Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Prevalência e resistência bacteriana aos agentes antimirobianos de primeira escolha nas infecções do trato urinário no município de São Luís-MA / Prevalence and bacterial resistance in urinary tract infections in São Luis, MA, Brazil in the period from 2005 to 2008

Santana, Tatiana Cristina Fonseca Soares de; Pereira, Elcimeri de Maria Marques; Monteiro, Silvio Gomes; Carmo, Monique Santos do; Turri, Rosimary de Jesus Gomes; Figueiredo, Patricia de Maria Silva.
Rev. patol. trop ; 41(4): 409-418, out.-dez. 2012. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-667742
O presente trabalho objetivou determinar a prevalência e resistência aos agentes antimicrobianos de primeira escolha dos patógenos envolvidos nas infecções do trato urinário diagnosticadas em um laboratório particular do município de São Luís-MA. Foram analisadas 875 (37por cento) uroculturas positivas realizadas de janeiro de 2005 a junho de 2008. Pacientes do sexo feminino foram as mais acometidas com 69por cento (603) dos casos. Os agentes responsáveis pelas uroculturas foramseparados em três grupos e as enterobactérias predominaram entre os isolados de 85,5por cento das amostras (Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Proteus mirabilis, Enterobacter aerogenes e Serratia marcenses). Cocos gram-positivos (Staphylococcus aureus, Enterococus faecalis) e bacilos gram-negativos não fermentadores (Pseudomonas aeruginosa) recuperados chegaram a 89(10,2por cento) e 38 (4,3por cento), respectivamente. Como são escassos os trabalhos de vigilância epidemiológicae laboratorial nesta região do território nacional, os dados obtidos foram relevantes no sentido de demonstrar a participação de patógenos com elevado grau de resistência aos antimicrobianosAmpicilina, Cefalotina e Sulfametoxazoltrimetropim em quadros de infecção de pacientes emtratamento ambulatorial (n igual 638; 73por cento) e pacientes hospitalizados (n igual 237; 27 por cento).
Biblioteca responsável: BR15.1