Your browser doesn't support javascript.
loading
Comunicação não verbal em adultos com tubo orotraqueal / Nonverbal communication of adults with orotracheal tube
Mattia, Ana Lúcia De; Freitas Filho, João Paulo Aché de; Souza, Cristiane da Silva; Gâmbaro, Kátia Cilene; Montassieur, Patrícia Ferreira.
Afiliação
  • Mattia, Ana Lúcia De; Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Enfermagem. BR
  • Freitas Filho, João Paulo Aché de; Universidade Paulista. BR
  • Souza, Cristiane da Silva; Santa Casa de Misericórdia de Santos. BR
  • Gâmbaro, Kátia Cilene; Santa Casa de Misericórdia de Santos. BR
  • Montassieur, Patrícia Ferreira; Santa Casa de Misericórdia de Santos. BR
REME rev. min. enferm ; 13(1): 93-97, jan.-mar. 2009. tab
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: lil-546903
Biblioteca responsável: BR21.1
RESUMO
Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, desenvolvido com o objetivo de identificar a forma de estabelecimento decomunicação não verbal entre o paciente com tubo orotraqueal (TOT) e a equipe multidisciplinar de saúde, realizado emuma Unidade de Terapia Intensiva Cardíaca de um hospital da rede filantrópica e privada da cidade de Santos, SP.A amostra foi constituída por 30 pacientes adultos, com tubo orotraqueal, conscientes, em pós-operatório de cirurgiacardíaca. Foi realizada uma observação estruturada, por meio de um instrumento com dados de identificação da amostra,motivos da internação e da comunicação não verbal. Quanto aos resultados, a maior frequência foi de pacientes do sexomasculino, com idade entre 50 e 60 anos. O diagnóstico médico mais frequente foi insuficiência coronariana em pósoperatóriode revascularização do miocárdio e o tempo de permanência com o tubo orotraqueal de um dia. No que serefere à comunicação não verbal, o motivo foi a dor. Os tipos de comunicação mais utilizados foram a cinésica, com 26(86,6%) pacientes, e a tacêsica, com 14 (46,6%). Conclui-se, neste estudo, que há um grande esforço por parte da equipede saúde para o estabelecimento da comunicação com paciente com tubo orotraqueal. Acreditamos que tais dificuldadespoderiam ser minimizadas com a realização de reuniões com profissionais da saúde e o paciente, em períodos préoperatórios,para orientações e simulações de comunicação não verbal; em motivos de maior frequência como dor,poderiam ser simulados em pré-operatório e aplicados no pós-operatório.
Assuntos
Buscar no Google
Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: BDENF - Enfermagem / LILACS Assunto principal: Equipe de Assistência ao Paciente / Intubação Intratraqueal / Comunicação não Verbal / Relações Enfermeiro-Paciente Limite: Idoso / Feminino / Humanos / Masculino Idioma: Português Revista: REME rev. min. enferm Assunto da revista: Enfermagem Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Santa Casa de Misericórdia de Santos/BR / Universidade Federal de Minas Gerais/BR / Universidade Paulista/BR

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Buscar no Google
Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: BDENF - Enfermagem / LILACS Assunto principal: Equipe de Assistência ao Paciente / Intubação Intratraqueal / Comunicação não Verbal / Relações Enfermeiro-Paciente Limite: Idoso / Feminino / Humanos / Masculino Idioma: Português Revista: REME rev. min. enferm Assunto da revista: Enfermagem Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Santa Casa de Misericórdia de Santos/BR / Universidade Federal de Minas Gerais/BR / Universidade Paulista/BR
...