Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Perfil epidemiológico da cárie dentária, doença periodontal, uso e necessidade de prótese em idosos residentes em uma instituição na cidade de Fortaleza, Ceará / Epidemiology of tooth decay, periodontal diseases, use and need of prostheses in the elderly living in a nursing home in the city of Fortaleza, State of Ceará (Brazil)

Gaião, Luciene Ribeiro; Almeida, Maria Eneide Leitão de; Heukelbach, Jorg.
Rev. bras. epidemiol; 8(3): 316-323, set. 2005. tab
Artigo em Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: lil-416021
No Brasil, a população de idosos está em crescimento contínuo, causando um aumento da demanda por instituições de longa permanência para idosos. Porém, estudos no nordeste brasileiro sobre a saúde bucal em idosos institucionalizados são praticamente inexistentes. Esse estudo objetivou analisar a condição dentária, a condição periodontal, o uso e necessidade de prótese em idosos institucionalizados em um município do nordeste brasileiro. Foi realizado um estudo transversal em 160 idosos (95,2 por cento da população-alvo) idosos de 65 anos e mais, residentes em um asilo na cidade de Fortaleza/CE - Brasil, consistindo de consulta aos prontuários e exame bucal. A idade média foi de 76,6 anos. O índice CPO-D dos idosos asilados foi elevado com valor de 29,73. O componente dente perdido foi o que mais contribuiu para o alto valor do CPO-D, com 28,42 dentes; 109 (68,1 por cento) idosos não possuíam nenhum dente hígido na boca. Dos 160 idosos, 93 (58,1 por cento) eram totalmente desdentados e 56 (35,0 por cento) apresentavam dentes com raízes expostas. Das raízes expostas, 16 por cento estavam cariadas ou obturadas. Dos 573 dentes presentes, 256 (44,6 por cento) necessitavam de algum tipo de tratamento, sendo 194 (75,8 por cento) para extração dentária. Do total dos idosos investigados, 112 (70 por cento) não usavam nenhum tipo de prótese superior (total e removível) e 130 (81,3 por cento) de prótese inferior. Quanto à necessidade de prótese (total e removível) detectada, 135 (84,4 por cento) necessitavam de algum tipo de prótese superior e 142 (88,7 por cento) de prótese inferior. Dos 117 sextantes presentes nos 160 indivíduos, a maioria (83,8 por cento) apresentava cálculo dentário. Os dados mostram que a maioria dos idosos apresenta saúde bucal precária. Assim, são indispensáveis medidas intervencionais focalizadas nessas populações como educação em saúde e tratamento precoce.