Your browser doesn't support javascript.
loading
O tratamento da laringomalácia: experiência em 22 casos
Avelino, Melissa A. G; Liriano, Raquel Y. G; Fujita, Reginaldo; Pignatari, Shirley; Weckx, Luc L. M.
Afiliação
  • Avelino, Melissa A. G; Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. BR
  • Liriano, Raquel Y. G; Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. BR
  • Fujita, Reginaldo; Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. BR
  • Pignatari, Shirley; Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. BR
  • Weckx, Luc L. M; Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. Departamento de Otorrinolaringologia da Universidade Federal de São Paulo. BR
Rev. bras. otorrinolaringol ; 71(3): 330-334, maio-jun. 2005.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-414873
Biblioteca responsável: BR1.1
RESUMO
A Laringomalácia é a causa mais comum de estridor na infância, com resolução espontânea até os 2 anos de idade na maioria dos casos. Cerca de 10 por cento dos casos (laringomalácia severa) necessitam de intervenção cirúrgica. O diagnóstico é estabelecido com o exame de videonasofibroscopia, na qual se observa encurtamento da prega ariepiglótica, e/ou excesso de mucosa das aritenóides, e/ou queda da epiglote no sentido ântero-posterior. A etiologia ainda permanece desconhecida.

OBJETIVO:

Verificar as principais alterações clínicas e anatômicas assim como identificar os principais parâmetros clínicos no acompanhamento e na indicação cirúrgica de pacientes portadores de laringomalácia. FORMA DE ESTUDO Estudo de coorte transversal. MATERIAL E

MÉTODO:

Foram incluídos neste estudo 22 crianças com diagnóstico de laringomalácia do ambulatório de otorrinolaringologia pediátrica da UNIFESP-EPM, entre janeiro de 2001 a dezembro de 2003, assistidas pelo mesmo examinador.

RESULTADOS:

Das 22 crianças com diagnóstico de laringomalácia, duas (9,1 por cento) apresentavam laringomalácia severa com depressão torácica (tórax escavado). O estridor inspiratório e o encurtamento das pregas ariepiglóticas foram encontrados em todos pacientes. A polissonografia, nenhuma criança apresentou evento respiratório significativo durante o sono. As duas crianças com laringomalácia severa foram submetidas à supraglotoplastia com secção das pregas ariepiglóticas.

CONCLUSÃO:

O estridor respiratório e o encurtamento das pregas ariepiglóticas fazem parte preponderante do quadro clínico. A polissonografia não mostrou ser um parâmetro importante, nem para o acompanhamento clínico nem para a indicação cirúrgica, ao contrário da falta de ganho de peso e da presença de tórax escavado. A secção cirúrgica das pregas ariepiglóticas é efetiva e com baixo índice de morbidade.
Assuntos
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS Assunto principal: Doenças da Laringe / Endoscopia / Epiglote / Glote / Laringoscopia Tipo de estudo: Estudo de incidência / Estudo observacional / Estudo de prevalência Limite: Feminino / Humanos / Lactente / Masculino / Recém-Nascido Idioma: Português Revista: Rev. bras. otorrinolaringol Assunto da revista: Otorrinolaringologia Ano de publicação: 2005 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de São Paulo/BR
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS Assunto principal: Doenças da Laringe / Endoscopia / Epiglote / Glote / Laringoscopia Tipo de estudo: Estudo de incidência / Estudo observacional / Estudo de prevalência Limite: Feminino / Humanos / Lactente / Masculino / Recém-Nascido Idioma: Português Revista: Rev. bras. otorrinolaringol Assunto da revista: Otorrinolaringologia Ano de publicação: 2005 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de São Paulo/BR
...