WMP) was estimated; GTs and RFs were registered. RESULTS: In this study, 25,247 new cases were reported. Ten states accumulated 76.32% of HCV incidence that peaked in men at 50-59 years and women at 60-64 years. Thirty-four studies revealed a WMP between 0.774%-2.5% in LR-Gs and 11.8%-39.6% in HR-Gs that included mainly prison inmates, drug users, and dialyzed patients. GT1 and GT2 were predominant; GT3a emerged. Subtypes 1a and 1b circulate differentially, whereas novel GT2 subtypes appeared. Unsafe blood transfusion was infrequent in younger groups, but parenteral/intravenous transmission through drug-related risk behaviors has arisen. CONCLUSIONS: HCV transmission increased notably among LR-Gs and HR-Gs in Mexico. Novel genotypes/subtypes emerged as well as risky behavioral routes of transmission. A national elimination strategy will require pro-active screening in designated risk groups, research in molecular epidemiology, medical training, robust epidemiological databases, and antiviral treatment available to all eligible HCV-infected patients.

4.
Expert Rev Vaccines ; 19(9): 795-805, 2020 Sep.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32955965

RESUMO

INTRODUCTION: The World Health Organization recommends vaccination against hepatitis A virus (HAV) for children aged 1 year and older in areas where endemicity has shifted from high to intermediate. There are no recent comprehensive reviews of the epidemiology of HAV infection in Latin America, but seroprevalence and socioeconomic data suggest that, with improved clean water and sanitation systems, countries are transitioning to intermediate endemicity. AREAS COVERED: We conducted a systematic literature review of the epidemiology of HAV infection in 25 countries in the Latin American region, which included gray literature. We compiled data on HAV incidence and prevalence, including the identification of epidemiological changes observed in countries that established pediatric HAV vaccination programs. EXPERT OPINION: We identified 59 relevant articles, including 34 peer-reviewed seroprevalence studies (12 recent studies from Brazil), three incidence studies, and six vaccine impact studies (three from Argentina). Based on the estimated age at midpoint of population immunity in each country, most have a high-intermediate, intermediate, or low-intermediate level of HAV endemicity, suggesting that national childhood immunization may be an appropriate disease prevention strategy. However, recent data were lacking for most countries. Improved data quality and continued epidemiological surveillance are required for this region.

5.
Brasília; CONITEC; ago. 2020.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1122912

RESUMO

INTRODUÇÃO: Estima-se que a prevalencia de hepatite C entre gestantes no Brasil varie entre 0,2 e 1,4%, entretanto, a partir de 2014 a taxa de deteccao da doenca entre mulheres em idade fertil dobrou no pais, apos a incorporacao pelo Sistema Unico de Saude de antivirais de acao direta com alta efetividade e seguranca. O risco de transmissao vertical e variavel e depende de fatores como o correto planejamento de procedimentos obstetricos, da viremia materna, de coinfeccao por HIV, entre outros. A hepatite C na gravidez esta relacionada a desfechos em saude desfavoraveis para a gestante e os recem-nascidos e, em longo prazo, a aumento de incidencia de carcinoma hepatocelular, cirrose, necessidade de transplante de figado, utilizacao de servicos de saude e mortalidade. Atualmente a conduta para a deteccao de hepatite C em gestantes depende da prospeccao de fatores de risco pre-existentes, a qual postula-se ser ineficaz na identificação do numero real de casos. O rastreamento e proposto como alternativa a testagem baseada em risco com a finalidade de aumentar a taxa de deteccao de casos, diminuir a transmissao vertical e aumentar a cobertura de tratamentos atendendo a politicas publicas de eliminacao da doenca implementadas pelo Sistema de Saude Publica brasileiro. PERGUNTA: A estrategia de rastreamento para hepatite C em gestantes no primeiro trimestre de gravidez durante o prenatal e eficaz, segura e custo-efetiva quando comparada a testagem baseada em fatores de risco de acordo com a conduta em vigencia preconizada no Protocolo Clinico e Diretrizes Terapeuticas (PCDT) de Hepatite C e Coinfeccoes do Ministerio da Saude? TECNOLOGIA: Testagem universal para hepatite C em gestantes no primeiro trimestre de gravidez durante o pre-natal. EVIDÊNCIAS CLÍNICAS: Identificou-se pela avaliacao de estudos observacionais e transversais descritivos que a estrategia de testagem baseada em risco esta associada a baixos rendimentos diagnostico e sensibilidade, ou a uma baixa deteccao de casos efetivamente diagnosticados de hepatite C em gestantes durante o pre-natal. Em estudo realizado no Canada, pais em que a prevalencia estimada de hepatite C em gestantes e de 0,6%, identificou-se que uma resposta positiva (a questionario estruturado) a pelo menos um dos fatores de risco foi relacionada com uma sensibilidade de 67%, uma especificidade de 28%, um valor preditivo positivo de 0,4% e um valor preditivo negativo de 99% para identificacao de gestantes com HCV. Alem disso, identificou-se que o valor preditivo positivo para essa estrategia e dependente dos fatores de risco avaliados. E possivel que essa variabilidade se traduza em diferentes taxas de deteccao da doenca por meio da estrategia de abordagem por risco, com numero de casos verdadeiramente positivos nao identificaveis variando amplamente entre 2,5% e 27%, mas podendo chegar a 50%. De fato, na maioria dos estudos nao se identificou associação estatisticamente significativa entre a presenca de fatores de risco e ter um diagnostico positivo para hepatite C em gestantes. Em relacao aos criterios de Wilson e Jungner, utilizados na avaliacao de estrategias de rastreamento, identificasse que a maioria deles seriam atendidos, entretanto, ainda nao ha estudos em que se avaliem desfechos em saúde relevantes de curto (de importancia obstetrica e transmissao vertical) e longo prazos (evolucao da doenca e transmissibilidade) associados a implementacao de programa de rastreamento para hepatite C em gestantes. Outro criterio nao atendido e a inexistencia atualmente de tratamento antiviral aprovado para o uso em gestantes. AVALIAÇÃO ECONÔMICA: Foi conduzida uma analise de custo-efetividade na perspectiva do Sistema Unico de Saude para comparar as duas estrategias utilizando-se um modelo estatico de arvore de decisao em combinacao com cadeias de Markov. O rastreamento foi associado a custos incrementais de R$ 288,78 e aumento incremental em anos de vida ajustados pela qualidade (AVAQ-QALY) de 0,18 por gestante rastreada em comparacao com a triagem baseada em risco, com uma razao de custo-efetividade incremental de R$1.617,95 por QALY para rastreamento versus estrategia baseada em risco. Análise de impacto orçamentário: O impacto orcamentario anual associado a implementacao de um programa de rastreamento para hepatite C em gestantes na perspectiva do Sistema Unico de Saude foi de R$ 49 milhoes, com estimativa de gastos de 250 milhoes em cinco anos. Foram considerados os gastos diretos com diagnosticos, exames e procedimentos medicos complementares e tratamento. A variacao de parametros como a taxa de cobertura de gestantes testadas no sistema publico de saude em relacao as testadas no sistema suplementar, a taxa de gestantes testadas no primeiro trimestre de gravidez, o numero de gestantes coinfectadas com HIV e a taxa de oferta de tratamento causam reducoes no impacto orcamentario que variam entre 41 e 55%. RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS: As Agencias inglesa National Institute for Health and Care Excellence (NICE), a canadense Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health (CADTH) e a European Association for the Study of the Liver recomendam a testagem baseada na deteccao de fatores de risco. Nos Estados Unidos o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), o U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF) e a American Association for the Study of Liver Diseases e a Infectious Diseases Society of America recomendam o rastreamento para hepatite C em gestantes. O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) esta atualmente revisando as recomendacoes publicadas em 2017. Na Australia e Nova Zelandia, em documento de 2020, o The Royal Australian and New Zealand College of Obstetricians and Gynaecologists (RANZCOG) recomenda o rastreamento para hepatite C em gestantes. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Ha evidencia de moderada qualidade que a estrategia de selecao para testagem de gestantes baseada na identificacao de risco e ineficaz, com baixo valor preditivo positivo e baixa sensibilidade. Apesar de não existem estudos controlados randomizados ou estudos observacionais com braco comparador em que se avaliem as consequencias em saude e os riscos associados a ambas as estrategias, e possivel que o numero de mulheres não detectadas pela estrategia baseada em risco seja significativo com consequencias deleterias para a saude das gestantes e recem-nascidos. Na perspectiva do Sistema Unico de Saude a estrategia de rastreamento se demonstrou mais efetiva que a deteccao baseada em risco com um acrescimo de R$ 288 por gestante testada. Algumas autoridades de saude mundiais vem reformulando as recomendacoes a respeito do diagnostico da hepatite C em gestantes para indicar o rastreamento, principalmente frente ao aumento da taxa de deteccao dos casos mundiais em mulheres, como ocorre no Brasil. A implementacao do programa de rastreamento atende a maioria dos criterios de Wilson e Jungner, exceto a possibilidade de tratamento, que ainda nao e possivel em gestantes. A adocao do rastreamento estaria associada a um incremento de 49 milhoes por ano no orcamento do Ministerio da Saude, principalmente em funcao do alto custo dos tratamentos. RECOMENDAÇÃO INICIAL DA CONITEC: Os membros presentes na 87a reuniao ordinaria da Conitec, que ocorreu no dia 03/06/2020, decidiram, por unanimidade, recomendar a incorporacao da testagem universal para hepatite C em gestantes no pre-natal. CONSULTA PÚBLICA: A consulta publica n° 19/2020, publicada no Diario Oficial da Uniao de 15/06/2020, foi realizada entre os dias 16/06/2020 e 06/07/2020. Foram recebidas 50 contribuicoes, sendo 8 pelo formulario para contribuicoes tecnicocientificas e 42 pelo formulario para contribuicoes sobre experiencia ou opiniao. Entre as 8 contribuicoes recebidas e avaliadas de cunho tecnico-cientifico, 4 foram consideradas para inclusao nesse parecer, todas concordantes com a recomendacao inicial da Conitec. Houve duas contribuicoes de pessoa juridica, da Iniciativa Medicamentos Doenças Negligenciadas (DNDi America Latina) e da Sociedade Brasileira de Infectologia. Os estudos submetidos reforcam a importancia da deteccao acurada de gestantes infectadas pela hepatite C em funcao dos piores desfechos relacionados a gestação nesse contexto e clinico e da possibilidade de encaminhamento das mulheres para acompanhamento para gestação de alto risco, do melhor planejamento de procedimentos obstetricos, de tratamento das mulheres e crianças em momento oportuno apos o parto e do alinhamento com as metas para a eliminacao da doenca no pais, diminuindo a transmissao vertical. Considerou-se a abordagem de testagem por risco como ineficaz. Todas as 42 contribuições recebidas sobre experiencia com a tecnologia ou opiniao sobre a incorporacao traziam contribuicoes em algum dos campos do formulario disponivel para submissao e foram concordantes com a recomendacao inicial da Conitec, incluindo as submetidas pelo Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite e da Sociedade Brasileira de Hepatologia observando-se grande convergencia entre o conteudo dessas contribuicoes e as de cunho tecnico-cientifico. Apos avaliacao das contribuicoes a Conitec manteve a recomendacao inicial favoravel a incorporacao da testagem universal para hepatite C em gestantes no pre-natal. DECISÃO: Incorporar a testagem universal para hepatite viral C em gestantes no prenatal, conforme protocolo do Ministerio da Saude, no ambito do Sistema Unico de Saude - SUS, conforme Portaria no 32, publicada no Diario Oficial da Uniao no 160, secao 1, pagina 118, em 20 de agosto de 2020.


