Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Perfil epidemiológico da mortalidade por causas externas entre beneficiários de planos de saúde no Brasil / Perfil epidemiológico de la mortalidad por causas externas entre beneficiarios de planes médicos en Brasil / Epidemiological profile of mortality by external causes among health plan beneficiaries in Brazil

Batista, Josemar; Barreto, Mayckel da Silva; Merino, Maria de Fátima Garcia Lopes; Fracasso, Nathalia Vasconcelos; Baldissera, Vanessa Denardi Antoniassi.
Rev. enferm. Cent.-Oeste Min; 8: [1-12], mar. 2018. tab
Artigo em Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: biblio-973215
Objetivos: descrever o perfil epidemiológico e a distribuição dos óbitos notificados por causas externas em beneficiários de planos de saúde no Brasil entre os biênios 2006-2007 e 2008-2009. Método: estudo epidemiológico e descritivo, cujos dados foram acessados no Sistema de Informações sobre Mortalidade em Saúde Suplementar em janeiro de 2016. Foram analisados por estatística descritiva,variações percentuais e razões de proporção entre os biênios. Resultados: evidenciou-se a notificação de 19.514 óbitos, no período 2006-2007 e 20.796 entre 2008-2009, com características similares, segundo as variáveis sociodemográficas, sendo que os óbitos ocorreram,principalmente, entre homens em idade produtiva (20 e 59 anos de idade) nos dois biênios (72,75%; 71,61%). Os óbitos por causas acidentais (transporte, quedas, afogamentos/submersões) foram prevalentes nos períodos (51,17%; 51,28%). Os registros de óbitos por causas externas entre beneficiários de planos de saúde se reduziram no Brasil, passando de 8,73% em 2006-2007 para 8,35% em 2008-2009, com variação percentual negativa de -4,35. Entretanto, aumentaram as notificações relacionadas com as quedas e lesões auto provocadas (variação percentual positiva de 9,63 e 2,32, respectivamente). Conclusão: observou-se alteração da distribuição espacial dos óbitos por causas externas entre beneficiários de planos de saúde, permitindo análises para subsidiar medidas preventivas.