Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Prevalence and factors associated with chronic wounds in older adults in primary care / Prevalencia y factores asociados con heridas crónicas en ancianos en la atención básica / Prevalência e fatores associados a feridas crônicas em idosos na atenção básica

Vieira, Chrystiany Plácido de Brito; Araújo, Telma Maria Evangelista de.
Rev. Esc. Enferm. USP; 52: e03415, 2018. tab
Artigo em Inglês, Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde, BDENF - enfermagem (Brasil) | ID: biblio-985054
RESUMO Objetivo: Analisar a prevalência de lesão por pressão, úlcera diabética e vasculogênica e fatores associados em idosos assistidos na atenção básica. Método: Estudo transversal, analítico realizado com idosos assistidos na Estratégia Saúde da Família, em um município brasileiro. A coleta de dados foi realizada de janeiro a março de 2016, utilizando-se de entrevista e avaliação das lesões. As variáveis foram submetidas ao modelo multivariado de regressão logística por meio do odds ratio, com seus respectivos intervalos de confiança de 95% e significância fixada em <0,05. Resultados: Participaram do estudo 339 idosos. A idade média foi de 71,1 anos, 67,3% eram do sexo feminino, 44% sem escolaridade, 85% com renda familiar baixa, 91,7% com doenças de base, 37,2% com restrição alimentar e 76,1% não praticavam atividade física. A prevalência de lesão por pressão foi 5,0%, úlcera diabética 3,2% e úlcera vasculogênica 2,9%. Não desenvolver atividade laboral e não praticar atividade física regularmente aumentaram, respectivamente, em 1,5 e 2,3 vezes as chances de apresentá-las. Ter mobilidade ativa e não ter restrição alimentar foram fatores protetores para não desenvolver ferida crônica. Conclusão: A prevalência de feridas entre idosos foi elevada, e a sua ocorrência está associada às características socioeconômicas e clínicas.