Assuntos
Humanos , Cuidado Pré-Natal/métodos , Testes Sorológicos/instrumentação , Hepatite C/diagnóstico , Patologia Molecular/instrumentação , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
6.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32659974

RESUMO

Hepatitis C (HCV) is a global pandemic. The World Health Organization has developed a strategic plan for HCV elimination that focuses on low- and middle-income countries (LMICs) and high-risk populations, including people who inject drugs (PWID). While direct-acting antiviral (DAA) therapies are highly effective at eliminating HCV infections and have few side effects, medical professionals and policymakers remain concerned about the risk of reinfection among PWID. This study is a systematic review of research measuring the rate of HCV reinfection among PWID in LMICs and identifies additional areas for further research. A systematic search strategy was used to identify studies documenting HCV reinfection after sustained virologic response in PWID in LMICs. We refined results to include studies where at least 50% of participants had DAA treatment for primary HCV infection. Pooled reinfection rate was calculated across all studies. Seven studies met eligibility criteria. Most studies were conducted in six upper middle-income countries (Mexico, Romania, Russia, Taiwan, Georgi, and Brazil) and one lower middle-income country (Bangladesh) with a total of 7665 participants. No study included information from PWID in low-income countries. Sample sizes ranged from 200 to 3004 individuals, with demographic data missing for most participants. Four studies used deep gene sequencing, and reflex genotyping procedures to differentiate reinfection (infection by a different HCV genotype/subtype) from virologic relapse (infection by the same strain). The follow-up time of people cured from primary chronic HCV infection ranged from 12 weeks to 6.6 years. The pooled reinfection rate of all seven studies was 2.8 (range: 0.02 to 10.5) cases per 100 person-years (PY). In the five studies that differentiated relapse from reinfection, the incidence of reinfection was 1.0 per 100 PY. To date, research on reinfection rates among PWID in LMICs remains limited. Research focused on PWID in low-income countries is particularly needed to inform clinical decision making and evidence-based programs. While rates of reinfection among PWID who complete DAA treatment in upper and lower middle-income countries were similar or lower than rates observed in PWID in high-income countries, the rates were highly variable and factors may influence the accuracy of these measurements. This systematic review identifies several areas for continued research. Policies concerning access to HCV testing and treatment should be comprehensive and not place restrictions on PWID in these settings.


Assuntos
Antivirais , Hepatite C Crônica , Hepatite C , Abuso de Substâncias por Via Intravenosa , Antivirais/uso terapêutico , Bangladesh , Brasil , Hepatite C/tratamento farmacológico , Hepatite C/epidemiologia , Humanos , México , Recidiva , Romênia , Federação Russa , Abuso de Substâncias por Via Intravenosa/tratamento farmacológico , Abuso de Substâncias por Via Intravenosa/epidemiologia , Taiwan
7.
Rev Soc Bras Med Trop ; 53: e20190594, 2020.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32578707

RESUMO

INTRODUCTION: We conducted a cost-utility analysis of available interferon-free treatments for patients with early-stage genotype 1 chronic hepatitis C based on a Brazilian public health system perspective. METHODS: A Markov model was derived using a cohort of stage F0-F2 patients treated as recommended by the Brazilian national guidelines. RESULTS: Glecaprevir plus pibrentasvir was superior to all other treatments, followed by sofosbuvir plus velpatasvir. Sofosbuvir plus daclatasvir was identified as the least cost-effective option. CONCLUSIONS: The above findings were confirmed via probabilistic sensitivity analysis and the tested scenarios.


