Your browser doesn't support javascript.

Secretaria de Estado da Saúde - BVS

Rede de Informação e Conhecimento

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Aspectos Clínicos e Laboratoriais de Pessoas Vivendo com HIV e Diagnóstico de Neurossífilis Assintomática Tratadas com Ceftriaxona: Uma Coorte Retrospectiva / Clinical and Laboratory Aspects of People Living with HIV and Diagnosis of Asymptomatic Neurosyphilis Treated with Ceftriaxone: A Retrospective Cohort

Filho, Eduardo Prevelato Athayde.
São Paulo; s.n; 2020. 67 p. graf, tab. (BR).
Tese Português | SES-SP, SES-SP, SES SP - Instituto de Infectologia Emílio Ribas, SES-SP, SES SP - Especializações, SES-SP | ID: biblio-1102504

Introdução:

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível (IST), causada pela espiroqueta Treponema pallidum e reemergente em nosso país. Pessoas com neurossífilis e que vivem com HIV (Human Immunodeficiency Virus) apresentam maior chance de falência terapêutica e maior tempo para normalização dos exames laboratoriais da sífilis. A neurossífilis pode ser sintomática ou assintomática e o tratamento de escolha é a penicilina G cristalina. Ceftriaxona constitui terapia alternativa, porém existem poucos dados que avaliem essa opção terapêutica. O objetivo do presente estudo foi descrever pessoas vivendo com HIV (PVHIV), diagnosticados com neurossífilis assintomática, que receberam tratamento com ceftriaxona.

Metodologia:

Estudo observacional, retrospectivo, realizado no Hospital Dia do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, no período de janeiro de 2015 a dezembro de 2018. Foram incluídas pessoas que vivem com HIV (PVHIV) com diagnóstico sorológico de sífilis e teste de VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) reagente no líquido cefalorraquidiano (LCR), assintomáticas do ponto de vista neurológico e que receberam tratamento com ceftriaxona. Foram avaliadas as características dos pacientes incluídos e a evolução laboratorial após tratamento (títulos de VDRL sérico e liquórico). Assim, os pacientes foram classificados em "respondedores" sorológicos ou liquóricos e "não respondedores" sorológicos ou liquóricos.

Resultados:

Foram incluídos 61 casos. A mediana de idade foi de 39 anos e 59 (96,7%) pacientes eram do gênero masculino. Trinta (57,7%) de 52 pacientes tinham sífilis precoce no momento do diagnóstico de neurossífilis. As medianas de VDRL sérico e contagem de células T CD4 foram de 164 e 629 células/ml, respectivamente. Cinquenta e quatro (88,6%) pacientes apresentaram títulos iniciais de VDRL sérico ≥1/16. Trinta e oito (77,5%) pacientes foram considerados "respondedores" sorológicos; trinta e quatro (79,4%) pacientes foram considerados "respondedores" liquóricos. Nenhum paciente apresentou sintomas neurológicos até à data do último exame de controle da sífilis.

Conclusão:

No presente estudo, a maioria dos pacientes foram jovens, de gênero masculino, com altos níveis de células T CD4 e VDRL sérico basal ≥1/16. Dentre os pacientes com exame de controle, 86,2% foram considerados "respondedores" sorológicos e/ou liquóricos. Ceftriaxona permite tratamento em regime de Hospital Dia e pode ser considerada como alternativa terapêutica em PVHIV com neurossífilis assintomática.
Biblioteca responsável: BR31.1
Localização: BR31.1
Selo DaSilva