Your browser doesn't support javascript.
loading
Aprendizagem motora em crianças com paralisia cerebral / Motor learning in children with cerebral palsy
Monteiro, Carlos Bandeira de Mello; Jakabi, Cristiane Matsumoto; Palma, Gisele Carla dos Santos; Torriani-Pasin, Camila; Meira Junior, Cassio de Miranda.
Afiliação
  • Monteiro, Carlos Bandeira de Mello; Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. Curso de Ciências da Atividade Física. São Paulo. Brasil
  • Jakabi, Cristiane Matsumoto; s.af
  • Palma, Gisele Carla dos Santos; s.af
  • Torriani-Pasin, Camila; Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte. São Paulo. Brasil
  • Meira Junior, Cassio de Miranda; Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. Curso de Ciências da Atividade Física. São Paulo. Brasil
Rev. bras. crescimento desenvolv. hum ; 20(2): 250-262, mai.-ago. 2010. ilus, tab
Artigo em Português | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-64067
Biblioteca responsável: BR67.1
Localização: BR67.1
ABSTRACT

INTRODUÇÃO:

a Paralisia Cerebral (PC) tem como característica causar alterações na postura e movimento que dificultam a realização de atividades funcionais. Diante das dificuldades motoras, a reabilitação torna-se essencial e tem como uma opção basear-se na aprendizagem motora. Porém, é importante a investigação do processo de aprendizagem motora em indivíduos com PC para viabilizar a organização de programas de tratamento mais efetivos.

OBJETIVO:

analisar o processo de aprendizagem motora em crianças com PC.

MÉTODO:

Para a realização deste trabalho utilizou-se um grupo experimental (GE) e um grupo controle (GC) ambos formados por 4 crianças pareadas em relação ao gênero (um do gênero feminino e três do gênero masculino) e idade (entre sete e doze anos). A tarefa consistia em realizar um caminho em um labirinto, no menor tempo possível. O trabalho consistiu de duas fases, sendo inicialmente a fase de aquisição (AQ) e depois as transferências (Imediata-TI; Curto Prazo-TC e Longo Prazo-TL).

RESULTADO:

Verificou-se que não houve diferença estatisticamente significante entre a AQ e as transferências avaliadas com os valores a seguir TI (z = -1,83 e p = 0,07), TC (z = -1,83 e p = 0,07) e a TL [GE (z = -1,83 e p = 0,07) e GC (z = -1,46 e p = 0,14)].

CONCLUSÃO:

No processo de aprendizagem da tarefa de labirinto, analisando-se os resultados entre as fases de AQ e Transferência não se observou diferença, ou seja, os indivíduos com PC mostraram capacidade de aprendizagem preservada por meio da adaptação da tarefa, fato este que ocorreu de forma equivalente aos indivíduos sem paralisia cerebral(AU)
Assuntos
Buscar no Google
Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Paralisia Cerebral / Saúde da Criança / Aprendizagem em Labirinto / Transtornos Motores / Atividade Motora Limite: Criança / Humanos Idioma: Português Revista: Rev. bras. crescimento desenvolv. hum Ano de publicação: 2011 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Universidade de São Paulo/Brasil
Buscar no Google
Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Paralisia Cerebral / Saúde da Criança / Aprendizagem em Labirinto / Transtornos Motores / Atividade Motora Limite: Criança / Humanos Idioma: Português Revista: Rev. bras. crescimento desenvolv. hum Ano de publicação: 2011 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Universidade de São Paulo/Brasil
...