Your browser doesn't support javascript.

RIPSA

Rede Interagencial de Informações para a Saúde

Sistematizando informação e construindo conhecimento para políticas de saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Desigualdades associadas à não realização de mamografia na zona urbana de Teresina-Piauí-Brasil, 2010-2011 / Inequalities associated with lack of mammography in Teresina-Piauí-Brazil, 2010-2011

Lages, Rafael Bandeira; Oliveira, Giuliano da Paz; Simeão Filho, Valter Morais; Nogueira, Felipe Melo; Teles, João Batista Mendes; Vieira, Sabas Carlos.
Rev. bras. epidemiol; 15(4): 737-747, Dez. 2012. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde | ID: lil-668246
FUNDAMENTOS: Estudos demonstram que a realização da mamografia em programas de rastreamento diminui a mortalidade do câncer de mama. Entretanto, há indícios de grande desigualdade no acesso à realização deste exame no Brasil. OBJETIVOS: Analisar o percentual de mulheres que não realizaram mamografia segundo variáveis socioeconômicas e demográficas em mulheres de 40 a 69 anos de Teresina-PI. MÉTODOS: Estudo transversal realizado em 2010/2011, com amostragem multifásica em cinco etapas, realizando-se entrevista face a face com cada mulher sorteada. Processou-se os dados com programa SPSS 19.0, realizando-se análise uni e multivariada. RESULTADOS: Dentre as 433 mulheres que responderam o questionário, a taxa de realização de mamografia foi de 75,3%,sendo que, destas, 17,2% a haviam realizado há mais de dois anos. A não realização de mamografia esteve relacionada com raça parda/negra (p = 0,030), ausência de companheiro (p = 0,041), menor grau de instrução (p = 0,010), menor renda (p < 0,001), tabagismo (p = 0,006), não possuir plano ou seguro de saúde (p < 0,001). O Sistema Único de Saúde (SUS) foi responsável por realizar 56,3% das mamografias. CONCLUSÃO: 24,7% das mulheres teresinenses nunca haviam realizado mamografia e 37,9% não a haviam realizado nos últimos dois anos. A não realização deste exame foi associada à existência de desigualdades racial e socioeconômica.