Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Fragilidade em idosos da zona rural: proposta de algoritmo de cuidados / Frailty in rural older adults: development of a care algorithm

Llano, Patrícia Mirapalheta Pereira de; Lange, Cemira; Nunes, Daniella Pires; Pastore, Carla Aberici; Pinto, Andressa Hoffmann; Casagranda, Letícia Pilotto.
Acta Paul. Enferm. (Online); 30(5): 520-530, Set.-Out. 2017. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-885888
Resumo Objetivo: Apresentar algoritmo de cuidados para Síndrome de Fragilidade no Idoso. Métodos: Estudo de abordagem quantitativa, descritiva, com delineamento de corte transversal, com 820 pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, residentes na zona rural do Município de Pelotas/Rio Grande do Sul, Brasil. A coleta de dados ocorreu no período de julho a outubro de 2014, com uso de um formulário semiestruturado. Para avaliar a fragilidade utilizou-se o instrumento autorreferido obtido por meio de informações relatadas pelo idoso ou por seu respondente substituto/auxiliar. Utilizou-se Regressão de Poisson Múltipla para a análise dos fatores associados. Mediante a identificação dos fatores associados, elaborou-se o Algoritmo de cuidados para a Síndrome de Fragilidade. Resultados: Constatou-se que 43,4% dos idosos apresentaram fragilidade. Os fatores associados à síndrome da fragilidade foram baixa escolaridade (RP: 1,45; p<0,001); obesidade (RP: 1,89; p=0,001), não realização de atividade física (RP: 1,93; p<0,001); apresentar déficit cognitivo (RP: 2,07; p=0,002); autopercepção de saúde ruim (RP: 8,21; p<0,001), queda nos últimos 12 meses (RP: 1,70; p<0,001) e presença de doença morbidade (RP: 2,22; p<0,014). Esses fatores direcionaram a elaboração do algoritmo de cuidados, que foi estruturado em cuidados para idosos não frágeis e pré-frágeis/frágeis. Conclusão: Percebe-se a importância dos profissionais de saúde, em destaque os enfermeiros, na identificação do perfil e estilo de vida dos idosos, a fim de intervir nos problemas associados à fragilidade, tendo o algoritmo de cuidados à fragilidade como um guia para a tomada de decisão, visando postergar e prevenir a progressão da síndrome.