Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Avaliação das informações do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), Brasil / Evaluation of data from the Brazilian Information System on Live Births (SINASC) / Evaluación de la información del Sistema de Información sobre Nacidos Vivos (SINASC), Brasil

Szwarcwald, Célia Landmann; Leal, Maria do Carmo; Esteves-Pereira, Ana Paula; Almeida, Wanessa da Silva de; Frias, Paulo Germano de; Damacena, Giseli Nogueira; Souza Júnior, Paulo Roberto Borges de; Rocha, Narayani Martins; Mullachery, Priscila Melissa Honorato.
Cad. Saúde Pública (Online); 35(10): e00214918, 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-1039396
Resumo: Neste trabalho, avaliam-se quantitativa e qualitativamente as informações do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). A cobertura das informações por município foi estimada pela razão entre nascidos vivos informados e estimados. Para avaliação da qualidade das informações do SINASC, relacionou-se o sistema à base de dados do estudo Nascer no Brasil, 2011-2012, e foram estimados coeficientes kappa de concordância. Em 2013, a cobertura das informações foi alta e homogênea em todas as Unidades da Federação. Entretanto, a análise por município brasileiro apresentou maior heterogeneidade espacial. Quanto à qualidade de preenchimento das informações do SINASC, os coeficientes kappa de concordância foram estatisticamente diferentes de zero para todas as variáveis testadas (p < 0,001), e as distribuições marginais para todas as variáveis consideradas foram semelhantes nas duas bases de dados. A idade gestacional foi a variável que mostrou pior concordância, com valor de kappa de 0,461. O indicador que descreve as inconsistências, medido pela soma do quadrado das diferenças entre os percentuais de prematuridade informados e esperados por faixa de peso ao nascer, teve o valor mais alto na Região Norte e o menor na Região Sul, apontando para desigualdades geográficas na mensuração da idade gestacional.