Your browser doesn't support javascript.
loading
Fitoterapia popular e saúde da comunidade: diagnóstico para proposta de integração nos serviços de saúde em Campina Grande, Paraíba, Brasil / Popular fitotherapy and community health: diagnosis for integrated proposal in health services - Campina Grande, Paraíba, Brazil
São Paulo; s.n; 1999. 316 p. ilus, mapas, tab.
Tese em Português | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-4377
Biblioteca responsável: BR67.1
Localização: BR67.1; 581.634, 6. 38819/99. DE / BR67.1; Dr, 394. CM. 38818/99
ABSTRACT
Estuda o uso da Fitoterapia popular, em 782 famílias do município de Campina Grande, no estado da Paraíba. Realiza estudo tipo "survey descritivo", utiliza a técnica de entrevista estruturada através da visita domiciliária, coleta de dados para um questionário constituído de perguntas abertas e fechadas e a coleta de espécimes. A pesquisa enquadra-se na linha dos estudos etnográficos aplicados à Saúde Pública. Constata que 82,9 por cento das famílias tinham um "especialista" em plantas medicinais que costumavam usar para si e para sua família, remédio preparado com plantas. Verifica que a maioria deles era do sexo feminino (93,7 por cento), da faixa etária entre 15 e 44 anos (47,3 por cento), da religião católica (85,0 por cento) e a maioria (87,2 por cento) havia aprendido utilizar as plantas com a própria família. As plantas medicinais mais utilizadas são Lippia alba (443), Cymbopogon citratus (334), Sambacus australis (313), Chenopodium ambrosíoides (231), Punica granatum (231), e Peumus boldus (215), Ruta graveolens (198) e Mentha villosa (181) e os principais problemas gastrointestinais (21,1 por cento), de garganta, nariz e pulmões (18,2 por cento), febre e gripes (13,3 por cento, problemas psiconeurológicos (8,3 por cento), cardíacos e circulatórios (6,5 por cento), genitais femininos (6,4 por cento) e bucais (4,3 por cento). Observa que o modo mais freqüente de preparo dos remédios com plantas, foi chá (infuso ou deccoto) (63,4 por cento) e a parte da planta mais utilizada foi a folha (60,1 por cento), usada com mais freqüência fresca (55,0 por cento). Quanto às indicações, constata que a maioria delas coincidiu com as da literatura científica. Verifica, que o local principal para a aquisição das plantas era nos quintais das residências dos "especialistas" ou das dos vizinhos (54,5 por cento) e que a maioria (57,0 por cento) dos "especialistas" afirmou não conhecer nenhuma planta tóxica. Ressalta a importância da implantação da fitoterapia na rede de serviços públicos de saúde, bem como, a necessidade da universidade integrar-se neste processo através das atividades de ensino, pesquisa e extensão de serviços à comunidade (AU)
Assuntos
Buscar no Google
Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Plantas Medicinais / Saúde da Família / Medicina Herbária Tipo de estudo: Pesquisa qualitativa Limite: Adolescente / Adulto / Feminino / Humanos País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Ano de publicação: 1999 Tipo de documento: Tese
Buscar no Google
Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Plantas Medicinais / Saúde da Família / Medicina Herbária Tipo de estudo: Pesquisa qualitativa Limite: Adolescente / Adulto / Feminino / Humanos País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Ano de publicação: 1999 Tipo de documento: Tese
...