Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Vulnerabilidade programática no controle da hanseníase: padrões na perspectiva de gênero no Estado da Bahia, Brasil / Programmatic vulnerability in leprosy control: gender-related patterns in Bahia State, Brazil / Vulnerabilidad programática en el control de la lepra: padrones desde la perspectiva de género en el Estado de Bahía, Brasil

Souza, Eliana Amorim de; Boigny, Reagan Nzundu; Ferreira, Anderson Fuentes; Alencar, Carlos Henrique; Oliveira, Maria Leide W; Ramos Júnior, Alberto Novaes.
Cad. Saúde Pública (Online); 34(1): e00196216, 2018. tab, graf
Artigo em Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: biblio-889864
O objetivo deste estudo foi analisar indicadores operacionais de controle da hanseníase e sua tendência temporal, na perspectiva de gênero, no Estado da Bahia, Brasil, de 2001 a 2014. Trata-se de estudo de série temporal baseado em dados epidemiológicos da hanseníase no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, com análise de regressão de Poisson por joinpoints e de regressão polinomial. Dos 40.054 casos novos de hanseníase analisados, 47,1% dos contatos registrados não foram examinados, mas com tendência significativa de aumento, de forma mais acentuada entre as mulheres (variação percentual anual média - AAPC = 5,6; IC95%: 3,5; 7,7) em comparação aos homens (AAPC = 3,0; IC95%: 0,5; 5,6). A proporção de cura na coorte 2003-2014 foi de 85%, com tendência de redução mais acentuada nos homens (AAPC = -0,5; IC95%: -0,9; 0,0), comparados às mulheres (AAPC = -0,4; IC95% -0,7; -0,1). A proporção de casos em abandono de tratamento no período foi de 5,5%, com tendência de redução mais significativa entre mulheres (AAPC = -4,9; IC95%: -8,7; -1,1) do que em homens (AAPC = -2,7; IC95%: -4,4; -1,0). Recidiva foi verificada em 3,8% de todas as entradas do período; as mulheres apresentaram tendência de redução significativa (AAPC = -2,2; IC95%: -3,3; -1,0) e os homens, de crescimento significativo (AAPC = 4,9; IC95%: 2,9; 6,8). A análise por regressão polinomial foi consistente com a análise de joinpoints. A hanseníase no Estado da Bahia apresenta indicadores operacionais com magnitude e tendência temporal significativas, em especial entre a população masculina. O desempenho insuficiente dos serviços de saúde em realizar a vigilância de contatos e a longitudinalidade do cuidado revelam diferentes dimensões de vulnerabilidade.