Assuntos
Antivirais/economia , Quimioterapia Combinada/economia , Hepacivirus/genética , Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico , Hepatite C Crônica/economia , Antivirais/administração & dosagem , Análise Custo-Benefício , Quimioterapia Combinada/métodos , Genótipo , Humanos
8.
Brasília; CONITEC; jun. 2020.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1121768

RESUMO

CONTEXTO: a hepatite B crônica, causada pela infecção decorrente do vírus da hepatite B, tem sido um importante problema de saúde no mundo, afetando cerca de 350 milhões de pessoas mundialmente. Estima-se que mais de 786 mil indivíduos morrem anualmente por conta de suas complicações. O transplante de fígado é considerado padrão-ouro no tratamento da insuficiência hepática e do carcinoma hepatocelular relacionados ao vírus da hepatite B. No entanto, a reativação viral pós-transplante pode ser prejudicial à função do aloenxerto, levando a uma baixa sobrevida e, consequentemente, se configura como grande desafio na prática clínica. A profilaxia da reinfecção pelo vírus da hepatite B pós-transplante hepático é preconizada pelo PCDT, do Ministério da Saúde, por meio da utilização de lamivudina e imunoglobulina humana anti-hepatite B, sendo esta última utilizada na dose de 800 UI ao dia, durante boa parte do tratamento. TECNOLOGIA: imunoglobulina humana anti-hepatite B, na apresentação de 1.000 UI. JUSTIFICATIVA DA DEMANDA: atualmente faz-se a composição de dose por meio de um frasco contendo imunoglobulina humana anti-hepatite B 600 UI ou 500 UI juntamente com frascos de 100 UI. Contudo, devido a questões contratuais com a fabricante, a Coordenação-Geral do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CGCEAF/DAF/SCTIE/MS) distribuirá a apresentação de 1.000 UI, de forma excepcional. No entanto, atualmente, esta apresentação não consta na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename). Desse modo, apesar da imunoglobulina humana anti-hepatite B já estar incorporada no SUS, foi solicitada a inclusão da apresentação de 1.000 UI do medicamento. DELIBERAÇÃO FINAL: o Plenário da Conitec, em sua 87ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 03 e 04 de junho de 2020, deliberou por unanimidade recomendar a incorporação da apresentação de 1.000 UI do medicamento imunoglobulina humana anti-hepatite B no SUS. Assim, foi assinado o registro de deliberação nº 524/2020. DECISÃO: Incorporar a apresentação de 1.000 UI do medicamento imunoglobulina humana anti-hepatite B, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, conforme Portaria nº 30, publicada no Diário Oficial da União nº 160, seção 1, página 118, em 20 de agosto de 2020.


Assuntos
Humanos , Imunoglobulinas/uso terapêutico , Vírus da Hepatite B/efeitos dos fármacos , Hepatite B/tratamento farmacológico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia
9.
BMC Health Serv Res ; 20(1): 295, 2020 Apr 09.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32272920

RESUMO

BACKGROUND: The phased withdrawal of oral polio vaccine (OPV) and the introduction of inactivated poliovirus vaccine (IPV) is central to the polio 'end-game' strategy. METHODS: We analyzed the cost implications in Chile of a switch from the vaccination scheme consisting of a pentavalent vaccine with whole-cell pertussis component (wP) plus IPV/OPV vaccines to a scheme with a hexavalent vaccine with acellular pertussis component (aP) and IPV (Hexaxim®) from a societal perspective. Cost data were collected from a variety of sources including national estimates and previous vaccine studies. All costs were expressed in 2017 prices (US$ 1.00 = $Ch 666.26). RESULTS: The overall costs associated with the vaccination scheme (4 doses of pentavalent vaccine plus 1 dose IPV and 3 doses OPV) from a societal perspective was estimated to be US$ 12.70 million, of which US$ 8.84 million were associated with the management of adverse events related to wP. In comparison, the cost associated with the 4-dose scheme with a hexavalent vaccine (based upon the PAHO reference price) was US$ 19.76 million. The cost of switching to the hexavalent vaccine would be an additional US$ 6.45 million. Overall, depending on the scenario, the costs of switching to the hexavalent scheme would range from an additional US$ 2.62 million to US$ 6.45 million compared with the current vaccination scheme. CONCLUSIONS: The switch to the hexavalent vaccine schedule in Chile would lead to additional acquisition costs, which would be partially offset by improved logistics, and a reduction in adverse events associated with the current vaccines.


Assuntos
Vacina contra Difteria, Tétano e Coqueluche/administração & dosagem , Vacina contra Difteria, Tétano e Coqueluche/economia , Substituição de Medicamentos/economia , Vacinas Anti-Haemophilus/administração & dosagem , Vacinas Anti-Haemophilus/economia , Vacinas contra Hepatite B/administração & dosagem , Vacinas contra Hepatite B/economia , Poliomielite/prevenção & controle , Vacina Antipólio de Vírus Inativado/administração & dosagem , Vacina Antipólio de Vírus Inativado/economia , Vacina Antipólio Oral/administração & dosagem , Vacina Antipólio Oral/economia , Vacinação/economia , Chile , Custos e Análise de Custo , Humanos , Esquemas de Imunização , Lactente , Vacinas Combinadas/administração & dosagem , Vacinas Combinadas/economia
10.
Cad Saude Publica ; 36(2): e00036619, 2020.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-32022174

RESUMO

Cost-effectiveness analysis is essential in health decision making. Several countries use it as synthesis of evidence to incorporate health technologies. The protease inhibitors (PI) boceprevir (BOC) and telaprevir (TVR) are indicated for chronic hepatitis C treatment and were incorporated in guidelines worldwide. Pre-marketing clinical trials showed higher sustained virological response rates in relation to previous therapies, but the incorporation of PIs generated a significant financial impact. The aim of this study was to discuss the relevance of cost-effectiveness analysis through a study that involved the inclusion of PIs in a clinical protocol. The analysis was part of a real-life study that included patients infected with hepatitis C virus genotype 1 treated in a tertiary university hospital in Brazil. Triple therapies (TT) with ribavirin (RBV), peginterferon α-2a (Peg-INF α-2a) and BOC or TVR were compared to dual therapy with RBV and Peg-INF α-2a. Sensitivity analysis of the cost-effectiveness ratio indicated an 88.2% chance of TTs presenting a higher cost per cure. The incremental cost-effectiveness ratios (ICER) exceeded the Brazilian gross domestic product (GDP) per capita by three times in all proposed scenarios. The sensitivity of ICER showed an 88.4% chance of TT not being cost-effective. The impact of PI incorporation was negative and the conduct about this could have been different if a previous cost-effectiveness analysis had been conducted.


