Your browser doesn't support javascript.
loading
Análise multinível das variações no índice de massa corporal entre adultos, Brasil, 2006 / A multilevel analysis of variations in body mass index among adults, Brazil, 2006
Sichieri, Rosely; Moura, Erly Catarina de.
Afiliação
  • Sichieri, Rosely; Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Departamento de Epidemiologia. Rio de Janeiro. Brasil
  • Moura, Erly Catarina de; Universidade Federal de São Paulo. Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde. São Paulo. Brasil
Rev. saúde pública ; 43(supl.2): 90-97, nov. 2009. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-61455
Biblioteca responsável: BR1.1
Localização: BR67.1
ABSTRACT

OBJETIVO:

Analisar variações do índice de massa corporal (IMC) entre adultos segundo fatores individuais e características ambientais das cidades.

MÉTODOS:

Foram utilizados dados de 2006 do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL). Trata-se de inquérito baseado em entrevistas telefônicas realizadas em amostras probabilísticas da população com idade >18 anos nas 26 capitais estaduais brasileiros e no Distrito Federal. A análise de fatores associados incluiu variáveis socioeconômicas e demográficas, individuais e ambientais da cidade referentes a 49.395 participantes do VIGITEL. O consumo alimentar foi avaliado por escore de alimentação saudável e pelo consumo de frutas e hortaliças cinco ou mais vezes por dia. Atividade física foi avaliada pela freqüência e duração de exercícios, e pela presença local de equipamentos para realizá-los. As associações foram testadas em modelos lineares multinível (p<0,05).

RESULTADOS:

As associações do IMC com as variáveis explicativas individuais diferiram entre os sexos. Escolaridade associou-se positivamente ao IMC em homens e negativamente em mulheres. Consumo de frutas e hortaliças associou-se positivamente ao IMC em homens. Para ambos, a existência de localidades para realizar exercícios associou-se negativamente com o IMC.

CONCLUSÕES:

Embora haja grande discrepância nas médias de IMC entre as cidades brasileiras, a existência de local para atividade física, características econômicas e de consumo alimentar pouco explicaram a variação no IMC.(AU)
Assuntos
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Índice de Massa Corporal / Doença Crônica / Ecologia Humana / Sistema de Vigilância de Fator de Risco Comportamental / Ingestão de Alimentos / Meio Ambiente Limite: Feminino / Humanos / Masculino País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Rev. saúde pública Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de São Paulo/Brasil / Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Brasil
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Índice de Massa Corporal / Doença Crônica / Ecologia Humana / Sistema de Vigilância de Fator de Risco Comportamental / Ingestão de Alimentos / Meio Ambiente Limite: Feminino / Humanos / Masculino País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Rev. saúde pública Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de São Paulo/Brasil / Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Brasil
...