Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

The impact of leprosy on health-related quality of life / O impacto da hanseníase na qualidade de vida relacionada à saúde

Lustosa, Anselmo Alves; Nogueira, Lídya Tolstenko; Pedrosa, José Ivo dos Santos; Teles, João Batista Mendes; Campelo, Viriato.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop; 44(5): 621-626, Sept.-Oct. 2011. tab
Artigo em Inglês | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: lil-602906
INTRODUÇÃO: A hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, potencialmente incapacitante, que evolui com elevada carga emocional em função do preconceito que persiste sobre os acometidos. A endemia declinou substancialmente com a poliquimioterapia (PQT), na década de 80; entretanto, surgiram novas demandas associadas à redução do estigma e melhoria da qualidade de vida dos acometidos. No Brasil, a hanseníase ainda é um problema de saúde pública. O Piauí é o 2º estado do nordeste em prevalência e detecção, sendo que Teresina é hiperendêmica. Objetivou-se analisar a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) de pessoas em tratamento da hanseníase em Teresina/PI. MÉTODOS: Estudo observacional realizado com a aplicação do SF-36 (questionário específico para avaliação da qualidade de vida) que buscou os determinantes da piora na qualidade de vida das pessoas com hanseníase, delineando o perfil sóciodemográfico, clínico e epidemiológico dos 107 pacientes entrevistados. RESULTADOS: A correlação entre as variáveis demonstrou cinco determinantes para QVRS: diagnóstico tardio, formas multibacilares, reações, grau II de incapacidade no diagnóstico e preconceito. O perfil dos participantes revelou que a hanseníase continua acometendo as classes sociais menos favorecidas em áreas historicamente endêmicas provocando percentuais elevados de lesões secundárias que comprometem a capacidade de trabalho e a qualidade de vida dos acometidos, perpetuando o estigma associado à doença. CONCLUSÕES: O estudo reforça a necessidade de implementação de estratégias mais efetivas de controle da doença, uma vez que o estabelecimento de formas graves e incapacitantes de hanseníase está diretamente relacionada à baixa QVRS mesmo no paciente curado.