Assuntos
Antivirais/uso terapêutico , Análise Custo-Benefício , Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico , Antivirais/economia , Brasil , Quimioterapia Combinada , Genótipo , Hepacivirus , Hepatite C Crônica/economia , Humanos , Interferon alfa-2 , Interferon-alfa , Oligopeptídeos , Polietilenoglicóis , Prolina/análogos & derivados , Anos de Vida Ajustados por Qualidade de Vida , Proteínas Recombinantes , Ribavirina
11.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop ; 53: e20190594, 2020. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS-Express | LILACS, Coleciona SUS, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1136866

RESUMO

Abstract INTRODUCTION We conducted a cost-utility analysis of available interferon-free treatments for patients with early-stage genotype 1 chronic hepatitis C based on a Brazilian public health system perspective. METHODS A Markov model was derived using a cohort of stage F0-F2 patients treated as recommended by the Brazilian national guidelines. RESULTS: Glecaprevir plus pibrentasvir was superior to all other treatments, followed by sofosbuvir plus velpatasvir. Sofosbuvir plus daclatasvir was identified as the least cost-effective option. CONCLUSIONS: The above findings were confirmed via probabilistic sensitivity analysis and the tested scenarios.

12.
Int J Health Care Qual Assur ; 32(8): 1175-1199, 2019 Oct 14.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31566514

RESUMO

PURPOSE: Hepatitis A is a prevalent disease that is largely preventable by vaccine usage. The vaccine for this illness is highly underused in most regions. In an attempt to find the strategies that are most beneficial in regard to quality-adjusted life years (QALYs) and cost in current environments, the purpose of this paper is to conduct cost-effectiveness analyses to investigate vaccination strategies in a more economically developed country (MEDC), generally known as a "developed" area: the USA, and a less economically developed country (LEDC), generally known as a "developing" area: the state of Rio de Janeiro, Brazil. DESIGN/METHODOLOGY/APPROACH: This study used a dynamic transmission model for comparative effectiveness analyses. The model ran two different scenarios. The two regions studied have different policies and strategies for Hepatitis A vaccination currently, and also used different strategies in 2009. In the USA, a universal vaccination policy was modeled, along with a scenario in which it was removed. In Rio de Janeiro, a no vaccination policy was modeled, along with a scenario in which a universal vaccination policy was effected. FINDINGS: The comparison of resulting incremental cost-effectiveness ratio values to accepted threshold values showed universal vaccination to be cost-effective in both the USA and Rio de Janeiro as compared to no vaccination. When episode and vaccination costs and vaccination efficacy were varied, this still remained true. Universal vaccination was found to result in lower incidence of Hepatitis A in both the USA and Rio de Janeiro. Over the twenty-year time horizon, universal vaccination is projected to prevent 506,945 cases of symptomatic Hepatitis A in the USA and 42,318 cases of Hepatitis A in Rio de Janeiro. Other benefits include a projected increase in cumulative QALYs through the use of universal vaccination. ORIGINALITY/VALUE: This analysis showed universal vaccination to be cost-effective as compared to no vaccination, and portions of the study's approach had not previously been applied in tandem to investigate Hepatitis A interventions. The results may help foster higher compliance rates for Hepatitis A vaccination and even greater per-person economic benefits of universal vaccination, particularly in the USA. The purpose of this study is also to encourage elevated levels of surveillance on age of infection in developing regions and consistent reevaluation utilizing dynamic transmission models in both the USA and Brazil, as well as other rapidly developing regions, in order to prevent future epidemics and costs associated with the disease.


Assuntos
Análise Custo-Benefício , Países em Desenvolvimento , Hepatite A/prevenção & controle , Vacinação/economia , Vacinação/tendências , Adolescente , Adulto , Brasil/epidemiologia , Criança , Pré-Escolar , Hepatite A/epidemiologia , Humanos , Lactente , Pessoa de Meia-Idade , Anos de Vida Ajustados por Qualidade de Vida , Adulto Jovem
13.
Brasília; CONITEC; set. 2019.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1024438

