Your browser doesn't support javascript.

Secretaria de Estado da Saúde - BVS

Rede de Informação e Conhecimento

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Adherence to antiretroviral therapy and changes in body composition in people living with HIV and AIDS / Adesão a terapia antirretroviral e alterações da composição corporal em pessoas vivendo com HIV/AIDS

Ferreira, Fernanda Carneiro Gomes; Souza, Sofia Oliveira de; Vasconcelos, Érica Priscila Carneiro Ouriques de; Santos, Ana Célia Oliveira dos.
Artigo Inglês | LILACS | ID: biblio-1359849

Introdução:

O sucesso do tratamento da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) depende da adesão à terapia antirretroviral (TARV). Desde o desenvolvimento da TARV, houve aumento significativo da sobrevida das pessoas que vivem com HIV/Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Porém, da mesma forma que atua de modo positivo, a terapia antirretroviral possui efeitos colaterais que acabam influenciando a taxa de adesão terapêutica ao tratamento medicamentoso. Esses efeitos incluem significativas alterações na composição corporal, resistência à insulina e dislipidemias.

Objetivo:

Avaliar a adesão à terapia antirretroviral e descrever alterações na composição corporal de adultos com diagnóstico de HIV/AIDS que usaram terapia antirretroviral por no mínimo 12 meses.

Métodos:

Estudo transversal realizado em um ambulatório de doenças infectoparasitárias em Hospital Universitário, referência no tratamento de pessoas que vivem com HIV/AIDS. Verificou-se dados sociodemográficos e clínicos nos prontuários. Foram registrados peso, altura, índice de massa corporal (IMC) e circunferência abdominal (CA). Realizou-se a bioimpedância segundo o protocolo da técnica tetrapolar para avaliação da composição corporal. Para avaliar a adesão terapêutica foi usado o Cuestionario para la Evaluación de la Adhesión al Tratamiento Antiretroviral.

Resultados:

Foram estudados 61 pacientes, 27 mulheres e 34 homens; a maior parte tinha acima de 40 anos e IMC classificado como sobrepeso. A maioria dos pacientes (86,8%) usavam TARV há mais de cinco anos e 78,6% se autodeclararam sedentários. Do total de pacientes que apresentaram circunferência abdominal adequada, 82,3% eram homens. Dos 11 pacientes que se classificaram como baixa adesão à TARV, 90,9% eram homens, e dos 33 que se classificaram como estritamente aderentes, 69,6% eram mulheres. Os homens apresentaram 28,63% de média de porcentual de massa gorda (%MG), enquanto as mulheres apresentaram 40,82%.

Conclusão:

A adesão estrita à TARV foi vista em mais da metade da população estudada. As mulheres apresentaram mais efeitos colaterais oriundos da TARV, visto que este grupo mostrou uma adesão maior ao tratamento. Isso reforça a relação entre altas taxas de adesão à terapia medicamentosa e alterações na composição corporal, como o aumento da deposição de gordura e riscos de doenças associadas.
Biblioteca responsável: BR2499
Selo DaSilva