Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Frequência de utilização do serviço público de puericultura e fatores associados / Frequency of public child care service use and associated factors

Vitolo, Márcia Regina; Gama, Cíntia Mendes; Campagnolo, Paula Dal Bó.
J. pediatr. (Rio J.); 86(1): 80-84, jan.-fev. 2010. tab
Artigo em Inglês, Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: lil-542907
Objetivo: Avaliar os fatores sociodemográficos associados à frequência da utilização do serviço de puericultura por famílias de baixo nível socioeconômico. Métodos: Análise transversal de 393 crianças, com idades entre 12 e 16 meses, que participaram de um ensaio de campo randomizado no primeiro ano de vida em um programa de intervenção nutricional. O estudo iniciou nos setores de atendimento do Sistema Único de Saúde da maternidade da cidade de São Leopoldo (RS). As crianças foram avaliadas quanto ao acompanhamento na puericultura e calendário de vacinação. Para análise dos dados utilizou-se teste qui-quadrado de Pearson e razão de prevalência (RP) com respectivo intervalo de confiança de 95 por cento (IC95 por cento). Resultados: A frequência de crianças que não foram levadas regularmente foi de 53,2 por cento. A análise multivariada sugere que os fatores associados à ausência de utilização regular do serviço foram: escolaridade materna < 8 anos (RP 1,32; IC95 por cento 1,02-1,71), estrutura familiar não nuclear (RP 1,32; IC95 por cento 1,10-1,59) e não ser filho único (RP 1,38; IC95 por cento 1,10-1,72). Os motivos relatados para o não acompanhamento da criança na puericultura foram: 66,2 por cento consideraram desnecessário, 21,7 por cento referiram insatisfação com o serviço, 6,05 por cento impossibilidade devido ao emprego e 6,05 por cento outros motivos. Conclusão: A elevada frequência de crianças que não são levadas para acompanhamento no serviço de puericultura está associada à baixa escolaridade materna e à estrutura familiar, além da percepção de que é desnecessário na ausência de doença da criança.