RESUMO

APRESENTAÇÃO: Algumas propostas de incorporação tecnológica no SUS são avaliadas pela CONITEC de forma simplificada, não sendo submetidas à consulta pública e/ou audiência pública. São propostas de relevante interesse público que tratam de ampliação ou alguns casos de exclusão de uso de tecnologias, nova apresentação de medicamentos ou incorporação de medicamentos com tradicionalidade de uso. Todas essas demandas, exceto as de exclusão, envolvem tecnologias de baixo custo e baixo impacto orçamentário para o SUS e estão relacionadas à elaboração ou revisão de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas (PCDT). SOLICITAÇÃO DE EXCLUSÃ: O Demandante: Coordenação de Vigilância das Ist, Aids e Hepatites Virais. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do Hiv/Aids e das Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde (Nota Técnica nº 1/2019- COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14). Nomes das tecnologias: ombitasvir 12,5 mg/ veruprevir 75 mg/ ritonavir 50 mg comprimido e dasabuvir 250 mg comprimido. Disponíveis apenas em blíster em associação para os esquemas de tratamento da hepatite viral C. A DOENÇA: Segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018), o vírus da hepatite C (HCV) pertence ao gênero Hepacivirus, família Flaviviridae. Sua estrutura genômica é composta por uma fita simples de ácido ribonucleico (RNA), de polaridade positiva, com aproximadamente 9.400 nucleotídeos. Existem, pelo menos, 7 genótipos e 67 subtipos do vírus. A transmissão do HCV ocorre principalmente por via parenteral, por meio do contato com sangue contaminado, a exemplo do compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, reutilização ou falha de esterilização de equipamentos médicos ou odontológicos, falha de esterilização de equipamentos de manicures e reutilização de material para realização de tatuagem e uso de sangue e seus derivados contaminados. A transmissão sexual do HCV também tem sido relatada de forma esporádica. De forma geral, a transmissão sexual desse vírus é pouco eficiente e ocorre em relações sem uso de preservativo. Há também a possibilidade de transmissão vertical, em menor proporção dos casos. De modo geral, a hepatite C aguda apresenta evolução subclínica. A maioria dos casos têm apresentação assintomática e anictérica, o que dificulta o diagnóstico. Habitualmente, a hepatite C é diagnosticada em sua fase crônica. Como os sintomas são muitas vezes escassos e inespecíficos, a doença pode evoluir durante décadas sem diagnóstico. Em geral, o diagnóstico ocorre após teste sorológico de rotina ou por doação de sangue. Esse fato reitera a importância da suspeição clínica por toda a equipe multiprofissional e do aumento da oferta de diagnóstico sorológico ­ especialmente para as populações vulneráveis ao HCV. A hepatite crônica pelo HCV é uma doença de caráter insidioso, caracterizando-se por um processo inflamatório persistente. Na ausência de tratamento há cronificação em 60% a 85% dos casos e, em média, 20% evoluem para cirrose ao longo do tempo. Uma vez estabelecido o diagnóstico de cirrose hepática, o risco anual para o surgimento de carcinoma hepatocelular (CHC) é de 1% a 5%. O risco anual de descompensação hepática é de 3% a 6%. Após um primeiro episódio de descompensação hepática, o risco de óbito, nos próximos 12 meses, é 15% a 20%. No entanto, a taxa de progressão para cirrose é variável e pode ser mais acelerada em determinados grupos de pacientes, como alcoolistas ou coinfectados pelo HIV. A evolução para óbito, geralmente, decorre de complicações da hepatopatia crônica, como a insuficiência hepatocelular, hipertensão portal (varizes gastresofágicas, hemorragia digestiva alta, ascite), encefalopatia hepática, além de trombocitopenia e desenvolvimento de CHC. TRATAMENTO: O tratamento da hepatite C e coinfecções no Sistema Único de Saúde segue o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018). O tratamento instituído depende de características dos pacientes, dos subtipos virais diagnosticados, do histórico clínico e resposta a tratamentos prévios, do grau de fibrose hepática e da presença de cirrose, além da existência de coinfecções. Em adultos preconiza-se o uso de associações entre antivirais de ação direta pelo tempo de 8 a 24 semanas a depender de análise das condições anteriores. As atuais alternativas terapêuticas para o tratamento da hepatite C, com registro no Brasil e incorporadas ao SUS, apresentam alta efetividade terapêutica. De forma geral a efetividade terapêutica, mensurada pela resposta virológica sustentada (RVS), é absolutamente comparável entre todos os esquemas propostos, quando se avaliam situações clínicas semelhantes. No entanto, algumas características específicas desses esquemas os diferencia entre si, como: indicações para populações específicas, diferenças inerentes à comodidade posológica, dispensabilidade da realização de exames em alguns casos e o preço praticado pelas indústrias fabricantes. Essa condição de similaridade permite que a análise da oferta dos esquemas terapêuticos no SUS seja baseada em uma análise de custo-minimização, ou seja, priorização das alternativas que implicam em um menor impacto financeiro ao Sistema, sem deixar de garantir o acesso a terapias seguras e eficazes aos pacientes com hepatite C. Os medicamentos atualmente incorporados ao SUS são, em sua maioria, pangenotípicos utilizados em dose única e, salvos os casos especiais, na maior parte dos indivíduos, sem distinção entre populações específicas. JUSTIFICATIVA DA EXCLUSÃO: De acordo com a Nota Técnica nº 1/2019-COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14, a associação entre ombitasvir/veruprevir/ritonavir e dasabuvir (Viekira Pak®) é um medicamento incorporado ao elenco do SUS para o tratamento da Hepatite C e Coinfecções, pela Portaria SCTIE/MS nº 40, de 30 de novembro de 2016. O tratamento com ombitasvir/veruprevir/ritonavir e dasabuvir estabeleceu-se, à época de sua incorporação, como uma alternativa para os pacientes com doença renal crônica grave e monoinfectados com o genótipo 1 do vírus da hepatite C, conforme relatório de recomendação nº 233 da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). O referido medicamento passou a compor o rol de tecnologias preconizadas para o tratamento da hepatite C a partir da vigência da versão do PCDT publicada em setembro de 2017, com a aprovação da Portaria SCTIE/MS nº 33 de 31 de agosto daquele ano. Naquele momento a incorporação da nova tecnologia se caracterizava como uma alternativa ao uso de esquemas compostos exclusivamente por sofosbuvir, aumentando a competitividade e, por conseguinte, contribuindo para a redução do custo global de tratamento. Contudo, no que se refere aos medicamentos para hepatite C, houve uma dinamicidade significativa nos registros de novas tecnologias na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e consequentemente a avaliação pelo Ministério da Saúde dessas alternativas frente aos medicamentos já incorporados ao SUS. Ainda que as novas alternativas inseridas no mercado brasileiro não implicassem em diferenças significativas quanto à eficácia frente àqueles já disponibilizados, apresentavam algumas vantagens em relação à cobertura de pacientes no que tange aos genótipos tratados por um mesmo medicamento, prescindibilidade de associação com ribavirina e comodidade posológica. A atual versão do PCDT de Hepatite C e Coinfecções, aprovada pela Portaria SCTIE/MS nº 84, de 19 de dezembro de 2018, é o resultado do texto proposto inicialmente na 72ª reunião da CONITEC com alterações motivadas pelas contribuições recebidas durante a Consulta Pública número 68/2018 - realizada entre os dias 09 e 19 de novembro de 2018 -, bem como das discussões ocorridas na 73ª Reunião da Plenária da Conitec, em 05 de dezembro de 2018, quando foram apresentadas as contribuições. Vale destacar que na atual versão do PCDT deixa-se de preconizar a indicação do tratamento com ombitasvir/veruprevir/ritonavir e dasabuvir, pelas razões detalhadas neste relatório. RECOMENDAÇÃO FINAL: Aos 7 (sete) dias do mês de fevereiro de 2019, reuniu-se a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde ­ CONITEC, regulamentada pelo Decreto nº 7.646, de 21 de dezembro de 2011, e os membros presentes deliberaram por unanimidade recomendar a exclusão da terapia ombitasvir, veruprevir e ritonavir+dasabuvir (3D) no tratamento da Hepatite C. Assinou-se o registro de deliberação n°418/2019. DECISÃO: PORTARIA Nº 44, DE 10 DE SETEMBRO DE 2019: Torna pública a decisão de excluir a terapia ombitasvir, veruprevir e ritonavir+dasabuvir (3D) no tratamento da hepatite C, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS.


Assuntos
Humanos , Inibidores de Proteases , Ritonavir , Recall de Medicamento , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil
14.
Value Health Reg Issues ; 20: 95-102, 2019 Dec.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31108456

RESUMO

OBJECTIVES: Because of the lack of evidence regarding long-term effectiveness and cost-effectiveness of first-generation direct-acting antivirals for chronic hepatitis C (CHC) treatment in Brazil, we performed a cost-utility analysis comparing standard dual therapy (peginterferon plus ribavirin [pegIFN/RBV]), boceprevir, and telaprevir for CHC patients. METHODS: We developed a state-transition Markov model simulating the progression of CHC. Long-term outcomes included remaining life expectancy in life-years (LYs), quality-adjusted life-years (QALYs), and incremental cost-effectiveness ratio (ICER). Short-term outcomes included sustained virological response rates (SVR). Direct medical costs were obtained from Brazilian databases. A lifelong time horizon was considered and a 5% annual discount rate was applied for costs and clinical outcomes. A willingness-to-pay threshold of approximately $20 000 per QALY was used. We performed multiple sensitivity analyses. RESULTS: For short- and long-term scenarios, therapy with boceprevir was dominated by telaprevir, which was more effective than standard dual therapy (75.0% vs 40.4% SVR rate, 13.47 vs 12.59 LYs, and 9.74 vs 8.49 QALYs, respectively) and was also more expensive ($15 742 vs $5413). The corresponding ICERs were $29 854/SVR, $11 803/LY, and $8277/QALY. Based on our model, triple therapy with telaprevir was the most cost-effective treatment for the Brazilian health system. Despite a lack of data regarding the Brazilian population, we incorporated as many applicable parameters as possible. CONCLUSIONS: Telaprevir is more effective and cost-effective than boceprevir. Our model may be applied for other settings with a few adjustments in the input parameters.


