Your browser doesn't support javascript.
O Acesso das Pessoas Transexuais e Travestis à Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa / The Access of Transsexuals and Crossdressers to the Primary Health Care: an integrative review / El Acceso de las Personas Transexuales y Travestis a la Atención Primaria de Salud: una Revisión Integradora
Rev. bras. med. fam. comunidade; 14(41): e1795, 02/2019. ilus
Artigo em Português | LILACS, Coleciona SUS | ID: biblio-996051
Biblioteca responsável: BR408.1
Localização: BR408.1
RESUMO

INTRODUÇÃO:

Travestis, transexuais e transgêneros (trans) fazem parte das minorias sexuais. São vítimas de estigmatização, discriminação e violência desde a infância, o que os leva muitas vezes à marginalização. Posto isso, se faz necessário políticas públicas que lhes forneçam condições para o exercício da cidadania. O presente trabalho apresenta os resultados de uma revisão integrativa sobre o acesso das pessoas trans aos serviços de saúde da atenção básica.

MÉTODOS:

Coleta de dados realizada em dezembro de 2017 nas plataformas MEDLINE, SciELO e LILACS, utilizando os descritores em associação: transexual, transgênero ou travesti, acesso e atenção primária, atenção básica ou saúde. Os estudos deveriam ser publicados a partir de 2007 e estarem disponíveis gratuitamente.

RESULTADOS:

Dos 578 estudos encontrados (incluídos as repetições) foram selecionados 6, provenientes do Brasil, EUA e África do Sul. Cinco com metodologia qualitativa e uma revisão sistemática. O acesso à Atenção Primária à Saúde (APS) por parte da população trans encontra barreiras multidimensionais. Há entraves políticos, socioeconômicos, organizacionais, técnicos e simbólicos, porém as barreiras técnicas são as mais impactantes ao acesso.

CONCLUSÃO:

Para que haja um acesso equitativo, livre de preconceitos e de discriminação, e cuidado pautados na empatia e compaixão, faz-se necessário incluir a temática diversidade sexual e de gênero na formação dos profissionais de saúde na graduação, na pós-graduação e, principalmente, na educação permanente daqueles implicados aos cuidados das pessoas trans. A APS, ao fazer valer seus atributos, mostra-se como o cenário ideal para o cuidado longitudinal destas pessoas
ABSTRACT

INTRODUCTION:

Crossdressers, transsexuals and transgenders (trans) are part of the sexual minorities. They have been victims of stigmatization, discrimination and violence since childhood, which often leads to marginalization. Considering this, it is necessary to have public policies that provide them the conditions for the exercise of citizenship. The present paper presents the results of an integrative review on the access of trans people to primary health care (PHC).

METHODS:

Data collection performed in December 2017 on the MEDLINE, SciELO and LILACS platforms, using the descriptors in association: transsexual, transgender or transvestite, access and primary care, basic care or health. The studies should be published as of 2007 and available for free.

RESULTS:

Of the 578 studies found (including replicates), 06 were selected from Brazil, USA and South Africa. Five of them used qualitative methodology and one is a systematic review. Access to PHC by trans people encounters multidimensional barriers. There are political, socioeconomic, organizational, technical and symbolic obstacles, but the technical barriers are the most impacting to access.

CONCLUSION:

In order to ensure equal access, free of prejudice and discrimination, and care based on empathy and compassion, it is necessary to include the theme of sexual and gender diversity in the training of health professionals in undergraduate, postgraduate and, in the permanent education of those involved in the care of transgender people. PHC, when asserting its attributes, shows itself as the ideal setting for the longitudinal care of these people
RESUMEN

INTRODUCCIÓN:

Travestis, transexuales y transgéneros (trans) hacen parte de las minorías sexuales. Son víctimas de estigmatización, discriminación y violencia desde la infancia, lo que los lleva a la marginación. Por eso, se hacen necesarias políticas públicas que les proporcionen condiciones para el ejercicio de la ciudadanía. El presente trabajo presenta los resultados de una revisión integrativa sobre el acceso de las personas a los servicios de salud de la atención básica (AB).

MÉTODOS:

Recolección de datos para la revisión efectuada en diciembre de 2017 en las plataformas MEDLINE, SciELO y LILACS, utilizando los descriptores en asociación: transexual, transgénero o travesti, acceso y atención primaria, atención básica o salud. Los estudios deberían publicarse a partir de 2007 y estar disponibles gratuitamente.

RESULTADOS:

De los 578 estudios encontrados (incluidas las repeticiones) fueron seleccionados 06. Los artículos provenían de Brasil, EE.UU. y Sudáfrica. Cinco de ellos usaron metodología cualitativa, siendo una revisión sistemática. El acceso a la AB por parte de la población trans encuentra diversas barreras, siendo multidimensionales. Hay obstáculos políticos, socioeconómicos, organizacionales, técnicos y simbólicos, pero las barreras técnicas son las más impactantes.

CONCLUSIÓN:

Para que haya un acceso ecuánime, libre de prejuicios y de discriminación, y cuidado pautados en la empatía y compasión del paciente, se hace necesario incluir la temática diversidad sexual y de género en la formación de los profesionales de salud en la graduación, en el postgrado y, principalmente, en la educación permanente de aquellos implicados en el cuidado de las personas trans. La APS, al hacer valer sus atributos, se muestra como el escenario ideal para el cuidado longitudinal de estas personas.
Assuntos

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados nacionais / Brasil Base de dados: LILACS / Coleciona SUS Assunto principal: Atenção Primária à Saúde / Medicina de Família e Comunidade / Pessoas Transgênero / Acesso aos Serviços de Saúde Tipo de estudo: Revisão sistemática Limite: Humanos Idioma: Português Revista: Rev. bras. med. fam. comunidade Ano de publicação: 2019 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Universidade do Estado do Rio de Janeiro/BR