Your browser doesn't support javascript.

Secretaria de Estado da Saúde - BVS

Rede de Informação e Conhecimento

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Análise crítica da técnica de imunofluorescência direta no diagnóstico laboratorial da raiva do Instituto Pasteur de São Paulo

Alves, Nathalia de Barros Salvino.
São Paulo; s.n; 2020. 45 p. ilus.
Tese Português | SES-SP, SES-SP, SES SP - Instituto Pasteur, SES-SP, SES SP - Especializações, SES-SP | ID: biblio-1053127
Embora a Organização Mundial da Saúde preconize a técnica de Imunofluorescência Direta (IFD) como padrão ouro para o diagnóstico laboratorial da raiva, fatores externos podem influenciar o limiar de detecção do antígeno viral, como a conservação da amostra, a estrutura laboratorial, os insumos utilizados e o treinamento dos profissionais. O objetivo deste estudo foi analisar criticamente a técnica de IFD no Laboratório de Diagnóstico da Raiva do Instituto Pasteur, a fim de detectar eventuais fatores externos que possam limitar ou diminuir sua acurácia, visto que o resultado laboratorial tem papel determinante na tomada de decisão quanto ao tratamento de indivíduos expostos ao risco de infecção pelo vírus da raiva. Foram analisados os dados todas as amostras de sistema nervoso central (SNC) de animais suspeitos de infecção pelo vírus da raiva, recebidas durante o ano de 2019, além de uma avaliação prática de 300 amostras dos procedimentos laboratoriais relacionados à IFD no qual avaliou-se a fixação do tecido, bem como os diluentes controles para o uso do conjugado. Pode-se inferir que a fixação das lâminas sob ambas condições (temperatura ambiente e a -20ºC) demonstrou equivalência em relação à qualidade do tecido analisado. Todos os sistemas utilizados para diluição do conjugado apresentaram eficácia ficando evidente a viabilidade da substituição de suspensão de CVS produzido in vivo para in vitro. Ao analisar os resultados da IFD negativos, houve concordância de 99,9% com as demais técnicas aplicadas. A sensibilidade e especificidade da técnica de IFD foram avaliadas em relação aos resultados obtidos dentre todas as demais metodologias complementares conjuntamente, com sensibilidade de 94,3%, especificidade de 99,9% e acurácia de 99,8%. Em relação a intensidade de fluorescência de fragmentos de SNC de herbívoros positivos avaliados, observou-se que fragmentos de cerebelo e tronco encefálico apresentaram um ligeiro aumento na intensidade das células infectadas em relação ao hipocampo e córtex cerebral (AU).
Biblioteca responsável: BR84.1
Localização: BR84.1
Selo DaSilva