Assuntos
Antivirais/uso terapêutico , Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico , Oligopeptídeos/uso terapêutico , Prolina/análogos & derivados , Antivirais/administração & dosagem , Antivirais/efeitos adversos , Brasil , Análise Custo-Benefício , Custos de Medicamentos , Quimioterapia Combinada , Feminino , Custos de Cuidados de Saúde/estatística & dados numéricos , Hepatite C Crônica/economia , Humanos , Interferon-alfa/administração & dosagem , Interferon-alfa/economia , Interferon-alfa/uso terapêutico , Masculino , Cadeias de Markov , Pessoa de Meia-Idade , Oligopeptídeos/administração & dosagem , Oligopeptídeos/economia , Prolina/administração & dosagem , Prolina/economia , Prolina/uso terapêutico , Prática de Saúde Pública/economia , Prática de Saúde Pública/estatística & dados numéricos , Anos de Vida Ajustados por Qualidade de Vida , Ribavirina/administração & dosagem , Ribavirina/economia , Ribavirina/uso terapêutico , Resultado do Tratamento
15.
Rev Panam Salud Publica ; 43: e17, 2019.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31093241

RESUMO

Objective: To identify and summarize existing literature on the burden of HIV, sexually transmitted infections (STIs), and viral hepatitis (VH) in indigenous peoples and Afro-descendants in Latin America to provide a broad panorama of the quantitative data available and highlight problematic data gaps. Methods: Published and grey literature were systematically reviewed to identify documents published in English, Spanish, or Portuguese with data collected between January 2000 and April 2016 on HIV, STI, and VH disease burden among indigenous peoples and Afro-descendants in 17 Latin American countries. Results: Sixty-two documents from 12 countries were found. HIV prevalence was generally low (< 1%) but pockets of high prevalence (> 5%) were noted in some indigenous communities in Venezuela (Warao) (9.6%), Peru (Chayahuita) (7.5%), and Colombia (Wayuu females) (7.0%). High active syphilis prevalence (> 5%) was seen in some indigenous communities in Paraguay (11.6% and 9.7%) and Peru (Chayahuita) (6.3%). High endemicity (> 8%) of hepatitis B was found in some indigenous peoples in Mexico (Huichol) (9.4%) and Venezuela (Yanomami: 14.3%; Japreira: 29.5%) and among Afro-descendant quilombola populations in Brazil (Frechal: 12.5%; Furnas do Dionísio: 8.4% in 2008, 9.2% in 2003). Conclusions: The gaps in existing data on the burden of HIV, STIs, and VH in indigenous peoples and Afro-descendants in Latin America highlight the need to 1) improve national surveillance, by systematically collecting and analyzing ethnicity variables, and implementing integrated biobehavioral studies using robust methodologies and culturally sensitive strategies; 2) develop a region-wide response policy that considers the needs of indigenous peoples and Afro-descendants; and 3) implement an intercultural approach to health and service delivery to eliminate health access barriers and improve health outcomes for these populations.

16.
Washington, D.C.; OPS; 2019-05-17.
em Inglês, Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-50993

RESUMO

En el presente documento se comunica el progreso logrado en la Región hacia la eliminación de la transmisión maternoinfantil del VIH y la sífilis entre los años 2010 y 2017. Se trata también del primer informe regional sobre la eliminación de la transmisión maternoinfantil y durante la primera infancia de la hepatitis B y la enfermedad de Chagas congénita. Los resultados principales son los siguientes: El acceso de las embarazadas a la atención prenatal y del parto es alto en la Región de las Américas. El tamizaje de la infección por el VIH y la sífilis en las embarazadas sigue siendo alto, pero se han logrado pocos avances para salvar las brechas; por otra parte, el tamizaje de la enfermedad de Chagas en las embarazadas es muy variable, dado que oscila entre 7% y 55% en los pocos países que presentan informes al respecto. El tratamiento de la infección por el VIH y la sífilis en las embarazadas seropositivas sigue en aumento. La vacunación contra la hepatitis B se ha estabilizado en 87% de los menores de 1 año que completan su tercera dosis, aunque continúa en aumento la adopción de políticas de administración de una dosis al nacer de la vacuna contra el virus de la hepatitis B a todos los recién nacidos. Durante mucho tiempo se ha observado una disminución continua de la transmisión maternoinfantil del VIH, pero comienza a estabilizarse. Los casos de sífilis congénita están en aumento. Se considera que la transmisión maternoinfantil causa más de 20% de los casos nuevos de enfermedad de Chagas.


This document reports the progress made in the Americas towards the EMTCT of HIV and syphilis between 2010 and 2017. It is the first Regional report regarding elimination of mother-to-child and early childhood transmission of hepatitis B and congenital Chagas disease. The main findings are as follows: Access to prenatal and delivery care for pregnant women is high in the Americas. Screening of pregnant women for HIV and syphilis remains high but little progress has been made in closing the gaps; meanwhile, screening of pregnant women for Chagas disease varies widely, ranging from 7% to 55% among the few reporting countries. HIV and syphilis treatment of seropositive pregnant women continues to increase. Vaccination for hepatitis B has stabilized at 87% of children under one year old who completed their third dose, and policies for universal timely hepatitis B vaccine birth dose are increasingly being adopted. MTCT of HIV experienced longstanding reductions but has begun to stabilize. Congenital syphilis cases are on the rise. Mother-to-child transmission is estimated to cause over 20% of new cases of Chagas disease.


Assuntos
Sífilis , Hepatite B , Doença de Chagas , Doenças Transmissíveis , América , Sífilis , HIV , Doenças Transmissíveis , HIV
17.
Enferm. infecc. microbiol. clín. (Ed. impr.) ; 37(4): 222-230, abr. 2019. tab, graf
Artigo em Inglês | IBECS | ID: ibc-189201

RESUMO

INTRODUCTION: Spain, which has one of the largest migrant populations in Europe, has committed to eliminating the hepatitis C virus (HCV). The aim of this study was to estimate the prevalence of HCV among migrant groups in Spain, a country of 46 million people, with an estimated HCV-antibody prevalence of 1.7%. METHODS: Studies on HCV and migration in Spain were identified by systematically searching three databases from the first records to 30 November 2017, and consulting experts at the Ministry of Health and in the 17 Spanish autonomous communities. A meta-analysis was conducted to determine pooled HCV prevalence for the general migrant population. Prevalences were also calculated for high-risk migrant populations and populations who had undergone hospital screening, stratified by region of origin. RESULTS: Out of 243 studies identified, 26 met the eligibility criteria. The meta-analysis of the general migrant population found HCV antibody prevalence to be 1.6%. Migrants originating from European countries, including those at high or moderate risk for HCV, had the highest pooled prevalence (7.1%). In the general migrant population, prevalence was highest among sub-Saharan African migrants (3.1%) and lowest among Latin American migrants (0.2%). CONCLUSION: Based on the limited available data, the prevalence among the general migrant population was found to be the same as the general Spanish population. Further research is needed to more accurately determine HCV prevalence for the overall migrant population and specific migrant subpopulations with a higher risk in the country as a whole and in each of Spain's 17 autonomous communities


