Your browser doesn't support javascript.
Sobrevida de idosos e exposição à polifarmácia no município de São Paulo: Estudo SABE / Survival of the elderly and exposition to polypharmacy in the city of São Paulo, Brazil: SABE Study
Rev. bras. epidemiol ; 21(supl.2): e180006, 2018. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-985269
Biblioteca responsável: BR1.1
RESUMO
RESUMO: Introdução: O uso de polifarmácia pode ser resultante da presença concomitante de condições crônicas, atendimento por diversos médicos e automedicação. Combinada com a vulnerabilidade de idosos aos efeitos dos medicamentos devido a alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas, a polifarmácia torna essa população mais suscetível a desfechos adversos. No Brasil, estudos mostram que a polifarmácia é um problema frequente entre idosos, mas faltam informações sobre sua associação com mortalidade.

OBJETIVO:

Avaliar a sobrevida de idosos do município de São Paulo expostos ao uso de polifarmácia (cinco ou mais medicamentos).

MÉTODOS:

Trata-se de uma coorte de base populacional, o Estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (Sabe), da qual se pesquisou o seguimento de 2006 a 2010. A amostra foi composta por 1.258 indivíduos com 60 anos ou mais. O método de Kaplan-Meier e o modelo de riscos proporcionais de Cox foram usados para examinar a associação entre mortalidade e polifarmácia.

RESULTADOS:

A probabilidade de sobrevida após cinco anos dos indivíduos usuários de polifarmácia na linha de base foi de 77,2%, enquanto nos não usuários foi de 85,5%. Apolifarmácia permaneceu como fator de risco para óbito mesmo após ajuste de demais condições associadas à mortalidade, como idade, sexo, renda, doenças crônicas e internação hospitalar.

CONCLUSÃO:

Os resultados apontam para a polifarmácia como um preditor de mortalidade para pessoas idosas. O uso de múltiplos medicamentos por idosos deve ser cuidadosamente avaliado para evitar ou minimizar danos a essa população.
ABSTRACT
ABSTRACT: Introduction: The use of polypharmacy may be due to the concomitant presence of chronic conditions, medical care by several doctors simultaneously and self-medication. Combined with the vulnerability of the elderly to the effects of drugs due to pharmacokinetic and pharmacodynamic changes, polypharmacy makes this population more susceptible to adverse outcomes. In Brazil, studies show that polypharmacy is a common problem among elderly people. However, few information is available on the association between polypharmacy and mortality.

OBJECTIVE:

It was assessed the survival of the elderly from São Paulo city exposed to the use of polypharmacy (five or more medications).

METHODS:

That was a population-based cohort, the Health, Well-Being and Aging Study (SABE Study), conducted from 2006 to 2010. The sample was composed of 1,258 individuals aged 60 years or more. The Kaplan-Meier method and Cox proportional risks model were used to examine the association between polypharmacy and mortality.

RESULTS:

The probability of survival after five years of the users of polypharmacy at baseline was 77.2%, while among the non-users was 85.5%. Polypharmacy remained as a risk factor for death even after adjustment in other conditions associated with mortality, such as age, gender, income, chronic diseases and hospitalization.

CONCLUSION:

The results point polypharmacy as an indicator of mortality in elderly people. The use of multiple medications by the elderly should be carefully assessed to avoid or minimize the damage to this population.

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS Aspecto clínico: Etiologia País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Rev. bras. epidemiol Assunto da revista: Epidemiologia / Saúde Pública Ano de publicação: 2018 Tipo de documento: Artigo / Documento de projeto País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Universidade de São Paulo/BR