INTRODUCCIÓN: España, con una de las mayores poblaciones de inmigrantes en Europa se ha comprometido en la tarea de eliminar el virus de la hepatitis C (VHC). El objetivo de este estudio fue estimar la prevalencia del VHC entre los grupos de migrantes en España, un país de 46 millones de personas, con una prevalencia estimada de anticuerpos contra el VHC del 1,7%. MÉTODOS: Se identificaron los estudios sobre el VHC y la migración en España mediante la búsqueda sistemática de 3 bases de datos desde los primeros registros hasta el 30 de noviembre de 2017. Se consultaron expertos del Ministerio de Salud y de las 17 comunidades autónomas españolas. Se realizó un metaanálisis para determinar la prevalencia combinada del VHC para la población migrante general. También se calcularon las prevalencias para poblaciones migrantes de alto riesgo, y para aquellas poblaciones con cribado realizado a nivel hospitalario, estratificadas por región de origen. RESULTADOS: De 243 estudios identificados, 26 cumplieron con los criterios de elegibilidad. El metaanálisis de la población migrante general encontró que la prevalencia de anticuerpos contra el VHC era del 1,6%. Los migrantes provenientes de países europeos, incluidos aquellos con alto o mediano riesgo del VHC, tuvieron la mayor prevalencia combinada (7,1%). En la población migrante general, la prevalencia fue más alta entre los migrantes del África subsahariana (3,1%) y más baja entre los migrantes de América Latina (0,2%). CONCLUSIÓN: En función de los datos disponibles que son limitados, el estudio muestra que la prevalencia entre la población general migrante en España es la misma que la de la población general española. Se necesitan más estudios para determinar con mayor precisión la prevalencia del VHC en la población general de migrantes y las subpoblaciones de población inmigrante con mayor riesgo específicas en el país en su conjunto y en las 17 comunidades autónomas de España


Assuntos
Humanos , Emigrantes e Imigrantes , Hepatite C/epidemiologia , Prevalência , Espanha/epidemiologia
19.
Brasília; CONITEC; fev. 2019.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-997343

RESUMO

APRESENTAÇÃO: Algumas propostas de incorporação tecnológica no SUS são avaliadas pela CONITEC de forma simplificada, não sendo submetidas à consulta pública e/ou audiência pública. São propostas de relevante interesse público que tratam de ampliação ou em alguns casos da exclusão de uso de tecnologias, nova apresentação de medicamentos ou incorporação de medicamentos com tradicionalidade de uso. Todas essas demandas, exceto as de exclusão, envolvem tecnologias de baixo custo e baixo impacto orçamentário para o SUS e estão relacionadas à elaboração ou revisão de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas (PCDT). SOLICITAÇÃO DE EXCLUSÃO: Demandante: Coordenação de Vigilância das Ist, Aids e Hepatites Virais. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do Hiv/Aids e das Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde (Nota Técnica nº 1/2019-COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14). Nome da tecnologia: simeprevir 150 mg (por cápsula). Nome comercial: o medicamento com o princípio ativo simeprevir sódico é comercializado no Brasil somente como Olysio® da Janssen-Cilag® (150 mg cápsulas duras, blister com 28 unidades). A DOENÇA: Segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018), o vírus da hepatite C (HCV) pertence ao gênero Hepacivirus, familia ́ Flaviviridae. Sua estrutura genômica écomposta por uma fita simples de ácido ribonucleico (RNA), de polaridade positiva, com aproximadamente 9.400 nucleotideos. ́ Existem, pelo menos, 7 genótipos e 67 subtipos do vírus. A transmissão do HCV ocorre principalmente por via parenteral, por meio do contato com sangue contaminado, a exemplo do compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, reutilização ou falha de esterilização de equipamentos médicos ou odontológicos, falha de esterilização de equipamentos de manicures e reutilização de material para realização de tatuagem e uso de sangue e seus derivados contaminados. A transmissão sexual do HCV também tem sido relatada de forma esporádica. De forma geral, a transmissão sexual desse vírus é pouco eficiente e ocorre em relações sem uso de preservativo. Há também a possibilidade de transmissão vertical, em menor proporção dos casos. De modo geral, a hepatite C aguda apresenta evolução subclínica. A maioria dos casos têm apresentação assintomática e anictérica, o que dificulta o diagnóstico. Habitualmente, a hepatite C é diagnosticada em sua fase crônica. Como os sintomas são muitas vezes escassos e inespecíficos, a doença pode evoluir durante décadas sem diagnóstico. Em geral, o diagnóstico ocorre após teste sorológico de rotina ou por doação de sangue. Esse fato reitera a importância da suspeição clínica por toda a equipe multiprofissional e do aumento da oferta de diagnóstico sorológico ­ especialmente para as populações vulneráveis ao HCV. A hepatite crônica pelo HCV é uma doença de caráter insidioso, caracterizando-se por um processo inflamatório persistente. Na ausência de tratamento há cronificação em 60% a 85% dos casos e, em média, 20% evoluem para cirrose ao longo do tempo. Uma vez estabelecido o diagnóstico de cirrose hepática, o risco anual para o surgimento de carcinoma hepatocelular (CHC) é de 1% a 5%. O risco anual de descompensação hepática é de 3% a 6%. Após um primeiro episódio de descompensação hepática, o risco de óbito, nos próximos 12 meses, é 15% a 20%. TRATAMENTO: O tratamento da hepatite C e coinfecções no Sistema Único de Saúde segue o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018). O tratamento instituído depende de características dos pacientes, dos subtipos virais diagnosticados, do histórico clínico e resposta a tratamentos prévios, do grau de fibrose hepática e da presença de cirrose, além da existência de coinfecções. Em adultos preconiza-se o uso de associações entre antivirais de ação direta pelo tempo de 8 a 24 semanas a depender de análise das condições anteriores. As atuais alternativas terapêuticas para o tratamento da hepatite C, com registro no Brasil e incorporadas ao SUS, apresentam alta efetividade terapêutica. De forma geral a efetividade terapêutica, mensurada pela resposta virológica sustentada (RVS), é absolutamente comparável entre todos os esquemas propostos, quando se avaliam situações clínicas semelhantes. No entanto, algumas características específicas desses esquemas os diferencia entre si, como: indicações para populações específicas, diferenças inerentes à comodidade posológica, dispensabilidade da realização de exames em alguns casos e o preço praticado pelas indústrias fabricantes. Essa condição de similaridade permite que a análise da oferta dos esquemas terapêuticos no SUS seja baseada em uma análise de custo-minimização, ou seja, priorização das alternativas que implicam em um menor impacto financeiro ao Sistema, sem deixar de garantir o acesso a terapias seguras e eficazes aos pacientes com hepatite C. Os medicamentos atualmente incorporados ao SUS são, em sua maioria, pangenotípicos utilizados em dose única e, salvos os casos especiais, na maior parte dos indivíduos, sem distinção entre populações específicas. JUSTIFICATIVA DA EXCLUSÃO: De acordo com a Nota Técnica nº 1/2019-COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14, simeprevir (Olysio®) é um medicamento incorporado ao elenco do SUS para o tratamento da Hepatite C e Coinfecções, pela Portaria SCTIE/MS nº 29, de 22 de junho de 2015. A indicação de simeprevir, de acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) de Hepatite C e Coinfecções publicado em julho de 2015, orientava sobre a possibilidade de prescrição desse medicamento para pacientes monoinfectados com genótipo 1 do HCV, sem cirrose ou com cirrose Child-A. O uso de simeprevir estava obrigatoriamente associado à administração concomitante com sofosbuvir, por um período de 12 semanas. A partir da revisão do PCDT, ocorrida em setembro de 2017, passou-se a indicar o uso do esquema de simeprevir em associação a daclatasvir para tratar pacientes com o genótipo 4 do HCV, bem como para retratar pacientes não respondedores a tratamentos prévios realizados com a associação de sofosbuvir e daclatasvir. RECOMENDAÇÃO FINAL: Aos 7 (sete) dias do mês de fevereiro de 2019, reuniu-se a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde ­ CONITEC, regulamentada pelo Decreto nº 7.646, de 21 de dezembro de 2011, e os membros presentes deliberaram por unanimidade recomendar a exclusão do simeprevir para o tratamento da Hepatite C. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 417/2019. DECISÃO: A portaria nº 13, de 25 de fevereiro de 2019 - Torna pública a decisão de excluir o medicamento simprevir para o tratamento da hepatite C, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS.


Assuntos
Humanos , Hepatite C , Simeprevir/normas , Simeprevir/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Análise Custo-Eficiência , Avaliação em Saúde/economia , Sistema Único de Saúde , Brasil
20.
Brasília; CONITEC; fev. 2019. graf, ilus, tab.
Não convencional em Português | BRISA/RedTESA | ID: biblio-1024334

RESUMO

APRESENTAÇÃO: Algumas propostas de incorporação tecnológica no SUS são avaliadas pela CONITEC de forma simplificada, não sendo submetidas à consulta pública e/ou audiência pública. São propostas de relevante interesse público que tratam de ampliação ou em alguns casos da exclusão de uso de tecnologias, nova apresentação de medicamentos ou incorporação de medicamentos com tradicionalidade de uso. Todas essas demandas, exceto as de exclusão, envolvem tecnologias de baixo custo e baixo impacto orçamentário para o SUS e estão relacionadas à elaboração ou revisão de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas (PCDT). SOLICITAÇÃO DE EXCLUSÃO: Demandante: Coordenação de Vigilância das Ist, Aids e Hepatites Virais. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do Hiv/Aids e das Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde (Nota Técnica nº 1/2019-COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14). DOENÇA: Segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018), o vírus da hepatite C (HCV) pertence ao gênero Hepacivirus, familia ́ Flaviviridae. Sua estrutura genômica écomposta por uma fita simples de ácido ribonucleico (RNA), de polaridade positiva, com aproximadamente 9.400 nucleotideos. ́ Existem, pelo menos, 7 genótipos e 67 subtipos do vírus. A transmissão do HCV ocorre principalmente por via parenteral, por meio do contato com sangue contaminado, a exemplo do compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, reutilização ou falha de esterilização de equipamentos médicos ou odontológicos, falha de esterilização de equipamentos de manicures e reutilização de material para realização de tatuagem e uso de sangue e seus derivados contaminados. A transmissão sexual do HCV também tem sido relatada de forma esporádica. De forma geral, a transmissão sexual desse vírus é pouco eficiente e ocorre em relações sem uso de preservativo. Há também a possibilidade de transmissão vertical, em menor proporção dos casos. De modo geral, a hepatite C aguda apresenta evolução subclínica. A maioria dos casos têm apresentação assintomática e anictérica, o que dificulta o diagnóstico. Habitualmente, a hepatite C é diagnosticada em sua fase crônica. Como os sintomas são muitas vezes escassos e inespecíficos, a doença pode evoluir durante décadas sem diagnóstico. TRATAMENTO: O tratamento da hepatite C e coinfecções no Sistema Único de Saúde segue o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para hepatite C e coinfecções (Portaria nº 84, de 19 de dezembro de 2018). O tratamento instituído depende de características dos pacientes, dos subtipos virais diagnosticados, do histórico clínico e resposta a tratamentos prévios, do grau de fibrose hepática e da presença de cirrose, além da existência de coinfecções. Em adultos preconiza-se o uso de associações entre antivirais de ação direta pelo tempo de 8 a 24 semanas a depender de análise das condições anteriores. As atuais alternativas terapêuticas para o tratamento da hepatite C, com registro no Brasil e incorporadas ao SUS, apresentam alta efetividade terapêutica. De forma geral a efetividade terapêutica, mensurada pela resposta virológica sustentada (RVS), é absolutamente comparável entre todos os esquemas propostos, quando se avaliam situações clínicas semelhantes. No entanto, algumas características específicas desses esquemas os diferencia entre si, como: indicações para populações específicas, diferenças inerentes à comodidade posológica, dispensabilidade da realização de exames em alguns casos e o preço praticado pelas indústrias fabricantes. Essa condição de similaridade permite que a análise da oferta dos esquemas terapêuticos no SUS seja baseada em uma análise de custo-minimização, ou seja, priorização das alternativas que implicam em um menor impacto financeiro ao Sistema, sem deixar de garantir o acesso a terapias seguras e eficazes aos pacientes com hepatite C. Os medicamentos atualmente incorporados ao SUS são, em sua maioria, pangenotípicos utilizados em dose única e, salvos os casos especiais, na maior parte dos indivíduos, sem distinção entre populações específicas. JUSTIFICATIVA DA EXCLUSÃO: De acordo com a Nota Técnica nº 1/2019-COVIG/CGVP/DIAHV/SVS/MS, constante no processo 25000.131429/2018-14, simeprevir (Olysio®) é um medicamento incorporado ao elenco do SUS para o tratamento da Hepatite C e Coinfecções, pela Portaria SCTIE/MS nº 29, de 22 de junho de 2015. A indicação de simeprevir, de acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) de Hepatite C e Coinfecções publicado em julho de 2015, orientava sobre a possibilidade de prescrição desse medicamento para pacientes monoinfectados com genótipo 1 do HCV, sem cirrose ou com cirrose Child-A. O uso de simeprevir estava obrigatoriamente associado à administração concomitante com sofosbuvir, por um período de 12 semanas. A partir da revisão do PCDT, ocorrida em setembro de 2017, passou-se a indicar o uso do esquema de simeprevir em associação a daclatasvir para tratar pacientes com o genótipo 4 do HCV, bem como para retratar pacientes não respondedores a tratamentos prévios realizados com a associação de sofosbuvir e daclatasvir. Contudo, no que se refere aos medicamentos para hepatite C, houve uma dinamicidade significativa nos registros de novas tecnologias na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e consequentemente a avaliação dessas alternativas frente aos medicamentos já incorporados ao SUS. Ainda que as novas alternativas inseridas no mercado brasileiro não impliquem em diferenças significativas quanto à eficácia frente àqueles já disponibilizados, apresentam algumas vantagens em relação à cobertura de pacientes no que tange aos genótipos tratados por um mesmo medicamento, obrigatoriedade de associação com a ribavirina e comodidade posológica. A atual versão do PCDT de Hepatite C e Coinfecções, aprovada e publicada em dezembro de 2018 (Portaria SCTIE/MS nº 84, de 19 de dezembro de 2018), é o resultado do texto proposto na 72ª reunião da CONITEC com alterações motivadas pelas contribuições feitas durante a Consulta Pública - realizada entre os dias 09 e 19 de novembro de 2018 -, bem como das discussões ocorridas na 73ª Reunião da Conitec, em 05 de dezembro de 2018. RECOMENDAÇÃO FINAL: Aos 7 (sete) dias do mês de fevereiro de 2019, reuniu-se a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde ­ CONITEC, regulamentada pelo Decreto nº 7.646, de 21 de dezembro de 2011, e os membros presentes deliberaram por unanimidade recomendar a exclusão do simeprevir para o tratamento da Hepatite C. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 417/2019. DECISÃO: PORTARIA Nº 13, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2019 - Torna pública a decisão de excluir o medicamento simprevir para o tratamento da hepatite C, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS.


Assuntos
Humanos , Hepatite C/tratamento farmacológico , Recall de Medicamento , Simeprevir , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde , Brasil
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...